Segunda, 09 Dezembro 2019 | Login
COMBATE À CRIMINALIDADE: Operação Cronos prende mais de 900 acusados de homicídio e feminicídio

COMBATE À CRIMINALIDADE: Operação Cronos prende mais de 900 acusados de homicídio e feminicídio Featured

Ação foi deflagrada em 21 Estados e no Distrito Federal.
Nesta terça-feira, 28/05, policiais civis de 21 estados e do Distrito Federal participaram, de mais uma Operação Cronos, deflagrada para combater os crimes de homicídio e feminicídio. Coordenada pelo Conselho Nacional dos Chefes de Polícia Civil, a ação aconteceu de forma integrada e contando com o apoio do Ministério da Justiça e Segurança Pública. Até o final desta edição, por volta das 16h, mais de 960 já haviam sido detidas. No total, a polícia prendeu 881 pessoas por homicídio, 56 por feminicídio, além de 31 menores apreendidos por homicídio.
Feminicidio e homicidio
O objetivo da Operação Cronos 2 é cumprir mandados de prisão contra pessoas acusadas de feminicídio – ou seja, o homicídio de mulheres por violência doméstica ou discriminação de gênero – e homicídios.
A Operação Cronos II é coordenada pelo Conselho Nacional dos Chefes de Polícia Civil (CONCPC) e tem o apoio da Secretaria de Operações Integradas (Seopi) do MJSP.
Coletiva no Ministério da Justiça
O monitoramento da operação foi  realizado no Centro Integrado de Comando e Controle Nacional (CICCN) do MJSP, em Brasília (DF).
Para o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Luiz Pontel de Souza, a Operação Cronos II demonstra o sucesso no trabalho integrado entre as forças de segurança pública.
"O trabalho da Secretaria de Operações Integradas, criada na atual gestão, tem o objetivo de utilizar tecnologia e inteligência, reunindo as forças policiais, de forma conjunta e convergente no combate à macrocriminalidade", afirmou o secretário-executivo. 
Luiz Pontel ainda disse que é uma preocupação do Ministério trabalhar de forma integrada, visando tirar de circulação criminosos violentos, especificamente autores de homicídio e feminicídio. "Já identificamos presos ligados a facções criminosas", ressaltou.
São Paulo
No estado de São Paulo, cerca de 3.300 policiais e 1.300 viaturas foram mobilizados. Até por volta das 15h, mais de 1.500 mandados de prisão foram cumpridos, além de 28 mandados de busca e apreensão.
Primeira fase
Deflagrada em agosto de 2018, a primeira fase da Operação Cronos resultou na prisão de mais de 2,6 mil pessoas em todo o país. Além disso, foram apreendidos 341 adolescentes. Segundo o Conselho Nacional dos Chefes de Polícia Civil divulgou à época, 42 pessoas foram presas por feminicídio; 404 por homicídio; 289 presos por crimes relacionados à Lei Maria da Penha; 640 foram autuadas em flagrante por posse ou porte irregular de arma de fogo, tráfico de drogas e outros crimes; e outras 1.252 pessoas foram detidas em decorrência de mandados de prisão expedidos por outros crimes.
Durante a primeira fase, foram apreendidas 146 armas de fogo e aproximadamente 383 quilos de entorpecentes, como maconha, cocaína e crack. Mais de 7,8 mil policiais civis de todo o país participaram das ações. (Renato Ferreira com informação do Ministério da Justiça e Agência Brasil)
000

