Quarta, 23 Outubro 2019 | Login
LAVA JATO: Lula é condenado a 12 anos de prisão no processo sobre o sítio de Atibaia

LAVA JATO: Lula é condenado a 12 anos de prisão no processo sobre o sítio de Atibaia Featured

O ex-presidente petista já cumpre pena de 12 anos e um mês por crimes de corrupção e lavagem de dinheiro no caso do triplex do Guarujá.
 
 
Nesta quarta-feira, 06/02, a juíza federal Gabriela Hardt, da 13ª Vara Federla de Curitiba, condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) a 12 anos e 11 meses de prisão na ação penal sobre as reformas realizadas no Sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP). A sentença é a segunda proferida contra o ex-presidente na Operação Lava Jato.
O sítio foi alvo das investigações da Operação Lava Jato, que apura a suspeita de que as obras de melhorias no local foram pagas por empreiteiras investigadas por corrupção, como a OAS e a Odebrecht.
Segundo os investigadores, as reformas começaram após a compra da propriedade pelos empresários Fernando Bittar e Jonas Suassuna, amigos de Lula, quando "foram elaborados os primeiros desenhos arquitetônicos para acomodar as necessidades da família do ex-presidente". Apesar de não aparecer como dono 'oficial" do sítio, era Lula e seus familiares que frequentavam, usavam e que se beneficiavam da propriedade
Sítio de Atibaia
 
No laudo elaborado pela Polícia Federal, em 2016, os peritos citam as obras que foram feitas, entre elas a de uma cozinha avaliada em R$ 252 mil. A estimativa é de que tenha sido gasto um valor de cerca de R$ 1,7 milhão, somando a compra do sítio (R$ 1,1 milhão) e a reforma (R$ 544,8 mil).
A defesa do ex-presidente alegou no processo que a propriedade era frequentada pela família de Lula, mas que o imóvel pertence à família Bittar.
Lula está preso desde 7 de abril pela primeira condenação no caso do tríplex em Guarujá (SP). O ex-presidente cumpre outra pena de 12 anos e um mês de prisão, imposta pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.
Além de Lula, também foram condenados na mesma ação penal os empresários Marcelo Odebrecht e Emílio Odebrecht, Léo Pinheiro, ex-diretor da OAS, o pecuarista José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente r Roberto Teixeira, amigo e advogado de Lula.
Sentença
Na sentença, a magistrada disse que Lula sabia do esquema de corrupção na Petrobras e que as empreiteiras OAS e a Odebrecht tinham participação nos desvios.
"Luiz Inácio Lula da Silva, como já dito nos tópicos que trataram dos atos de corrupção nos contratos da Petrobras, tinha pleno conhecimento de que a empresa OAS era uma das partícipes do grande esquema ilícito que culminou no direcionamento, superfaturamento e pagamento de propinas em grandes obras licitadas em seu governo, em especial na Petrobras. Contribuiu diretamente para a manutenção do esquema criminoso", afirmou a juíza.
Segundo Gabriela Hardt, ficou comprovado que o ex-presidente recebeu ao menos R$ 170 mil da OAS, por meio das reformas, como "vantagem indevida em razão do cargo de presidente". No entendimento da juíza, ele foi beneficiário direto das reformas, embora não seja o proprietário do sítio.
"Também contribuiu para a ocultação e dissimulação desta, pois, apesar de ser o seu beneficiário direto, seu nome nunca foi relacionado com a propriedade do sítio, com notas fiscais emitidas, ou com qualquer documento a ela relacionado. É fato que diversos co-réus e testemunhas afirmaram que era claro que a obra era feita em seu benefício, inclusive Fernando Bittar. Ainda, guardou em sua casa diversas notas fiscais que foram emitidas em nome de terceiros durante a reforma, reforçando a ciência desta ocultação", disse a magistrada.
Defesa
Em nota, o advogado de Lula, Cristiano Zanin Martins, disse que recorrerá da condenação "que atenta aos mais basilares parâmetros jurídicos e reforça o uso perverso das leis e dos procedimentos jurídicos para fins de perseguição política, prática que reputamos como “lawfare”. "Uma vez mais a Justiça Federal de Curitiba atribuiu responsabilidade criminal ao ex-presidente tendo por base uma acusação que envolve um imóvel do qual ele não é o proprietário, um “caixa geral” e outras narrativas acusatórias referenciadas apenas por delatores generosamente beneficiados", diz nota.
Segundo a defesa, foram desconsideradas provas de inocência apresentadas no processo. "Lula foi condenado pelo crime de corrupção passiva por afirmado “recebimento de R$ 170 mil em vantagens indevidas da OAS” no ano de 2014 quando ele não exercia qualquer função pública e, a despeito do reconhecimento, já exposto, de que não foi identificado pela sentença qualquer ato de ofício praticado pelo ex-presidente em benefício das empreiteiras envolvidas no processo.". A partir de agora, o processo passa a ser apreciado pelos desembargadores do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), de Porto Alegre, que podem negar, aceitar, diminuir ou aumentar a pena imposta pela primeira instância.. (Agência Brasil)
 
