Sexta, 24 Maio 2019 | Login
Márcio França diz que PSB só definirá alianças na reta final

Márcio França diz que PSB só definirá alianças na reta final Featured

 

PSDB, PT e PDT disputam o apoio do partido do governador de São Paulo, legenda fundada por Miguel Arraes

Hoje, sem dúvida, o PSB é um dos partidos mais disputados pelos pré-candidatos à Presidência da República. E não é por acaso. Afinal, o Partido Socialista Brasileiro, fundado por Miguel Arraes, é muito forte no Nordeste, região onde tem vários governadores, tem fortes bancadas tanto no Senado como na Câmara dos Deputados e, atualmente, tem também o comando do Estado de São Paulo, o maior colégio eleitoral de São Paulo. O governador Márcio França assumiu o cargo em abril, no lugar do tucano Geraldo Alckmin, e concorrerá á reeleição. Recentemene, França esteve na cidade de Osasco, onde condedeu entrevista coletiva no Ciclo de Entrevistas - Eleições 2018, promovido pelo jornal O Diário da Região e AmeCom (Associação Metropolitana de Comunicação), e ADJORI (Associação dos Jornais do Interior do Estado de São Paulo).

Conforme entrevista publicada nesta terça-feira, 17/07, pelo portal Poder360, Márcio França afirmou que o seu PSB só deve decidir se apoia o pedetista Ciro Gomes para presidente às vésperas do prazo final para realização das convenções (5 de agosto). Os socialistas marcaram sua convenção para 4 de agosto.

Há no partido três opções que estão sendo discutidas internamente: o partido está dividido entre Ciro Gomes (PDT), o tucano Geraldo Alckmin e o candidato do PT, que ainda insiste na candidatura de Lula, que continua preso e condenado a mais de 12 anos de prisão.

Candidatura própria
Surgiu também dentro do PSB, uma quarta alternativa: a candidatura própria defendida pelo deputado Federal Júlio Delgado (PSB-MG).

O nome para a possível pré-candidatura socialista seria o de Renata Campos, viúva do ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos, morto em acidente de avião durrante a campanha de 2014. Casagrande agora fala até na possibilidade de não apoiar ninguém, ou mesmo uma candidatura própria.

O nome de Renata Campos, viúva do ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos, começa a ser ventilado.

“Tudo é possível"
Pré-candidato à reeleição, França diz na entrevista ao Poder360 que ele próprio já esteve bem mais definido. Mas que agora não sabe ao certo qual rumo tomará. Para sua campanha, há vantagens nos seguintes cenários:

- com Ciro Gomes – a aliança com o PDT aumentaria seu tempo de TV, subindo de 20 para 22 inserções de TV no horário eleitoral gratuito;
sem candidato – a legislação eleitoral permite que, não tendo candidato a presidente, França use nos programas de TV a imagem do amigo e ex-governador Geraldo Alckmin, do PSDB;
com candidato próprio – 1 nome como Renata Campos, viúva do ex-governador Eduardo Campos (Pernambuco), concorrendo a presidente permitiria ao partido estadualizar a campanha nacional.

Pesos-pesados
O Diretório de São Paulo divide com o de Pernambuco a maioria na Convenção Nacional do PSB. Paulistas aliam-se aos Estados do Sul e Centro-Oeste e pernambucanos, aos do Norte e Nordeste.

O governador de Pernambuco e pré-candidato à reeleição defende o apoio nacional do PSB ao PT. Como está difícil, passou a trabalhar para o partido liberar alianças nos Estados. Assim, pode ficar com o ex-presidente Lula. O problema é a pré-candidata petista ao governo pernambucano, Marília Arraes. Ela cresce nas pesquisas e dificulta a aliança de Câmara com os petistas.

Há ainda a ala socialista de Minas Gerais. Lá, o ex-prefeito de Belo Horizonte Marcio Lacerda trabalha para ser o vice de Ciro Gomes. Por outro lado, Júlio Delgado, líder do PSB na Câmara dos Deputados, passou a defender nos bastidores uma candidatura própria do partido a presidente. (Fonte: Poder360)

000

About Author

Related items

  • POLÍTICA: Será que o Alckmin queria ter levado a facada?

     

    O tucano Geraldo Alckmin, candidato à Presidência em 2018, que levou uma surra na eleição, atribuiu sua derrota à facada que Bolsonaro levou.

    “Eu estava subindo e ele, caindo. Só no dia da facada, ele teve 22 minutos de Jornal Nacional”, disse Alckmin, durante debate na Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado, em São Paulo. (Com a informação: Folha de São Paulo e O Antagonista)

  • INACREDITÁVEL! PT, PSB, PCdoB, CUT, MST e MTST declaram apoio a Maduro, contra o povo venezuelano

    Parece inacreditável, mas é verdade. Hoje, quando a maioria dos países declara apoio ao governo interino de Juan Guaidó, na Venezuela, a chamada esquerda do Brasil assina manifesto de apoio ao ditador Nicolás Maduro, que fechou as fronteiras do país e proíbe a entrada de ajuda humanitária para o povo faminto e doente.

