Quinta, 16 Agosto 2018 | Login
PMB anuncia apoio a Márcio França e oficializa candidaturas em São Paulo

PMB anuncia apoio a Márcio França e oficializa candidaturas em São Paulo Featured

 

No último domingo, 05/08, último dia para a realização das convenções partidárias, o PMB (Partido da Mulher Brasileira), realizou a sua convenção em São Paulo, ocasião em que anunciou o apoio ao governador Márcio França (PSB), candidato à reeleição. Na convenção, o PMB  também anunciou seu apoio à ex-atleta e campeã olímpica no salto em distância, em Pequim (2008), Maurren Maggi, ao Senado. No evento, foram oficializadas tambémm as candidaturas da legenda para a Câmara dos Deputados e à Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. 

Na abertura do evento, Jaime Angelo Nonato Fusco, presidente da executiva estadual do PMB, pediu fidelidade ao partido. Márcio França não compareceu à convenção. Ele foi representado pela sua esposa e primeira-dama do Estado, Lúcia França. No total, o PMB confirmou 30 candidaturas a deputado Estadual e 15 a Federal.

E uma das candidatas do partido à Assembleia Legislativa, é a Dra. Regiane Souza Neves, pedagoga, escritora e psicóloga. Representante de Osasco e região Oeste, Regiane esteve presente à convenção, onde falou de suas expectativas como pré-candidata, destacando a importância da participação cada vez mais ativa da mulher na política. "Acredito na política com participação 50/50, ou seja, de igualdade entre homens e mulheres. É possível caminharmos juntos. Já estive como presidente e vice-presidente em outros partidos, hoje estou pré-candidata à deputada estadual e entrei de coração no PMB, pois sei que é o partido que melhor acolhe minhas causas. Que nós possamos ser flechas nas vidas de outras mulheres", afirmou. (Fonte e Foto: Portal A Rede de Notícias)  

000

About Author

Related items

  • ELEIÇÕES 2018: Gelso Lima reúne 400 pessoas em plenária para organizar campanha
    Na noite desta terça-feira, 14/08, o candidato a deputado estadual pelo Podemos, Gelso Lima, reuniu mais de 400 pessoas numa plenária, em Osasco, para dar orientações sobre como funcionará a estratégia da sua campanha. Na ocasião, ele e sua equipe apresentaram o plano de comunicação cujo slogan é “Competência para mudar”.
    Gelso é uma figura política reconhecida entre as diversas lideranças da região e já mostrou sua competência como gestor na solução de problemas nas mais diversas áreas públicas, com destaque na área de Saúde, quando foi o secretário que por mais tempo ficou à frente da pasta em Osasco.
    Mas apesar da sua vasta experiência na vida pública, sempre foi um homem de bastidores. “Essa reunião é muito importante porque tenho uma vida dedicada ao serviço público e a Osasco, mas não sou muito conhecido. Ter uma estratégia de comunicação robusta e poder contar com vocês para me fazer conhecer será primordial nessa campanha. São vocês, junto comigo, que vão contar a minha história de dedicação a Osasco para a nossa população”.
    Emocionado, ele lembrou das inúmeras campanhas que já fez e explicou que agora é diferente, porque o candidato é ele. “Confesso que estou muito comovido com a manifestação de carinho de vocês. Nunca fui candidato, nunca gritaram meu nome de peito aberto como aconteceu agora aqui. Eu sempre gritei o nome de outros candidatos, e ouvir assim com tanta força meu nome sendo gritado, me comove. Quero agradecer muito a presença de cada um hoje aqui”. Na sequência, Gelso fez uma breve explanação sobre o cenário político e eleitoral que está se desenhando para as próximas eleições e falou sobre como pretende conduzir sua campanha que começa agora e vai até o início de outubro.
     
