Quarta, 23 Outubro 2019 | Login
CONGRESSO: Sem apoio dos governadores do Nordeste, estados e municípios ficam fora da reforma da Previdência

CONGRESSO: Sem apoio dos governadores do Nordeste, estados e municípios ficam fora da reforma da Previdência Featured

Nesta terça-feira, mesmo contra o PT, relator leu a proposta com as mudanças. Foi uma vitória do Governo. Proposta para incluir estados e municípios fica para o Plenário da Câmara.
 
Como sempre aconteceu quando está na oposição,o PT, com apoio do PSOL e PCdoB, tentou nesta terça-feira, 02/07, impedir e adiar a leitura do relatório da reforma da Previdência apresentada pelo governo na Comissão Especial. No entanto, o relator Samuel Moreira (PSDB-SP), apresentou a nova versão de seu parecer, com mudanças no texto, mas manteve servidores de estados e municípios fora da proposta.
O novo texto, um complemento de voto, foi protocolado e disponibilizado no site da Câmara antes mesmo da leitura pelo relator na comissão.
A votação do parecer foi adiada para esta semana à espera de uma reunião entre o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e um grupo de governadores, realizada mais cedo nesta terça, para tentar fechar um acordo sobre a questão.
A intenção era que estados e municípios fossem incluídos no texto a ser votado pela comissão especial, sem esperar pela votação no plenário, que é a etapa seguinte. Mas a articulação fracassou. A discussão sobre a inclusão de estados e municípios na proposta deve ficar para o plenário, segundo afirmou o relator.
A reforma da Previdência é considerada polêmica por endurecer critérios para a concessão de aposentadoria tanto de funcionários públicos federais quanto de trabalhadores da iniciativa privada.
Por essa razão, deputados críticos à inclusão de estados e municípios não querem arcar sozinhos com o desgaste político diante de seus eleitores e exigem que os governadores defendam publicamente a reforma.
Em seu complemento de voto, Moreira escreveu que a nova versão do texto “esclarece com a devida contundência” (...) “a ausência de efeitos imediatos da PEC sobre Estados, Distrito Federal e Municípios”.
“Fica clara a preservação integral da legislação atualmente em vigor no âmbito de cada ente subnacional enquanto não houver das Assembleias Legislativas e Câmaras de Vereadores no sentido de alterar as regras do respectivo regime próprio de previdência social”, escreveu no documento.
MUDANÇAS
No voto complementar, o relator aumentou o rol de categorias de servidores estaduais e municipais que poderão ter idades mínimas e tempos de contribuição diferenciados para obter aposentadoria.
Na primeira versão do relatório, Moreira autorizava que estados e municípios aprovassem leis complementares com regras diferenciadas no regime próprio de Previdência somente para servidores com deficiência e professores.
O relator estendeu a previsão também a policiais, agentes penitenciários e socioeducativos, além de servidores que trabalhem expostos a agentes nocivos químicos, físicos e biológicos prejudiciais à saúde.
Confira outras mudanças feitas pelo relator no parecer:
  • Ações contra a Previdência - O texto manteve a redação atual da Constituição, garantindo a competência da Justiça Estadual para processar e julgar causas envolvendo a Previdência sempre que não houver Justiça Federal na comarca. A PEC original e o parecer anterior alteravam esse ponto do texto constitucional.
  • Contribuições extraordinárias - O relator restabeleceu a possibilidade da cobrança de contribuições extraordinárias de servidores da ativa, aposentados e pensionistas. O tema havia sido suprimido na primeira versão do seu parecer. O texto prevê que a contribuição será estabelecida quando houver déficit atuarial e “deverá ser instituída simultaneamente com outras medidas para equacionamento do déficit e vigorará por período determinado, contado da data de sua instituição”.
  • Constitucionalização - A versão anterior do texto estabelecia que a definição de parâmetros para concessão de aposentadoria a servidores públicos, hoje previstos na Constituição Federal, poderia ser feita por meio de lei ordinária, que exige um quórum menor para ser aprovada do que uma emenda constitucional. Em seu novo parecer, Moreira escreve que, "para melhor resguardar direitos", mudou esse ponto para prever que a idade mínima dos servidores públicos federais permanece prevista na Constituição Federal.
  • BPC: Em relação ao benefício de prestação continuada, pago a idosos e pessoas com deficiência de baixa renda, a nova versão do texto inclui na Constituição um critério para a concessão do benefício. Pelo texto, considera-se incapaz de prover a manutenção da pessoa com deficiência ou idosa a família cuja renda mensal per capita for inferior a um quarto do salário mínimo. Essa regra já existe atualmente, mas consta de uma lei ordinária, passível de ser modificada mais facilmente que uma norma constitucional.
  • Professoras - O relator também alterou as regras de aposentadoria para professoras da rede pública de ensino. Agora, de acordo com a proposta, para obter o direito de se aposentar com o último salário, elas precisam alcançar a idade mínima de 57 anos. O texto anterior propunha 60 anos.
  • PIS-Pasep e BNDES - O novo texto restabeleceu a versão original da PEC para prever a transferência de um percentual da arrecadação de recursos do PIS-Pasep para o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). No parecer apresentado em 13 de junho, ele previa que essa parcela de recursos fosse destinada para a Previdência Social. Ele também acrescentou dispositivo para garantir que os programas de desenvolvimento financiados por tais verbas sejam devidamente divulgados ao público.
  • CSLL e bolsa de valores - O novo texto deixa claro que o aumento da alíquota da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) para instituições financeiras não atinge as bolsas de valores. No seu primeiro parecer, o relator propôs aumentar a alíquota dos atuais 15% para 20%. A taxa de 20% vigorou entre 2016 e 2018, mas deixou de ser aplicada em janeiro deste ano. Moreira argumenta que o fim da cobrança dessa alíquota adicional deve gerar uma perda de receita de R$ 5 bilhões para o governo em 2019. A CSLL é uma espécie imposto de renda das empresas, que incide sobre o lucro e é pago trimestralmente. Atualmente, a alíquota desse tributo pode variar de 9% a 15%, dependendo do tipo de atividade da companhia. (G1)
000

