Terça, 01 Dezembro 2020 | Login
BREAKING NEWS
ECONOMIA: Criação de empregos em setembro atinge melhor nível em dez anos

ECONOMIA: Criação de empregos em setembro atinge melhor nível em dez anos Featured

 
 
Caged diz que 249,3 mil postos de trabalho foram abertos no mês. Pelo segundo mês seguido, o país criou novos empregos formais.
 
 
Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), da Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia, 313.564 postos de trabalho com carteira assinada foram abertos no último mês. O indicador mede a diferença entre contratações e demissões.
 
Este foi o melhor resultado para meses de setembro desde o início da série histórica do Caged, em 2010. No acumulado do ano, no entanto, o mercado de trabalho continua sentindo o impacto da pandemia. De janeiro a setembro, foram fechadas 558.597 vagas, o terceiro pior resultado para o período desde o início da série histórica, em 2010. Só perdendo para os nove primeiros meses de 2015 (-657.761 empregos) e 2016 (-683.597).
 
Setores
 
Na divisão por ramos de atividade, todos os cinco setores pesquisados criaram empregos formais em setembro. A estatística foi liderada pela indústria, com a abertura de 110.868 postos. O indicador inclui a indústria de transformação, de extração e de outros tipos.
 
Com 80.481 novos postos, os serviços vêm em segundo lugar. A criação de empregos no setor de serviços quase dobrou em relação a agosto. Em seguida, vem o grupo comércio, reparação de serviços automotores e de motocicletas, com 69.239 novas vagas.
 
Em quarto lugar, está o setor de construção, com 45.249 postos. O grupo que abrange agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura, abriu 7.751 postos em setembro.
 
Destaques
 
Na indústria, o destaque positivo ficou com a indústria de transformação, que contratou 108.283 trabalhadores a mais do que demitiu. Em segundo lugar, veio a indústria ligada ao saneamento e à gestão de resíduos, que abriu 1.446 vagas.
 
Os serviços tiveram desempenhos opostos conforme o ramo de atividade. O segmento de atividades administrativas e serviços complementares criou 42.349 postos. O setor de atividades profissionais, científicas e técnicas abriu 12.455 vagas.
 
Segmento mais afetado pelo distanciamento social, o setor de alojamento e alimentação voltou a criar empregos depois de seis meses de demissões e abriu 4.637 vagas. O segmento de educação, no entanto, continua a enfrentar dificuldades e demitiu 8.474 trabalhadores a mais do que contratou.
 
Desde abril, as estatísticas do Caged não detalham as contratações e demissões por segmentos do comércio. A série histórica anterior separava os dados do comércio atacadista e varejista.
 
Regiões
 
Todas as regiões brasileiras criaram empregos com carteira assinada em setembro. O Sudeste liderou a abertura de vagas, com 128.094 novos postos, seguido pelo Nordeste, com 85.336 postos criados, e pelo Sul, com mais 60.319 postos. O Norte abriu 20.640 postos de trabalho, e o Centro-Oeste criou 19.194 postos formais no mês passado.
 
Na divisão por unidades da Federação, a criação de empregos se disseminou pelo país. Todos os estados e o Distrito Federal abriram postos com carteira assinada em setembro.
 
As maiores variações positivas ocorreram em São Paulo, com a abertura de 75.706 postos; Minas Gerais, 36.505 postos, e Santa Catarina, 24.827 postos. Os três estados que menos criam postos de trabalho foram Amapá, 450 vagas; Acre, 577; e Roraima, 1.10. (Agência Brasil)
000

About Author

Related items

  • ECONOMIA EM QUEDA Coca-Cola transfere comando da América Latina para o Brasil
     
     
    Situação econômica do país vizinho vai de mal a pior após eleição de Alberto Fernández, ex-assessor de Cristina Kirchner. Até então, a Argentina era a sede da coordenação das filiais Coca-Cola do Paraguai, Uruguai, Chile, Peru e Bolívia. Empresa diz que mudança não afeta produção na região.
     
    Como parte de uma reestruturação global, a Coca-Cola decidiu transferir o comando da operação da companhia na América Latina para o Brasil. Com a mudança, o presidente da Coca-Cola Brasil, Henrique Braun, assumiu no mês passado o comando da operação da gigante de bebidas nos 22 países das Américas do Sul, Central e Caribe, mais o México.
    Até então eram 4 unidades de negócios na América Latina: Brasil, México, Latin Center e South Latin. Com a mudança, a coordenação das filiais do Paraguai, Uruguai, Chile, Peru e Bolívia, será transferida da Argentina para o Brasil.
    Presidente da Argentina Alberto Fernandez e Cristina Kirchner
     
    No final do ano passado, Alberto Fernandez, ex-assessor da ex-presidente e senadora, Cristina Kirchner, foi eleito presidente da Argentina. O país já estava com a economia em queda e continua só piorando, com calote da dívida externa e condenações de Kirchner por corrupção. 
    "Na América Latina, a reorganização contempla a criação de três novas zonas geográficas que trabalharão em estreita colaboração com as equipes de liderança globais. A Argentina se integrará na nova estrutura para o sul da região, que inclui também Brasil, Paraguai, Uruguai, Chile e Bolívia", informou, em nota, a Coca-Cola.
    Apesar da mudança representar uma mudança simbólica para a região, a Coca-Cola afirma que se trata de uma reestruturação corporativa, sem qualquer relação com fábricas.
    Após as repercussões da decisão, a Coca-Cola divulgou uma nota negando categoricamente a transferência de suas operações na Argentina.
    "A Coca-Cola Argentina desmente categoricamente que esteja contemplando uma transferência de suas operações. A companhia e suas engarrafadoras seguirão operando com o mesmo compromisso com que vêm atuando há 78 anos naquele país", afirma a companhia.
    Segundo a empresa, a reestruturação na região faz parte de uma reorganização que está sendo feita em nível mundial "com o objetivo de acelerar a estratégia de crescimento", combinando "a capacidade de sua escala global e as necessidades locais dos mercados".
    A partir de 1º e janeiro, a Argentina será integrada à nova estrutura para o sul da região, que também inclui Brasil, Paraguai, Uruguai, Chile e Bolívia, explicou a multinacional.
    "Roberto Mercade foi nomeado presidente da Operação Norte (México), Luisa Ortega, presidente da Operação Central (Colômbia, Equador, Venezuela, Peru e outros países da América Central e do Caribe), e Luis Felipe Avellar, Presidente da Operação Sul (Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Uruguai, Paraguai)", informou a Coca-Cola.
    A companhia possui atualmente 11 fábricas na Argentina, que empregam mais de 12 mil funcionários.
    Segundo o jornal "Clarín", a reestruturação deverá resultar em um enxugamento da estrutura da companhia na Argentina. A reportagem afirma que a empresa já lançou um plano de aposentadoria voluntária no Canadá, Estados Unidos e Porto Rico, e que o programa será estendido para a Argentina.
    O jornal "La Nacion" afirma que uma questão em aberto é o que acontecerá com o prédio de escritórios que a Coca-Cola inaugurou há poucos anos, na Avenida General Paz, em Buenos Aires, que era até então ocupado por funcionários encarregados de funções regionais. (Fonte: G1)

Leave a comment

Make sure you enter all the required information, indicated by an asterisk (*). HTML code is not allowed.