Sábado, 21 Setembro 2019 | Login
OPINIÃO: Marina, a candidata de uma tecla só, sai da toca para criticar Bolsonaro

OPINIÃO: Marina, a candidata de uma tecla só, sai da toca para criticar Bolsonaro Featured

Durante os 16 anos de governos petistas e de corrupção, a ex-senadora e ex- seringueira se hibernava e só aparecia de 4 em 4 anos para defender sua "praia" nas campanhas eleitorais.

 

Renato Ferreira -

Alguém viu algum avanço significativo na política ambiental durante os últimos 16 anos no Brasil, em termos de proteção do meio ambiente? Com certeza, pode ter tido algum, mas, no geral, o que se viu nesse período, como nas últimas décadas, foi somente o crescimento do desmatamento e a degradação da natureza, principalmente, na região amazônica, onde também sempre houve, sem nenhuma transparência, a "defesa" de gigantescas reservas indígenas sob controle de ONGs estrangeiras. São Organizações que de fato não se preocupam com a proteção dos indígenas, presas fáceis para especuladores, travestidos de ambientalistas.

No entanto, para Marina Silva, ex-membro do PT, e fundadora da Rede, partido que se diz da "esquerda", a política correta do Meio Ambiente era aquela aplicada nos governos de seu amigo Luiz Inácio Lula da Silva. Tanto é assim que, durante os governos petistas, Marina Silva só aparecia nas campanhas eleitorais, de 4 em 4 anos, para falar do Meio Ambiente; E tudo isso com altos patrocínios de empresas privadas. Passadas as eleições, porém, a candidata de uma tecla só, se hibernava e jamais era vista defendendo outros temas caros à sociedade como Saúde, Educação e Segurança Pública.

Agora, com a vitória de Jair Bolsonaro, que rompeu com o velho sistema corrupto de fazer política em conluio com empreiteiras para assaltar os cofres público, a eterna candidata da Rede resolve sair da toca para criticar as políticas ambientais do atual Governo. Na quinta-feira, 25/04, ela disse que o presidente Bolsonaro promove um "desmonte total", na área do meio ambiente.

''Nenhum governo em toda a história do Brasil, nem mesmo no tempo da ditadura militar, ousou o que está se tentando agora'', afirmou Marina. Será que é isso mesmo que está acontecendo? Ou este governo está mexendo no bolso e nos interesses pessoais de ativistas políticos?

Em rede social, Marina reitera oposição a Bolsonaro. Ela critica, por exemplo, o projeto apoiado pelo governo de extinguir a necessidade de licenças para boa parte das atividades agropecuárias e empreendimentos de infraestrutura.

"Tudo que está sendo feito é um desmonte" disse a ex-ministra, após participar de uma sessão de homenagem aos povos indígenas no plenário do Senado.

Na verdade, sobre os povos indígenas, Bolsonaro sempre disse que apenas vai rever as políticas de demarcações, justamente, para ajudar a comunidade indígena. Para este governo, os índios brasileiros precisam mais de proteção do próprio governo para cultivar suas terras e não serem explorados por aproveitadores.

Muita terra pra pouca gente

Reserva Raposa Serra do Sol

Reserva Raposa Serra do Sol, em Roraima, possui 1.743 089 hectares para pouco mais de 12 mil índios

Hoje, o Brasil tem 600 terras indígenas, que abrigam 227 povos, com um total de aproximadamente 480 mil pessoas. Essas terras representam 13% do território nacional, ou 109,6 milhões de hectares.

Só a reserva Raposa Serra do Sol (foto), em Roraima, possui 1.743 089 hectares e 1 000 quilômetros de perímetro. Ou seja, é pouca gente pra muita terra. E a maioria dessas reservas é formada por terras de muitas riquezas naturais, que na mira de exploradores internacionais. Se o Governo do Brasil não agir rapidamente, em breve essas terras passarão literalmente para mãos de estrangeiros sob o pretexto de que o Brasil não cuida de seus índios. (Renato Ferreira)

000

About Author

Related items

  • GOVERNO: Jair Bolsonaro terá alta na tarde de hoje e retorna a Brasília em seguida
    Vice-presidente Hamilton Mourão continuara no cargo presidencial até quarta-feira.
     