    Gelso plenária 2
     
    “Hoje vocês estão aqui comigo para conhecer as peças da nossa campanha e para que combinemos nossa estratégia. Nossa campanha será séria, propositiva, ninguém vai me ouvir falando mal dos meus adversários. Nem eu, nem ninguém da minha equipe vai adotar essa prática”, disse.
    Prioritariamente Gelso dobrará com a candidata à reeleição para deputada federal Renata Abreu, mas ele conta com outras pessoas para dobrar estadual/federal, como o Dr. Gaspar, por exemplo, nome tradicional da política osasquense. Ao todo são 28 candidatos a deputado federal que estão com ele.
    Gelso também tem, até o momento, com possibilidades de ampliação, o apoio de 49 presidentes de diretórios partidários de várias cidades do Estado, quatro presidentes de câmaras, nove ex-prefeitos, quatro vice-prefeitos, 24 vereadores de diferentes cidades de São Paulo, 98 lideranças que foram candidados a vereadores em 2016, sendo 71 de Osasco, 348 lideranças de várias instituições do Estado, 68 pastores evangélicos de todo o Estado, 13 sindicatos, e 17 movimentos sócio-culturais.
    Sobre o cenário municipal e o eventual apoio que poderá ter do prefeito Rogério Lins, o qual ele ajudou a eleger e fez parte do governo saindo porque assim determina a lei eleitoral, Gelso deixou claro que entende o posicionamento até agora neutro do prefeito e que na hora certa espera receber a contribuição dele. “Respeito o tempo do nosso prefeito. Não é fácil ser prefeito de uma cidade onde você precisa do apoio de vereadores para que os projetos sejam aprovados. Essa questão da preferência do prefeito… isso, com a experiência que eu já vivi, é uma bobagem. A eleição não é feita nos corredores da prefeitura, com um pescando no aquário do outro. A eleição a gente ganha na rua, convencendo as pessoas”, destacou.
    “O prefeito Rogério Lins sabe que eu não comecei no segundo turno ganhando secretaria. Eu comecei a apoiar o prefeito um ano e meio antes da eleição. Empenhei meu coração, minha alma e meu recurso próprio para que esse projeto fosse vitorioso. Trabalhei arduamente para que ele ganhasse a eleição para prefeito. Então, não tenho dúvida alguma de que no momento certo ele, á luz dos outros candidatos que ele precisa ajudar, vai deixar uma fatiazinha para que a gente possa alavancar essa campanha. Tem muito funcionário da prefeitura que me conhece e que confia no meu trabalho. Para esses, tenho um pedido: não entrem no jogo que está sendo proposto. Não vamos disputar apoio na base da chantagem, na base da ameaça… Vamos fazer política com convencimento e não com tortura. Já foi o tempo em que as pessoas decidiam o rumo que as outras tinham que seguir, então não se preocupem com isso. Vamos fazer uma campanha limpa, pra frente, alegre e cheia de boas propostas. O povo é sábio, e vai saber escolher”, completou. (Fonte: Assessoria de Imprensa - Fotos: Reinaldo Vaz)
  • TRAGICÔMICO: PT exige Lula ficha limpa

     

    Por Renato Ferreira - 

    Nesta quarta-feira, 15/08, o PT armou mais um circo lá em Brasília para registrar a candidatura de Lula à Presidência da República, mesmo sabendo que ele não poderá concorrer. Tanto é assim, que na convenção petista, foi lançado o nome de Fernando Haddad, como vice provisório de Lula, e o da Manuela D´Ávila a vice do vice provisório.

    Ontem, inclusive, o ex-governador petista da Bahia, Jaques Wagner, alertou que o PT precisa urgentemente começar a expor Haddad ao eleitorado. Porém, isso não é o mais curioso nesses desacertos desesperados do PT, que continua enganando o seu eleitorado.

    Apesar de o Lula ter sido condenado em segunda instância a mais de 12 anos de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro e estar preso por isso, além de ter perdido até aqui todos os recursos no Tribunal Superior de Justiça e no Supremo Tribunal Federal, essa condenação não consta na Justiça de São Paulo, que concedeu certidão negativa de Lula ao PT.

    E com essa certidão, o partido vai pedir ao Tribunal de Justiça Eleitoral, que o Lula não seja considerado inelegível pela Lei da Ficha Limpa. Ora, então, com base nessa tese petista, um criminoso condenado em São Paulo estará com ficha limpa em qualquer parte do Brasil?

    Pode isso companheiros? (Renato Ferreira)

    Atenção! Todas às quartas-feiras, uma nota tragicômica aqui em Notícias & Opinião!

  • DEBATE DA BAND: "Não vou discutir com um desqualificado", diz Bolsonaro para Boulos

    Ao contrário do que muitos esperavam, como troca de farpas e um massacre dos demais candidatos pra cima de Bolsonaro, o debate da Band foi morno. O encontro foi marcado por promessas inusitadas, como a de Ciro Gomes que prometeu limpar o nome de todos brasileiros que estão no SPC

     Por Renato Ferreira - 

    O primeiro debate entre presidenciáveis 2018, realizado nesta quinta-feira, 09/08, pela TV Bandeirantes, foi morno e sem polarização entre os candidatos, que preferiram não partir para o confronto direto. Os oito participantes aproveitaram a maior parte do tempo para se apresentar ao eleitorado e falar de si próprio.  Não houve o esperado massacre dos demais candidatos contra Jair Bosonaro, que lidera as pesquisas sem o petista Lula. 

    No primeiro bloco, quando o mediador, jornalista Ricardo Boechat, fez uma pergunta comum a todos sobre desemprego, feita por internautas, os candidatos acabaram ignorando a pergunta. O primeiro a responder foi Álvaro Dias, do Podemos, que gastou todo o tempo para se apresentar ao eleitorado. Durante o debate, Dias destacou também a sua proposta de "refundar a República". Apenas Geraldo Alckmin (PSDB) e Marina Silva (Rede) falaram mais especificamente sobre o tema proposto. Bolsonaro fez menção ao tema desemprego.

