Segunda, 22 Outubro 2018 | Login
RECADO DAS URNAS: Minas derrota Dilma e conclui o impeachment

RECADO DAS URNAS: Minas derrota Dilma e conclui o impeachment Featured

PT cai no conto dos mineiros, pois, a derrota da ex-presidente é uma das maiores do partido e ajuda a enterrar a narrativa de golpe. E enquanto Dilma foi derrotada em Minas, em São Paulo, Janaína Paschoal foi eleita deputada estadual com mais de 2 milhões de votos

Por Renato Ferreira -  

Líder nas pesquisa desde o início da campanha para o Senado, em Minas Gerais, Dilma Rousseff sofreu, com certeza, a maior derrota de sua carreira política, que também foi uma das maiores do PT nas eleições de 2018, ao lado da derrota de Eduardo Suplicy, também ao Senado, em São Paulo. De líder nas pesquisas até o dia das eleições, Dilma Roussef amargou um humilhante quarto lugar nas urnas.

Acusada de improbidade administrativa ao implementar as conhecidas pedaladas fiscais, a ex-presidente sofreu o impeachment em agosto de 2016 e, desde aquela época, o PT e seus aliados criaram a tese do golpe, afirmando que o impeachment teria sido uma armação da oposição, da elite econômica e da imprensa. Sofrendo o impeachment, Dilma deveria perder também os direitos políticos por oito anos. 

Só que durante o processo de votação do impeachment no Senado, o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Ricardo Lewandowski, e o presidente da Casa, Renan Calheiros (MDB), rasgaram a Constituição Federal e implementaram uma inovação em benefício da ex-presidente. Com o impeachment, Dilma perderia também os direitos políticos por oito anos. Porém, Lewandowski e Calheiros apresentaram uma nova proposta em desacordo com a Constituição: a petista deveria perder o mandato, mas, permanecer com os direitos políticos. Apesar de absurda, a proposta foi aprovada pela maioria dos senadores.

E para reforçar a tese de golpe, Lula pediu, então, que Dilma Rousseff transferisse seu domicílio eleitoral para Minas e concorrese ao Senado. Depois de pesquisar outros estados, o PT chegou à conclusão de que Minas seria o melhor colégio eleitoral para essa volta de Dilma ao cenário político através do voto. Na avaliação de Lula, além do estado ser governado pelo petista Fernando Pimentel, candidato à reeleição, o caminho para Dilma seria facilitado uma vez que os mineiros estariam também decepcionados com o senador Aécio Neves (PSDB), acusado de crimes na operação Lava Jato. Aécio foi derrotado por Dilma nas eleições presidenciais em 2014.

Ainda na pré-campanha, as pesquisas indicarvam que o PT teria acertado nessa avaliação. Dilma liderou com folga e a cúpula petista tinha certeza da vitória. Só que eles não combinaram isso com os mineiros no dia da votação.

No final da votação, as urnas revelaram que Dilma Roussef recebeu 2.709.223 votos, ficando atrás de Dinis Pinheiro (Solidariedade), com 3.251.175 votos, Jornalista Carlos Viana (PHS), eleito com 3.568.658 votos, e Rodrigo Pacheco (DEM), eleito com. 3.616.864 votos. E para completar a derrota petista em Minas, o governador Pimentel ficou em terceiro lugar.

Dilma X Janaína

Janaína Paschoal

A professora e jurista Janaína Paschoal foi eleita deputada estadual com mais de 2 milhões de votos pelo partido de Bolsonaro

E essa derrota de Dilma Roussef, em Minas, que remete ao impeachment, pode ser confrontada também com a estupenda vitória da jurista Janaína Paschoal (PSL), eleita deputada estadual em São Paulo com mais de 2 milhões de votos, a maior votação de um deputado estadual na história do Brasil. Como co-autora do pedido de impeachment, Janaína foi uma das vozes mais ativas a favor do impeachment da petista Dilma Rousseff. (Renato Ferreira)

000

About Author

Related items

  • ELEIÇÕES 2018: Manifestações pró Bolsonaro levam multidões às ruas do Brasil

     

    Neste domingo, 21/10, a uma semana antes do segundo turno das eleições presidenciais entre Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT), milhares de pessoas, vestindo verde e amarelo saíram às de centenas de cidades brasileiras em prol da candidatura de Bolsonaro. Ontem, as manifestações foram a favor de Haddad.

