Sábado, 19 Janeiro 2019 | Login
TRAGICÔMICO: Acompanhe a agenda de campanha do Lula pela TV

TRAGICÔMICO: Acompanhe a agenda de campanha do Lula pela TV Featured

 "NÃO TEVE COMPROMISSO DE CAMPANHA. SEGUE PRESO EM CURITIBA"

 

No final da semana passada, dia 31/08, o plenário do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), aplicou mais uma derrota ao Lula, aprovando a sua inelegibilidade e, consequentemente, rejeitando o seu registro como candidato à Presidência da República pelo PT.

A decisão do TSE foi tomada com base na Lei da Ficha Limpa, aprovada pelo próprio Lula, que torna inelegível a pessoa condenada em segunda instância da Justiça. E, como todos os brasileiros sabem, Lula foi condenado a 9 anos de prisão pela Lava Jato pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, pena esta que foi confirmada e aumentada para 12 anos e um mês pelo TRF4, de Porto Alegre.

Mas, como o PT insiste em manter o Lula candidato, ignorando a decisão da Justiça Eleitoral, as TVs que, diariamente divulgam as agendas dos presidenciáveis, em respeito à Lei, mostram assim a agenda do líder petista:

- "NÃO TEVE COMPROMISSO DE CAMPANHA. SEGUE PRESO EM CURITIBA".

TRAGICÔMICO é uma publicação de Notícias & Opinião em todas as quartas-feiras.

000

About Author

Related items

  • BOMBA: Palocci diz que Lula recebeu dinheiro vivo da Odebrecht

    Segundo o ex-ministro de Lula, o petista recebia pacotes de dinheiro vivo com R$ 30 mil, R$ 40 mil ou R$ 50 mil

     

    O ex-ministro Antonio Palocci afirmou em sua negociação de acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal que entregou dinheiro vivo ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), em ao menos cinco vezes. Palocci disse ter feito as entregas pessoalmente, em pacotes com R$ 30 mil, R$ 40 mil ou R$ 50 mil. A informação foi revelada pela revista Veja e, posteriormente, reportada também pelo jornal Folha de S.Paulo .

    O relato sobre as entregas de dinheiro a Lula consta dos anexos do acordo de Palocci com os procuradores da Lava Jato – documentos que representam uma espécie de resumo do que o delator irá contar, caso o acordo seja fechado.

    Segundo o relato do ex-ministro, as quantias entregues ao ex-presidente eram destinadas a despesas pessoais do petista. Valores mais elevados eram entregues no Instituto Lula por meio do ex-assessor de Palocci, Branislav Kontic – conforme ele já havia relatado em depoimento ao juiz Sérgio Moro, na semana passada.

    De acordo com Palocci, as propinas integravam a conta-corrente que o PT tinha com a empreiteira Odebrecht, expressa na planilha "Programa Especial Italiano", do setor de Operações Estruturadas da empresa. "Italiano" é uma referência a Palocci.

    Na semana passada, os advogados do petista enviaram nota à imprensa na qual afirmaram que o depoimento de Palocci foi contraditório e que teve como objetivo viabilizar sua saída da prisão.

    Palocci , que está preso desde o ano passado e já foi condenado a 12 anos e dois meses de prisão, afirmou no depoimento que o “pacto de sangue” com a Odebrecht envolvia o terreno do instituto , o sítio usado pela família do ex-presidente em Atibaia e mais R$ 300 milhões, que estariam à disposição do petista para que ele fizesse as “atividades políticas”.

    No avião

    O ex-ministro Palocci relatou ainda que o ex-presidente Lula recebia propinas dentro de caixas de uísque “até em avião”.

    O ex-ministro falou também sobre propinas de outras empreiteiras paga durante a construção da Usina Belo Monte, cujo inquérito corre sob sigilo. O depoimento de Palocci foi concedido em abril do ano passado e homologado três meses depois pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4).

    Além de afirmar que Lula recebeu valores ilegais na construção da hidrelétrica, Palocci também cita que a ex-presidente Dilma Rousseff sabia e autorizou pagamentos da empreiteira Andrade Gutierrez ao, então, PMDB durante campanha eleitoral. Entretanto, ela teria negado repasses ao PT.

    Entre os valores entregues ao ex-presidente, R$ 50 mil teriam sido entregues dentro de uma caixa de telefone celular no Terminal da Aeronáutica de Brasília, durante o período eleitoral de 2010, além de outros repasses. “Em São Paulo, recorda-se de quando levou dinheiro em espécie a Lula dentro de caixa de whisky até Congonhas.”

