Segunda, 27 Maio 2019 | Login
ARTIGO: Parabéns, sim, Lula!

ARTIGO: Parabéns, sim, Lula! Featured

Parabéns, sim, Lula!


Artigo do Jornalista Renato Ferreira, publicado em 12 de dezembro de 1989, no Jornal de Piracicaba, cuja opinião, depois de 30 anos mostra-se atualíssima sobre a história política, econômica e social do Brasil e sobre as contradições de nossos políticos.

Considero a profissão de Jornalista uma das mais belas do mundo e uma das quais o profissional tem por obrigação atuar com responsabilidade e ética, mesmo que isso possa-lhe trazer prejuízos financeiros.

Ao longo de quase quarenta anos de profissão, esse tem sido o meu norte: exercer o jornalismo buscando sempre a verdade dos fatos. Sem dúvida, é uma linha tênue entre a imparcialidade e e parcialidade, mas, se o jornalista deprezar a verdade, com certeza, ele perde a principal arma da profissão: a credibilidade.

E o jornalismo é belo também porque ele dá ao profissional de comunicação, a meu ver, mais do que em qualquer outra profissão, uma liberdade ampla e irrestrita para o exercício de suas funções. Liberdade esta que o jornalista tem para noticiar, investigar, opinar, criticar e elogiar sempre dentro do princípio da honestidade e da ética.

Não tinha a intenção de publicar esse artigo sobre o Lula, de 1989, agora. Ele faz parte de uma coletânia de notícias, artigos, opiniões e crônicas que pretendo publicar brevemente em um livro, contando essa minha trajetória de quase quatro décadas observando e escrevendo sobre o nosso tão querido Brasil, porém, também de tantas contradições, sobretudo, políticas e sociais.

Mas, diante da atual conjuntura do país, com tantas investigações sobre corrupção e prisões de grandes lideranças políticas e empresariais, como o próprio Lula, resolvi pinçar e publicar esse artigo, comparando-o com a realidades de hoje.

Trata-se de uma defesa do Lula feita há 30 anos, quando ele era a esperança de um povo e arrastava multidões por onde passava. Ao contrário de hoje, quando seus aliados promovem atos em defesa dele, mas, agora, de um políico preso condenado pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

Inclusive, neste sábado, 19 de maio, a cúpula petista estará reunida na cidade de Osasco, região Oeste da Grande São Paulo, para participar de mais um ato em defesa do Lula https://bit.ly/2I9xQ4D . Trata-se de um evento programado pelo ex-prefeito da cidade, ex-presidente estadual do PT e atual tesoureiro do partido, Emídio de Souza. Dentre outras lideranças petistas, devem participar da reunião, em Osasco, o vereador paulistano e ex-senador, Eduardo Suplicy; o presidente estadual da legenda e pré-candidato ao governo de São Paulo, Luiz Marinho, e a senadora e presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmman.

E é na cidade de Osasco, que a liberdade no exercício do jornalismo já me rendeu alguns adjetivos, justamente, por eu ser um jornalista que escrevo e falo sobre fatos do nosso dia-a-dia e do momento atual. Nessa cidade, onde exerço a maior parte de minhas atividades desde 1991, quando voltei de Piracicaba, já fui chamado de "rossista", "giglista", "peemedebista, petista e tucano. Rossista e giglista são referências, respectivamente, ao ex-prefeito e ex-deputado Federal, Franisco Rossi, e ao saudoso, também ex-prefeito, ex-deputado Federal e Estadual, Celso Giglio. Não dá para agradar a todos quando procura-se falar a verdade.


Peço, então, um pouco da sua atenção! Leia, a seguir, a íntegra do artigo que escrevi em dezembro de 1989, entre o primeiro e o segundo da eleição presidencial disputada por Lula e Collor. Dois extremos, mas, que ao longo dos anos ficou claro que eram extremos somente no discurso.


Parabéns, sim, Lula!

Após o resultado do 1º turno das eleições presidenciais, quando o povo escolheu democraticamente Collor e Lula para disputarem a Presidência da República, a imprensa brasileira tem sido recheada com diversos artigos contra o candidato Luiz Inácio Lula da Silva. Aparecem até mesmo artigos irônicos, tentando denegrir a imagem de um homem que se mostra apenas preocupado com a miséria de seu povo. São artigos que, no fundo, evidenciam mesmo o desespero de uma classe dominante, retrógrada e perversa, que não admite nem pensar em ver diminuídos os seus lucros criminosos, em prol da miserável população brasileira.

