Sexta, 19 Julho 2019 | Login
DOIS BRASIS: A cruel e injusta pirâmide educacional no Brasil tem apoio de pobres

DOIS BRASIS: A cruel e injusta pirâmide educacional no Brasil tem apoio de pobres Featured

 Renato Ferreira -

Até as décadas de 1950, 60 e 70, os brasileiros ainda podiam se orgulhar de suas escolas públicas. Eram instituições comprometidas com a boa educação, onde pobres e ricos contavam com professores respeitados, bem remunerados e competentes.

Mas, infelizmente, isso foi mudando ao longo do tempo, principalmente, após a redemocratização, quando milhões de brasileiros foram às ruas pedir mais liberdade, principalmente, reivindicar o direito de poder votar e ter eleições diretas para Presidente da República.

Ganhamos o direito de eleger os nossos Presidentes e Governadores, porém, ganhamos também uma cruel e injusta pirâmide educacional.

Há décadas, nossas crianças e adolescentes pobres, filhos de trabalhadores e operários, estudam em escola pública de péssima qualidade com professores mal remunerados e que até apanham de alunos. Depois, adolescentes ainda ou já adultos, vão trabalhar para sobreviver e, se puderem, pagam uma faculdade particular de fundo de quintal. E com pouco conhecimento, uma vez que não tiveram boa base educacional, vão continuar sendo empregados e dominados para o resto da vida.

Por outro lado, as crianças e adolescentes ricos, filhos de milionários e de políticos corruptos, estudam em escolas particulares com professores bem remunerados e respeitados. Depois, como não precisam de trabalhar, claro, vão para as melhores Universidades Públicas mantidas com recursos dos trabalhadores. Os próprios colégios particulares exploram esse dado como propaganda, informando a cada ano a quantidade de seus alunos aprovados nas melhores Universidades Públicas do país.

O resultado dessa cruel e injusta pirâmide educacional não poderia ser outra, senão esta: só ricos se formam nos melhores cursos das Universidades Públicas. Se formam doutores em todas as áreas do conhecimento e serão os atores principais da sociedade, enquanto os pobres continuam apenas como coadjuvantes do circo e trabalhadores mal remunerados.

Devido a essa triste e dura realidade, surge o inevitável discurso de sempre: o Brasil é um país de grandes desigualdades sociais. Aqui, com raríssimas e honrosas exceções, não vemos pobres e, principalmente, negros pobres em postos-chave e importantes da sociedade, como juízes, médicos, ministros, economistas, sociólogos e cientistas. E lógico, o poder aquisitivo individual será sempre equivalente ao nível intelectual e de conhecimento técnico das pessoas. Isso é fato.

E esse quadro parece ser impossível de ser mudado. Pois, quando aparece alguém no poder que coloca o dedo na ferida, mostrando o buraco e o caos brasileiro com o objetivo de investir mais no ensino básico e inverter essa pirâmide, aparecem os chefes da fajuta esquerda brasileira e os canhotinhos revoltados acusando o governo de fascista e autoritário.

A prova disso são as manifestações desta quarta-feira, 15, formadas por estudantes e parlamentares da 'esquerda', sob o pretexto de protestarem contra os 'cortes de verbas na educação'. Só que esses manifestantes aparecem nesses atos empunhando bandeiras vermelhas e apenas com palavras de ordem contra o governo.

São verdadeiras massas de manobras, formadas por inocentes úteis, a serviço de quem torce contra o Brasil e de quem não quer mudar o quadro atual. Assim, os pobres continuarão a estudar de graça no ensino básico como um favor dos governos, enquanto os ricos continuarão a ter acesso livre e gratuito nos melhores cursos superiores.

Erros grotescos

Faixa de protesto 2

Faixa de protesto

Outra prova de que as manifestações de hoje são puramente atos de protestos  políticos contra o atual governo e não manifestações sérias em busca de uma melhor edudação para o Brasil é que esses mesmos vermelhinhos, que hoje estão nas ruas fazendo badernas e até queimando ônibus, como aconteceu no Rio de Janeiro, não se manifestaram quando os petistas Lula e Dima cortaram um volume muito maior de recursos na Educação do que a proposta deste governo. São, infelizmente, em sua maioria, alunos e professores oriundos da nefasta "Patria Educadora" do PT, que cometem os mais grotescos erros de Português numa simples faixa de protesto com uma frase, como estas: "Mecheu com a Educação, mecheu com todos", ou "Só a Educação nos trazerá crescimento". Pobre Brasil! (Renato Ferreira)

000

About Author

Related items

  • EDUCAÇÃO: Nova reitora da UFRJ defende ampliação de parcerias com empresas privadas
    Médica e pesquisadora quer fortalecer núcleos de apoio a graduandos.
     