    Nesse episódio do Aeroporto de Congonhas, Antonio Palocci afirmou que “no caminho até o local recebeu constantes chamadas telefônicas de Lula cobrando a entrega”. A cobrança teria sido presenciada por um motorista, Carlos Pocente, que também prestou depoimento no inquérito de Belo Monte. O dinheiro era entregue no avião presidencial. (Fontes: Último Segundo e Jovem Pan)

  • TRAGICÔMICO: Sem acordo sobre propinas, vice-prefeito manda matar prefeito de Novo Acordo

     

    Está meio confuso este título, não é mesmo? Pois é, mas, a confusão é apenas por conta do nome da cidade. Sabe quando os membros de uma quadrilha não se entendem no momento da divisão do produto roubado e o caso termina em briga e até em morte?

    Foi justamente isso que aconteceu na cidade de Novo Acordo, no estado de Tocantins. Só que o caso não envolve bandidos comuns. Os envolvidos são o prefeito e o vice-prefeito da cidade por causa de pagamento de propinas.

    No último dia 10 de janeiro, o vice-prefeito de Novo Acordo, Leto Moura Leitão Filho (PRB), foi preso em flagrante, depois que mandou matar o prefeito da cidade Elson Lino de Aguiar (MDB, conhecido na cidade como Dotozim. O acusado foi interrogado na Delegacia de Investigações Criminais de Palmas.

    Segundo informações da Polícia Civil de Palmas, no dia 9, o Dotozim levou três tiros, inclusive, um deles na cabeça. O crime ocorreu na residência do prefeito. Ele foi socorrido e internado, mas, acabou ficando de perigo. Segundo a Polícia, a motivação do crime teria sido por desentendimento na distribuição de recursos oriundos de fraudes em licitações na Prefeitura de Novo Acordo.

    Morte planejada
    Antes de ser vice na chapa de Dotozim, Leto Moura foi candidato a vereador da cidade em 2004.

    Além do vice-prefeito, foi preso Gustavo Araújo da Silva, suspeito de ser o executor do atentado. Inicialmente, eles teriam combinado um pagamento de R$ 10 mil pelo crime, mas o depósito não chegou a ser feito. A polícia prendeu também o empresário Paulo Henrique Sousa, suspeito de fazer a intermediação entre o político e o matador Gustavo.

    "Isto foi planejado mais ou menos há três meses. A morte do prefeito teria sido encomendada antes do Natal de 2018. Uma primeira tentativa foi feita com dois contratados, que não conseguiram chegar em Novo Acordo, depois que que se envolveram num problema com a PM de Aparecida do Rio Negro", explicou o delegado Diogo Fonseca. (Fonte: G1)

    TRAGICÔMICO é uma publicação de Notícias & Opinião todas às quartas-feiras. Para ver outros casos já publicados, basta acessar o site - www.noticiaseopiniao.com.br - e buscar pela palavra tragicômico.

  • TRAGICÔMICO: Orgulhosa, Gleisi Hoffmann participa da posse de Maduro nesta quinta-feira

    Com exceção de Cuba, praticamente, o mundo inteiro não reconhece a vitória de Nicolás Maduro, que toma posse nesta quinta-feira, 10, na Venezuela. Há poucos dias, 14 países da América do Sul, inclusive, o Brasil, se reuniram em Lima, Peru, quando decidiram não reconhecer o novo governo de Maduro.

    Para a comunidade internacional e também para a Assembleia Nacional da Venezuela, comandada pela oposição, houve fraudes nas eleições em que Maduro, acusado de perseguir seus opositores, foi reeleito. Segundo o Itamaraty, o Brasil “lamenta profundamente” que a Venezuela não tenha atendido aos repetidos chamados da comunidade internacional “pela realização de eleições livres, justas, transparentes e democráticas”.

    As relações do Brasil com a Venezuela estão prejudicadas desde dezembro de 2018, quando o governo de Caracas expulsou o embaixador brasileiro no país. Em resposta, o governo brasileiro retribuiu a decisão e declarou o encarregado de negócios da Venezuelano em Brasília persona non grata.

    No entanto, apesar do mundo inteiro não reconhecer a vitória de Maduro, a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, vai participar da posse do ditador venezuelano. Em nota oficial, pasmem, a presidente do PT, disse que sua presença no país será “para mostrar que a posição agressiva do governo Bolsonaro contra a Venezuela tem forte oposição no Brasil e contraria nossa tradição diplomática”.

    Com certeza, essa mulher não está vendo a dura realidade em que Maduro colocou o povo da Venezuela. Pois, a petista acrescentou: “Em qualquer país em que os direitos do povo estiverem ameaçados, por interesses das elites e dos interesses econômicos externos, o PT estará sempre solidário ao povo, aos que mais precisam de apoio". Será que essa mulher não está vendo que, diariamente, milhares de pessoas miseráveis saem da Venezuela em busca de refúgio em outros países, como o Brasil? (Renato Ferreira)

    TRAGICÔMICO é uma publicação de Notícias & Opinião todas às quartas-feiras. 

    * Se você tiver interesse em ver outros temas já publicados aqui, basta clicar em Pesquisar e postar a palavra tragicômico. 

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.