Sobre as publicações irônicas, gostaria de me referir à que foi publicada neste "Espaço Aberto", no último dia 26 de novembro, com o título: "Parabéns Lula". Nela, o autor brinca, ironiza, fala inverdades e, infelizmente, numa fase de abertura democrática, usa o espaço, não para esclarecer o povo sobre os seus direitos e deveres, mas sim, para tentar manchar o nome de um ex-torneiro mecânico, que lutou pelos seus companheiros, enquanto classe trabalhadora, lutou como Deputado Federal e, hoje, deseja chegar à Presidência apenas com um objetivo: tornar a sociedade brasileira mais justa. São artigos dessa natureza que pregam a luta de classe e não o discurso do Lula. A luta de classe já vem sendo travada há muito tempo. É uma luta surda, com milhões de crianças indefesas morrendo de fome de um lado e os poderosos "capitalistas" do outro.

E estou muito a vontada para defender o candidato Lula. Não sou petista. Votei em Brizola no 1º turno, e agora jamais poderia votar em Collor de Mello, que em lugar de caçador de marajás não passa de um fabricante de marajás, dos quais, muitos estão trabalhando em sua campanha. Por isso, parabéns, sim, Lula! Os brizolistas estão com você pela libertação do povo brasileiro.

Os falsos defensores do capitalismo e da livre iniciativa festejam hoje, a derrubada do "Muro de Berlin", mas, esquecem (?) dos vários muros existentes no Brasil. Os falsos democratas e falsos capitalistas esquecem do muro do analfabetismo, que eles mesmos construíram. Somos o país com o maior número de analfabetos do mundo, o que mostra o grau de desenvolvimento da Nação. Esquecem (?) também que a maioria absoluta do povo brasileiro não pode ultrapassar o muro da saúde, pois morre antes na fila da Previdência. Somo também o país dos desdentados, campeões de mortes antes do 1º ano de vida. E, são tantos muros que, certamente, o "Muro de Berlin" não teria significado aqui no Brasil.

Aqueles que, hoje, querem relacionar a Alemanha Oriental, Tchecoslováquia, , Polônia e outros países do Leste Europeu com o Brasil, esquecem de que estamos na América do Sul, numa cultura totalmente diferente. O povo daqueles países quer apenas conseguir a liberdade de ir e vir, o que é uma coisa sagrada e que estamos plenamente de acordo, mas, perguntamos: O brasileiro tem esta liberdade? Ou está preso atrás do muro da miséria?

O autor do artigo a que fiz referência, certamente, responderia que estamos numa sociedade livre e que todos têm liberdade de crescer. Mas, isto é verdade? A maioria do povo brasileiro é responsável e trabalha, e será que todos podem viajar no momento que desejarem? Ou podem se alimentar na hora que têm fome? Então, é o povo, o povo pobre que tem mais condições de responder a estas perguntas. Que bom seria se todos aqueles que trabalham dignamente neste país tivessem a liberdade de ir e vir. Por isso, parabéns, sim, Lula!

Parabéns, sim, Lula, porque o programa do PT é aquele que mais se aproxima do programa do PDT, o qual tem por objetivo, antes de qualquer coisa, dar educação para o povo. Sabemos que ao lado da alimentação e da saúde, a educação é primordial para um povo, pois, de posse do saber, o homem tem armas para lutar pelos seus direitos e, certamente, é isso que amedronta a classe dominante e anti-brizolista. Aqueles que, hoje, comparam o Brasil com o Leste Europeu, esquecem de dizer que o se o brasileiro tivesse a oportunidade de pular um muro ou fugir para outro país, com certeza, ele não conseguiria, porque iria morrer de fome no caminho. Por isso, parabéns, sim, Lula! Vamos ajudar este povo a pular tantos muros. (Renato Ferreira)

Parabéns sim Lula foto


Voltando à atualidade sobre Lula e o Brasil

Portanto, como você notou, nada mudou no Brasil de 1989 até hoje. Ou melhor, mudou sim, para pior, e também mudaram os rumos e ideologias de políticos como o Lula.

