Segunda, 17 Fevereiro 2020 | Login
NOVEMBRO AZUL: Cuide de sua próstata! Sem vergonha!

NOVEMBRO AZUL: Cuide de sua próstata! Sem vergonha! Featured

 

O câncer de próstata é o tumor que afeta a próstata, glândula localizada abaixo da bexiga e que envolve a uretra, canal que liga a bexiga ao orifício externo do pênis.

Trata-se do tipo de câncer mais frequente entre os homens, depois do tumor de pele que, no entanto, se for diagnosticado a tempo, pode evitar complicações e muitas mortes.

Embora seja uma doença comum, por medo ou por desconhecimento muitos homens preferem não conversar sobre esse assunto.

Felizmente, a cada ano, o Novembro Azul tem ajudado a derrubar esse tabu. Hoje, os homens falam mais descontraídos sobre a doença, prevenção e cura.

Eu, jornalista Renato Ferreira, fui atrás, fiz exames, inclusive, o de toque, e gostei. Calma, amigos, gostei só do resultado dos exames. (rs). Graças a Deus, tudo normal.

Portanto, amigo, principalmente, você que já tem mais de 45 anos, afaste o preconceito, o medo e a vergonha, procure um médico e previna-se.

Sua a saúde é muito importante para você e sua família! (Renato Ferreira)

000

About Author

Related items

  • SAÚDE: OMS declara estado de emergência global em razão do coronavírus
    Na China já foram contabilizados 7,7 mil casos e 170 óbitos. No Brasil, o Ministério da Saúde considera 9 casos suspeitos.
    Infelizmente, aconteceu o que todos já esperavam. O coronavírus já é considerado caso de emergência mundial. O alerta foi divulgado nesta quinta-feira, 30/01, pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que declarou estado de emergência global em razão da disseminação do coronavírus.
    A entidade fez o anúncio à imprensa em sua sede, em Genebra, na Suiça, após uma reunião com especialistas. Até o momento, foram contabilizados 7,7 mil casos e 170 mortes na China, principal local de multiplicação do vírus. Em outros 19 países, já foram registrados 98 casos. No Brasil, o Ministério da Saúde investiga nove casos suspeitos. De acordo com a entidade, os casos abrangem pessoas que viajaram para Wuhan, foco do surto, ou que tiveram contato com pessoas com histórico de passagem pela cidade.
    Os representantes da OMS, contudo, negaram que o anúncio signifique uma manifestação de desconfiança com a China. “A China está tendo um novo patamar para este surto. Meu respeito e agradecimento para os profissionais de saúde que, no meio do Festival de Primavera, estão trabalhando por 24 horas, durante sete dias por semana, para salvar vidas e colocar o surto em controle”, afirmou o diretor da organização, Tedros Adhanom.
    A OMS afirmou que não há necessidade de medidas para evitar viagens ou comércio internacional com a China. Além disso, apresentou um conjunto de recomendações, como apoio a países com sistemas de saúde mais precários, combate a rumores e desinformação, desenvolvimento de recursos para identificar, isolar e cuidar dos casos, além do compartilhamento de dados e conhecimento sobre o vírus.
    “Países devem trabalhar juntos no espírito de solidariedade e cooperação. Estamos nessa juntos e só podemos parar juntos. Este é o tempo de fatos, não medo, para ciência, não rumores, para solidariedade, não estigma”, destacou Adhanom.
    Histórico
    Os coronavírus são conhecidos desde meados dos anos 1960 e já estiveram associados a outros episódios de alerta internacional nos últimos anos. Em 2002, uma variante gerou um surto de síndrome respiratória aguda grave (Sars) que também teve início na China e atingiu mais de 8 mil pessoas. Em 2012, um novo coronavírus causou uma síndrome respiratória no Oriente Médio que foi chamada de Mers.
    A atual transmissão foi identificada em 7 de janeiro. O escritório da OMS na China buscava respostas para casos de uma pneumonia de etiologia até então desconhecida que afetava moradores na cidade de Wuhan. No dia 11 de janeiro foi apontado um mercado de frutos do mar como o local de origem da transmissão. O espaço foi fechado pelo governo chinês.
    Entenda o que é Emergência global
    Uma emergência de saúde pública de interesse internacional (PHEIC, na sigla em inglês) é uma declaração formal da Organização Mundial da Saúde (OMS) de “um evento extraordinário que pode constituir um risco de saúde pública a outros países por meio da disseminação, e que requer uma resposta internacional coordenada”.
    Segundo o Regulamento Sanitário Internacional (RSI), do qual o Brasil é signatário, os países que fazem parte do grupo devem atender prontamente às recomendações e práticas publicadas pelo documento de emergência, e os governos e autoridades responsáveis devem organizar e colocar em prática planos de ação para conter a ameaça sanitária.
    De acordo com o RSI, as declarações são temporárias e devem ser reavaliadas a cada três meses. De acordo com o diretor-geral da OMS, o coronavírus (2019-nCoV) atende aos critérios da declaração de emergência. Essa é a sexta vez em que o recurso é usado. A declaração de emergência havia sido emitida no surto de síndrome respiratória aguda grave (Sars), em 2002/2003; na pandemia de 2009 de H1N1 (também chamada de febre suína); na declaração de emergência de poliomielite, em 2014; na epidemia de ebola na África Ocidental, também em 2014; no surto de microcefalia em decorrência vírus Zika, cujo principal foco de infestação foi o Brasil, em 2015/2016, e na epidemia de ebola em Kivu, no Congo, em 2019. Das vezes em que foi instituída, apenas a declaração de emergência sobre a epidemia de Kivu continua ativa.
    Novo regulamento
    O Diário Oficial da União publicou hoje (30), em edição extraordinária, a promulgação do novo texto do Regulamento Sanitário Internacional - o tratado que define as regras, normas e ações que devem ser tomadas por países signatários em casos de saúde pública que apesentem riscos à comunidade internacional -. O novo texto é assinado pelo presidente Jair Bolsonaro, e acolhe revisões feitas no documento de 2005. O texto da resolução revisada pode ser lido pelo site da Imprensa Nacional. (Fonte: Agência Brasil)
  • BARUERI: HMB inicia 2020 com novos equipamentos no Centro Cirúrgico