About Author

Related items

  • VERGONHA E DESRESPEITO AO CIDADÃO! Médico é acusado de cobrar por procedimento no Hospital Municipal de Osasco
    ATENÇÃO! O hospital é público!
    O fato lamentável foi registrado pela polícia nesta segunda-feira e o médico, ortopedista, foi levado à delegacia para prestar depoimento. Com ele, os policiais apreenderam notas de Reais marcadas antes pela paciente que o denunciou.
    A Prefeitura de Osasco divulgou uma Nota Oficial, emitida pela Organização Social que administra o Hospital Municipal Antonio Giglio, afirmando que não compactua com tais práticas e que todos os procedimentos na unidade são gratuitos.
    Um vídeo sobre a ocorrência roda na internet e o caso foi veiculado também pelo SBT.
    Íntegra da Nota Oficial
    Cobrança por serviços gratuitos (S.U.S)
    Em resposta a notícia veiculada nas redes sociais o Hospital Antônio Giglio vem por meio deste
    esclarecer:
    O Hospital, sua diretoria administrativa e médica não compactua com qualquer atividade ilegal que possa ser realizada na unidade e reconhece que todos os serviços e exames ofertados nessa unidade são totalmente gratuitos.
    Que sempre atuou em avisar por meio de informes distribuídos na unidade que todos os atendimentos são gratuitos e que em caso de dúvida ou denúncia a ouvidoria deve ser procurada.
    Que disponibiliza em sua unidade setor específico para orientar os pacientes quanto a todas as dúvidas e que também recebe denúncias, avaliando e tomando imediatamente as devidas providências e que seus profissionais são orientados a sempre informar a gratuidade dos serviços.
    O Hospital Antônio Giglio possui hoje cerca de 500 funcionários e mais de 300 médicos atuantes. Diariamente atuamos com mais de 50 profissionais médicos e residentes. Todos os dias mais de 2 mil pessoas passam pelo Hospital, sendo pacientes ou seus acompanhantes. Portanto podemos afirmar que a denúncia refere-se a algo isolado e excepcional, não sendo uma prática da unidade.
    A ouvidoria do Hospital não havia tomado ciência da denúncia, o que aconteceu após os fatos serem amplamente divulgados nas redes sociais.
    Devido a denúncia o profissional citado foi afastado das suas funções até que os fatos sejam averiguados administrativamente, sendo instaurado procedimento interno e sindicância para apuração dos fatos com o compromisso que serão adotadas todas as providências legais para mais rigorosas apuração dos fatos com aplicação das necessárias sanções.
    A empresa terceirizada prestadora de serviços médicos foi notificada pela Santa Casa de Pacaembu a prestar esclarecimentos sobre o fato.
    Atenciosamente
    Direção Hospital Antônio Giglio
  • ASSASSINATO: Em novo depoimento, Valério cita Lula como mandante da morte de Celso Daniel
    O prefeito foi assassinado em 2002. Declarações estão sob sigilo da Justiça. De forma misteriosa, sete testemunhas do sequestro e morte também foram assassinadas.
    O empresário e um dos principais operadores do mensalão, Marcos Valério, prestou novo depoimento ao Ministério Público de São Paulo, no qual acusou o ex-presidente Lula de ser um dos mandantes do assassinato do então prefeito de Santo André, Celso Daniel, em 2002.
    As declarações foram anexadas em investigação sigilosa sobre o caso, no âmbito do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público), e foram divulgadas nesta sexta-feira, 25/10, pela revista Veja, em matéria de capa. Toninho do PT, ex-prefeito de Campianas, também foi assassinado de forma misteriosa, pouco tempo depois da morte de Celso Daniel.
    Capa Veja
    De acordo com a revista, Valério disse que Lula e outros petistas, como o ex-ministro José Dirceu, foram chantageados pelo empresário de Santo André, Ronan Maria Pinto, que ameaçava implicá-los na morte do prefeito. A Polícia Civil, à época, não considerou que o crime teria motivação política.
    Valério conta que foi chamado pelo chefe de gabinete de Lula, Gilberto Carvalho, para uma reunião no Palácio do Planalto. Na ocasião, Carvalho falou das ameaças e pediu para que ele resolvesse o assunto, pagando o chantagista. O empresário ainda disse que, depois da reunião, procurou José Dirceu, que disse apenas: “Vá e resolva”.
    O operador do mensalão encontrou-se com Ronan Maria Pinto em 1 hotel em São Paulo, junto com o então tesoureiro do PT, Delúbio Soares. Na ocasião, o empresário teria deixado claro que Lula foi o cabeça do assassinato. O dinheiro que comprou o silêncio dele foi conseguido em um esquema precursor do petrolão: o Banco Schahin fez 1 “empréstimo” de R$ 12 milhões ao partido, em troca de 1 contrato de uma operação com a Petrobras.
    Valério também disse que conversou pessoalmente com Lula sobre o caso. Depois de avisar que o problema havia sido resolvido, o então presidente teria respondido “ótimo, graças a Deus”.
    O empresário já tinha feito, em outros depoimentos, alguns desses relatos à Justiça. Dessa vez, deu mais detalhes e, embora não tenha apresentado nenhuma prova, os promotores responsáveis consideraram as falas graves.
    Valério cumpre pena de 37 anos e 5 meses de prisão pelo STF (Supremo Tribunal Federal). Atualmente, está em regime semiaberto. Em maio deste ano, pediu para cumprir a pena em casa, mas teve a solicitação negada pela então procuradora-geral da República, Raquel Dodge.
    O presidente Jair Bolsonaro repercutiu a notícia na sua conta do Twitter. Na publicação, ele diz que não está surpreso com o depoimento. (Fonte: PODER360)
    "OS OITO CADÁVERES DO CASO CELSO DANIEL E O PAPEL DE CADA UM"
    Matéria detalhada sobre esse caso, que continua sendo um fantasma para o Partido dos Trabalhadores, escrita pelo jornalista Reinaldo Azevedo, na revista Veja, em abril de 2016, e republicada em seu blog no dia 9 fev 2017. Até então, o jornalista era um ferrenho crítico de Lula e do PT. Hoje, ele mudou de lado. Veja aqui: https://bit.ly/32LpZR6.
  • CRIME DE TORTURA: Polícia identifica e procura seguranças que torturaram jovem negro em mercado
    Surgem novas denúncias de tortura na Rede de Supermercado Ricoy. Delegado afirma que ficou chocado quando viu imagens, porque são "extremamente violentas" .
     
