Sexta, 14 Dezembro 2018 | Login
"Vamos mostrar uma nova forma de fazer política", diz Rogério Chequer, pré-candidato do Novo ao governo de São Paulo

"Vamos mostrar uma nova forma de fazer política", diz Rogério Chequer, pré-candidato do Novo ao governo de São Paulo Featured

O Novo não aceita dinheiro do Fundo Partidário e nem financiamento público. Sobrevive somente com contribuições de voluntários que acreditam nas teses do partido

 

Nesta quinta-feira, 19, foi iniciado o Ciclo de Entrevistas – Eleições 2018, em Osasco, promovido pelo jornal Diário da Região em conjunto com a AmeCom (Associação Metropolitana de Comunicação) e com a ADJORI-SP (Associação dos Jornais do Interior do Estado de São Paulo). E o primeiro entreivistado, hoje, foi Rogério Chequer, pré-candidato do Novo ao governo de São Paulo. A entrevista coletiva foi realizada na sede do Diário da Região, com duração de 1 hora, mesmo tempo que será dado a todos os demais entrevistados. Serão entrevistados também pré-candidatos à Presidência da República. No local, Chequer foi recebido pelo empresário e propriotário do Diário, Vrejhi Sanazar, e pelo presidente da AmeCom, jornalista Euds Consoli Polito.

Rogerio Chequer 2

Rogério Chequer é o fundador do Movimento Vem pra Rua, que promoveu diversas manifestações populares nos últimos e do qual ele se desligou antes de lançar sua pré-candidatura ao governo de São Paulo. "Precisamos sair da nossa zona de conforto para fazermos algo de novo para o Brasil. E estamos no Novo porque vimos que havia convergências de nosas ideias com as propostas dessa legenda que prega uma nova forma de se fazer política", disse Chequer em sua apresentação.

 

Uma dessas novas formas de se fazer política, segundo explicou Rogério Chequer, é uma ligação direta do Novo com eleitorado que acredita em suas proposta, como não aceitar dinheiro do Fundo Partidário. "Nós vamos sobreviver somente com as colaborações de quem acredita em nossas propostas de uma política voltada exclusivamente para o bem da sociedade. Então, não vamos procurar viver com o dinheiro público sem oferecer nada, como todos os demais partidos fazem até hoje. Assim, se o eleitor não estiver mais confiando em nós, ele para de contribuir e, sem verba, o partido morre, some. É disso que o Brasil precisa", enfatizou.

Rogerio Chequer 3

Segundo a assessoria do candidato, o partido tem, atualmente, cerca de 18 mil associados no Brasil que colaboram com R$ 30,00 por mês. O partido participou de sua primeira eleição em 2016, quando elegeu quatro vereadores: um em Belo Horizonte, um no Rio de Janeiro, um em São Paulo e um em Porto Alegre.

 

Neste ano, segundo Chequer, o Novo vai lançar candidatos a deputado Estadual e Federal em 20 Estados, a governadores e senadores nos Estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e no Distrito Federal, além do candidato à Presidência da República, que é o empresário João Amoedo.

 

Privatização

Uma das bandeiras do Novo são as privatizações e o enxugamento das máquinas administrativas. "Mas, quando falamos em privatizações, enfatizamos que isso tem que ser feito de acordo com os interesses da população. Precisa-se privatizar, mas, também controlar. Por exemplo, na saúde pública, que está péssima em São Paulo como no Brasil inteiro, podemos terceirizar serviços, como a realização de exames sempre com o objetivo de oferecer um serviço rápido e digno à sociedade. E temos que diminuir também esse estado gigante em todas as áreas que serve somente para fomentar a corrupção na administração pública", disse.

 

Reeleição

O Novo é contra também às reeleições infinitas para todos os cargos. "A política não pode se tornar numa profissão para carreiritas que não pensam no povo. A proposta do Novo é de apenas uma reeleição para todos os cargos de vereador a Presidente da República. Isso já será também um grande golpe na corrupção. E pensamos também que uma boa forma de todas as pessoas serem representadas na política é pelo voto distrital", afirmou Rogério Chequer.