     

    “Denunciamos a intervenção imperialista dos Estados Unidos, com o bloqueio econômico e sequestro de bilhões de dólares que estão nos bancos americanos. Repudiamos a ameaça de intervenção militar na Venezuela. Repudiamos as declarações intervencionistas do presidente Jair Bolsonaro e seu chanceler Ernesto Araújo, que rompem com a tradição diplomática brasileira em busca da paz, diálogo e integração regional.”, diz o documento.

    “A sociedade brasileira tem que entender que o problema da Venezuela não foi gerado pelo governo. O problema está na falta de respeito dos norte-americanos à soberania do povo da América Latina”, acrescenta o manifesto.

    E os esquerdistas brasileiros arrematam:

    "Devemos deixar claro que esta posição do governo Bolsonaro traz gravíssimas consequências, em caso de guerra. Em especial, a tragédia da perda de vidas humanas de cidadãos brasileiros, latino-americanos e americanos".

    Miséria na Venezuela

    A crise na Venezuela, provocada pela ditadura de Nicolás Maduro, causou violência, fome e muita miséria. Sem empregos, o povo passou a procurar comida nos lixões do país.

    Nos últimos dias Nicolás Maduro determinou o fechamento as fronteiras da Venezuela, inclusive, com o Brasil e proíbe a entrada de ajuda humanitária. Isso tem gerado conflitos e, segundo as agências de notícias, nesta sexta-feira, 22, uma índia acabou morrendo e outras pessoas ficaram feridas por balas disparadas por soldados leais a Maduro.

    Só que a realidade mostra, exatamente o contrário do que esses partidos e movimentos de esquerda afirmam. A posição do governo Bolsonaro é de solidariedade ao povo venezuelano. Como outros países, o Brasil está enviando donativos até a fronteira com o governo afirmando, que não defende nenhuma medida de intervenção.

    É incrível e lamentável verificara como a luta do pelo poder gera tanta insanidade e desumanidade, apenas porque eles querem derrubar o Governo Bolsonaro

    Ditaduras e miséria
    O apoio da esquerda brasileira, tendo como lídres os ex-presidentes petistas Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Roussef, não tem se mostrado eficaz para o povo. É um apoio que gera benefício apenas para governo ditatoriais. Exemplo disso é o que ocorre em países como Venezuela, Honduras e Nicarágua.
    Enquanto a esquerda vem perdendo apoio da população na América Latina, como Chile, Paraguai, Argentina e Brasil, nesses países citados sob o comando de ditadores, o que o mundo tem visto são conflitos internos, desemprego, violência e o povo tentando se refugiar em outros países. (Renato Ferreira)
  • Candidatos impugnados terão que devolver R$ 38,7 milhões; só o Lula terá que devolver R$ 20 milhões
    Valores são de fundo eleitoral e de doações oficiais feitas aos candidatos. Lula foi enquadrado na Lei de Ficha Limpa
     
     
    As candidaturas que foram impugnadas nas eleições deste ano receberam juntas R$ 38,7 milhões do fundo eleitoral e de doações oficiais – valor que, pelas regras da Justiça Eleitoral, deverá ser integralmente devolvido. Desse número, R$ 20 milhões são apenas da campanha do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Além dele, outros 1,2 mil candidatos incorreram na mesma irregularidade.
    Desse total, R$ 36,3 milhões foram gastos; ou seja, há ainda R$ 2,4 milhões repassados que não foram utilizados. Lula, por exemplo, declarou ter gastado R$ 19,7 milhões dos R$ 20 milhões recebidos.
    Os dados foram organizados pela ONG Movimento Transparência Partidária, com base nas informações publicadas pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) na internet. O Ministério Publico Eleitoral (MPE) estuda como reaver os valores.
    Além de elucidar os gastos que devem voltar aos cofres do Tribunal, a organização também lançou uma plataforma para que os cidadãos possam acompanhar outras informações disponíveis. “A Justiça eleitoral não tinha, por exemplo, uma ferramenta para agregar todas as informações sobre os principais gastos de campanha por exemplo”, explicou Marcelo Issa, diretor da ONG.
     
    Uma das informações apresentadas, por exemplo, é o principal gasto dessas eleições. Segundo o relatório, todos os candidatos (impugnados ou não) gastaram um total de R$ 572 milhões com impressões de material publicitário. O segundo maior gasto foi com despesas pessoais. A plataforma possibilita ainda a divisão de gastos com base na idade, gênero e raça dos candidatos. “Acredito que, hoje, a plataforma é capaz de responder a qualquer pergunta sobre os gastos de campanha”, concluiu Issa. (Jovem Pam. Com informações do Estadão Conteúdo)
     
    Opinião
    O Lula e o sabiam que a sua candidatura seria impugnada, mas, mesmo assim engaram o eleitorado. Daqui a pouco, o PT lança outra vaquinha para arrecadar diheiro de seus eleitores para saldar essa dívida. (Renato Ferreira)
     

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.