Quarta, 08 Abril 2020 | Login
GERAL: Estação brasileira de pesquisa será uma das mais modernas da Antártica

GERAL: Estação brasileira de pesquisa será uma das mais modernas da Antártica Featured

TV Brasil vai transmitir a reinauguração ao vivo nesta terça, dia 14. Evendo será comandada pelo vice-presidente da República Hamilton Morão.
Depois de seis dias de viagem no navio Almirante Maximiano a equipe da Empresa Braisl de Comunicação (EBC) finalmente chegou em terra firme na Antártica. O desembarque foi realizado na ilha de Rei George onde fica a Estação Comandante Ferraz.
No local, está praticamente tudo pronto para a reinauguração do centro de pesquisas do Brasil no continente gelado. Os militares da Marinha que trabalham estão realizando os últimos testes elétricos e hidráulicos na estação. Do lado de fora, está sendo montada a estrutura onde vai ser realizada a cerimônia de reinauguração que vai contar com a presença do vice-presidente da República Hamilton Mourão e do ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes.
O evento vai ser transmitido ao vivo pela TV Brasil e pelas redes sociais da EBC. O governo Federal investiu cerca de US$ 100 milhões na construção do novo centro de pesquisas do Brasil na Antártica, que possui 17 laboratórios e pode hospedar 64 pessoas.
O projeto de engenharia da Estação Comandante Ferraz foi desenvolvido para reduzir os impactos ambientais. Trinta por cento da energia consumida no centro de pesquisa vem de fontes renováveis produzidas por placas solares e por uma mini usina eólica instalada no local.
Outro detalhe que chama a atenção é que o calor emitido pelos geradores de energia ao invés de ser lançado para o ar é canalizado para aquecer a usina. Detalhes que fazem a Estação Comandante Ferraz ser considerada uma das estações mais modernas da região Antártica.
O professor de microbiologia da Universidade Federal de Minas Gerais, Luiz Rosa, será um dos primeiros pesquisadores que vai utilizar as novas instalações da nova estação. Ele já está na Antártica montando o laboratório onde vai trabalhar.
O professor diz que a nova estação vai permitir que as pesquisas continuem sendo realizadas também no inverno.Luiz estuda fungos que são encontrados apenas no polo sul. A pesquisa pode ajudar no desenvolvimento de novos antibíoticos que poderão ser usados para tratar doenças como dengue e chicungunya.
Outra pesquisa desenvolvida pelo professor Luiz permitiu descobrir plantas que ficam durante 6 meses debaixo da neve e sobrevivem. “Por algum motivo elas não congelam e isso pode ajudar no desenvolvimento de anti congelantes para a indústria e também para a medicina”.
O Brasil faz parte de um seleto grupo de 29 países que possuem estações científicas na Antártica. Esta presença é muito importante porque de acordo com o tratado antártico, só quem desenvolve pesquisas na região poderá definir o futuro do continente gelado.
O professor de Biologia da Universidade de Brasília, Paulo Câmara, que está pela sétima vez na Antártica, diz que a presença brasileira na região tem uma grande importância geopolítica para garantir a participação do país em decisões sobre um continente que apresenta uma grande biodiversidade. “A Antártica é tão importante quanto a floresta amazônica. Aqui encontramos espécies de plantas com 600 anos de existência que ainda são pouco conhecidas”. (Fonte: Agência Brasil)
000