    O presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), receberá alta na tarde desta segunda-feira, 16/09. Depois de algumas sessões de fisioterapia, o chefe do Executivo brasileiro deixará o Hospital Vila Star, em São Paulo, onde se recuperava de cirurgia para corrigir uma hérnia incisional.
    Em boletim, divulgado na manhã desta segunda-feira, o hospital informou que Bolsonaro também fará as demais atividades de recuperação em domicílio, além de repousar até ter condições de retornar ao cargo presidencial.
    “O Hospital Vila Nova Star informa que o senhor presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, internado desde o dia 7 de setembro, receberá alta hoje, no período da tarde, após a realização das sessões de fisioterapia. O Presidente continuará sua recuperação em domicílio, devendo seguir as orientações médicas relacionadas à dieta e atividade física, sob supervisão conjunta da equipe médica do Dr. Macedo e da equipe da Presidência da República", diz o boletim médico.
    Logo depois, o porta-voz da República, Otávio Rêgo Barros,concedeu uma entrevista coletiva e explicou que Bolsonaro ficará fora do cargo por mais dois dias. O vice-presidente Hamilton Mourão está provisoriamente na cadeira presidencial desde então. A previsão inicial era que o vice substituísse o presidente até a última sexta-feira.
    “Vamos entender o período de interinidade do vice presidente Hamilton Mourão por mais dois dias. Ou seja, amanhã (terça-feira) e depois (quarta-feira) a presidência estará sob condão do General Mourão. Orientação médica acolhida pelo presidente na plenitude”.
    Bolsonaro está internado desde 7 de setembro no hospital paulistano, onde realizou a quarta cirurgia desde que sofreu uma facada na barriga durante um ato da campanha presidencial de 2018, em Juiz de Fora, na Zona da Mata de Minas Gerais.
    Viagem a Nova York
    O porta-voz confirmou que está mantida a viagem de Bolsonaro a Nova York, nos Estados Unidos, onde Bolsonaro discursará na abertura da Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), no dia 24 de setembro. A ida do presidente, no entanto, foi adiada do dia 22 para o dia 23. O retorno está previsto para o dia 25, depois de uma parada no Texas para, segundo Rêgo Barros, encontrar-se com empresários ligado ao setor militar.
    De acordo com o porta-voz, o diálogo será para entender as possibilidades "de o Brasil, por meio dessa interlocução, efetuar alguma atividade comercial."
    Antes da viagem aos Estados Unidos, a equipe médica do Hospital Vila Nova Star que acompanha o presidente deverá ir a Brasília realizar uma avaliação.
    Bolsonaro "vai exercer a Presidência da República entendendo as necessidades de adequar-se a eventuais limitações", disse Rêgo Barros. O porta-voz também confirmou que Bolsonaro deverá viajar à Ásia no final de outubro.
    Recuperação
    Na noite do último sábado, o presidente passou de uma dieta líquida para uma dieta cremosa. Já na noite desse domingo, os médicos começaram a diminuir a alimentação endovenosa (diretamente na veia). Na semana passada, Bolsonaro chegou a usar uma sonda nasogástrica para retirada de ar e líquidos do estômago e do intestino, após uma distensão abdominal. (Fonte: Estado de Minas)
  • PRESIDÊNCIA: Cirurgia de Bolsonaro é concluída com sucesso após cinco horas
    A partir deste domingo, o Palácio do Planalto é comandado pelo vice-presidente da República, general Hamilton Mourão.
     
    A cirurgia do presidente da República, Jair Bolsonaro, terminou às 12h40 deste domingo, 08/09, após cerca de cinco horas de duração. A informação é da assessoria de imprensa do Palácio do Planalto.
    Segundo o Hospital Vila Nova Star, na capital paulista, onde ocorreu o procedimento, a operação foi iniciada às 7h35. Está previsto para a tarde de hoje um boletim médico e uma entrevista coletiva com os médicos sobre a cirurgia.
    A retirada de uma hérnia incisional do presidente é a quarta cirurgia após ele ter recebido uma facada em Juiz de Fora (MG), durante a campanha presidencial, em 2018. De acordo com o médico Antonio Luiz de Vasconcellos Macedo, mesmo cirurgião que comandou as últimas duas operações, realizadas no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, a intervenção deste domingo é mais simples. Inicialmente tinha previsão de durar cerca de três horas.
    Bolsonaro deve se licenciar do cargo por cinco dias, segundo informou o Palácio do Planalto. Ele deu entrada no hospital na noite de ontem (7). A previsão é que o presidente retome o cargo ainda no hospital, mas somente após um período inicial de recuperação.
    Ao todo, ele deve permanecer internado por até dez dias. A partir deste domingo, o Palácio do Planalto é comandado pelo vice-presidente da República, general Hamilton Mourão.
    O filho Carlos Bolsonaro, vereador carioca, passou a noite com o pai. Pouco antes das 7h, horário previsto para início da cirurgia, o outro filho - o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) - chegou ao hospital. O presidente é acompanhado também pela primeira-dama Michelle Bolsonaro.
    Íntegra do Boletim Médico
    "O Senhor Presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, foi submetido a cirurgia de correção de hérnia incisional, hoje, 8 de setembro, às 7h35, com término às 12h40, no Hospital Vila Nova Star, em São Paulo. O procedimento foi bem-sucedido, realizado pelo cirurgião-chefe Dr. Antônio Luiz de Vasconcellos Macedo e sua equipe. A técnica utilizada foi a Herniorrafia Incisional com implantação de tela. O paciente fará sua recuperação no apartamento e apresenta quadro clínico estável. Por orientação médica, estará com visitas restritas nesse momento". (Fonte: Agência Brasil)
  • POR QUE O MEDO?: Rede vai ao STF para barrar fiscalização de ONGs
    Se não tem nada a esconder, o partido de Marina Silva deveria ser o primeiro a apoiar a investigação de ONGs, e não tentar proibir a investigação.
     
    No último dia 15 de agosto, por mais incrível que pareça, o partido REDE, fundado por Marina Silva, entrou com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar barrar a Medida Provisória (MP) assinada por Jair Bolsonaro. O texto editado pelo presidente prevê que as Organizações não Governamentais (ONGs) sejam fiscalizadas pelo governo federal.
    De acordo com a MP, a Secretaria de Governo pode “supervisionar, monitorar, coordenar e acompanhar” todas as ações de ONGs no território nacional. O partido alega que o supervisionamento das instituições seria “abuso de poder” da parte do governo.
    Os advogados do partido de Marina Silva afirmam que há inconstitucionalidade na MP, alegando que ela “tira a liberdade de organizações atuarem à beira do Estado”.
    O governo ainda não se pronunciou oficialmente sobre a ação da Rede.
    Diante dessa medida da Rede, fica uma pergunta no ar: Por que será que a Marina Silva quer proibir que as ONGs sejam investigadas? Ora, se a Organização é honesta, ela não teria nada a esconder. Não é mesmo? Quem não deve, não teme. (Renato Ferreira).

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.