About Author

Related items

  • POLÍTICA: Congresso aprova a maior reforma da Previdência do país
    Depois de 20 anos e cinco presidentes, Parlamento aprova proposta do Governo Bolsonaro, que resgata a capacidade de investimentos interno e externo. Dólar cai e Bolsa de Valores tem novo recorde.
     
    Na tarde desta terça-feira, 22/10, após pouco mais de três horas de discussão, o Plenário do Senado aprovou o texto-base da reforma da Previdência em segundo turno. A Nova Previdência, proposta de emenda à Constituição (PEC), enviada pelo Governo, que já havia sido aprovada em dois turnos na Câmara dos Deputados, foi aprovada no Senado por 60 votos contra 19.
    “O Senado enfrentou neste ano uma das matérias mais difíceis para a nação brasileira”, disse o presidente da Casa, Davi Alcolumbre ao encerrar a votação. “Todos os senadores e senadoras se envolveram pessoalmente nas discussões e aperfeiçoaram esta matéria, corrigindo alguns equívocos e fazendo justiça social com quem mais precisa.”
    O texto necessitava de 49 votos para ser aprovado, o equivalente a três quintos do Senado mais um parlamentar. Dentre outros pontos, a PEC define idade mínima de aposentadoria para homens, 65 anos, e mulheres, 62 anos.
    Agora, a reforma da Previdência sera promulgada em sessão conjunta do Congresso Nacional, entre deputados e senadores. Alcolumbre deve convocar essa sessão conjunta após o retorno ao país do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que está em viagem ao Reino Unido, e também presidente da República, Jair Bolsonaro, que se encontra em viagem à Ásia e Oriente Médio. o entanto, para promulgar a PEC, Alcolumbre deve esperar o retorno do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que está em viagem ao Reino Unido e à Irlanda, e também do presidente Jair Bolsonaro, que está na Ásia.
    Economia
    A proposta do Governo prevê uma economia em torno de R$ 1,16 trilhão em 10 anos. De acordo com o ministro da Economia, Paulo Guedes, o impacto da PEC nos primeiros quatro anos será de R$ 168 bilhões.
    Mercado reage com euforia
    Durante mais de 20 anos, cinco presidentes tentaram ou, pelo menos, acenaram com a possibilidade da fazer essa reforma, mas, não conseguiram. E sem dúvida, o déficit previdenciário era um dos gargalos que mais atravancava a economia brasileira. E a prova de que a confiança de investidores no país após a aprovação dessa PEC, foi a reação positiva do mercado.
    O dólar teve a maior queda em quase dois meses, e a bolsa de valores voltou a bater recorde. O dólar comercial fechou esta terça-feira (22) vendido a R$ 4,076. Esse foi o maior recuo para um dia desde 4 de setembro, quando a divisa tinha caído 1,79%.
    No mercado de ações, o dia foi de euforia. Depois de bater recorde ontem (21), o índice Ibovespa, da B3 (antiga Bolsa de Valores de São Paulo), encerrou o dia aos 107.381 pontos, com alta de 1,28%.
    E além da aprovação da PEC da Previdência, o país recebe também bons ares vindos do cenário externo. A sessão do Senado foi marcada pelo alívio nas tensões comerciais entre Estados Unidos e China. O vice-ministro das Relações Exteriores do país asiático disse hoje que as negociações com o governo do presidente Donald Trump estão avançando. (Com informações da Agência Brasil).
  • BRASIL E O MUNDO: Bolsonaro viaja para o Leste da Ásia e Oriente Médio
    Enquanto aqui no Brasil, uma oposição inconsequente faz de tudo para derrubar o governo, pensando apenas no poder, Presidente visitará cinco países com foco em pauta comercial.
     