    Hoje, as maiores manifestações ocorreram em São Paulo, na Avenida Paulista, no Rio de Janeiro, em Belo Horizonte e em Brasília. Vestindo as cores do Brasil, as multidões gritavam palavras de ordem contra a corrupção e contra o Partido dos Trabalhadores (PT).

    Manifestações em diversas cidades

    Maninfestação pro Bolsonaro 2110 Av Paulista

    Avenida Paulista

    Maninfestação pro Bolsonaro 2110 Rio

    Rio de Janeiro

    Maninfestação pro Bolsonaro 2110 Brasília

    Brasília

    Maninfestação pro Bolsonaro 2110 BH

    Belo Horizonte

    Maninfestação pro Bolsonaro 2110 Vila Velha ES

    Vila Velha (ES)

  • ELEIÇÕES 2018: Polícia Federal reforça segurança em condomínio de Bolsonaro
    Grades foram instaladas no acesso ao condomínio do presidenciável do PSL que lidera as pesquisas eleitorais.Local tem tido movimentação intensa de curiosos, apoiadores, correligionários e jornalistas
     
    Na manhã desta sexta-feira, 19/10, grades de contenção foram instaladas no acesso ao condomínio onde mora o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro. Alguns gradis invadem parte da calçada. Desde a semana passada o local tem tido movimentação intensa de curiosos, que chegam para tirar selfies, apoiadores, correligionários e repórteres.
    Policiais federais que fazem a segurança de Bolsonaro também atuam junto à portaria do condomínio. Até então, eles ficavam apenas próximos à casa do candidato, que não pode ser vista da rua. Os agentes abordam quem ingressa no conjunto de casas e não for morador.
    Segundo um dos policiais, o reforço na segurança seria "apenas um ajuste nesta reta final de eleições". A instalação das grades, por sua vez, teria partido por decisão do condomínio. Diferentemente dos últimos dias, não houve entrada e saída de políticos na manhã desta sexta. (Fonte: Terra)
  • DATAFOLHA: Bolsonaro tem 59% dos votos válidos; Haddad, 41%
    No quesido rejeição, Bolsonaro tem 41%, contra 54% de Haddad
     
     
    Conforme pesquisa Datafolha de intenção de voto para a presidência da República divulgada nesta quinta-feira, 18/10, o candidato Jair Bolsonaro (PSL) segue liderando a disputa do segundo turno com 59% dos votos válidos. O concorrente, Fernando Haddad (PT), tem 41%.
    Datafolha votos
    Com relação aos votos totais, a pesquisa apresenta Bolsonaro com 50%, Haddad com 35%, brancos e nulos com 10%, e não sabem (ou não responderam) com 5%.
    O Datafolha também pesquisou o índice de rejeição dos candidatos. Quando a pergunta foi “entre estes candidatos, gostaria que você me dissesse se votaria com certeza, talvez votasse ou não votaria de jeito nenhum em”, os resultados foram:
    Datafolha rejeição
    Jair Bolsonaro
    Votaria com certeza – 48%
    Talvez votasse – 10%
    Não votaria de jeito nenhum – 41%
    Não sabe – 1%
    Fernando Haddad
    Votaria com certeza – 33%
    Talvez votasse – 12%
    Não votaria de jeito nenhum – 54%
    Não sabe – 1%
    A pesquisa foi feita entre 17 e 18 de outubro com 9.137 eleitores em 341 municípios. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos. Ela foi registrada no TSE sob o número BR-07528/2018. (Fonte: Jovem Pan)

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.