000

About Author

Related items

  • JUSTIÇA: Lula acabou com o Brasil: Cabral, com o Rio!

     

    Será que o STF pensa que colocando criminosos como esses na rua, mesmo contra a vontade da maioria dos brasileiros, eles deixarão de ser criminosos?

    Ora, o desejo de qualquer condenado é fugir da cadeia, nem que seja por túneis cavados pelo Supremo Tribunal Federal.

    Preparem-se para manifestações gigantes de Norte a Sul do país, com brasileiros de verdade vestindo as cores verde e amarelo da nossa Bandeira Nacional!

    Ministros do STF

    Por exemplo, os caminhoneiros, trabalhadores honestos que param o país em qualquer manifestação, já estão se preparando! Tudo vai depender de quarta-feira, 23, e da decisão dos "togados" que defendem corruptos! Nesse dia, o Supremo vai decidir sobre prisão de condenados em segunda instância. 

    O Brasil acordou em 2018! Só os corruptos não perceberam isso! (Renato Ferreira)

  • CUIDADO! Suzane, Matsunaga e Anna Jatobá deixam a prisão em “saidinha” do Dia das Crianças
    Atenção! Cuide bem de suas crianças e parentes indefesos nesse próximo feriado! É que três assassinas de pais, marido e filhos, dentre outros criminosos, já estão em liberdade para visitar familiares.
     