     

    Para começar o ano com mais agilidade no atendimento aos usuários, o Centro Cirúrgico do Hospital Municipal de Barueri Dr. Francisco Moran (HMB), recebeu, no final de 2019, sete focos cirúrgicos e um arco cirúrgico, aparelhos utilizados em diversas operações que representam melhora na qualidade do serviço.

    Com média mensal de 700 procedimentos, o Centro Cirúrgico do hospital tem capacidade para realizar desde cirurgias reparadoras até neurológicas, e os novos focos cirúrgicos, utilizados em todas as cirurgias convencionais - exceto nas minimamente invasivas - garantem iluminação constante durante toda a cirurgia. Mesmo com a movimentação da equipe médica, o aparelho faz a compensação automática da luz.

    “Operar sem foco é como dirigir à noite sem farol em uma via sem luz, ou seja, apresenta alto risco de danos” explica Ernesto Imakuma, cirurgião geral do HMB, que destaca a necessidade desse instrumento, porque os riscos são menores e os resultados podem ser melhores.

    Hospital Municipal de Barueri 2

    Já o arco cirúrgico, utilizado em especialidades como ortopedia, crânio-maxilo-facial, coluna, neurocirurgia, cabeça e pescoço, cirurgia vascular e cirurgia geral, é um equipamento de raio-X que produz imagens em tempo real por meio do monitor. Além de ser mais ágil para manusear, essa metodologia pode impactar na qualidade do resultado cirúrgico e diminuir o tempo da operação.

