Quinta, 18 Julho 2019 | Login
TRAGICÔMICO! Papagaio fala demais e é apreendido pela polícia em área de tráfico

TRAGICÔMICO! Papagaio fala demais e é apreendido pela polícia em área de tráfico Featured

Policiais militares faziam patrulhamento num ponto de venda de drogas, em Teresina, quando foram surpreendidos por um papagaio que começou a gritar: "Mamãe, polícia; Mamãe, polícia". Claro, o bichinho bem treinado acabou sendo levado pela polícia.

 

Esse fato inusitado envolvendo traficantes de drogas e um papagaio aconteceu nesta terça-feira, 23/04, em Teresina, capital do Piauí. A dona da ave falante é uma mulher conhecida como "Índia", que já foi presa duas por tráfico de drogas.
Tudo aconteceu quando os policiais faziam patrulhamento na Vila Irmã Dulce, em local que funcionaria como ponto de venda de entorpecentes. De repente, ao avistar os policiais, o papagaio começou a gritar: "Mamãe, polícia; Mamãe, polícia".

Em entrevista ao G1, o major Mello mostrou-se impressionado com a ave. “Ele deve ter sido treinado para isso. Começou a gritar assim que os policiais se aproximaram”, disse o Major Mello. Segundo o oficial da PM, o animal foi encaminhado ao Parque Zoobotânico de Teresina.

Ainda segundo o representante da PM, a dona do papagaio é uma mulher conhecida como “Índia”, que jpa foi presa duas vezes por tráfico de drogas. “Atualmente, ela está acamada porque sofreu um acidente. Então quem estava no ponto de venda de droga era o marido dela”, afirmou Mello.

O cônjuge da Índia, identificado como Edvan, de 30 anos, foi preso após os oficiais encontraram porções de crack na residência. Era um negócio em família. Além do Edvan, a filha do casal, de 16 anos, foi apreendida com porções de maconha escondidas dentro das roupas íntimas. (Fonte: Jornal O Tempo).

Cuidado! Você que fica aí como papagaio nas redes sociais, só repetindo tudo que seus ídolos políticos falam e inventam, veja que até os papagaios que falam demais estão se dando mal. (Renato Ferreira)

TRAGICÔMICO é uma publicação de Notícias & Opinião todas as quartas-feiras. Se desejar ver outros casos já publicados, basta acessar o site - www.noticiaseopiniao.com.br - e buscar por tragicômico.

000

About Author

Related items

  • TRÁFICO DE DROGAS: Freixo defende Bolsonaro em caso de militar preso com cocaína
    Deputado escreveu nas redes sociais que o episódio é grave e precisa ser esclarecido, mas que pode ser um caso isolado.
     
    Na tarde desta quarta-feira, 26/06, o deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ), que integra a oposição ao governo Bolsonaro na Câmara, saiu em defesa do presidente no caso do militar da Aeronáutica preso com 39 quilos de cocaína em um voo que transportava a equipe que dava apoio a Bolsonaro. O sargento Manoel Silva Rodrigues já fez 29 viagens internacionais e já acompanhou, além de Bolsonaro, os presidentes Michel Temer e Dilma Rousseff.
    Freixo declarou, por meio das redes sociais, que o episódio é grave e precisa ser esclarecido, mas que “não podemos ser leviamos” já que pode ser um caso isolado.
    “Se os 39 kg de cocaína fossem encontrados em aviões presidenciais de Dilma, Lula ou FHC, como Bolsonaro reagiria? Não podemos ser levianos. O episódio é muito grave e precisa ser esclarecido, mas pode ser um caso isolado e não é possível responsabilizar o presidente”, escreveu o parlamentar.
    O deputado federal aproveitou para dizer que a principal questão do caso é que ele reforça “o erro de se insistir numa política insana de guerra às drogas nas favelas brasileiras”.
    “O principal desse crime é que ele reforça o erro de se insistir numa política insana de guerra às drogas nas favelas brasileiras, vitimando os mais pobres. O tráfico movimenta fortunas no mundo todo e envolve poderosos. É preciso seguir o dinheiro e ir para o andar de cima”, finalizou Freixo. (Fonte: Portal Conexão Política e UOL)
  • MTST: Polícia prende líderes de movimentos por moradia em São Paulo
     
