Quarta, 16 Outubro 2019 | Login
PUBLICIDADE NO SÉCULO XIX:  Estudo sobre a história da Publicidade em Barbacena é publicado pela USP

PUBLICIDADE NO SÉCULO XIX: Estudo sobre a história da Publicidade em Barbacena é publicado pela USP Featured

O projeto, financiado pela instituição, pesquisou como a publicidade se desenvolveu na imprensa de Barbacena no Século XIX. 
 
Um estudo feito no UNIPAC Barbacena foi publicado neste mês de Julho pela Revista Anagrama, da USP. O trabalho é fruto do projeto de Iniciação Científica do UNIPAC Barbacena “Um rio que passou por nossa história: os primórdios da publicidade barbacenense no jornal O Parahybuna”, escrito por Márcio Ribeiro e orientado pelo professor Ricardo Rios, do curso de Publicidade e Propaganda. O projeto, financiado pela instituição, pesquisou como a publicidade se desenvolveu na imprensa de Barbacena no Século XIX.
A revista Anagrama, que é uma das mais importantes da graduação em Comunicação no Brasil, traz em destaque um levantamento sobre a história do início da publicidade em Barbacena, em 1837, no primeiro jornal da cidade, “O Parahybuna”.
 
Resumo da Anagrama
"A presente obra analisa as campanhas públicitarias do extinto jornal impresso 'O Parahbuna' de Barbacena Minas Gerais.
O artigo tem o objetivo de mapear e compreender as primeiras peças publicitárias veiculadas na imprensa de Barbacena (MG), inseridas no jornal O Parahybuna, em 1837. Este foi o primeiro periódico da cidade e, mesmo de duração efêmera, trata-se de importante documento histórico para compreender a publicidade na cidade. O interesse da pesquisa está em mapear e descrever as peças comerciais presentes no jornal O Parahybuna em 1837 e analisar os consequentes locus sociais, em uma dimensão sociohistórica. O percurso teórico está alicerçado nos conceitos de ethos para Amossy (2008) e Charaudeau (2008). Paralelamente, investiga-se a questão estética da publicidade brasileira no Século XIX".
 
O que mostra o artigo?
paraibuna primeiro jornal de Barbacena
A pesquisa mostra que os anúncios em “O Parahybuna” se parecem hoje com os classificados dos jornais. As propagandas ocupavam o final da página 4 do jornal e só continham textos, sem nenhuma ilustração.  Outra característica das propagandas em Barbacena no Século 19 era a necessidade constante dos proprietários dos estabelecimentos anunciados em sempre mostrar seus nomes.  Segundo o aluno Márcio Ribeiro, “é possível observar que os proprietários davam tanto valor a seus nomes, que faziam questão em deixar seu nome exposto ao anunciar alguma coisa, transformando-os em uma das questões mais importantes do anúncio, até mesmo em relação aos endereços, como era visto em muitos casos de imóveis”, disse. Para o professor Ricardo Rios, o artigo é essencial para entender a história da Publicidade em Barbacena: “Este artigo traz vários detalhes de anúncios veiculados no início da imprensa de Barbacena. De estabelecimentos comerciais à busca de escravos, a publicidade traz um importante recorte histórico da sociedade barbacenense do Século 19, permitindo que qualquer pessoa veja como a cidade era há quase 200 anos e perceba a importância da imprensa de Barbacena em contar a nossa história”.
O artigo está disponível gratuitamente na internet, através do site da Revista Anagrama, o www.revistas.usp.br/anagrama .A Pró-reitoria de Inovação e Desenvolvimento Socioeducacional cumprimenta o Professor Ricardo Rios pela inciativa de mostrar a importância da imprensa no séc. XIX pelos reclames publicitários. (Barbacena Mais - Portal de Notícias e Revista Anagrama)
000

