Quarta, 16 Outubro 2019 | Login
MAIS MÉDICOS:  Bolsonaro impõe medidas justas e acaba com a 'escravidão' de médicos cubanos no Brasil

MAIS MÉDICOS: Bolsonaro impõe medidas justas e acaba com a 'escravidão' de médicos cubanos no Brasil Featured

Para retaliar o governo Bolsonaro, Cuba rompe com o Programa Mais Médicos e retira 8 mil profissionais que trabalhavam no Brasil. Há três anos, conversei com dois médicos cubanos na cidade de Osasco. Uma médica chegou a chorar de saudades dos filhos deixados em Cuba
 
 
 
Renato Ferreira -
Dos mais de 18 mil médicos que trabalham no Programa Mais Médico, cerca de 8 mil são cubanos, que, agora, terão que deixar o Brasil por imposição do governo de Cuba, que não concorda com as imposições prometidas pelo presidente eleito Jair Bolsonaro. Desde 2016, quando Michel Temer assumiu a Presidência e que eram cerca de 11.400 médicos da Ilha, que Cuba já vinha diminuindo a presença de seus profissionais no Brasil.
Agora, com a eleição de Bolsonaro, o governo de Cuba, que sempre teve o apoio e apoiou o Partido dos Trabalhadores, resolveu radicalizar, talvez, pensando que com isso, possa prejudicar o próximo governo no Brasil, que derrotou o candidato petista, apoiado por Lula, Fernando Haddad. O anúncio do governo cubano foi feito nesta quarta-feira, 14/11, alegando que tomou a medida por não concordar com as medidas anunciadas por Jair Bolsonaro.
Trabalho sem estrutura
Como todos sabem, o Programa Mais Médicos foi criado pelo Ministério da Saúde, no Governo Dilma Roussef com objetivo de oferecer serviços médicos às mais distantes regiões do Brasil, onde, a Pasta tinha dificuldades para levar médicos brasileiros, que não aceitam trabalhar em cidades e lugarejos sem nenhuma estrutura. Com o Mais Médicos, o Ministério conseguiu atrair médicos de outros países para trabalhar em tais regiões, mesmo sem a infraestrutura exigida por seus colegas brasileiros.
Desde o início, o Programa recebeu elogios e críticas, justamente, porque atendia a reivindicação da população carente, mas, também, por ser apenas mais uma paliativa, já que esses médicos não tinham condições plenas de dar um atendimento adequado, principalmente, para casos mais graves dos pacientes.
E como já foi esclarecido também, o Programa não é composto apenas de médicos cubanos. Dele, fazem partes médicos de outros países da América do Sul e também da Europa, como da Espanha. Pelo Programa atual, os médicos de Cuba são também dispensados de passar por exame de revalidação no Brasil. Houve alguns registros de pacientes reclamando do atendimento de profissionais cubanos.
Médicos sem liberdade
 Médica cubana
Médica cubana trabalhando em condições precárias em regiões pobres do Brasil
 
E o contrato com os médicos de Cuba é diferente em relação aos de outros países. Por ter um programa pelo qual envia médicos a regiões pobres e de conflitos, Cuba exige que seja um contrato coletivo. No caso do Brasil, o Ministério pagava um salário em torno de R$ 13 mil a cada profissional e mais um valor para pagamento de aluguel.. Só que desse valor, o médico ficava apenas com 30%. Os outros 70% eram enviados diretamente para o governo cubano.
Outro detalhe. O governo de Cuba não permite também que o profissional - médico ou médica - traga os seus familiares. Enquanto o médico presta serviço aqui, sua esposa e filhos têm que permanecer em Cuba. Para muitos, isso é um novo tipo de trabalho escravo.
Esse fato, inclusive, gera muitas deserções. Daqui mesmo do Brasil, muitos médicos fugiram para os Estados Unidos, onde pediam asilo para depois tentar levar seus familiares. E nem é necessário dizer que eles compravam uma briga com o regime cubano.
 
Milhares de médicos cubanos trabalham no exterior sob contrato com as autoridades cubanas. Países como o Brasil pagam ao governo comunista da ilha milhões de dólares por mês para fornecer serviços médicos, o que efetivamente torna esses profissionais o mais valioso produto de exportação de Cuba.