Depois de várias tentativas, em 2002, o ex-torneiro mecânico chegou ao poder e, em vez de procurar lutar contra a corrupção, como berrava nos palanques, se aliou aos corruptos criticados por ele, como o próprio Collor, José Sarney, Renan Calheiros e Paulo Maluf.

No campo da saúde e educação nada mudou nesses longos 30 anos. E na segurança pública piorou muito. Hoje, temos mais de 60 mil assassinatos por ano, número muito maior em relação aos homicídios de 1989.

Hoje, portanto, decepcionado, eu não falaria mais "Parabéns, sim, Lula". Talvez, com orgulho, diria: "Parabéns, Sérgio Moro!

 

Em tempo

Na época, recebi vários elogios pela publicação desse artigo, inclusive, do Reitor de uma Faculdade de Sorocaba, mas, também quase perdi o emprego de repórter no Jornal de Piracicaba, que era engajado na campanha de Fernando Collor de Mello. Quem salvou a mnha pele e o meu emprego no JP, foi o nosso querido colega, então, editor de Política do Jornal, Mário Evangelista, que atualmente trabalha no Litoral de São Paulo.

000

About Author

Related items

  • POLÍTICA: Será que o Alckmin queria ter levado a facada?

     

    O tucano Geraldo Alckmin, candidato à Presidência em 2018, que levou uma surra na eleição, atribuiu sua derrota à facada que Bolsonaro levou.

    “Eu estava subindo e ele, caindo. Só no dia da facada, ele teve 22 minutos de Jornal Nacional”, disse Alckmin, durante debate na Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado, em São Paulo. (Com a informação: Folha de São Paulo e O Antagonista)

  • PT e PSDB: Qual desses dois partidos chegará mais inteiro nas eleições de 2020?

    Nas eleições de 2016, o PT foi, praticamente, varrido das Prefeituras e Câmaras Municipais. E, se não mudarem, os tucanos correm o mesmo risco, a não ser que algum tucano tenha apoio irrestrito de governantes, como Bolsonaro e Doria.

     

    Por Renato Ferreira - 

    Não é novidade para nenhum brasileiro que as maiores lideranças do PT e do PSDB são ainda, respectivamente, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ex-governador de Minas Gerais, Aécio Neves. Isto porque o Lula faz política desde os anos 1980, quando fundou o PT, e foi presidente por dois mandatos, enquanto o Aécio, depois de FHC, foi o tucano que mais perto chegou de ser eleito para a Presidência da República. O Geraldo Alckmin, que poderia ter tirado do mineiro essa posição, acabou se transformando num candidato nanico nas eleições de 2018.

    Só que agora, a pouco mais de um ano das eleições municipais de 2020, tanto PT, como PSDB, estão órfãos dessas lideranças. Condenado pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro e, ainda aguardando outras condenações, Lula já está preso há mais de um ano, cumprindo pena de 9 anos de reclusão. Por outro lado, o Aécio Neves já foi também denunciado por crimes de corrupção na Lava Jato e se acabou em termos políticos. Tanto é assim que, depois de perder a eleição para Dilma Roussef, em 2016, teve que desistir da candidatura ao Senado, sendo eleito apenas para Deputado Federal, enquanto aguarda condenação na Justiça e seguir para o mesmo destino de Lula.

    Em 2020, como será?

    Sendo assim, resta uma pergunta no ar: Como PT e PSDB sairão das urnas em 2020? Como todos lembram, já sofrendo as consequências da corrupção, em 2016, mesmo com Lula livre e fazendo campanha abertamente, o PT foi um fiasco e acabou sendo varrido do mapa eleitoral dos municípios. Prova disso foi a eleição em São Paulo, onde o petista Fernando Haddad não conseguiu a reeleição e foi derrotado pelo tucano João Doria.

    Além disso, Câmaras Municipais de importantes cidades, como Osasco, na região Oeste da Grande São Paulo, não elegeu nenhum vereador petista pela primeira vez desde os anos 1990. A derrocada petista foi ainda maior em Estados como no Mato Grosso do Sul, que não elegeu nenhum vereador em suas centenas de municípios.

    Naquelas eleições, os tucanos, ainda sem os efeitos da corrupção, conseguiram bons resultados em todas as regiões do país. Mas, como será o desempenho do PSDB em 2020, depois da derrocada de Aécio Neves e de Geraldo Alckmin? Dividido, o ninho tucano ferve em todo Brasil.

