Quarta, 23 Outubro 2019 | Login
TRANSPARÊNCIA E AUSTERIDADE: Novo presidente do BNDES pretende explicar “caixa-preta” em dois meses

TRANSPARÊNCIA E AUSTERIDADE: Novo presidente do BNDES pretende explicar “caixa-preta” em dois meses Featured

 
Depois de o banco ter devolvido R$ 30 bilhões ao Tesouro neste ano, Montezano comprometeu-se a devolver mais recursos até atingir o valor prometido de R$ 126 bilhões no fim do ano. Empréstimos benevolentes feitos pelos governos petistas a outros países serão objeto de investigação.
 
O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) pretende explicar a “caixa-preta” na instituição financeira em até dois meses, disse,nesta terça-feira, 16/07, o novo presidente da instituição, Gustavo Montezano. Ele disse que não tem opinião formada sobre as gestões anteriores, mas que precisa explicar decisões tomadas nos últimos anos pelo banco.
“O que a gente está se propondo a fazer é explicar a 'caixa-preta'. Há uma dúvida clara sobre o que há ou não no BNDES. Cada um me conta uma informação diferente da mesma história. Ao fim de dois meses, quero ser capaz de explicar esse conjunto de regulações, empréstimos, perdas financeiras que contextualizam a 'caixa-preta'. O que sairá desse estudo, eu prefiro não comentar agora. Prefiro fazer o dever de casa e qualificar esse tema", disse Montezanona primeira entrevista coletiva após assumir o cargo.
Utilizada pelo presidente Jair Bolsonaro, a expressão “caixa-preta do BNDES” refere-se a financiamentos para a exportação de serviços a países em desenvolvimento, como Cuba, Angola, República Dominicana e Argentina. Atualmente, o banco divulga as condições dessas operações na página BNDES Transparente, mas Montezano disse ser prioridade número um da sua gestão prestar mais esclarecimentos à sociedade.
“Qualquer que seja a conclusão, a gente precisa ser transparente e trazer ela para a sociedade e para a mídia. Qualquer coisa que eu fale agora, pode ser leviano ou parcial. Esperem dois meses para a gente ter algo completo e conclusivo. É a prioridade um do banco. Aspecto de imagem, protocolo, a gente tem de analisar sobre todas essas óticas”, explicou.
Metas
Montezano tomou posse hoje (16) no comando do banco, substituindo o economista e ex-ministro Joaquim Levy, que pediu demissão em junho. Além da divulgação dos detalhes da “caixa-preta” do banco, ele anunciou quatro metas: a venda de ações de empresas em poder do banco; a devolução ao Tesouro de R$ 126 bilhões até o fim do ano e de R$ 144 bilhões até o fim de 2022; um plano de metas, orçamento e dimensionamento para os próximos três anos; e a prestação de serviços de assessoria financeira a órgãos do governo federal, a estados e municípios.
Em relação à venda de ações, Montezano disse que pretende acelerar a venda da participação do banco em empresas públicas e privadas. Hoje, o BNDESPar, ramo do BNDES que detém papéis de empresas, tem R$ 106,8 bilhões em ações, das quais R$ 53,3 bilhões da Petrobras; R$ 16,5 bilhões da Vale; R$ 9,3 bilhões da Eletrobras e R$ 9,26 bilhões da JBS. O banco ainda tem papéis em empresas de celulose e de empresas estaduais do setor elétrico, entre outras.
Montezano reconheceu que não pode desfazer-se de todos os papéis de uma só vez, para evitar que o preço das ações desabe no mercado e o banco tenha prejuízo. No entanto, comprometeu-se a acelerar as vendas, sem dar prazo. “Boa parte hoje são posições especulativas. Se o preço das ações sobe, é um mero ganho financeiro sem nenhuma entrega para a sociedade. É melhor tirar dinheiro daqui e colocar em outros ativos, como o saneamento, que também vai ter retorno financeiro, mas muito mais outros derivados disso para a sociedade como um todo”, disse.
Segundo ele, o BNDESPar pode até comprar ações de empresas, se comprovado que a participação renderá retornos para a sociedade, como investimentos em educação e saneamento básico.
Devolução
Depois de o banco ter devolvido R$ 30 bilhões ao Tesouro neste ano, Montezano comprometeu-se a devolver mais recursos até atingir o valor prometido de R$ 126 bilhões no fim do ano. Ele esclareceu que o ressarcimento não prejudicará a segurança financeira do banco, porque o dinheiro sairá do caixa da instituição, não do capital (dinheiro que precisa ficar parado para cumprir requisitos de segurança).
Segundo Montezano, a estratégia permitirá ao banco emprestar cerca de R$ 70 bilhões por ano. “Esse é o valor próximo da média histórica, antes de outros governos injetarem recursos no banco para emprestar para setores escolhidos”, esclareceu.
Além dos títulos públicos emprestados pelo Tesouro, o governo injetou R$ 36 bilhões em instrumento híbrido de capital e dívida (ITCD) no banco nos últimos anos. No entanto, Montezano disse que a devolução desses instrumentos, como está ocorrendo com a Caixa Econômica Federal, não tem prazo para ocorrer. “Somente depois que a gente reembolsar os recursos do Tesouro, vamos começar a discutir a devolução do ITCD”, explicou.
Assessoria financeira
Sobre a venda de serviços de assessoria financeira, Montezano explicou que o BNDES pretende auxiliar o governo federal, estados e municípios nas áreas de privatização, concessão, investimentos, parcerias público-privadas e reestruturação financeira. Os contratos serão vinculados ao sucesso de cada operação. “Caso a concessão ou privatização seja bem-sucedida, o banco recebe uma parte do resultado em forma de comissão”, disse.
O presidente do BNDES confirmou que os primeiros clientes do banco serão o Ministério da Infraestrutura, nos projetos de concessões; a Casa Civil, responsável pelo Projeto Piloto de Investimentos, e a Secretaria de Desestatização, Desinvestimentos e Mercados do Ministério da Economia, que coordenará as privatizações. O banco oferecerá assessoria técnica e conhecimento para o planejamento das operações. Numa segunda etapa, o serviço será estendido a prefeituras e governos estaduais. (Agência Brasil)
000

