Terça, 19 Novembro 2019 | Login
MANIFESTAÇÕES PRÓ GOVERNO: Incentivo na web para atos de domingo é 6 vezes maior do que em 15 de maio

MANIFESTAÇÕES PRÓ GOVERNO: Incentivo na web para atos de domingo é 6 vezes maior do que em 15 de maio Featured

Até 6ª feira já havia 1,2 milhão de posts;
Nos atos de 15.mai, só houve 206 mil;
Estudo da Bites destaca a mobilização;
Interesse deve crescer neste sábado.
Dados do Sistema Analítico Bites mostram que os atos pró-Bolsonaro marcados para este domingo (26.mai.2019) têm incentivo na web 6 vezes maior do que os protestos contra cortes na educação, realizados em 15 de maio.
De acordo com o levantamento, até às 20h de 6ª feira, foram 1,2 milhão de posts para as manifestações de domingo, contra 206 mil para os atos da semana passada.
O número de posts, segundo o Bites, indica que “mesmo com algum arrefecimento da oposição ao Centrão, após a aprovação da MP 870, e as dúvidas sobre as pautas da manifestação, os atos do próximo domingo podem surpreender por sua consistência e capilaridade”.
O levantamento do Bites também destaca o fator convocação.
No Facebook, os 10 principais eventos catalogados pela empresa de consultoria somaram 11,8 mil confirmados e 23,6 mil interessados até a noite de 6ª feira.
Grupos do aplicativo de mensagens WhatsApp também foram monitorados pelo Bites. O levantamento mostra que há “uma intensa atividade” em torno da divulgação das manifestações.
No Google, por outro lado, as buscas pelos protestos ou por Bolsonaro não cresceram de forma considerável nos últimos dias. A procura por palavras-chave como 26 de maio”, “manifestações” ou “protestos” se manteve estável.
Apesar da estabilidade, o volume de buscas se encontra abaixo do volume dos protestos do dia 15. Ainda assim, o número é maior que às vésperas da manifestação dos estudantes.
O levantamento também afirma que as buscas pelo próprio presidente da República estão 40% abaixo do volume de buscas sobre ele no dia 16 –dia seguinte ao protesto contra o governo. No entanto, a empresa projeta que o interesse pelo evento de domingo deve crescer de forma mais consistente neste sábado (25.mai).
Os dados ainda sugerem que o evento terá forte participação popular, apesar do posicionamento contrário ao governo de figuras como o deputado Kim Kataguiri (DEM-SP) e o cantor e compositor Lobão.
AUDIÊNCIA DE CRÍTICOS E APOIADORES
Ainda segundo dados do Bites, houve grande variação de audiência nas redes sociais entre críticos e apoiadores do governo Bolsonaro. Veja abaixo:
  • Kim Kataguiri perdeu 100,7 mil seguidores desde o dia 18 de maio;
  • Lobão perdeu 42,9 mil desde o dia 10 de maio.
No mesmo período, três apoiadores dos atos pró-governo ganharam audiência nas redes:
  • Luciano Hang, da Havan, ganhou 44,4 mil seguidores;
  • Allan dos Santos do site bolsonarista Terça Livre, ganhou 8,9 mil;
  • Olavo de Carvalho, guru de Bolsonaro, 16,3 mil.
ORIENTAÇÃO AOS MINISTROS
O presidente Jair Bolsonaro orientou os seus 22 ministros a não participarem do movimento. Um dia após a orientação, através de uma rede social, Bolsonaro classificou os atoscomo “uma manifestação espontânea da população, que de forma inédita vem sendo a voz principal para as decisões políticas que o Brasil deve tomar”. (Portal Poder 360)
000

About Author

Related items

  • BRICS: Bolsonaro recebe líderes do bloco para reunião de cúpula em Brasília
    Chefes de Estado Grupo, formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, estão reunidos em Brasília. Agenda prevê discussão sobre temas como Venezuela, Bolívia, protestos em Hong Kong e mudanças climáticas.
    O presidente Jair Bolsonaro recebeu nesta quarta-feira, 13/11, em Brasília, os chefes de Estado dos quatro países que fazem parte do Brics, ao lado do Brasil, para mais uma reunião anual do grupo. Além do Brasil, formam o Brics, a Rússia, Índia, China e África do Sul. r
    A programação da 11ª Cúpula do Brics vai até esta quinta, 14, no Palácio Itamaraty, sede do Ministério das Relações Exteriores.
    Na pauta da cúpula então temas como futuro do bloco, crise na Venezuela, crise na Bolívia, série de protestos em Hong Kong e na Caxemira, além das mudanças climáticas.
    Bolsonaro também terá reuniões separadas com cada chefe de Estado ou de governo do bloco.
    Além do Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, participam do encontro do Brics: Vladimir Putin, presidente da Rússia; Narendra Modi, primeiro-ministro da Índia; Xi Jinping, presidente da China; e Cyril Ramaphosa, presidente da África do Sul.
    Presidência brasileira
    O Brasil está na presidência rotativa dos Brics em 2019 e, segundo o Itamaraty, busca deixar a marca de "pragmatismo" no mandato. Passados mais de dez meses, no entanto, os "resultados concretos e perceptíveis como úteis à sociedade" são considerados tímidos por integrantes do governo.
    Os maiores avanços foram em temas de saúde. Desde janeiro, os cinco países lançaram as bases para uma rede de bancos de leite humano – tema no qual o Brasil é referência mundial. Também há esforços para a pesquisa integrada de diagnósticos e medicamentos de combate à tuberculose.
    "O Brics responde por metade dos casos de tuberculose do mundo, até pelo tamanho das populações", afirmou o secretário de Política Externa Comercial e Econômica do Itamaraty, Norberto Moretti.
    Em outras áreas definidas como prioritárias pelo Brasil, como o combate ao terrorismo e o fomento à inovação, o mandato deve terminar sem avanços palpáveis. Em 2020, a presidência do Brics será exercida pela Rússia. (Fonte: G1)
  • POLÍTICA: Bolsonaro deixa o PSL e anuncia novo partido: Aliança pelo Brasil
     