    A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) sempre esteve presente na vida adulta da médica e pesquisadora Denise Pires de Carvalho que, aos 54 anos, será a primeira mulher a assumir a reitoria da maior universidade pública do país.
    Professora titular do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho da UFRJ, Denise vai liderar uma comunidade de 4 mil docentes e de 67 mil estudantes de graduação, pós-graduação e ensino a distância.
    "A UFRJ é a maior [universidade] federal. Já foi, durante muito tempo, a melhor federal do país e tem perdido, nos últimos tempos, esse posto, porque nós temos problemas administrativos e acadêmicos", diz a carioca que foi a primeira colocada na lista tríplice encaminhada ao presidente da República, Jair Bolsonaro, com as sugestões de nomes de reitor e vice-reitor para comandar a federal no período de 2019 a 2023. O presidente já confirmou Denise para o cargo, a partir de julho, e sua nomeação deve ser publicada nesta segunda-feira (3) no Diário Oficial da União.
    Denise recebeu 9.427 votos da comunidade acadêmica. Esta foi a segunda vez que ela entrou na disputa pela reitoria da UFRJ. Em 2015, ela perdeu para o atual reitor Roberto Leher.
    Dedicação à Instituição
    A pesquisadora entrou para a graduação em medicina na UFRJ em 1982. Era o início de uma vida dedicada à universidade. Formada em 1987, ela concluiu o mestrado em Ciências Biológicas (Biofísica) na mesma instituição em 1989. Em 1994, conquistou o título de doutora, também em Ciências Biológicas, pela UFRJ. Concluiu o pós-doutorado no Hôpital de Bicêtre, Unité Tiroïde, Paris, em 1995, e na Universitá Degli Studi di Napoli, Nápoles, em 2006.
    Hoje, ela atua como docente nos cursos de graduação da área da saúde e como orientadora nos Programas de Pós-graduação em Ciências Biológicas-Fisiologia e Endocrinologia da UFRJ. Denise também foi diretora do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho.
    O amor pela universidade também deixou marcas nas filhas Daniela, 28 anos, bióloga formada pela UFRJ, e Isabela, 23 anos, prestes a se formar em medicina pela mesma instituição. O marido de Denise, o biólogo Álvaro Leitão, é professor aposentado do Instituto de Biofísica da universidade.
    Elegante em uma saia preta e blusa clara com bordados nas mangas, a futura reitora concedeu uma entrevista à Agência Brasil, nesta semana, durante lançamento da campanha da Escola Politécnica (Poli-UFRJ) #EsseLugarTambémÉMeu, para ampliação do número de estudantes mulheres nas áreas de engenharia.
    Pequena em estatura, Denise se mostrou grande nas ideias que têm para a universidade. Ela pretende retomar a liderança entre as federais, reforçar um núcleo psicopedagógico para auxiliar alunos de graduação, além de ampliar a internacionalização e as parcerias com empresas privadas.
    Para isso, ela terá a ajuda do professor Carlos Frederico Leão Rocha, do Instituto de Economia (IE) da UFRJ, eleito vice-reitor na chapa escolhida pela comunidade acadêmica.
    Foco na graduação
    Nova reitora da UFRJ denise pires
    Denise Pires de Carvalho, nova Reitora da UFRJ (Foto: Diogo Vasconcellos Coordcom UFRJ)
    A nova reitora disse que pretende fazer com que a UFRJ retome a liderança entre as federais. Segundo ela, será dado um importante destaque aos alunos de graduação.
    "A gente faz muita pesquisa, desenvolve muita pós-graduação de excelência, mas a nossa graduação tem estado esquecida. Muitos estudantes evadem, não conseguem concluir os cursos”, destacou a nova reitora dizendo que quer fazer a instituição voltar a ocupar um lugar de vanguarda na educação brasileira.
    Entre as sugestões, ela citou a elaboração de um projeto para diminuir a evasão que, se bem-sucedido, poderá ser aplicado em outras universidades brasileiras. "Quem sabe, a UFRJ não consegue inovar também sob esse aspecto", apostou.
    A pesquisadora defendeu ainda a necessidade de fortalecer os núcleos de apoio psicopedagógico para os graduandos. “Muitos alunos entram na universidade em cursos que não gostariam e só percebem isso ao longo do ano”, destacou.
    No início da gestão, Denise afirma que vai atacar questões que não dependam do orçamento. Ela pretende reorganizar a área de comunicação da universidade com o intuito de aumentar a interação com a imprensa e mostrar para a sociedade o que a UFRJ faz. "São questões que dependem muito mais de mudança administrativa do que orçamentária. Essas são as questões mais importantes, de início", afirmou.
    Inovação e integração
    Denise reconheceu que, embora seja feita muita pesquisa e haja produção de conhecimento na universidade, há pouca inovação. Esse é um conceito que ela pretende induzir juntamente com a ampliação da internacionalização. Na avaliação dela, a diretoria de Relações Internacionais da UFRJ é subdimensionada e ela vai trabalhar para tornar a estrutura uma superintendência – o que tornará o trabalho maior e mais relevante.
    A nova reitora propõe a integração da universidade em torno de um projeto institucional de “voltar para o primeiro lugar”. "Quem sabe a gente consegue daqui a quatro anos. Eu estou muito confiante, porque a gente tem muita excelência aqui dentro. O que falta é um ajuste administrativo".
    Parcerias privadas
    Durante a entrevista à Agência Brasil, ela citou ainda a necessidade de ajustes no orçamento da UFRJ, atualmente, deficitário. "É um momento muito difícil porque o governo anuncia cortes e a gente sabe que o financiamento das instituições públicas, em todo lugar do mundo, é majoritariamente público", destacou.
    Ela aponta como um caminho o aumento das parcerias já existentes com empresas privadas, mas critica a atual concentração de verbas em determinadas áreas. Denise cita ainda o interesse em ampliar o parque tecnológico da UFRJ para áreas como a biomedicina. Atualmente, as áreas de óleo e gás são as que mais desenvolvem pesquisa.
    "Tem que haver uma ampliação diária de atuação dessas empresas. O que nós pretendemos é que haja mais transparência na utilização dos recursos que são arrecadados por meio dos projetos com essas empresas e que esses recursos possam ser distribuídos por todas as áreas da universidade, não fiquem concentrados apenas nas áreas que têm interação com as empresas", disse Denise defendendo a democratização do uso dos recursos. (Agência Brasil - Foto: Diogo Vasconcellos Coordcom UFRJ)).
  • ADMINISTRAÇÃO: Araçariguama adquire novo Ônibus Escolar
     