    “Alguns procedimentos só podem ser realizados com o equipamento, pois é a produção de imagens em tempo real que irá guiar o cirurgião. Em ortopedia, por exemplo, não é necessário realizar extensos cortes para tratamento de fraturas visto que com o arco, é possível visualizar a fratura na imagem de raio-X”, esclarece o cirurgião, que explica a importância do arco também para analisar a anatomia dos órgãos e confirmar se próteses ou drenos estão nos locais adequados.

    Para instalação dos novos equipamentos, foram realizados serviços de manutenção como adequações na estrutura, substituições de tomadas e pintura em todas as salas do Centro Cirúrgico. Além disso, para completar as melhorias, o setor também recebeu novas mesas cirúrgicas e macas hospitalares. (Fonte: SECOM/PMB)

  • SAÚDE: Ministério da Saúde e IBGE coletarão dados sobre população infantil
    Pesquisa em domicílios também avaliará saúde da mulher em todo o território nacional.
     
    O Ministério da Saúde (MS) e o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) formalizam nesta segunda-feira, 09/12 um termo de Cooperação Técnica de Pesquisa em Saúde de Base Domiciliar Nacional que possibilitará a coleta de informações relevantes sobre a saúde da população e a capacidade do Sistema Único de Saúde (SUS), com foco na Atenção Primária à Saúde (APS).
    De acordo com o ministério, serão destinados R$ 30,1 milhões para o convênio, de forma a viabilizar a realização de três pesquisas: a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), a Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde (PNDS) e a Pesquisa de Assistência Médico-Sanitária (AMS).
    A PNAD Contínua tem previsão de ser iniciada em 2020 e abranger cerca de 210 mil domicílios. A ideia é obter dados mais apurados sobre a Atenção Primária à Saúde (APS) e sobre o desenvolvimento infantil, possibilitando um “diálogo intersetorial” com outras políticas públicas – caso do Marco Legal da Primeira Infância, desenvolvido pelo Ministério da Cidadania.
    “Nessa pesquisa, serão incorporados dois módulos para abordar a saúde da população infantil. Um deles vai avaliar a qualidade da APS na perspectiva do cuidado à criança, com a inserção do PCATool-Brasil [modelo de avaliação da qualidade de serviços que se baseia na mensuração de aspectos de estrutura, processo e resultados dos serviços de saúde] em sua versão infantil”, informou por meio de nota o MS.
    O outro módulo inclui o desenvolvimento infantil, por meio do instrumento de avaliação do projeto Primeira Infância para Adultos Saudáveis (PIPA).
    Já a PNDS, feita pela última vez em 2006, atualizará as informações sobre a saúde da mulher e da criança “para construção de séries históricas e estudos comparativos em nível nacional e internacional”. Para tanto, a pesquisa contará com “instrumentos para avaliação da atenção primária, porta de entrada do SUS, em relação ao cuidado oferecido à população”.
    Essa pesquisa será iniciada no primeiro semestre de 2021. Por meio de entrevistas domiciliares com visitas a 110 mil domicílios, ela fornecerá dados e indicadores relevantes para o contexto da saúde da mulher e da criança, com foco em reprodução, amamentação e saúde nutricional.
    Tendo por base dados obtidos pelo IBGE, a iniciativa pretende incluir “assuntos relevantes para a avaliação do momento atual do SUS”. Para tanto, será resgatada a Pesquisa de Assistência Médico-Sanitária, que teve a última edição em 2009. A previsão é de que nesse caso a pesquisa abranja cerca de 100 mil estabelecimentos de saúde no 2º semestre de 2021.
    Segundo o Ministério da Saúde, essa pesquisa será feita via ligações telefônicas, com o objetivo de atualizar o “perfil da capacidade instalada do SUS, considerando os subsistemas público e privado, além de permitir conhecer o perfil da força de trabalho em saúde e da oferta e uso dos equipamentos médico-hospitalares”.
    Também será criado um módulo específico para avaliar as estruturas das unidades de saúde familiar, no âmbito da atenção primária à saúde, “permitindo a conexão com o novo e-SUS AB [estratégia de qualificação da gestão da informação] e a base Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES)”. (Agência Brasil)

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.