    Nesta terça-feira, o presidente da Repúlcia reuniu parte da bancada no Palácio do Planalto e anunciou sua saída da da legenda.
    O presidente da República, Jair Bolsonaro anunciou, nesta terça-feira, 12/11, que não fará mais parte do PSL. A decisão do chefe do Executivo foi confirmada em reunião com a bancada do partido, no Palácio do Planalto. Seu filho, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) já pediu oficialmente a desfiliação da legenda.
    A troca por uma sigla já existente seria outra opção para Bolsonaro – uma vez que presidentes, além de senadores, não são enquadrados nas regras de fidelidade partidária. Contudo, parlamentares confirmaram que ele pretende levar em frente a criação da legenda “Aliança pelo Brasil”. Inclusive, a primeira convenção do novo partido já está programada para a manhã do dia 21 de novembro, no Royal Tulip Brasília.
    A opção escolhida por Jair Bolsonaro dá a ele a oportunidade de atrair não apenas a ala do PSL que já está alinhada a ele, mas também trazer políticos de outros partidos, como Novo, DEM e PL, que até agora votaram com o governo nas pautas econômicas.
    “Abrindo o novo partido, abre-se uma justa causa para que, não só os deputados do PSL saiam, mas qualquer outro deputado de qualquer outro partido. E a gente já sabe de outros deputados, de outros partidos, que querem vir também para o Aliança pelo Brasil”, explicou a deputada Carla Zambelli (PSL-SP).
     
    Após a reunião, Bolsonaro postou nas redes sociais.
    Aliança pelo Brasil logo
    Logo do novo partido do Presidente foi apresentada hoje, à tarde, pelo deputado Federal, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP)
    "Hoje, anunciei minha saída do PSL e o início da criação de um novo partido: "Aliança pelo Brasil".
    "Agradeço a todos que colaboraram comigo no PSL e que foram parceiros nas eleições de 2018", disse o Presidente. (Fonte: Metrópoles)
  • SEGUNDA INSTÂNCIA: Decisão polêmica do STF leva milhares às ruas do Brasil
    Vestidos de verde e amarelo, manifestantes cobraram aprovação de PEC que permite prisão em segunda instância, exaltaram a Lava Jato e atacaram ministros do Supremo.
    Milhares de brasileiros foram às ruas do país neste sabado, 09/11, principalmente nas capitais, para protestar contra o fim da prisão conforme decisão do STF (Supremo Tribunal Federal), que resultou na liberdade provisória do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Nas manifestações, os brasileiros pressionaram também o Congresso pela aprovação de uma PEC que permite a prisão após condenação em segunda instância. As manifestações foram convocadas pelo Movimentos Brasil Livre (MBL), Vem Pra Rua e Nas Ruas.
    Manifestação contra STF Paulista 2
    Como sempre acontece, São Paulo foi a cidade que registrou o maior número de manifestantes na Avenida Paulista, sobretudo nos trechos entre a sede da Fiesp (Federeção das Indústrias de São Paulo); e o Masp (Museu de Artes de São Paulo). Com o apoio de dois carros de som, o público pediu o impeachment de ministros do STF e a aprovação da PEC 410, que restaura a execução antecipada da pena para condenados em duas instâncias da Justiça.
    Na Avenida paulista estiveram presentes a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP), o empresário Luciano Hang, dono da Havan, e o jurista Modesto Carvalhosa, que, em seu discurso reforçou o pedido de impeachment de ministros do STF.
    Manifestação contra STF em Brasília
    Houve também manifestações contra a decisão do STF, no Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Salvador, Curitiba e Porto Alegres, entre outras capitais e cidades brasileiras. No Rio, os manifestantes ocuparam um quarteirão da praia de São Conrado, bem em frente ao prédio onde mora o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM). Muitos deles estavam vestidos de preto em protesto contra o STF, que não demnstra interesse em pautar a PEC a favor da prisão em segunda instância.
    “A decisão do STF foi um golpe, um ato político”, discursou uma das organizadoras do evento, Adriana Balthazar, do Vem Pra Rua. Nos cartazes e faixas dos manifestantes, as palavras de ordem eram “Prisão em segunda instância sim, impunidade não”, “Lula volta para a cadeia”, “Meu partido é o Brasil” e “A nossa bandeira jamais será vermelha”. (Fonte: Agências de Notícia)

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.