    Neste sábado, 19/10, o presidente Jair Bolsonaro iniciou mais uma viagem internacional. Desta vez, a viagem será de dez dias e busca de reforçar laços comerciais com parceiros do Leste da Ásia e do Oriente Médio. O presidente brasileiro terá compromissos no Japão, na China, nos Emirados Árabes Unidos, no Catar e na Arábia Saudita. Segundo integrantes do governo, o presidente quer sinalizar para o mundo que o Brasil está comprometido com a abertura econômica, com o ambiente de negócios e com o programa de reformas.
    AGENDA E NOTÁVEIS
    Bolsonaro deixou a Base Aérea de Brasília às 22h de ontem. Depois de escalas em Lisboa (Portugal) e Nursultan (Cazaquistão), ele chegou a Tóquio, por volta das 13h de domingo, 20, horário local. No Japão, a programação do presidente brasileiro inclui o evento de entronização do imperador Naruhito, na terça-feira, dia 22..
    Na quarta-feira, 23, Bolsonaro participará de um banquete oferecido a todos os presidentes pelo primeiro-ministro japonês Shinzo Abe. No mesmo dia, haverá uma reunião de Bolsonaro com os membros do grupo de notáveis, formado pelos dirigentes das principais empresas do Japão (Mitsui, Toyota, Honda, Mitsubishi, dentre outras).
    CHINA
    Na quinta-feira, 24, a delegação brasileira segue para Pequim. Na China, Bolsonaro cumprirá programa de encontro com autoridades do país asiático, em 24 e 25 de outubro. Na visita à China, o presidente dará prosseguimento a uma extensa agenda de visitas mútuas de autoridades dos dois países.
    Juntos, Japão e China têm um estoque de US$ 100 bilhões em investimentos no Brasil. A Ásia lidera as exportações e importações brasileiras. Só nos primeiros nove meses de 2019, 40% das exportações brasileiras foram destinadas à região, ao mesmo tempo em que 33% das importações brasileiras vieram da Ásia.
    COM ÁRABES
    Em seguida, no sábado, 26, Bolsonaro segue para Abu Dhabi, dando início à metade árabe da viagem. Depois da visita aos Emirados Árabes Unidos, o presidente segue para Doha. Ele passa a manhã e a tarde do dia 28 na capital do Catar e, em seguida, embarca para Riad, na Arábia Saudita, onde fica até o dia 30.
    Na passagem pelo mundo árabe, a pauta brasileira também tem um viés comercial, de acordo com o Itamaraty. Nesse sentido, o destaque fica para o aumento das exportações da agropecuária brasileira, a atração de investimentos para os projetos de concessão e privatização de ativos do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), além do interesse árabe na indústria de defesa do Brasil. (Com informações da Agência Brasil)
  • EDUCAÇÃO: Governo libera todo o orçamento bloqueado das universidades federais
    Segundo o ministro Weintraub, em coletiva na manhã desta sexta, 100% de todo o orçamento para custeio das universidades já estão sendo descontingenciados.
     
    O Ministério da Educação (MEC) anunciou o descontingenciamento do orçamento das universidades federais, realizado a partir de remanejamento do orçamento do MEC. "Cem por cento de todo o orçamento para o custeio das universidades federais e institutos estão sendo descontingenciados neste momento", disse o ministro da Educação, Abraham Weintraub, em entrevista coletiva nesta manhã de sexta-feira, 18/10.
    Segundo ele, o contingenciamento não chegou a prejudicar nenhuma das ações da pasta. "Foi feita uma boa gestão. Administramos a crise na boca do caixa. Vamos terminar o ano com tudo rodando bem", acrescentou.
    De acordo com o secretário-executivo do ministério, Paulo Vogel, estão sendo liberados R$ 1,1 bilhão dos R$ 19,6 bilhões que já estavam previstos para as despesas discricionárias do MEC. Vogel disse que o valor está sendo realocado de outras despesas ministeriais. (Agência Brasil)

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.