Sábado, 14 Dezembro 2019 | Login
BRICS:  Bolsonaro recebe líderes do bloco para reunião de cúpula em Brasília

BRICS: Bolsonaro recebe líderes do bloco para reunião de cúpula em Brasília Featured

Chefes de Estado Grupo, formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, estão reunidos em Brasília. Agenda prevê discussão sobre temas como Venezuela, Bolívia, protestos em Hong Kong e mudanças climáticas.
O presidente Jair Bolsonaro recebeu nesta quarta-feira, 13/11, em Brasília, os chefes de Estado dos quatro países que fazem parte do Brics, ao lado do Brasil, para mais uma reunião anual do grupo. Além do Brasil, formam o Brics, a Rússia, Índia, China e África do Sul. r
A programação da 11ª Cúpula do Brics vai até esta quinta, 14, no Palácio Itamaraty, sede do Ministério das Relações Exteriores.
Na pauta da cúpula então temas como futuro do bloco, crise na Venezuela, crise na Bolívia, série de protestos em Hong Kong e na Caxemira, além das mudanças climáticas.
Bolsonaro também terá reuniões separadas com cada chefe de Estado ou de governo do bloco.
Além do Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, participam do encontro do Brics: Vladimir Putin, presidente da Rússia; Narendra Modi, primeiro-ministro da Índia; Xi Jinping, presidente da China; e Cyril Ramaphosa, presidente da África do Sul.
Presidência brasileira
O Brasil está na presidência rotativa dos Brics em 2019 e, segundo o Itamaraty, busca deixar a marca de "pragmatismo" no mandato. Passados mais de dez meses, no entanto, os "resultados concretos e perceptíveis como úteis à sociedade" são considerados tímidos por integrantes do governo.
Os maiores avanços foram em temas de saúde. Desde janeiro, os cinco países lançaram as bases para uma rede de bancos de leite humano – tema no qual o Brasil é referência mundial. Também há esforços para a pesquisa integrada de diagnósticos e medicamentos de combate à tuberculose.
"O Brics responde por metade dos casos de tuberculose do mundo, até pelo tamanho das populações", afirmou o secretário de Política Externa Comercial e Econômica do Itamaraty, Norberto Moretti.
Em outras áreas definidas como prioritárias pelo Brasil, como o combate ao terrorismo e o fomento à inovação, o mandato deve terminar sem avanços palpáveis. Em 2020, a presidência do Brics será exercida pela Rússia. (Fonte: G1)
000

About Author

Related items

  • SAÚDE: Ministério da Saúde e IBGE coletarão dados sobre população infantil
    Pesquisa em domicílios também avaliará saúde da mulher em todo o território nacional.
     
    O Ministério da Saúde (MS) e o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) formalizam nesta segunda-feira, 09/12 um termo de Cooperação Técnica de Pesquisa em Saúde de Base Domiciliar Nacional que possibilitará a coleta de informações relevantes sobre a saúde da população e a capacidade do Sistema Único de Saúde (SUS), com foco na Atenção Primária à Saúde (APS).
    De acordo com o ministério, serão destinados R$ 30,1 milhões para o convênio, de forma a viabilizar a realização de três pesquisas: a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), a Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde (PNDS) e a Pesquisa de Assistência Médico-Sanitária (AMS).
    A PNAD Contínua tem previsão de ser iniciada em 2020 e abranger cerca de 210 mil domicílios. A ideia é obter dados mais apurados sobre a Atenção Primária à Saúde (APS) e sobre o desenvolvimento infantil, possibilitando um “diálogo intersetorial” com outras políticas públicas – caso do Marco Legal da Primeira Infância, desenvolvido pelo Ministério da Cidadania.
    “Nessa pesquisa, serão incorporados dois módulos para abordar a saúde da população infantil. Um deles vai avaliar a qualidade da APS na perspectiva do cuidado à criança, com a inserção do PCATool-Brasil [modelo de avaliação da qualidade de serviços que se baseia na mensuração de aspectos de estrutura, processo e resultados dos serviços de saúde] em sua versão infantil”, informou por meio de nota o MS.
    O outro módulo inclui o desenvolvimento infantil, por meio do instrumento de avaliação do projeto Primeira Infância para Adultos Saudáveis (PIPA).
    Já a PNDS, feita pela última vez em 2006, atualizará as informações sobre a saúde da mulher e da criança “para construção de séries históricas e estudos comparativos em nível nacional e internacional”. Para tanto, a pesquisa contará com “instrumentos para avaliação da atenção primária, porta de entrada do SUS, em relação ao cuidado oferecido à população”.
    Essa pesquisa será iniciada no primeiro semestre de 2021. Por meio de entrevistas domiciliares com visitas a 110 mil domicílios, ela fornecerá dados e indicadores relevantes para o contexto da saúde da mulher e da criança, com foco em reprodução, amamentação e saúde nutricional.
    Tendo por base dados obtidos pelo IBGE, a iniciativa pretende incluir “assuntos relevantes para a avaliação do momento atual do SUS”. Para tanto, será resgatada a Pesquisa de Assistência Médico-Sanitária, que teve a última edição em 2009. A previsão é de que nesse caso a pesquisa abranja cerca de 100 mil estabelecimentos de saúde no 2º semestre de 2021.
    Segundo o Ministério da Saúde, essa pesquisa será feita via ligações telefônicas, com o objetivo de atualizar o “perfil da capacidade instalada do SUS, considerando os subsistemas público e privado, além de permitir conhecer o perfil da força de trabalho em saúde e da oferta e uso dos equipamentos médico-hospitalares”.
    Também será criado um módulo específico para avaliar as estruturas das unidades de saúde familiar, no âmbito da atenção primária à saúde, “permitindo a conexão com o novo e-SUS AB [estratégia de qualificação da gestão da informação] e a base Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES)”. (Agência Brasil)
  • OSASCO: Lins pede mais moradias populares para a cidade