About Author

Related items

  • POLÍTICA DO CAOS: Marcel van Hattem acusa Maia de impor "ditadura" na presidência da Câmara
    Hoje, principalmente, na pessoa de Rodrigo Maia, o DEM atrasa o Brasil e não ajuda na governabilidade do país. Ao contrário do seu discurso eleitoreiro, Maia não permitiu nem a discussão da proposta para reduzir salários de parlamentares e do fundo partidário bilionário na luta contra o coronavírus.
    Por Renato Ferreira -
    Ao longo da história política do Brasil, principalmente, após a queda do regime militar, o DEM (Democratas), antigo PFL (Partido da Frente Liberal), foi uma legenda que sempre atuou na esfera centro-direita e que, sem dúvida, sempre procurou ajudar o governo da União a enfrentar os desafios e encontrar soluções para os mais diversos problemas da administração pública. A famosa governabilidade tão solicitada por quaisquer governante após a posse.
    Mas, isso mudou nas últimas décadas, quando, com outras figuras em sua direção e em postos de destaque, o partido passou a atuar muito mais como adversário do governo, numa busca insana do poder pelo poder, sem medir as consequências para atingir esse objetivo. Hoje, as principais lideranças do DEM, fazem, praticamente, uma aposta no quanto pior, melhor. Aquela antiga característica de um partido de centro e conciliador ficou apenas na história do antigo PFL, que já teve em seus quadros grandes políticos de estatura moral, como os ex-vices-presidentes da República Marco Maciel, de Pernambuco, e Aureliano Chaves, de Minas Gerais, dentre outros políticos e estadistas do Brasil.
    Rodrigo Maia 2
    Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara dos Deputados
    E, hoje, quem melhor representa essa nova cara do DEM é o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (RJ), nascido no Chile, filho do ex-prefeito do Rio, César Mais. Outrora, um deputado sem nenhuma expressão no cenário político nacional, Rodrigo Maia, acabou virando presidente da Câmara num momento de turbulência e de falta de lideranças políticas no Congresso. Em 2019, ele foi reconduzido ao cargo com apoio de bolsonaristas, mas, como já estava de olho também na Presidência da República, Maia não perdeu tempo e aproveitou a fragilidade do PSL que entrou em conflito do o presidente Bolsonaro, para se transformar num dos principais adversários do presidente da República.
    Com apoio da oposição, pois, passou a fazer o papel de opositor inconsequente, como sempre fizeram o PT, PSOL, PSB, Rede e PCdoB, hoje, Rodrigo Maia parece estar adorando ser o principal adversário de Bolsonaro no Congresso Nacional. A prova disso é que o deputado fluminense não passa um dia sequer sem aparecer nos jornais da rede Globo de Televisão, ferrenha adversária do governo, criticando o presidente da República e tentando passar para o público que todas as políticas bem sucedidas só são aprovadas com o apoio dele e do Poder Legislativo. Numa clara tentativa de isolar Jair Bolsonaro.
    Mas, não é bem assim. A prática de Rodrigo Maia e, consequentemente, da Câmara dos Deputados, é bem diferente do que ele prega para a plateia. E quem denuncia essa prática nefasta do principal representante do novo DEM, é o jovem deputado Marcel van Hattem, eleito em 2018 pelo Novo do Rio Grande do Sul.
    Membro de um partido que não faz uso de dinheiro público e, muito menos, do fundo partidário eleitoral, van Hattem e seu partido apresentaram nesta semana uma proposta para que os quase R$ 3 bilhões do fundo partidário fossem destinados em sua totalidade ou em parte para a área da Saúde no combate à pandemia do novo coronavírus. Ao lado dessa medida, o Novo propôs também que fosse discutida a redução de salário dos parlamentares neste momento em que toda a sociedade vem sofrendo e, certamente, irá sofrre mais ainda em consequência da quarentena.
    Só que, ao contrário do discurso politiqueiro de Rodrigo Maia, durante a votação do Orçamento de Guerra, na sexta-feira, 03/04, que de qualquer jeito o parlamento teria que aprovar para dar condições legais ao governo de usar recursos do orçamento durante a crise nacional e mundial, Maia agiu como um verdadeiro "ditador do parlamento" e não permitiu que a proposta do Novo fosse nem mesmo colocada em pauta durante a votação por teleconferência.
    Na sexta-feira mesmo, indignado com a atitude de Mais, Macel van Hattem, o criticou nas redes sociais: “Não podemos admitir, que se instale nesse Parlamento uma ditadura. Não vou admitir que o senhor (Rodrigo Maia) decida quem fala e quem não fala, de acordo não com o que está escrito na lista de discussão, mas de acordo com o que Vossa Excelência decide no momento, deixando o microfone fechado para todo mundo que está acompanhando em casa. Isso não é democracia”.
    Segundo o deputado gaúcho, Maia impediu a discussão para não votar a proposta do Novo. Para ele, a sessão estaria sendo conduzida de “maneira irregular". Não está de acordo com o Regimento Interno", disse o jovem parlamentar.
    O líder do partido, deputado Paulo Ganime (RJ), também criticou a decisão: "O rito regimental não foi cumprido para a nossa emenda", que defendia o uso do dinheiro do Fundão eleitoral para ações contra o Covid-19. A proposta do Novo foi defendida também pelo deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).
    Apoio da esquerda
    E para tomar essa atitude, Rodrigo Maia contou com apoio irrestrito dos partidos de oposição.
    Corte de salários
    Para o deputado Paulo Pimenta (PT-RS), a emenda que propõe o corte de salários tem o objetivo de punir a classe trabalhadora. "Querem cortar salário de quem ganha R$ 6 mil, mas não taxam as grandes fortunas", criticou.
    O deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) também criticou a proposta de corte de salários. "Não podemos fazer demagogia ou guerra política no momento, alimentar posições de desprezo pelo serviço público", disse. Para o representante do PCdoB, será por meio do Sistema Único de Saúde (SUS) e das políticas assistenciais que "o País vai enfrentar a pandemia da Covid-19". (Renato Ferreira é editor do Portal Notícias & Opinião - Fonte: Agência Câmara de Notícias)
  • CORONAVÍRUS: G20 anuncia injeção de US$ 5 tri na economia mundial contra pandemia
    Grupo se comprometeu a fazer o que for necessário para minimizar danos econômicos e sociais da pandemia em teleconferência com Bolsonaro e Araújo.
    Diante da maior pandemia que o planeta já viveu, nesta quinta-feira, 26/03, o G20 anunciou que vai injetar US$ 5 trilhões — o equivalente a R$ 25 trilhões — na economia mundial como forma de combater a pandemia do novo coronavírus, que provoca a covid-19, e os seus danos na economia de todos os países.
    "Estamos injetando US$ 5 trilhões na economia global como parte da política fiscal direcionada, medidas econômicas e esquemas de garantia para combater a impactos sociais, econômicos e financeiros da pandemia", informou o grupo dos 20 países mais ricos do mundo em um comunicado após reunião extraordinária realizada na Arábia Saudita.
    O informativo diz ainda que o grupo "se compromete a fazer o que for necessário e a usar todas as ferramentas de política disponíveis para minimizar os danos econômicos e sociais da pandemia, restaurar o crescimento global, manter a estabilidade do mercado e fortalecer a resiliência".
    Bolsonaro e Araújo
    O Brasil foi representado na reunião virtual pelo presidente Jair Bolsonaro e pelo ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo.
    A reunião do G20 se concentrou em encontrar meios de cooperação e de como os países devem agir para enfrentar a epidemia, mas também deixar os fluxos de comércio abertos e manter as cadeias de suprimento.
    Teleconferência
    Bolsonaro levou à cúpula virtual do G20 o mesmo discurso que tem defendido internamente no combate ao coronavírus, de defender a saúde das pessoas, mas também os empregos. O presidente levantou mais uma vez o uso da hidroxicloroquina como tratamento para covid-19, mesmo sem pesquisas conclusivas.
    "O presidente concentrou-se em falar da necessidade de proteger a saúde das pessoas e ao mesmo tempo proteger os empregos, pensando prioritariamente nas pessoas mais vulneráveis. Falou do avanço das pesquisas, no Brasil, nos Estados Unidos e em outros lugares, sobre o tratamento com hidroxicloroquina", disse uma fonte diplomática.
    Em fotos distribuídas pelo Palácio do Planalto, Bolsonaro aparece com uma das versões do medicamento usado contra malária, produzido por um laboratório brasileiro, na mesa a sua frente. Em outra, enquanto está falando, segura a caixa do medicamento.
    Remédio em estudo
    Na última quarta-feira, 25, o Ministério da Saúde decidiu abrir um estudo nacional e anunciou que vai adotar a cloroquina no tratamento de casos graves de infecção pelo novo coronavírus, mas ressaltou que o medicamento não deve ser usado fora de ambientes hospitalares.
    O ministro da Saúde, Henrique Mandetta, disse que a intenção é deixar o medicamento à disposição dos médicos para o caso de decidirem usar em pacientes graves, com determinadas condições, que possam responder ao medicamento. (Fonte: R7)
  • JANELA ELEITORAL: Começa prazo para vereador mudar de partido antes das eleições
    E a corrida já começou. Até 3 de abril vereadores podem ir para outro partido sem perder o mandato.
     