    Estão cada vez mais estranhos esses casos de 'direito' e 'benefício' de condenados para as famosas saidinhas de presos em datas especiais, como Natal e Dias dos Pais, Mães e da Criança. É que mesmo com diversos casos de crimes cometidos pelos beneficiados, até mesmo estupros, esses condenados continuam ganhando a liberdade temporária nessas datas em que as famílias se reúnem para festejar.
    Nesta quinta-feira, 10/09, por exemplo, três assassinas que ficaram bastante conhecidas no Brasil, graças à crueldade com que elas cometeram seus crimes, a Justiça concedeu a saidinha do "Dia da Criança", para as detentas Suzane Richthofen, Elize Matsunaga e Anna Carolina Jatobá. Os magistrados que concedem esses benefícios justificam suas decisões com base em "bom comportamento" dos condenados ou condenadas.
    Os crimes
    Pela ordem das detentas na foto, vamos relembrar, mesmo de forma sucinta, os crimes que elas cometeram, começando da esquerda para direita, portanto, começando pela Suzane Richthofen. Condenada à pena máxima, Suzane combinou com o namorado e cunhado a morte de forma cruel dos próprios pais, que foram surpreendidos quando dormiam e morreram a golpes de marretadas.
    A do meio, Elize Matsunaga, foi condenada por matar e esquartejar o marido, Marcos Matsunaga, em 2012. Ela deixou a prisão nesta quinta-feira. E a terceira da foto, Anna Carolina Jatobá, é madrasta da pequena Isabela Nardoni, assassinada por ela e pelo pai da menina, Alexandre Nardoni. Depois de agredida, Isabela foi jogada do nono andar do prédio onde morava,Todas elas saíram quase no mesmo horário da manhã desta quinta-feira do presídio de Tremembé.
    Ressocialização com responsabilidade
    Somos a favor da ressocialização de condenados, mas, sabendo que o sistema penitenciário do Brasil é um dos piores do mundo e o índice de recuperação de presos é mínimo, o Brasil precisaria pensar com urgência em reformular sua legislação, tanto para dar condições de condenados cumprirem suas penas e voltarem regenerados para a sociedade, como também com segurança total para a sociedade.
    Destacamos esses três casos nem tanto pela periculosidade que essas detentas possam representar à sociedade, e sim, porque são casos emblemáticos e que causaram profunda comoção na época em que foram cometidos.
    E também para enfatizar que ao lado de Suzane, Elize e Anna Carolina, centenas de outros presos deixam a prisão nesses dias de festa em todo o Brasil. E não são poucos os casos de crimes cometidos por detentos perigosos, que ganham o benefício, mas, que saem da prisão apenas para praticar furtos, assaltos, sequestros e até mesmo estupros.
    Então, por mais que defendemos os "direitos" humanos dos presos, temos que pensar e cuidar, primeiramente, dos humanos que trabalham honestamente, que não são criminosos, mas que, infelizmente, são surpreendidos por esses criminosos em datas tão especiais que as famílias se reúnem para festejar, por exemplo, o Dia das Crianças. (Renato Ferreira com informações do G1).
  • JUSTIÇA: Vereador de Osasco é condenado na operação "Caça-fantasmas"
    Em nota, vereador De Paula nega as acusações e lamenta a decisão judicial.
    Nesta quarta-feira, 09/10, o vereador de Osasco, Francisco De Paula (PSDB), foi condenado pela juíza da 2ª Vara Criminal de Osasco, Ana Paula Achoa Mezher, a sete anos, nove meses e 15 dias de prisão no regime semiaberto. A decisão da justiça se baseia em fraudes em contratações de funcionários fantasmas na Câmara Municipal, conforme investigações do Ministério Público na operação "Caça-fantasmas.
    Além de De Paula, a juíza condenou também 13 ex-assessores do parlamentar a 5 anos e 9 meses de prisão no semiaberto. Em nota oficial, o vereador De Paula nega as acusações.
    À decisão cabe recurso e todos os condenados poderão recorrer da sentença em liberdade. Assim, a pena só começará a ser cumprida após a Justiça receber as alegações finais dos acusados, podendo ser na própria primeira instância ou pelo Tribunal de Justiça de São Paulo.
    A operação "Caça-Fantasmas" foi deflagrada em agosto de 2015, sob o comando do Dr. Gustavo Albano, promotor de Justiça do Patrimônio Público do Ministério Público de São Paulo (MPSP) em Osasco. Outro processo na área cível corre na Vara da Fazenda Pública também de Osasco.
    Além do vereador De Paula, a operação Caça-Fantasmas investigou um esquema de fraudes em contratações envolvendo mais 13 vereadores e 205 assessores. Conforme a acusação, o esquema desviou R$ 21 milhões. Esta é terceira decisão judicial do caso. A ex-vereadora Andreia Capriotti foi condenada a mais de seis anos de prisão em regime semiaberto, enquanto o ex-vereador André Sacco Junior foi absolvido.
    Íntegra da nota oficial do vereador De Paula
    “O vereador De Paula lamenta profundamente a decisão da Justiça que o condenou em 1ª instância. Afirma que, durante os últimos anos, realizou todos os esforços possíveis para provar sua inocência, mostrando que as acusações que lhe são imputadas são improcedentes. Mesmo assim, respeita a decisão da Justiça Estadual e, justamente por acreditar na sua inocência, irá recorrer nas esferas cabíveis.
    Afirma ainda, que esta decisão em nada muda seu compromisso de seguir atuando no seu mandato para apontar problemas em nossa cidade e sugerir soluções; para conhecer as dificuldades da nossa população e ajudar a resolvê-las; e para, finalmente, provar de uma vez por todas que foi eleito e reeleito para melhorar a vida do povo osasquense e, jamais, para obter benefícios próprios ou vantagens indevidas.”

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.