    Uma operação da Polícia Civil de São Paulo, derivada de investigação sobre o incêndio e desabamento do edifício Wilton Paes de Almeida, no Largo do Paissandu, prendeu nesta segunda-feira, 2406, quatro pessoas, integrantes de movimentos de moradia, por suspeita de extorsão. Os movimentos sociais, no entanto, dizem que as prisões foram motivadas por perseguição e criminalização dos movimentos por moradia.
    Segundo o delegado André Vinicius Figueiredo, da 3ª Delegacia da Divisão de Investigações Criminais (DIG) do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), as pessoas investigadas obrigavam os moradores do prédio a pagar uma taxa. “Quem não pagava era agredido fisicamente e ameaçado sob pena de sair do local”, disse o delegado.
    De acordo com ele, as prisões foram motivadas com base no depoimento de 13 testemunhas, após denúncias anônimas. “O que estava ocorrendo era desvio de dinheiro. Essas testemunhas estavam sendo extorquidas para pagarem, sob ameaça, uma quantia que estava entre R$ 200 ou R$ 400 para ficarem hospedadas no movimento. E colhemos informações de que ali havia ameaças, agressões físicas. Há testemunhas que mencionaram que o dinheiro que eles pagavam não era voltado a benfeitorias do movimento”, disse o delegado.
    Sete pessoas morreram no desabamento do prédio e outras duas continuam desaparecidas até hoje. O edifício Wilton Paes de Almeida ficava no Largo do Paissandu, no centro da capital paulista.
    Durante a operação de hoje (24), foram cumpridos também 17 mandados de busca e apreensão. A polícia chegou a pedir a prisão de 17 pessoas, mas a Justiça decretou a prisão de nove pessoas. Do total de mandados de prisão expedidos pela Justiça, apenas quatro foram cumpridos. Todos os mandados são de prisão temporária, por cinco dias. As prisões atingem principalmente membros do Movimento Sem Teto do Centro (MSTC) e do Movimento de Moradia para Todos (MMPT).
    Na tarde de hoje, enquanto uma coletiva era concedida na sede do Deic, na zona norte da capital, para explicar as prisões, diversas pessoas se aglomeraram em frente ao local para protestar contra as prisões. As cantoras Ana Cañas e Maria Gadu e o cantor Chico César acompanharam a coletiva, além de políticos.
    O delegado negou que as prisões tenham como motivação a criminalização aos movimentos sociais. “Em nenhum momento a investigação está voltada ao movimento sem teto. O que foi focalizado é uma parcela, algumas pessoas que estavam utilizando o movimento para desvio de dinheiro”, disse Figueiredo.
    Outro lado
    Por meio de nota divulgada nas redes sociais, o Movimento Sem Teto do Centro (MSTC) repudiou as prisões. “O MSTC repudia veementemente essa nova tentativa de criminalização dos movimentos sociais de moradia através da perseguição judicial de seus líderes e exige a imediata libertação de seus membros. Moradia é direito. Quem não luta está morto”, diz a nota.
    Segundo o advogado Ariel de Castro Alves, que defende duas pessoas detidas hoje, nenhum dos quatro presos na operação desta segunda-feira tinham qualquer ligação com o prédio que desabou no Largo do Paissandu. “Nenhuma das lideranças do Wilton Paes foi presa. Tem duas que estão com prisões decretadas, mas não foram encontradas. As quatro pessoas que estão aqui são de outros movimentos de moradia e que, no nosso entender, estão sendo criminalizadas. É uma criminalização dos movimentos sociais”, disse Alves.
    O advogado reclamou também que o delegado não conseguiu individualizar as condutas dos líderes dos movimentos que foram presos hoje. “Uma coisa eram os líderes do movimento do [edifício] Wilton Paes. Nós estamos aqui falando pelas lideranças dos demais movimentos que são ligados à frente de lutas por moradia. Que sabemos que são pessoas sérias e lutando pelo direito previsto na Constituição”, disse o advogado. Ele também contesta haver crime na cobrança de taxas pelos movimentos sociais: “Eu mesmo moro em prédio e contribuo todos os meses [pagando o condomínio]. Existem as partes que são comuns a todos e que todos precisam contribuir como extintor, limpeza, segurança, manutenção”.