    Doria pode fazer a diferença

    Doria e Lindoso

    Governador de São Paulo, João Doria, e o vereador de Osasco, Dr. Lindoso, ambos do PSDB

    Ao contrário dos petistas, que ainda tentam ressuscitar o Lula, uma vez que não têm outra liderança e puxador de votos no mesmo nível do ex-presidente, os tucanos ainda têm uma tábua de salvação, que tem nome e endereço: João Doria, inquilino do Palácio do Bandeirantes.

    São Paulo e Minas são os dois maiores colégios eleitorais do Brasil e o resultado das eleições gerais nesses estados funcionam como termômetro para as futuras empreitadas eleitorais dos partidos. E petistas, como tucanos, se deterioraram em Minas, em 2018. O ex-governador petista, Fernando Pimentel, ficou pelo caminho, levando consigo a ex-presidente Dilma, candidata favorita ao Senado. Mas, o senador tucano, Antonio Anastasia, favorito para voltar ao Palácio da Liberdade, também derrapou no segundo turno e perdeu feio para o novato Romeu Zema, do Partido Novo.

    Só que em São Paulo, onde os petistas jamais elegeram o governador, os tucanos mostraram mais uma vez a sua força no estado e elegeram João Doria. No primeiro turno, o PT foi mais uma vez um fiasco com a candidatura do sindicalista Luiz Marinho e, no segundo turno, não obteve sucesso apoiando a reeleição de Márcio França, do PSB.

    Então, em 2020, a esperança dos líderes tucanos, é um bom desempenho do governo Doria. Pois, será do Palácio dos Bandeirantes, que os futuros candidatos tucanos, seja para as Prefeituras ou Câmaras Municipais, esperam que venham as melhores contribuições para as suas empreitadas eleitorais.

    Fogo amigo em Osasco

    Rogério Lins Emidio e Lindoso

    Prefeito de Osasco, Rogério Lins (Podemos); deputado estadual, Emidio de Souza (PT); e o vereador osasquense, Dr. Lindoso (PSDB)

    E como não poderia ser diferente, os problemas jurídicos de suas lideranças federais acabam também atingindo petistas e tucanos na esfera municipal. Como já falamos de Osasco, voltamos a citar essa cidade paulista, uma vez que, sendo um município densamente povoado em seus apenas 64 quilômetros quadrados, Osasco representa muito bem um extrato da sociedade brasileira, sobretudo, em termos políticos.

    E as brigas internas no Diretório Nacional atinge, sem dúvida, os diretórios municipais dessas duas siglas, não sendo diferente em Osasco, onde os políticos tentam mostrar suas próprias virtudes aos eleitores, sem falar muito das lideranças maiores, como Lula, Aécio e Alckmin.

    Tendo sua base econômica firmada em grandes indústrias, principalmente, no ramo siderúrgico, Osasco sempre foi um braço forte do petismo. Tanto é assim, que a maioria de seus vereadores na cidade veio do meio sindical, como o ex-prefeito Emídio de Souza, que foi vereador e, atualmente, é deputado estadual.

    Mas, desde o mensalão, passando pelo impeachment de Dilma Roussef e a prisão de Lula, que o PT osasquense não é o mesmo. Pela primeira vez, em 2016, não elegeu nenhum vereador e, em 2018, elegeu somente o Emidio para a Assembleia Legislativa. Mesmo assim, o candidato só se elegeu graças aos votos de fora da cidade. Se dependesse apenas de Osasco, ele não teria sido eleito. Com certeza, Emidio de Souza, será candidato a prefeito em 2020, mas, terá que fazer boas alianças se quiser voltar ao 'Palácio' Bussocaba.

    Assim, como os petistas, os tucanos também não passam por bons momentos na cidade, onde já comandaram a Prefeitura por três mandatos consecutivos, com Celso Giglio e Silas Bortolosso, entre 1993 a 2004, além de outros mandados apoiando prefeitos aliados. Agora, no entanto, os tucanos já estão desde 2005 longe do Executivo osasquense. E não escondem o desejo de voltar a comandar a cidade.

