Segunda, 30 Março 2020 | Login
POLÍTICA: Com o slogan "Aqui é Brasil", Governo lança campanha para divulgar ações regionais

POLÍTICA: Com o slogan "Aqui é Brasil", Governo lança campanha para divulgar ações regionais Featured

Serão exibidas peças específicas para cada estado.
 
O governo lançou nesta quarta-feira, 18/12, uma nova campanha publicitária para divulgar ações federais nos estados. As peças começam a ser exibidas ainda nesta quarta-feira em canais de televisão aberta, nos rádios, nos cinemas, na internet e nos jornais.
A Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República (Secom), responsável pela campanha, não informou o custo total das veiculações nos meios de comunicação."É obrigação do estado, do governo, informar a população, prestar contas do que está fazendo, dar publicidade dos seus atos", disse o titular da Secom, Fábio Wajgarten.
De acordo com a Secom, a campanha engloba filmes publicitários nas áreas de infraestrutura, social, segurança pública e economia, sendo uma peça destinada a cada setor. No contexto regional estão disponíveis 45 filmes, com ênfase em ações, obras e programas do governo federal nos 26 estados e no Distrito Federal.
Aqui é Brasil
O slogan da campanha foi definido como “Aqui é Brasil”.Fábio Wajgarten disse que do total a ser gasto na campanha publicitária, 64% serão destinados a veículos regionais. "Estamos fortalecendo os veículos regionais e acabando com o império de um só grupo", disse.
As peças da campanha serão divulgadas em dois períodos: de 18 a 30 de dezembro e de 6 a 19 de janeiro. O público também poderá acessá-las pelo portal www.gov.br/aquiebrasil, que vai concentrar informações nacionais e regionais das principais ações do governo federal. (Fonte: Agência Brasil)
000

About Author

Related items

  • CORONAVÍRUS: G20 anuncia injeção de US$ 5 tri na economia mundial contra pandemia
    Grupo se comprometeu a fazer o que for necessário para minimizar danos econômicos e sociais da pandemia em teleconferência com Bolsonaro e Araújo.
    Diante da maior pandemia que o planeta já viveu, nesta quinta-feira, 26/03, o G20 anunciou que vai injetar US$ 5 trilhões — o equivalente a R$ 25 trilhões — na economia mundial como forma de combater a pandemia do novo coronavírus, que provoca a covid-19, e os seus danos na economia de todos os países.
    "Estamos injetando US$ 5 trilhões na economia global como parte da política fiscal direcionada, medidas econômicas e esquemas de garantia para combater a impactos sociais, econômicos e financeiros da pandemia", informou o grupo dos 20 países mais ricos do mundo em um comunicado após reunião extraordinária realizada na Arábia Saudita.
    O informativo diz ainda que o grupo "se compromete a fazer o que for necessário e a usar todas as ferramentas de política disponíveis para minimizar os danos econômicos e sociais da pandemia, restaurar o crescimento global, manter a estabilidade do mercado e fortalecer a resiliência".
    Bolsonaro e Araújo
    O Brasil foi representado na reunião virtual pelo presidente Jair Bolsonaro e pelo ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo.
    A reunião do G20 se concentrou em encontrar meios de cooperação e de como os países devem agir para enfrentar a epidemia, mas também deixar os fluxos de comércio abertos e manter as cadeias de suprimento.
    Teleconferência
    Bolsonaro levou à cúpula virtual do G20 o mesmo discurso que tem defendido internamente no combate ao coronavírus, de defender a saúde das pessoas, mas também os empregos. O presidente levantou mais uma vez o uso da hidroxicloroquina como tratamento para covid-19, mesmo sem pesquisas conclusivas.
    "O presidente concentrou-se em falar da necessidade de proteger a saúde das pessoas e ao mesmo tempo proteger os empregos, pensando prioritariamente nas pessoas mais vulneráveis. Falou do avanço das pesquisas, no Brasil, nos Estados Unidos e em outros lugares, sobre o tratamento com hidroxicloroquina", disse uma fonte diplomática.
    Em fotos distribuídas pelo Palácio do Planalto, Bolsonaro aparece com uma das versões do medicamento usado contra malária, produzido por um laboratório brasileiro, na mesa a sua frente. Em outra, enquanto está falando, segura a caixa do medicamento.
    Remédio em estudo
    Na última quarta-feira, 25, o Ministério da Saúde decidiu abrir um estudo nacional e anunciou que vai adotar a cloroquina no tratamento de casos graves de infecção pelo novo coronavírus, mas ressaltou que o medicamento não deve ser usado fora de ambientes hospitalares.
    O ministro da Saúde, Henrique Mandetta, disse que a intenção é deixar o medicamento à disposição dos médicos para o caso de decidirem usar em pacientes graves, com determinadas condições, que possam responder ao medicamento. (Fonte: R7)
  • SAÚDE: Governo federal libera R$ 92 milhões para SP combater coronavírus
    Sobe para 50 número de pacientes confirmados com a doença no estado de SP. Até quinta, eram 46 pessoas. Com os recursos, o estado terá mil leitos de UTI para os casos mais graves.
    Nesta sexta-feira, 13/03, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou que o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, confirmou que o governo federal vai liberar R$ 92 milhões para que o estado tenha mil leitos de UTI destinados a pacientes que possam a vir a contrair o coronavírus e precisar de internação hospitalar grave.
    O dinheiro também será destinado para a compra de equipamentos. A informação foi divulgada por Doria durante uma coletiva para a imprensa nesta sexta. O secretário estadual da Saúde, José Henrique Germann, afirmou ainda que subiu para 50 nesta sexta o número de casos de pacientes confirmados com a doença no estado. Até quinta-feira (12), eram 46 pessoas.
    Na quinta, o infectologista David Uip, coordenador do Centro de Contingenciamento do Novo Coronavírus em São Paulo, afirmou que Doria se encontraria com o ministro em São Paulo nesta tarde para pedir R$ 225 milhões para a mobilização de mil leitos para pacientes com a doença.
    Doria confirmou que a reunião ocorrerá e que pedirá para Mandetta que o dinheiro seja liberado o quanto antes pelo governo federal. Os recursos liberados não são o total que o estado precisa."Iremos transformar leitos comuns em leitos de UTI, mas queremos ter 1.400 leitos novos para o tratamento do coronavírus e para os equipamentos para isso. Decidimos que precisamos de um valor para isso, R$ 225 milhões, e o desembolso começa hoje com a liberação de R$ 92 milhões", disse Germann.
    Questionado se as medidas são suficientes, Doria respondeu nesta sexta: "Estamos absolutamente convictos. Eu não sou governador pra tomar atitudes inspiracionais em temas de saúde. Eu escuto especialistas, ouço e atendo", assinalou
    ."Não sou especialista em chutes, um governador não deve chutar. A informação até esse presente momento é que a nossa atitude é absolutamente correta pra situação atual. Conforme falamos ontem nós fundamentamos em fatos e informações reais, não em suposições", disse.
    Transmissão comunitária No estado de São Paulo, segundo Uip, já há transmissão comunitária do coronavírus. Este é o terceiro estado epidemiológico da doença.Dos 46 casos confirmados, 44 estão na capital, 1 em Ferraz de Vasconcelos e 1 em Santana de Parnaíba. No estado há 555 casos suspeitos da doença.
    Primeiro estágio: são registrados apenas importados.
    Transmissão local - segundo estágio: uma pessoa pega a doença de outra que trouxe o vírus de uma viagem ao exterior.
    Transmissão comunitária - terceiro estágio: quando não dá pra identificar quem passou a doença pra quem. "Na minha leitura, você precisava de três dados que nós já temos.Você precisava de entrada do vírus no Brasil, já temos. Precisávamos da transmissão local, já temos.
    Segundo o médico ainda não é recomendado cancelar eventos e aglomerações. "Estas medidas não são aplicáveis hoje, mas não significa que não serão aplicáveis amanhã. Mas não tem sentido você fechar o estado porque você tem 46 casos. Pode ser que amanhã as medidas sejam totalmente diferentes das que estamos tomando hoje. (Fonte: G1)
  • JANELA ELEITORAL: Começa prazo para vereador mudar de partido antes das eleições
    E a corrida já começou. Até 3 de abril vereadores podem ir para outro partido sem perder o mandato.
     
