Sexta, 19 Outubro 2018 | Login
Praia Clube e Sesc/RJ largam na frente em partidas duríssimas contra o Vôlei Nestlé e Minas, respectivamente.
 
A julgar pelos dois primeiros jogos das semifinais da Superliga Feminina de Vôlei, realizados nesta sexta-feira, 23/03, fica impossível indicar quem são os favoritos às finais da competição. Foram duas partidas vencidas somente no tie-break e com parciais apertadas. Os times voltam a se enfrentar na próxima segunda-feira, 26, com a inversão dos mandos de jogos. São mata-matas em melhor de cinco jogos e quem vencer três partidas avançará para a grande final da Superliga.
Praia 3 X 2 Vôlei Nestlé
Praia
 
Jogando em Uberlândia, neste sexta-feira, o Dentil/Praia Club largou na frente nos playoffs das semifinais da Superliga. Diante de 2.200 torcedores, que empurraram o time da casa durante os cinco sets, a equipe mineira venceu por 3 sets a 2 com parciais de 23/25, 25/19, 25/23, 25/27 e 15/13.
Todas as jogadoras do Praia jogaram muito bem e a ponteira Fernanda Garay foi o destaque da partida. Ela foi eleita a melhor da partida e ficou com o Troféu VivaVôlei Cimed. Garai marcou 19 pontos. A central Fabiana também se destacou nesse jogo com 21 acertos. E para se ter uma ideia de como foi a partida no Triângulo Mineiro, apesar da derrota, o Vôlei Nestlé teve a maior pontuadora do confronto, com 24 pontos, que foi a atacante Tandara.
Vôlei Osasco
 
No final do jogo, o técnico do Praia deu a sua opinião sobre a partida. “Foi um jogo disputado, difícil e o time acreditou até o final. Tivemos a chance de fechar no quarto set e faltou um pouco de lucidez naquele momento. No entanto, o importante foi termos conseguido reverter o placar no tie-break mesmo não começando bem a parcial", disse Paulo Coco.
As duas equipes voltarão se enfrentar na segunda partida da série na próxima segunda-feira (26.03), às 21h30, no Ginário José Liberatti, em Osasco.
O jogo
O Vôlei Nestlé começou melhor, principalmente, no saque e fez 7/3. Jogando também melhor nos contra-ataques, as osasquenses mantiveram a vantagem no placar e venceram o primeiro set por 25/23.
Na segunda parcial, o Praia Clube melhorou abrindo 4 a 0 e, jogando com velocidade, chegaram a fazer 10 a 4. O técnico de Osasco promoveu algumas mudanças e chegou e a encostar no placar de 21 a 18, mas, não conseguiu evitar a derrota por 25/19.
Com a partida empatada, o terceiro set começou equilibrado e mais uma vez com a Fernanda Garay virando todas as bolas. A parcial foi equilibrada até o final com o time da casa vencendo por 25/23.
No quarto set, o Praia comandou o placar apertado até 15 a 14. Daí para frente, as visitantes reagiram e empataram por 19 a 19. Disputado ponto a ponto, o set foi vencido pelo Vôlei Nestlé por 27/25.
No quinto e decisivo set, o Vôlei Nestlé chegou a fazer 3 a 0 pressionando o time da casa. Porém, numa reação incrível e mostrando também muito equilíbrio, as mineiras acabaram fazendo 15 a 13, vencendo o a primeira partida dos playoffs por 3 sets a 2.
Minas 2 X 3 Sesc/RJ
Sesc rio
 
Em jogo fantástico também nesta sexta-feira, o Sesc-RJ bateu o Minas no tie-break e também saiu na frente por uma vaga na final da Superliga
Jogando diante de sua vibrante torcida na Arena JK, o Camponesa/ Minas, do técnico italiano Stefhani Lavorine, começou arrasador fazendo 2 a 0 no placar. Porém, o time carioca, sob o comando de Bernardinho, reagiu e venceu de forma emocionante o primeiro jogo dos playoffs por 3 sets a 2, com parciais de 26/24, 25/23, 21/25, 25/27 e 15/7. O destaque do confronto em Belo Horizonte foi a ponteira Monique Pavão, do Sesc. Ela recebeu o Troféu VivaVôlei de melhor em quadra.
 Minas Tênis
Mais de 3.500 torcedores lotaram a Arena JK para empurrar o time da casa. Na entrada das jogadoras em quadra, parecia final de campeonato, pela recepção calorosa dos torcedores mineiros. Antes da partida, a levantadora Karine foi homenageada com flores e um discurso que a emocionou. Grávida de sete meses aos 39 anos, ela não entrará em quadra mais. No entanto, Karine está ficando no banco de reservas apenas para incentivar as companheiras. A jogadora completou 20anos de carreira e defendeu a equipe minas-tenista em três temporadas fazendo 150 partidas com a camisa minas-tenista.
Os dois próximos jogos da série serão disputados no Rio de Janeiro, nos dias 26, às 21h30, e 31 de março, às 15h (o Minas disponibilizou ingressos e transporte para este último duelo). Se necessário for, o quarto jogo volta para Belo Horizonte, previsto para o dia 3 de abril. A equipe carioca decide o quinto confronto, se necessário, na Arena da Barra, no dia 6 de abril.
O jogo
O Sesc-RJ mostrou superioridade no inicio do jogo, aproveitando de erros na recepção do Minas, e chegou a abrir 7 a 3 no placar. Mas, daí para frente, as mineiras reagiram e conseguiram empatar fazendo 14 a 14., No final, o Minas virou com 24 a 23 e fecharam o set por 26/24.
No segundo set, o Minas começou embalado pela vitória na primeira parcial. e abriram 6 a 2 no placar. Apesar da reação das cariocas, as mineiras se distanciaram fazendo um placar de 21 a 15. No final, o Minas venceu também o segundo set por 25/23, fazendo 2 a 0.
No terceiro set, a história do jogo começou a mudar. A parcial começou equilibrada e foi assim até os últimos. Na reta final, o time do Rio se distanciou e fechou a parcial por 25/21.
Com 2 a 1 no jogo para o time da casa, o quarto set começou com o Sesc-RJ ainda motivado pela vitória anterior. Mas, logo o Minas se impôs e abriu 6/3 no placar. A vantagem minas-tenista aumentou, mas, logo o time de Bernadinho reagiu empatou em 19 a 19. Mostrando nervosismo, as mandantes até chegaram ao match point (24/20), mas o Sesc chegou ao empate e conseguiu a virada por 27/25, empatando a partida em 2 sets a 2.
No quinto set, o Minas começou desestabilizado emocionalmente e errando vários ataques. Tanto que o Sesc-RJ chegou a abrir 5/1, placar pouco comum entre duas equipes do gabarito de Sesc e Mina. O time da casa conseguiu ainda diminuir a desvantagem, mas, não o suficiente para evitar a derrota por 157 e a partida por 3 sets a 2.
Desafio eletrônico
Nesta fase de semifinal da Superliga Feminina a novidade é desafiou eletrônico. Superliga foi o desafio. Cada técnico tem o direito de solicitar até dois desafios por set. A arbitragem consulta o vídeo para tomar a decisão. Se a reivindicação estiver correta, o árbitro revisará a marcação e o desafio não será computado. Se o pedido for malsucedido, o técnico solicitante terá um pedido a menos no set.
Nas duas partidas desta sexta-feira, tanto em Uberlândia como em Belo Horizonte, as equipes fizeram uso do desafio e muitos pontos duvidosos foram modificados com a presença do computador.

Published in Esporte

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.