    Nesta quinta-feira, 05/09, a Polícia Civil identificou os dois seguranças suspeitos de torturar um adolescente, de 17 anos, negro dentro de um supermercado na zona sul de São Paulo. Um crime bárbaro, que revoltou a sociedade e que merece rigorosa pena para seus executores e mandates. Os seguranças, também negros, foram identificados como Davi de Oliveira Fernandes, 37 anos, e Valdir Bispo dos Santos, 49 anos, seguranças terceirizados do estabelecimento.. Eles estão sendo procurados pela polícia.
    O adolescente afirmou, em depoimento à polícia, que furtou uma barra de chocolate da prateleira do supermercado. Em seguida, foi abordado por Santos, um dos seguranças. O jovem relatou que, neste momento, Neto chegou e ajudou o colega de trabalho. Juntos, levaram a vítima até um quarto nos fundos da loja, onde ocorreu a tortura.
    A bárbara agressão ocorreu no mês passado, em um estabelecimento da rede Ricoy, no Jardim Selma. Um vídeo que circula nas redes sociais mostra a tortura que o adolescente sofreu, por pelo menos um minuto.
    Na ocasião, os dois seguranças agridiram a vítima com um chicote com fios entrelaçados. “É chocante. Quando eu recebi o vídeo eu fiquei chocado, porque é uma imagem extremamente violenta”, classificou o delegado responsável pelo caso, José Luiz de Souza.
    O crime foi identificado como tortura: “constranger alguém com emprego de violência ou grave ameaça, causando-lhe sofrimento físico ou mental”, de acordo com a lei 9.455, de 7 de abril de 1997. Um inquérito foi aberto no 80° DP (Vila Joaniza) e o delegado pediu ao supermercado informações sobre os dois seguranças. Souza deve, ainda, ouvir outros funcionários do estabelecimento.
    O delegado pretende também saber se o episódio ocorre com frequência ou se foi um caso isolado. O chicote utilizado durante o crime também será alvo de diligências policiais. “Isso deverá ser apreendido, assim como o telefone de quem eventualmente tenha gravado a barbárie”, disse.
    Após o episódio, já houve mais duas novas denúncias de pessoas que foram agredidas e torturadas nesse mesmo supermercado de São Paulos. Os casos estão sendo investigados pela Polícia Civil. (Com informações do R7)

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.