Em 2017, algums médicos de Cuba abriram processo contra o Governo da Ilha para tentar reverter esse quadro. "Quando você sai de Cuba pela primeira vez, descobre muitas coisas que não sabia", disse Yaili Jiménez Gutierrez, uma das médicas que moveu a ação. "Chega uma hora em que você se cansa de ser escravo."... -

Como jornalista da Prefeitura de Osasco, há três anos, cheguei a entrevistar dois médicos cubanos - um homem e uma mulher - que tinham acabado de chegar prestar seus serviços nesta cidade da região Oeste da Grande São Paulo. Muito atenciosos, eles falaram sobre o serviço no Brasil, mas, em off, reclamaram também das condições impostas pelo governo de Cuba, não somente em relação ao salário, mas, principalmente, sobre a proibição de não poder trazer os familiares.
A médica chegou a chorar de saudade dos filhos, deixados há poucos dias na Ilha. Outra reclamação foi sobre o valor destinado ao aluguel de imóvel. "Com esse valor, está difícil para arrumar uma casa mais próximo à unidade onde trabalho", disse o médico.
Propostas de Bolsonaro
Bolsonaro
Presidente eleito do Brasl, Jair Bolsonaro
 
E quais são as medidas anunciadas por Jair Bolsonaro para continuar contratando médicos cubanos?
O presidente eleito informou que não concordava com as condições de trabalho oferecidas aos profissionais de Cuba. Então, sugeriu que para continuar no Programa, que eles pudessem trazer seus familiares e também que o salário ficasse integramente com os médicos.
Outra medida seria que todos eles tivessem seus diplomas revalidados pelo Ministério da Saúde do Brasil, conforme é exigido de outros e de brasileiros formados no Exterior. Nada mais justo, tanto para a segurança da população brasileira, como também para os médicos cubanos. Só que o governo de Cuba não concordou e rompeu com o Mais Médicos.
Soluções
 Ministério da Saúde
 
Para tranquilizar as cidades atendidas pelos médicos cubanos, o Ministério da Saúde informou que nesta semana mesmo que vai assinar um Edital para selecionar médicos brasileiros e de outros países que tenham interesse em ocupar as vagas deixadas pelos profissionais cubanos.
“Diante do fato, o governo federal está adotando todas as medidas para garantir a assistência dos brasileiros atendidos pelas equipes da Saúde da Família que contam com profissionais de Cuba. A iniciativa imediata será a convocação nos próximos dias de um edital para médicos que queiram ocupar as vagas que serão deixadas pelos profissionais cubanos. Será respeitada a convocação prioritária dos candidatos brasileiros formados no Brasil seguida de brasileiros formados no exterior”, diz nota..
O Ministério da Saúde informou também já vinha tomando medidas no sentido de levar médicos brasileiros para o Mais Médicos. Nesse sentido, explicou que outras medidas para ampliar a participação de brasileiros vinham sendo estudadas, como a negociação com os alunos formados através do FIES (Programa de Financiamento Estudantil). “Essas ações poderão ser adotadas, conforme necessidade e entendimentos com a equipe de transição do novo governo.”
Asilo político
Pelo Twitter, Jair Bolsonaro informou também nesta quarta-feira, que dará asilo aos médicos cubanos que desejarem permanecer no Brasil.
Bolsonaro lembrou que o governo petista, para agradar Cuba, chegou a ameaçar de expulsão médicos cubanos que pedissem asilo político ao Brasil. "Não podemos concordar com isso. E vamos abrigar e dar asilo àqueles que não queiram retornar ao seu país de origem", disse o presidente eleito.
 
Tito pela culatra
Ou seja, se Cuba pensa que poderia desarticular o próximo governo do Brasil retirando seus médicos daqui, com a proposta de asilo político, Bolsonaro pode ter dado o troco com uma rasteira no governo cubano. Pelo Programa Mais Medicos, O Braasil gasta, por mês, R$ 95.984.640,00 com os cubanos. Só que desse montante todo, R$ 70.988.640,00 ficam para o governo cubano, hoje, comandado pelo presidente Miguel Díaz-Canel. São cerca de R$ 850 milhões por ano.
Com a proposta de Bolsonaro, além de perdere essa montanha de dinheiro brasileiro, a Ilha dos irmãos Castro, ainda pode passar pelo vexame de ver muitos de seus médicos pedindo para ficar no Brasil. (Renato Ferreira com informações do Ministério da Saúde e Agências)

 
000

About Author

Related items

  • Nos outros partidos isso é chamado também de laranjal?