About Author

Related items

  • ARTIGO: Batendo o desespero
     
    Por Laerte A. Ferraz -
    As queimadas na Amazônia – típicas e historicamente comuns no período de seca – renderam boa munição contra o governo. Não importa quanta distorção foi feita pela imprensa nacional e internacional dos dados relacionados ao fato.
    Tudo começou com a divulgação tendenciosa, pela extrema-imprensa nacional, de dados do INPE e com o questionamento efetuado, na ocasião pelo presidente Bolsonaro em relação ao conteúdo dessa divulgação que acabou por causar a exoneração de Ricardo Galvão, presidente da entidade.
    Também não importa se em posterior debate entre o Ministro Ricardo Salles e Galvão este admitiu que os dados divulgados continham “distorções” e que não refletiam a realidade.
    O que importa é que a versão falseada foi usada pelo Presidente francês para questionar o acordo entre MERCOSUL e UE e os inúmeros desdobramentos decorrentes, incluindo a sugestão de uma intervenção internacional na Amazônia brasileira, com direito a vociferação da jovem sueca Greta Thunberg na ONU, o engajamento no episódio do cacique Raoni, dono de uma ONG mantida pela França, e até mesmo um Sínodo, nitidamente herético e apostata promovido pelo Papa Bergoglio de péssimos hábitos alimentares. Um vídeo que circulou na Internet mostra Bergoglio nojentamente degustando meleca tirada do próprio nariz. Eca!
    incêndios na Amazônia
    A questão das queimadas na Amazônia brasileira rendeu, por longo tempo, inúmeras pautas jornalísticas que ignoraram solenemente a constatação de queimadas resultavam de atos criminosos, do envolvimento de ONGs, de pessoas associadas ao movimento “dito social” MST e outros absurdos constantemente denunciados pelo governo. O destaque noticioso era sempre sobre o cancelamento de verbas de preservação ambiental da Amazônia feitas pela Alemanha e Noruega por conta da “má gestão do governo brasileiro em relação ao meio ambiente”.
    Na esteira disso e surfando na pororoca amazônica do fogo que ameaçava o “pulmão verde do Mundo”, surgiram as críticas em relação à liberação de novos defensivos agrícolas, mais modernos e eficientes, efetuada pelo governo federal.
    Tudo isso fez a festa orgástica das esquerdas: a imprensa, os blogueiros a soldo e os bem conhecidos militantes das redes sociais viveram momentos de quase exultação na tentativa de validar as distorções, apesar das freqüentes e consistentes explicações dadas pelo governo.
    Foi preciso que Bolsonaro efetuasse, na abertura na 74ª Assembléia Geral da ONU, um discurso digno de um estadista, com a veemente defesa da soberania brasileira, além de apresentar dados sobre a política ambiental do governo, mostrando que não apenas havia muita má fé nas informações que estavam circulando, como escancarando a hipocrisia de países que nos criticavam e que sequer poderiam fazê-lo em função das próprias políticas ambientais.
    É claro que não faltaram comentários ácidos em relação a esse discurso efetuados pelos críticos de sempre que não apenas torcem para que tudo dê errado, como jamais reconhecerão acertos do atual governo, apesar das evidências. São – como bem sabemos – os que preferem ver o país afundar a aceitar que uma gestão de direita possa acertar naquilo que as esquerdas sempre erraram.
    Depois disso, e apesar dos esforços das esquerdas sempre mal intencionadas, o furor persecutório ao governo foi perdendo força em relação a esse assunto, por pura falta de sustentação fática. Entretanto, a “causa ambiental” é boa demais para ser abandonada sem tentativas de reincidência. E a oportunidade se apresentou exatamente com a catástrofe ambiental causada pelo derrame de petróleo cru nas praias do nordeste brasileiro que não apenas trazem elevados custos, como afeta o turismo e, principalmente, ameaça o ecossistema, altamente vulnerável a esse tipo de desastre. Talvez transcorram décadas antes do ambiente se regenerar, ainda que parcialmente.
    Petróleo no Nordeste
    O fato de tal episódio afetar os Estados do Nordeste – todos administrados por governadores esquerdistas – parece altamente conveniente em função do potencial de se criar uma verdadeira comoção nacional. A conveniência é tanta que não faltou quem suspeitasse que o derrame de petróleo – numa quantidade que passa das 140 mil toneladas – possa ter sido intencional. Afinal, não houve notificação de qualquer acidente envolvendo navios petroleiros em águas brasileiras ou mesmo no meio do Atlântico e o volume de petróleo derramado representa a carga média total de um moderno navio petroleiro.
    No início, quando as primeiras levas de petróleo chegaram às praias de Pernambuco, o problema parecia localizado. Mas, na medida em que o afluxo de petróleo passou a contaminar praias de outros Estados, a tragédia foi sendo revelada em sua real dimensão.
    E as primeiras vozes criticando o governo federal foram ouvidas e lidas, tanto nos meios de radiodifusão quanto nas páginas de jornais e sites de Internet. Era uma nova crise ambiental que, somada às queimadas, tinha potencial para manter o governo acuado e na defensiva.
    Não faltou quem apontasse o dedo acusador ao governo Bolsonaro como responsável, se não pelo problema, pela demora na ação. Foi quando ficou evidente, pelos exames do material recolhido, que a origem do petróleo é venezuelana. E isso levantou a suspeita de que o derrame de petróleo, menos que um acidente, possa ter sido um ato de bioterrorismo.
    As esquerdas silenciaram em aparente catatonia: nada de indignado clamor da militância; nenhuma palavra da menina sueca; absoluta mudez de Bergoglio, de Macron, de Merkel. E o cacique indígena de estimação está recolhido à respectiva oca ou residência em Paris.
    Óbvio. Afinal, se a origem do petróleo é venezuelana e Maduro é um dos poucos tiranos de esquerda que ainda resistem na América Latina, é natural que as esquerdas se calem e passem a buscar justificativas para o desastre que nos assola: seria o conteúdo de um navio naufragado na II Guerra ou o vazamento acidental de uma plataforma petrolífera venezuelana, carente de adequada manutenção por culpa do imperialismo norte-americano que conduziu aquele país a condição quase falimentar em que se encontra. É evidente que se esse fosse o caso, ficaria muito difícil entender como o petróleo, sem antes passar pelo Suriname, Guiana, Guiana Francesa e vencendo as correntezas do poderoso Amazonas, fosse ter às costas de Pernambuco em primeiro lugar. As simulações e fluxo das correntezas marítimas demonstram que não foi isso que aconteceu:
    Petroleo nas praias do Nordeste
    Para mim, isso parece um claro sinal de que está batendo o desespero nas esquerdas em função de tantas tentativas frustradas de manipular a opinião pública contra o governo. Temos que reconhecer: persistentes, eles são.
    Laerte Ferraz(Artigo do Jornalista Laerte A. Ferraz – para Vida Destra – https://bit.ly/35v9Zo7 )
  • LUTO: Morre o sociólogo Chico de Oliveira, um dos fundadores de PT e PSOL
    Em 2003, meses depois de Lula assumir a Presidência, o sociólogo se afastou do PT e tornou-se cada vez mais crítico das medidas tomadas pelo partido que havia fundado.
     