    Para o advogado Benedito Roberto Barbosa, que defende a União dos Movimentos de Moradia de São Paulo e o Centro Gaspar Garcia de Direitos Humanos, as prisões foram arbitrárias. “Entendemos que as prisões não tinham nenhuma justificativa, são arbitrárias e, inclusive, foram decretadas em um feriado. As lideranças dos movimentos de moradia já vieram várias vezes prestar depoimentos nesse inquérito, apareceram aqui sem problemas. Não estamos entendendo as prisões. Sequer tivemos acesso à totalidade das motivações das prisões”, disse ele. (Agência Brasil)
  • COMBATE À CRIMINALIDADE: Operação Cronos prende mais de 900 acusados de homicídio e feminicídio
    Ação foi deflagrada em 21 Estados e no Distrito Federal.
    Nesta terça-feira, 28/05, policiais civis de 21 estados e do Distrito Federal participaram, de mais uma Operação Cronos, deflagrada para combater os crimes de homicídio e feminicídio. Coordenada pelo Conselho Nacional dos Chefes de Polícia Civil, a ação aconteceu de forma integrada e contando com o apoio do Ministério da Justiça e Segurança Pública. Até o final desta edição, por volta das 16h, mais de 960 já haviam sido detidas. No total, a polícia prendeu 881 pessoas por homicídio, 56 por feminicídio, além de 31 menores apreendidos por homicídio.
    Feminicidio e homicidio
    O objetivo da Operação Cronos 2 é cumprir mandados de prisão contra pessoas acusadas de feminicídio – ou seja, o homicídio de mulheres por violência doméstica ou discriminação de gênero – e homicídios.
    A Operação Cronos II é coordenada pelo Conselho Nacional dos Chefes de Polícia Civil (CONCPC) e tem o apoio da Secretaria de Operações Integradas (Seopi) do MJSP.
    Coletiva no Ministério da Justiça
    O monitoramento da operação foi  realizado no Centro Integrado de Comando e Controle Nacional (CICCN) do MJSP, em Brasília (DF).
    Para o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Luiz Pontel de Souza, a Operação Cronos II demonstra o sucesso no trabalho integrado entre as forças de segurança pública.
    "O trabalho da Secretaria de Operações Integradas, criada na atual gestão, tem o objetivo de utilizar tecnologia e inteligência, reunindo as forças policiais, de forma conjunta e convergente no combate à macrocriminalidade", afirmou o secretário-executivo. 
    Luiz Pontel ainda disse que é uma preocupação do Ministério trabalhar de forma integrada, visando tirar de circulação criminosos violentos, especificamente autores de homicídio e feminicídio. "Já identificamos presos ligados a facções criminosas", ressaltou.
    São Paulo
    No estado de São Paulo, cerca de 3.300 policiais e 1.300 viaturas foram mobilizados. Até por volta das 15h, mais de 1.500 mandados de prisão foram cumpridos, além de 28 mandados de busca e apreensão.
    Primeira fase
    Deflagrada em agosto de 2018, a primeira fase da Operação Cronos resultou na prisão de mais de 2,6 mil pessoas em todo o país. Além disso, foram apreendidos 341 adolescentes. Segundo o Conselho Nacional dos Chefes de Polícia Civil divulgou à época, 42 pessoas foram presas por feminicídio; 404 por homicídio; 289 presos por crimes relacionados à Lei Maria da Penha; 640 foram autuadas em flagrante por posse ou porte irregular de arma de fogo, tráfico de drogas e outros crimes; e outras 1.252 pessoas foram detidas em decorrência de mandados de prisão expedidos por outros crimes.
    Durante a primeira fase, foram apreendidas 146 armas de fogo e aproximadamente 383 quilos de entorpecentes, como maconha, cocaína e crack. Mais de 7,8 mil policiais civis de todo o país participaram das ações. (Renato Ferreira com informação do Ministério da Justiça e Agência Brasil)

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.