    Mas, como será o desempenho deles em 2020? Com as derrocadas de Aécio Neves e de Geraldo Alckmin e, consequentemente, com as brigas no Diretório Estadual, faz tempo que o ninho tucano de Osasco não é um exemplo de união. E as bicadas amigas já são púbicas e notórias.

    Aliados de Alckmin e de Doria não se entendem e têm até tucanos quase já ora do ninho, que fazem parte da atual administração sob o comando de Rogério Lins, do Podemos. E essa desunião tucana em Osasco já é explícita na própria Câmara Municipal, onde os três representantes do partido - Dr. Lindoso, De Paula e Didi - claramente dão sinais de que não falam a mesma língua quando o assunto é união para as eleições de 2020.

    E é, justamente, em Osasco, classificada como a "melhor esquina do Brasil", pelo saudoso Mário Covas, que João Doria poderá fazer a diferença para os tucanos. O atual governador paulista não teve apoio de Rogério Lins, que apoiou Márcio França, em 2018. Em conversas com seus correligionários da cidade, Doria tem demonstrado que tem como meta reconquistar a Prefeitura de Osasco para os tucanos.

    Enquanto isso, essas desavenças internas de petistas e tucanos poderão beneficiar candidaturas de outros partidos. São os casos, por exemplo, do Podemos, partido do prefeito Rogério Lins, e do PSL, legenda do Presidente Jair Bolsonaro. Com certeza, candidatos desses partidos vão tentar de todas as formas, enfraquecer ainda mais os possíveis candidatos petistas e tucanos.

    Em Osasco, um dos nomes do PSDB que tem sido ventilado como possível candidato a Prefeito é o do ex-presidente da Câmara, Dr. Lindoso, que cumpre seu segundo mandato de vereador. Aliado fiel do governador João Doria, Lindoso concedeu ao governador o Título de Cidadão Osasquense, em 2017. e tem se encontrado com frequência com o Governador.

    Se não houver nenhum fato novo nessa corrida, tudo indica que o candidato tucano em Osasco, com apoio de Doria, deverá mesmo ser o Dr. Lindoso. Se vai ser eleito, aí são outros quinhentos, pois, o tucano terá que enfrentar a candidatura do atual Prefeito, Rogério Lins, que conta com apoio da Deputada Federal, Renata Abreu, presidente nacional do Podemos, e da maioria absoluta dos 21 vereadores. (Renato Ferreira)

  • ESTRANHO: Cristina Kirchner desiste de candidatura à Presidência e sairá como vice na Argentina
    Ex-presidente integrará chapa com seu ex-chefe de Gabinete Alberto Fernández.
     
    A ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner surpreendeu o meio político do país ao anunciar neste sábado, 18/05, sua candidatura como vice-presidente nas eleições gerais de outubro.
    Em um vídeo postado no Twitter, Cristina, que liderava as pesquisas eleitorais, disse que seu ex-chefe de gabinete Alberto Fernandez será o candidato a presidente.
    "Pedi a Alberto Fernandez para dirigir a fórmula que iremos integrar juntos, ele como candidato presidencial e eu como candidata a vice-presidente", disse Kirchner.

    Alberto Fernandez serviu como chefe de equipe de 2003 a 2007 ao ex-presidente e marido falecido de Cristina, Nestor Kirchner. Ele permaneceu nessa função.
    durante uma parte do mandato de Cristina como presidente de 2007 a 2015.

    Alberto Fernandez desafiará o presidente conservador Mauricio Macri, que viu seus índices de popularidade caírem devido à alta inflação. Fonte: (EM com Associated Press - Foto: Emiliano Lasalvia/AFP )
    Opinião do jornalista Renato Ferreira
    Quais serão os motivos que levaram uma ex-presidente abandonar a candidatura, liderando as pesquisas eleitorais com chances reais de voltar a comandar a Argentina?
    No momento, só dois motivos a gente pode especular: ou Cristina Kirchner, que já foi condenada por corrupção, sabe que sua candidatura seria impugnada (mas, neste caso não poderia ser vice também), ou ela não confia nas pesquisas que a colocam na frente do atual Presidente, Mauricio Macri.
    E, realmente, se as pesquisas de lá são falsas como as nossas aqui, feitas por Institutos como Datafolha, Ibope e Vox Populi, a ex-presidente argentina está certíssima em abandonar a candidatura. (Renato Ferreira)

    Quem somos

    Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

    Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.