    O pernambucano Francisco Maria Cavalcanti de Oliveira, mais conhecido como Chico de Oliveira, morreu aos 85 anos na madrugada desta quarta-feira, 10/07. A informação foi confirmada pela Universidade de São Paulo (USP), onde ele era professor emérito. A família não divulgou a causa da morte.
    O velório aconteceu no salão nobre do prédio administrativo da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da universidade, na rua do Lago, 717, a partir das 17h..
    Um dos mais influentes nomes das ciências sociais no Brasil a partir da década de 1960, Oliveira lançou ensaios que se tornaram referências, como "Crítica da Razão Dualista" (1972), "Elegia para uma Re(li)gião" (1977) e "O Ornitorrinco" (2003).
    Fundador e crítico do PT
    Chico de Oliveira ajudou a fundar o PT em 1980, mas decepcionou-se com o partido quando o ex-presidente Lula chegou à Presidência. Também esteve no núcleo de criação do PSOL em 2004, porém, logo se desencantou com a sigla.
    Nascido no Recife em 1933, graduou-se em ciências sociais em 1956 na antiga Faculdade de Filosofia da Universidade do Recife, atual Universidade Federal de Pernambuco. Nesse período, foi um dos fundadores do Movimento Estudantil Socialista de Pernambuco.
    Trabalhou na Sudene (Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste), sob a orientação de Celso Furtado, que o influenciou decisivamente nesta época.
    Foi preso durante o regime militar, em Pernambuco, durante dois meses. Depois de ser solto, deixou o país e viveu três anos entre Guatemala e México.
    Em 2003, meses depois de Lula assumir a Presidência, o sociólogo se afastou do PT e tornou-se cada vez mais crítico das medidas tomadas pelo partido que havia fundado. "Lula não tem objetivos porque não tem inimigos de classe", escreveu em ensaio publicado na revista Piauí em 2007.
    Para o sociólogo, os últimos anos foram marcados por um acentuado ceticismo em relação à política e à economia do país. No livro "Brasil: Uma Biografia Não Autorizada", o mais longo ensaio tinha como título "O Adeus do Futuro ao País do Futuro". (Diário do Nordeste)

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.