     

    Hoje, os canhotinhos revoltados com a vitória de Bolsonaro chamam de "Laranjal" as candidaturas de mulheres no PSL.

    Alguém sabe informar como isso é chamado no PT, PSDB, DEM, MDB e outros partidinhos? Afinal, temos mais de 30 partidos e, claro, não tem ninguém sando nessa arte de desviar dinheiro público.

    Em minha opinião, esses 'laranjeiros" do PSL devem pagar por essa prática nefasta que sempre manchou essa política podre do Brasil.

    Quem sabe, assim, se eles forem devidamente punidos, os demais partidos também eliminem os seus laranjais, né. Ou seriam plantações de outras coisas nem tão saborosas e saudáveis como laranja? (Renato Ferreira)

  • 15 DE OUTUBRO: Nem só de parabéns vivem os professores!

    Enquanto existirem políticos falando "nós vai", "nós vem" e "a gente vamos", ganhando 15, 20, ou 30 mil reais, além das falcatruas, e professores ganhando salário de miséria, não adianta apenas parabenizar os professores.

     

    Hoje, 15 de Outubro é o Dia do Professor! Esse profissional tão valorizado no passado, mas, que hoje vive abandonado. Todas os profissionais, antes de serem famosos em suas áreas de atuação, passaram, desde a mais tenra idade, pelas mãos de um professor. Porém, infelizmente, muitos esquecem desse fato.

    Assim, Notícias & Opinião se junta às milhares de mensagens e também deseja a você, Professor ou Professora, parabéns pelo seu Dia! Mas, desejamos muito mais do que isso. Desejamos que você, Professor, volte a ser respeitado e valorizado pelos alunos, pelos pais e, principalmente, pela classe política.

    Dona Rita Fofano

    Dona Rita Fófano, professora aposentada, de Guiricema - Minas Gerais.

    Dona Cecília Garcia

    Dona Cecília Garcia, professora aposentada, de Miraí - Minas Gerais.

    E eu, jornalista Renato Ferreira, editor de Notícias & Opinião, faço essa homenagem a todos os Mestres, em nome de duas professoras muito especiais em minha formação. A minha primeira professora do primário, que me alfabetizou lá no início dos anos 1960, na Escola da Evangelândia, em Tuiutinga (MG), dona Rita Fófano, que mora em Guiricema (MG); e a minha professora do 4º ano primário, na Grupo Escolar Justino Pereira, em Miraí (MG), moradora nesta mesma cidade da zona da Mata de Minas. Obrigado, Mestras queridas!

    Escolas de ontem e de hoje

    Grupo Dr. Justino Pereia

    Grupo Escolar "Dr. Justino Pereira - Miraí-MG.

    Mas, que não fiquem somente nos parabéns. Neste 15 de Outubro, é bom também a gente não esquecer de como os professores eram tratados há 40 ou 50 anos, e fazer uma comparação como eles são desrespeitados atualmente. Além da desvalorização profissional, hoje, nossos professores são desrespeitados, agredidos e até mortos dentro da própria sala de aula.

    E esse desprestígio com os responsáveis pelo ensino de nossos filhos pode ser verificado nas próprias condições dos prédios escolares. Antigamente, as escolas públicas eram como "templos sagrados" do ensino. Quem teve a oportunidade de estudar na escola pública há 30, 40 ou 50 anos, sabe que na sala de aula o professor era uma autoridade respeitada e reverenciada. E, graças a Deus, era uma educação de alto nível.

    Grupo escolar de hoje depredado

    Hoje, centenas de escolas públicas do Brasil estão sucateadas e servem até de esconderijos para bandidos

    Hoje, infelizmente, a maioria das escolas públicas não tem segurança. São salas mal cuidadas, quando não são de latas, ou quando em regiões pobres, os alunos dão graças a Deus, quando podem aprender debaixo de uma árvore. E nos grandes centros urbanos, muitas escolas viraram até esconderijos de bandido. Claro, existem as exceções e estas devem ser valorizadas.