About Author

Related items

  • BNDES EM OSASCO: Banco promove palestra para empreendedores em Osasco

    O evento será realizado na próxima segunda-feira, 28/10, a partir das 9h, na ACEO (Associação Comercial e Empresarial de Osasco).

     

    O organizadores convidam empreendedores e empresários a participarem das palestras. O evento será aberto pelo Senador por São Paulo, Major Olímpio.

    O objetivo desse evento do BNDES é fomentar na região Oeste da Grande São Paulo, grandes negócios e a ampliação das empresas no município de Osasco.

    ​​​​​​​O que é BNDES?

    O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social é uma empresa pública federal, com sede e foro em Brasília, Distrito Federal, e escritório no Rio de Janeiro, cujo principal objetivo é o financiamento de longo prazo e investimento em todos os segmentos da economia.

    ​Palestras​​​​​​​​​

    As palestras tem como metas ajudar o empreendedor a entender mais e melhor sobre os recursos do Governo Federal. Assim, o empresário poderá gerar maior retorno de capital de giro em sua empresa e, consequentemente, criar novos empregos.

    Faça a sua inscrição aqui: https://abpositivo.org/

    A ACEO fica na Avenida Dionysia Alves Barreto, 701 - Vila Osasco, Osasco.

  • POLÍTICA: Congresso aprova a maior reforma da Previdência do país
    Depois de 20 anos e cinco presidentes, Parlamento aprova proposta do Governo Bolsonaro, que resgata a capacidade de investimentos interno e externo. Dólar cai e Bolsa de Valores tem novo recorde.
     