    O único momento mais quente foi protagonizado pelos candidatos Guilherme Boulos (PSOL) e Jair Bolsonaro, respectivamente, representates das extremas esquerda e direita. Pela contundência da pergunta, tudo indicava que seria aquele o clima do debate. Boulos quis saber sobre uma tal senhora Val que, segundo ele, seria uma "funcionária fantasma" do deputado Federal Bolsonaro. Ainda calmo, Bolsonaro explicou que a senhora Val é uma funcionária dele que presta serviços e Angra dos Reis e que o caso já foi esclarecido pela Câmara dos Deputados. Não satisfeito com a resposta, Boulos subiu o tom e disse: "Morando em Brasília, o senhor não tem vergonha de receber o auxílio moradia?". Foi o bastante para o Capitão reformado do Exército soltar os cachoros pra cima do Boulos, fundador e líder do MTST (Movimento does Trabalhadores Sem-Teto). "Não gastei toda a minha verba de Gabinete e esse auxílio está na Lei. Eu teria vergonha se eu fosse um desocupado que vive invadindo e incendiando propriedades de terceiros. E tem mais: Estou aqui para discutir políticas públicas e não para bater boca com um desqualificado como você". Daí para frente, o debate não tem mais polarização direta entre os candidatos. 

    Apesar de se mostrar cordial a Geraldo Alckmin na maioria do tempo, Marina Silva tentou fustigar o tucano em alguns momentos, criticando-o pela aliança com o Centrão que abriga políticos.: "O Brasil necessita de reformas urgentes e o Presidente eleito precisará de apoio do Congresso para aprová-las. A Marina, por exemplo, saiu do Partido Verde alegando que não eram compatíveis. Agora, se aliou aos Verdes, ou seja, voltou a ser compatível". 

    O ex-presidente Lula (PT), que se encontra preso desde abril e condenado a mais de 12 anos pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, foi mencionado apenas uma vez. Ao se apresentar, Boulos cumprimentou Lula que, para ele, "é um companheiro preso injustamente". E, se o ex-presidente Lula foi lembrado uma vez, o atual, Michel Temer MDB) não foi mencionado por nenhum candidato. Nem mesmo pelo candidato do seu partido, o banqueiro Henrique Meirelles, que tentou se apresentar como candidato dos trabalhadores. Meirelles acusou, inclusive, o PSDB que, segundo ele, já chamou o Bolsa Família de "Bolsa Esmola". Por sua vez, Alckmin elogiou o programa e disse que o Bolsa Família é fruto da unificação de outros programas sociais dos governos de Fernando Henrique Cardoso, "como o Bolsa Escola", disse Alckmin. 

    Menos por propostas de governo, o Debate foi destaque nas redes sociais mais pelos momentos engraçados e promessas inusitadas, como a de Ciro Gomes, do PDT. Como um verdadeiro populista, o pedetista que nasceu em São Paulo e foi criado no Ceará, afirmou que se for eleito ele vai limpar o nome de todos os brasleiros que estão com o nome sujo no SPC. Até o Jair Bolsonaro riu da proposta de Ciro Gomes. O debate serviu também para o Brasil conhecer o candidato nanico, Cabo Daciolo, do Patriota, que teve momentos hilários, falando alto e acusando todos os demais de corruptos. 

    No encontro da Band, houve também momentos de trocas de elogios entre os candidados, o que denota a possibilidade de alianças num eventual segundo turno. Um desses momentos foi demonstrado por Jair Bolsonaro e Álvaro Dias. Em vez de fazer uma pergunta ao candidato do Podemos, Bolsonaro elogiou uma proposta do adversário sobre combate à corrupção e apoio à Operação Lava Jato. Então, Álvaro Dias aproveitou para falar de sua proposta e, inclusive, reafimou que convidará o juiz Sérgio Moro para fazer parde de seu governo, caso seja eleito. 

    O clima morno do debate da Band pode até ser compreensível por ser o primeiro das eleições 2018 e também por ter muitos estreantes. Dos oito participantes, apenas Geraldo Alckmin, Marina Silva e Ciro Gomes já haviam participado de encontros de presidenciáveis. Já Álvaro Dias, Jair Bolsonaro, Henrique Meirelles, Cabo Daciolo e Guilherme Boulos estrearam nesse tipo de debate. Mais oito debates já estão confirmados até as eleições. E com certeza, como já passaram pelo batismo de fogo, nos próximos encontros os presidenciáveis já deverão estar mais descontraídos e poderá haver mais polarização e confrontos diretos. (Renato Ferreira) 

    Próximos debates
    RedeTV! – Debate –(17.ago, 22h) – televisão;
    TV Gazeta/Estadão (9.set, 19h30) – televisão;
    Poder360/Revista Piauí (18.set, 10h) – streaming;
    Veja (19.set, 9h) – streaming;
    TV Aparecida (20.set, 10h) – televisão;
    SBT/Uol/Folha (26.set, 18h20) – televisão;
    Record (30.set, 22h) – televisão;
    Globo (4.out, 21h30) – televisão.

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.