    Então, um país que não valoriza os seus professores, como o Brasil, dificilmente terá um futuro digno para o seu povo. Até porque, enquanto existirem políticos falando "nós vai", "nós vem" e "a gente vamos", ganhando 15, 20, ou 30 mil reais, além das falcatruas, e professores ganhando salário de miséria, e sendo agredidos, não adianta fazer apenas promessas e parabenizar os professores. (Renato Ferreira)

  • POLÍTICA: Popular nas redes, Bolsonaro destaca ações positivas do governo
    Com mais de 33 milhões de seguidores nas redes sociais, o Presidente citou, dentre outros temas, a deflação de 0,04% em setembro.
    Neste domingo 13/10, o presidente da República Jair Bolsonaro, usou o Twitter, para destacar uma série de ações do governo anunciadas neste mês de outubro. Ao todo, Bolsonaro enumerou 23 pontos que considera positivos que aconteceram até a segunda semana do mês atual.
    Dentre essas ações, Bolsonaro citou a redução de crimes, a deflação de 0,04% em setembro, a sanção do novo marco das telecomunicações e o anúncio do aumento do limite para compras em free shops.
    O presidente citou ainda o lançamento do programa Novos Caminhos pelo Ministério da ´Educação que visa criar 1,5 milhão de matrículas na educação profissional. “Faculdade é fundamental, contudo o ensino técnico é o motor para o retorno do dinheiro do contribuinte de forma rápida e eficaz”, comentou Bolsonaro.
    Aplausos e críticas
    Bolsonaro e Doria
    Ao lado governador João Doria (PSDB), que foi vaiado, Bolsonaro foi ovacionado na formatura de sargentos da Polícia Militar de São Paulo
    Apesar das críticas que recebem dos adversários e por parte da imprensa, neste final de semana, Jair Bolsonaro foi aplaudido em dois eventos no estado de São Paulo, fatos que contrariam as pesquisas que indicam baixa popularidade.
    Na sexta-feira, 11, ele participou da formatura de sargentos da Polícia Militar do de Estado de Paulo, quando foi ovacionado, ao ser anunciado e quando discursava. Ao seu lado estava o governador paulista, João Doria (PSDB) que, ao contrário do presidente, foi vaiado pelo público presente.
    Já no sábado, 12, Bolsonaro esteve na cidade de Aparecida por ocasião da missa alusiva ao Dia de Nossa Senhora Aparecida, celebrada pelo arcebisto metropolitando de Aparecida, dom Orlando Brandes. Também em Aparecida, Bolsonaro foi ovacionado por uma multidão de católicos, fato que encobriu poucas vaias no local. Ainda no sábado, ele esteve no Allianz Parque, onde acompanhou a vitória de "seu" Palmeiras por 1 a 0 sobre o Botafogo, jogo válido pelo Brasileirão 2019.
    33 milhões de seguidores
    Esses aplausos em eventos tão distintos, que derrubam por terra as pesquisas sobre baixa popularidade de Bolsonaro, são confirmadas ainda pelos números históricos que o presidente tem nas redes sociais. Os números que já eram altos, subiram ainda mais após o discurso firme de Bolsonaro na abertura da Assembleia Geral das Nacões Unidas (ONU), no final de setembro.
    Bolsonaro já ultrapassou a marca de 33 milhões de seguidores em redes sociais. O número emblemático confirma que o Presidente brasileiro é, atualmente, um dos Chefes de Estado mais populares do mundo.
    O levantamento do número de seguidores foi feito pela agência de ciência de dados MrPredictions, que realizou monitoramento em tempo real do crescimento na quantidade de seguidores do presidente brasileiro nas principais plataformas de rede.
    Por exemplo, ao final do dia 28/09, sábado, poucos dias após o discurso na ONU, o presidente estava com 32.994.595 de seguidores nas redes sociais. Já na manhã de domingo, 29, esse número havia alcançado exatamente 33.000.000 de seguidores, com um crescimento de 5.405 seguidores em doze horas.
    O número total de seguidores do presidente brasileiro nas redes sociais cresceu em mais de oito milhões desde a data da posse, o que o torna um dos Chefes de Estado com maior popularidade no mundo. Somente seu canal no youtube ultrapassou a marca de 114 milhões de visualizações, número próximo ao total de eleitores brasileiros. As informações são da Critica Nacional. (Renato Ferreira com informações do Estado de Minas e Brasilonline)

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.