    Na tarde desta terça-feira, 22/10, após pouco mais de três horas de discussão, o Plenário do Senado aprovou o texto-base da reforma da Previdência em segundo turno. A Nova Previdência, proposta de emenda à Constituição (PEC), enviada pelo Governo, que já havia sido aprovada em dois turnos na Câmara dos Deputados, foi aprovada no Senado por 60 votos contra 19.
    “O Senado enfrentou neste ano uma das matérias mais difíceis para a nação brasileira”, disse o presidente da Casa, Davi Alcolumbre ao encerrar a votação. “Todos os senadores e senadoras se envolveram pessoalmente nas discussões e aperfeiçoaram esta matéria, corrigindo alguns equívocos e fazendo justiça social com quem mais precisa.”
    O texto necessitava de 49 votos para ser aprovado, o equivalente a três quintos do Senado mais um parlamentar. Dentre outros pontos, a PEC define idade mínima de aposentadoria para homens, 65 anos, e mulheres, 62 anos.
    Agora, a reforma da Previdência sera promulgada em sessão conjunta do Congresso Nacional, entre deputados e senadores. Alcolumbre deve convocar essa sessão conjunta após o retorno ao país do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que está em viagem ao Reino Unido, e também presidente da República, Jair Bolsonaro, que se encontra em viagem à Ásia e Oriente Médio. o entanto, para promulgar a PEC, Alcolumbre deve esperar o retorno do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que está em viagem ao Reino Unido e à Irlanda, e também do presidente Jair Bolsonaro, que está na Ásia.
    Economia
    A proposta do Governo prevê uma economia em torno de R$ 1,16 trilhão em 10 anos. De acordo com o ministro da Economia, Paulo Guedes, o impacto da PEC nos primeiros quatro anos será de R$ 168 bilhões.
    Mercado reage com euforia
    Durante mais de 20 anos, cinco presidentes tentaram ou, pelo menos, acenaram com a possibilidade da fazer essa reforma, mas, não conseguiram. E sem dúvida, o déficit previdenciário era um dos gargalos que mais atravancava a economia brasileira. E a prova de que a confiança de investidores no país após a aprovação dessa PEC, foi a reação positiva do mercado.
    O dólar teve a maior queda em quase dois meses, e a bolsa de valores voltou a bater recorde. O dólar comercial fechou esta terça-feira (22) vendido a R$ 4,076. Esse foi o maior recuo para um dia desde 4 de setembro, quando a divisa tinha caído 1,79%.
    No mercado de ações, o dia foi de euforia. Depois de bater recorde ontem (21), o índice Ibovespa, da B3 (antiga Bolsa de Valores de São Paulo), encerrou o dia aos 107.381 pontos, com alta de 1,28%.
    E além da aprovação da PEC da Previdência, o país recebe também bons ares vindos do cenário externo. A sessão do Senado foi marcada pelo alívio nas tensões comerciais entre Estados Unidos e China. O vice-ministro das Relações Exteriores do país asiático disse hoje que as negociações com o governo do presidente Donald Trump estão avançando. (Com informações da Agência Brasil).
  • BRASIL E O MUNDO: Bolsonaro viaja para o Leste da Ásia e Oriente Médio
    Enquanto aqui no Brasil, uma oposição inconsequente faz de tudo para derrubar o governo, pensando apenas no poder, Presidente visitará cinco países com foco em pauta comercial.
     
    Neste sábado, 19/10, o presidente Jair Bolsonaro iniciou mais uma viagem internacional. Desta vez, a viagem será de dez dias e busca de reforçar laços comerciais com parceiros do Leste da Ásia e do Oriente Médio. O presidente brasileiro terá compromissos no Japão, na China, nos Emirados Árabes Unidos, no Catar e na Arábia Saudita. Segundo integrantes do governo, o presidente quer sinalizar para o mundo que o Brasil está comprometido com a abertura econômica, com o ambiente de negócios e com o programa de reformas.
    AGENDA E NOTÁVEIS
    Bolsonaro deixou a Base Aérea de Brasília às 22h de ontem. Depois de escalas em Lisboa (Portugal) e Nursultan (Cazaquistão), ele chegou a Tóquio, por volta das 13h de domingo, 20, horário local. No Japão, a programação do presidente brasileiro inclui o evento de entronização do imperador Naruhito, na terça-feira, dia 22..
    Na quarta-feira, 23, Bolsonaro participará de um banquete oferecido a todos os presidentes pelo primeiro-ministro japonês Shinzo Abe. No mesmo dia, haverá uma reunião de Bolsonaro com os membros do grupo de notáveis, formado pelos dirigentes das principais empresas do Japão (Mitsui, Toyota, Honda, Mitsubishi, dentre outras).
    CHINA
    Na quinta-feira, 24, a delegação brasileira segue para Pequim. Na China, Bolsonaro cumprirá programa de encontro com autoridades do país asiático, em 24 e 25 de outubro. Na visita à China, o presidente dará prosseguimento a uma extensa agenda de visitas mútuas de autoridades dos dois países.
    Juntos, Japão e China têm um estoque de US$ 100 bilhões em investimentos no Brasil. A Ásia lidera as exportações e importações brasileiras. Só nos primeiros nove meses de 2019, 40% das exportações brasileiras foram destinadas à região, ao mesmo tempo em que 33% das importações brasileiras vieram da Ásia.
    COM ÁRABES
    Em seguida, no sábado, 26, Bolsonaro segue para Abu Dhabi, dando início à metade árabe da viagem. Depois da visita aos Emirados Árabes Unidos, o presidente segue para Doha. Ele passa a manhã e a tarde do dia 28 na capital do Catar e, em seguida, embarca para Riad, na Arábia Saudita, onde fica até o dia 30.
    Na passagem pelo mundo árabe, a pauta brasileira também tem um viés comercial, de acordo com o Itamaraty. Nesse sentido, o destaque fica para o aumento das exportações da agropecuária brasileira, a atração de investimentos para os projetos de concessão e privatização de ativos do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), além do interesse árabe na indústria de defesa do Brasil. (Com informações da Agência Brasil)

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.