    A Prefeitura de Araçariguama, por meio da Secretaria de Educação, acaba de adquirir novo Ônibus Escolar zero quilômetro. Essa nova conquista da Prefeitura, sob o comando da Prefeita Lili Aymar (foto), foi feita através de convênio com o FNDE/MEC (Governo Federal) PAR (Plano de Ações Articuladas - Programa Caminho da Escola).
    Trata-se de um termo de compromisso firmado em 2018 proveniente de emenda parlamentar da deputada Federal Bruna Furlan (PSDB), no valor de R$274.050,00, sendo R$250.000,00 da emenda e R$24.050,00 coomo contrapartida da Prefeitura de Araçariguama.
    Araçariguama ônibus 2
     
    Esse novo benefício para o povo de Araçariguama só foi possível graças ao esforço de todo o grupo da Secretaria de Educação pela agilidade e organização, da equipe de Projetos Especiais e, principalmente, pela iniciativa da Prefeita Lili Aymar na busca de recursos para o município.
    “A aprovação do convênio aconteceu no dia 31 de dezembro de 2018, onde a equipe de supervisão, liderada pelo professor Fernando Cunha, se dedicou e com muita expertise, conseguiu a aprovação deste novo ônibus para nossa educação”, disse o Secretário Michel Vicentine.
    “É com muita alegria que entregamos mais um ônibus 0k para nossos alunos. Nossa meta é tornar Araçariguama uma cidade referência na educação, e isso já está se tornando realidade. Transporte é essencial para a qualidade de acesso de nossos alunos, além da economicidade gerada pelo convênio”, destacou a Prefeita Lili Aymar. (Departamento de Comunicação)
  • PAÍS DO FUTURO? Nenhum país terá futuro sem investimento na educação de base

     

    Desde criança a gente ouve falar que o Brasil é país do futuro. 

    Mas, com crianças crescendo sem saber ler ou escrever e com esses jovens protestando pelados nas Universidades de Filosofia, Sociologia e História, qual será o futuro do Brasil?

    Seria o país das cracolândias, com traficantes de um lado e um exército de "zumbis" do outro?

    Crianças de rua

    Precisamos de investimentos pesados no ensino fundamental e não em cursos superiores que recebem estudantes sem nenhuma base educacional.

    Hoje, temos mais de 15 milhões de analfabetos, além de outros 30 milhões de analfabetos funcionais, pessoas que apenas sabem escrever o nome com dificuldade. Nenhum país terá futuro promissos sem investimentos na educação de base. (Renato Ferreira)

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.