     

    Na última quarta-feira, 04/12, o prefeito de Osasco, Rogério Lins, reuniu-se com o secretário de Habitação do Estado, Flávio Amary, na sede da Pasta, em São Paulo, para reivindicar mais moradias populares para Osasco. Na ocasião, o prefeito tratou do trâmite de demandas da cidade para o setor habitacional já apresentadas em encontros anteriores, entre as quais a regularização de loteamentos em áreas de assentamento social e a construção de mil moradias.

    As unidades deverão ser construídas pela Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU) para abrigar famílias que moram às margens do Riberião Vermelho, no Jardim D’Ávila, da comunidade Portelinha, na Vila São José, Área BT, e Movimento Raio de Luz, ambas do Jardim Padroeira.

    O secretário de Estado ficou de analisar as reivindicações e atuar para que as mesmas sejam atendidas.

    “Com a viabilização dessas demandas, centenas de famílias receberão o título de regularização fundiária e futuramente novas famílias poderão contar com uma moradia mais digna”, disse o prefeito, que participou da reunião acompanhado do secretário de Habitação e Desenvolvimento Urbano do município, Cláudio Monteiro. (Fonte: Secom/PMO - Imagens: Amanda Bracho)

  • MUNDO: Direita vence no Uruguai e tira grupo de Mujica do poder após 15 anos

    Atualmente, a direita governa o Brasil, Chile, Uruguai, Paraguai, Colômbia, Peru, Equador e interinamente também a Bolívia, onde Evo Morales renunciou.

     

    Depois de vários anos com a chamada esquerda governando muitos países na América do Sul, agora, esse quadro mudou. E a maioria dos países tem governo de representantes da direita e centro-direita.

    Nesta semana, o senador do Partido Nacional, de centro-direita, Luis Lacalle Pou foi confirmado como próximo presidente do Uruguai. A eleição foi realizada no último domingo e Lacalle Pou só aguardava os números da contagem secundário para ser oficialmente definido como presidente eleito pela maioria dos uruguaios. A posse do novo mandatário será em 1º de março de 2020.

    Wilfredo Penco, da Corte Eleitoral, disse à agência Efe que o órgão “não faz cálculos” e que não proclamará o presidente “até que a última urna seja aberta”. Porém, como a diferença entre Lacalle Pou e o candidato da Frente Ampla, de esquerda, Daniel Martínez, vinha aumentando, ficou claro que este já não conseguiria reverter a derrota da esquerda no país.

    Pela primeira vez em 15 anos, a coalizão Frente Ampla, formada pelo ex-presidente José “Pepe” Mujica e pelo atual presidente Tabaré Vázquez, fica fora do poder no Uruguai.
    “Meu reconhecimento e obrigado a todos os homens e mulheres que estão defendendo os votos e a democracia em cada mesa nos dias de hoje. Meu pensamento está com vocês”, escreveu o presidente eleito do Uruguai. (Fonte: G1)

    Atualmente, representantes da direita governam o Brasil, com Jair Bolsonaro, Chile, Uruguai, Colômbia, Paraguai Peru e Equador. Na Bolívia, o esquerdista Evo Morales renunciou após acusações de fraudes na eleição que o elegeu para o quarto mandado consecutivo, e a direita governa momentaneamente o país, até a realização de novas eleições.

    Já na Venezuela o chavista Nicolás Maduro ainda se mantém no poder, apesar da pressão da direita e de acusações de fraudes em eleições que beneficiaram Maduro. E na Argentina, a esquerda voltou com o grupo da ex-presidente Cristina Kirchner.

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.