    O vereador que quiser mudar de partido para se candidatar à reeleição ou a prefeito nas eleições municipais deste ano tem de hoje, 05/03, até o dia 3 de abril para fazê-lo, na chamada “janela partidária”.
    Essa janela antes de eleições, inserida na legislação pela minirreforma eleitoral de 2015, é a única oportunidade em que o detentor de cargo eletivo proporcional, como o de vereador, pode mudar de partido livremente, sem risco de perder o mandato.
    O prazo determinado pela Justiça Eleitoral para a janela partidária sempre se encerra seis meses antes do pleito. Neste ano, o primeiro turno das eleições está marcado para 4 de outubro, e o segundo turno, no dia 25 do mesmo mês.
    CALENDÁRIO DAS ELEIÇÕES
    Outras datas previstas no calendário eleitoral devem ser seguidas pelos candidatos e partidos que vão disputar o pleito. Em 4 de abril, todas as legendas que pretendem disputar as eleições devem estar com registro aprovado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
    No mesmo mês, o tribunal vai lançar uma campanha nas emissoras de rádio e televisão para incentivar a participação das mulheres nas eleições e esclarecer o eleitor sobre o funcionamento do sistema eleitoral.
    Em 16 de junho, o TSE deve divulgar o valor corrigido do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC), criado pelo Congresso Nacional. Conforme o orçamento da União, R$ 2 bilhões estão previstos para o fundo.
    Em julho, os partidos estão autorizados a promover as convenções internas para escolha de seus candidatos, que deverão ter os registros das candidaturas apresentados à Justiça Eleitoral até 15 de agosto.
    No dia seguinte, a propaganda eleitoral está autorizada nas ruas e na internet até 3 de outubro, dia anterior ao primeiro turno.
    Em setembro, a partir do dia 19, nenhum candidato poderá ser preso, salvo em flagrante. No caso dos eleitores, a legislação eleitoral também proíbe a prisão nos dias próximos ao pleito. No dia 29, eleitores só podem ser presos em flagrante. (Fonte: Agência Brasil)

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.