 

A próxima entrevista coletiva do ciclo será com Guilerme Boulos, pré-candidato do PSOL à Presidência da República, marcada para às 13h30 do dia 10 de maio. (Renato Ferreira)

000

About Author

Related items

  • Osasco tem novo secretário de Saúde
     
    Na manhã desta quarta-feira, 14/11, em solenidade realizada na Sala de Reuniões de seu Gabinete, o prefeito de Osasco, Rogério Lins, deu posse ao novo secretário de Saúde do município. Trata-se do médico cardiologista João de Deus, que substitui José Carlos Vido, que ocupava o cargo desde o início da atual Administração em janeiro de 2017. No mesmo evento, Vido foi empossado na Chefia de Gabinete de Rogério Lins.
     
    Coletiva Mesa
     
    Ao se despedir da Secretaria da Saúde, Vido fez um balanço de sua gestão e agradeceu pela indicação do prefeito Lins. “Deixo a Secretaria de Saúde com sentimento do dever cumprido. Fizemos tudo o que foi possível, mas, saio angustiado, porque a Saúde no Brasil, principalmente, nos governos do PT, sempre foi colocada em segundo plano. E assumo meu novo cargo com a mesma disposição que dediquei à Saúde em prol da cidade de Osasco".
     
    Coletiva Lins e Vido
     
    Por sua vez, o prefeito agradeceu e elogiou o ex-secretário de Saúde. "O Vido é uma pessoa competente e muito leal. Foi importante nesses dois primeiros anos de nosso governo e será também muito importante, agora, numa outra etapa e mais próximo do Gabinete, nas relações políticas e com toda a população de Osasco". Segundo o prefeito, João Pucciariello Perez, que deixa a chefia de Gabinete será designado para outro setor da Administração.
    Novo Secretário
    Em seguida, após falar sobre a estrutura e os desafios da Saúde no município, Rogério deu boas vindas e desejou boa sorte ao novo titular da Pasta. "Sem dúvida, temos alguns desafios. A Saúde pública é uma área muito delicada e com uma grande demanda. Saltamos de 15 mil para 25 mil atendimentos. Vamos implantar o Hospital Infantil e o Hospital da Mulher. E já está também tudo encaminhado para a implatação da primeira AME (Atendimento Médico Especializado) em parceria com o governo do Estado. Em 2019, o orçamento da Saúde será em torno de R$ 680 milhões", disse o prefeito.
     
    Em sua fala, o novo Secretário, que deixa a Secretaria da Saúde de Vargem Grande Paulista, onde ficou por dois anos, afirmou que pretende se reunir com José Carlos Vido para tomar conhecimento de toda a estrutura e programas da Pasta, e que vem para Osasco com muita disposição de trabalhar, sempre com respeito ao dinheiro público. “Vamos trabalhar 24 horas durante os sete dias da semana, visando dar o melhor de nós para a área da Saúde nesta grande cidade, que já conheço e onde já trabalhei", disse João de Deus.
     
    Ele estava acompanhado de sua mulher, Larisse, que também é medica. Ela vai substituí-lo na Secretaria de Saúde de Vargem Grande Paulista. O prefeito de VGP, Jusué Ramos, também participou da posse de João de Deus em Osasco. Josué disse que o prefeito Lins acertou no convite. "O dr. João de Deus é um profissional competente. Fez um grande trabalho em nossa cidade e tenho certeza que vai fazer o mesmo em Osasco. Só deixei ele vir para Osasco, porque ele aceitou em deixar a dra. Larisse em seu lugar", brincou Josué Ramos.
     