    O vereador que quiser mudar de partido para se candidatar à reeleição ou a prefeito nas eleições municipais deste ano tem de hoje, 05/03, até o dia 3 de abril para fazê-lo, na chamada “janela partidária”.
    Essa janela antes de eleições, inserida na legislação pela minirreforma eleitoral de 2015, é a única oportunidade em que o detentor de cargo eletivo proporcional, como o de vereador, pode mudar de partido livremente, sem risco de perder o mandato.
    O prazo determinado pela Justiça Eleitoral para a janela partidária sempre se encerra seis meses antes do pleito. Neste ano, o primeiro turno das eleições está marcado para 4 de outubro, e o segundo turno, no dia 25 do mesmo mês.
    CALENDÁRIO DAS ELEIÇÕES
    Outras datas previstas no calendário eleitoral devem ser seguidas pelos candidatos e partidos que vão disputar o pleito. Em 4 de abril, todas as legendas que pretendem disputar as eleições devem estar com registro aprovado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
    No mesmo mês, o tribunal vai lançar uma campanha nas emissoras de rádio e televisão para incentivar a participação das mulheres nas eleições e esclarecer o eleitor sobre o funcionamento do sistema eleitoral.
    Em 16 de junho, o TSE deve divulgar o valor corrigido do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC), criado pelo Congresso Nacional. Conforme o orçamento da União, R$ 2 bilhões estão previstos para o fundo.
    Em julho, os partidos estão autorizados a promover as convenções internas para escolha de seus candidatos, que deverão ter os registros das candidaturas apresentados à Justiça Eleitoral até 15 de agosto.
    No dia seguinte, a propaganda eleitoral está autorizada nas ruas e na internet até 3 de outubro, dia anterior ao primeiro turno.
    Em setembro, a partir do dia 19, nenhum candidato poderá ser preso, salvo em flagrante. No caso dos eleitores, a legislação eleitoral também proíbe a prisão nos dias próximos ao pleito. No dia 29, eleitores só podem ser presos em flagrante. (Fonte: Agência Brasil)

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.