    Estiveram presentes também a primeira-dama e presidente do Fundo Social de Solidariedade, Aline Lins, a vice-prefeita Ana Maria Rossi, secretários e vereadores. (Fotos: Sérgio Gobatti)
  • Candidatos impugnados terão que devolver R$ 38,7 milhões; só o Lula terá que devolver R$ 20 milhões
    Valores são de fundo eleitoral e de doações oficiais feitas aos candidatos. Lula foi enquadrado na Lei de Ficha Limpa
     
     
    As candidaturas que foram impugnadas nas eleições deste ano receberam juntas R$ 38,7 milhões do fundo eleitoral e de doações oficiais – valor que, pelas regras da Justiça Eleitoral, deverá ser integralmente devolvido. Desse número, R$ 20 milhões são apenas da campanha do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Além dele, outros 1,2 mil candidatos incorreram na mesma irregularidade.
    Desse total, R$ 36,3 milhões foram gastos; ou seja, há ainda R$ 2,4 milhões repassados que não foram utilizados. Lula, por exemplo, declarou ter gastado R$ 19,7 milhões dos R$ 20 milhões recebidos.
    Os dados foram organizados pela ONG Movimento Transparência Partidária, com base nas informações publicadas pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) na internet. O Ministério Publico Eleitoral (MPE) estuda como reaver os valores.
    Além de elucidar os gastos que devem voltar aos cofres do Tribunal, a organização também lançou uma plataforma para que os cidadãos possam acompanhar outras informações disponíveis. “A Justiça eleitoral não tinha, por exemplo, uma ferramenta para agregar todas as informações sobre os principais gastos de campanha por exemplo”, explicou Marcelo Issa, diretor da ONG.
     
    Uma das informações apresentadas, por exemplo, é o principal gasto dessas eleições. Segundo o relatório, todos os candidatos (impugnados ou não) gastaram um total de R$ 572 milhões com impressões de material publicitário. O segundo maior gasto foi com despesas pessoais. A plataforma possibilita ainda a divisão de gastos com base na idade, gênero e raça dos candidatos. “Acredito que, hoje, a plataforma é capaz de responder a qualquer pergunta sobre os gastos de campanha”, concluiu Issa. (Jovem Pam. Com informações do Estadão Conteúdo)
     
    Opinião
    O Lula e o sabiam que a sua candidatura seria impugnada, mas, mesmo assim engaram o eleitorado. Daqui a pouco, o PT lança outra vaquinha para arrecadar diheiro de seus eleitores para saldar essa dívida. (Renato Ferreira)
     
  • Bolsonaro visitará Estados Unidos e Israel em suas primeiras viagens internacionais
    O primeiro país a receber o novo = presidente eleito do Brasil será o Chile
     
    Confirmando que o seu governo terá novas diretrizes em termos de política externa, o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) já definiu quais serão suas primeiras viagens internacionais. O capitão reformado deverá ter o Chile como seu primeiro destino, depois irá para os Estados Unidos e Israel.
    Primeiro país a receber o futuro presidente, o Chile é considerado como uma referência de prosperidade e crescimento na América do Sul por Bolsonaro. Depois, o político deve visitar Donald Trump, com quem conversou por telefone neste domingo (28) após a confirmação de sua eleição. Em seguida, Bolsonaro deverá visitar Israel, onde esteve há dois anos, e com quem quer mater relações estreitas para a troca de informações sobre tecnologia.
    As viagens, entretanto, só acontecerão após o futuro presidente se recuperar totalmente da facada que recebeu em setembro, durante evento de campanha na cidade de Juiz de Fora. Em dezembro, ele deverá passar por uma cirurgia para retirar a bolsa de colostomia que carrega desde o atentado.
    Transição
    Antes disso, o presidente eleito trabalhará com Michel Temer (MDB) na transição do governo. Bolsonaro e seus ministros de confiança, Paulo Guedes (Fazenda) e Onyx Lorenzoni (Casa Civil), vão se reunir nesta terça-feira (30) para definir quem fará parte da equipe que irá participar das primeiras reuniões com os representantes de Temer, em Brasília, a partir da próxima semana. (Fonte: Jovem Pan)

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.