Sexta, 18 Janeiro 2019 | Login
ECONOMIA: Grupo francês Total compra postos de combustível de Romeu Zema

ECONOMIA: Grupo francês Total compra postos de combustível de Romeu Zema Featured

Valor oficial da transação não foi divulgado, mas é estimado em torno de R$ 500 milhões

 

O grupo francês de energia Total comprou a rede mineira de postos de combustíveis Zema, que pertence à família do futuro governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo). O valor da transação não foi divulgada oficialmente, estimada em cerca de R$ 500 milhões.

A compra marca a entrada da companhia francesa em distribuição de combustíveis no País.

O Grupo Zema é dono de cerca de 300 postos de combustíveis e lojas de conveniência, boa parte em Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso. A Zema Petróleo é a divisão de maior faturamento do grupo mineiro, fundado em Araxá em 1923 pela família mineira.

Com faturamento de cerca de R$ 4,4 bilhões no ano passado, o grupo Zema atua em diversos negócios - de lojas de varejo de móveis, eletrodomésticos e vestuários, concessionárias de veículos a serviços financeiros. Só a divisão de distribuição de combustíveis fatura R$ 2,5 bilhões.

Total

A Total é uma das maiores empresas no setor de energia mundial que produz e comercializa combustíveis, gás natural e eletricidade de baixo carbono, com 100 mil funcionários.

Com ativos em mais de 130 países, a ambição da empresa é se tornar a principal empresa de energia do mundo.

A empresa já opera no país desde 1975 no setor de petróleo, sendo sócia com 20 por cento de participação na área de Libra, a maior reserva petrolífera do país, em parceria com a Petrobras.

A francesa também tem uma aliança estratégica com a estatal brasileira que incluiu a transferência de 35 por cento dos direitos no campo de Lapa, no pré-sal da Bacia de Santos --a área está em produção desde o final de 2016.

A Petrobras também fechou negócio para transferir 22,5 por cento de seus direitos na área de Iara, também no pré-sal.

Em 2014, a petroleira esteve prestes a adquirir um outro ativo no País, a rede Ale, mas as negociações pararam após a morte do presidente do grupo francês, Christophe de Margerie.

Concentrado

O mercado de distribuição de combustíveis no Brasil é altamente concentrado. As três maiores empresas do setor - BR Distribuidora, controlada pela Petrobras; Raízen (joint venture Cosan e Shell) e Ipiranga (do grupo Ultra) - detêm juntas mais de 70% de participação. Os poucos ativos à venda desse setor são controlados pelas chamadas companhias de "bandeira branca" (não filiadas às grandes marcas internacionais ou nacionais).

A última grande transação desse mercado foi a venda do controle da Ale para a suíça Glencore, em junho deste ano. Considerada a grande joia do setor, a Ale, quarta maior rede de postos do País, com cerca de 1,5 mil unidades e cerca de 4% de participação no mercado nacional, já tinha sido sondada por várias empresas.

Além da Total, a Raízen já tinha analisado o negócio no passado. Em 2016, a Ale recebeu uma proposta de R$ 2,2 bilhões do grupo Ipiranga por 100% da rede de postos, mas a operação foi barrada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) em 2017, alegando concentração no setor. Com a compra da Zema, a Total terá menos de 1% do mercado.

Zema

Fundado em 1923, em Araxá, em Minas Gerais, o Grupo Zema é um dos maiores conglomerados empresariais do país. Há mais de 15 anos, faz parte dos rankings nacionais e regionais das melhores empresas para se trabalhar.

Presente em dez estados brasileiros e com cerca de 5,3 mil colaboradores, atua em diferentes segmentos, com destaque para lojas de varejo, com móveis, eletrodomésticos e vestuários, concessionárias de veículos e serviços financeiros. (Estado de Minas)

000

About Author

Related items

  • DEBATE EM MINAS: Mineiros demonstram que querem se livrar do PT

     

    No debate entre os candidatos ao Governo de Minas Gerais, realizado pela TV Alterosa e transmitido ao vivo pelo Portal UAI, nota-se que o governador Fernando Pimentel (PT) está encurralado pelos demais candidatos.

    O principal adversário de Pimentel é o senador e ex-governador, Antonio Anastasia (PSDB). Na última pesquisa do Ibope, divulgada nesta segunda-feira, 17/09, o tucano lidera com 32% das intenções de voto contra 21% do petista.

    A situação de Pimentel é complicada porque, além se estar 11 pontos atrás de Anastasia, ele é atacado também por quase todos os demais candidatos, principalmente, pelo candidato do MDB, Adalclever Lopes, e até pela candidata do PSOL, a professora Dirlene Marques.

    O candidato do MDB é deputado estadual e era aliado do atual governador, mas, rompeu com o petista para ser candidato. Além disso, o vice-governador mineiro, Antonio Andrade, que também é do MDB e não reconhece a candidatura do seu partido, acaba de declarar apoio ao tucano Anastasia.

    Então, pelos apoios e alianças em torno da candidatura do PSDB, pelas pesquisas e pela liderança folgada de Antonio Anastasia, os mineiros, que formam o segundo colégio eleitoral do país, estão demonstrando que não aprovaram o governo petista e tudo indica que o Palácio da Liberdade voltará a ser habitado pelo tucano Anastasia, a partir de janeiro de 2019.

    As pesquisas refletem mesmo a realidade do eleitorado mineiro. Na semana passada, estivemos em algumas cidades da zona da Mata de Minas e percebemos que os mineiros estão muito descontentes com o governo de Fernando Pimentel. Além dos prefeitos que reclamam dos atrasos no repasse das verbas do governo Estadual, os professores também não escondem o descontentamento com os constantes atrasos dos salários por parte do governo de Pimentel. (Renato Ferreira)

  • Em Minas, servidores do estado protestam contra parcelamento de salário
    Representantes de diversas categorias participaram dos protestos em Belo Horizonte e fechando ruas e praças no Centro de Belo Horizonte. Eles colocaram fogo em caixão simbolizando o governador Fernando Pimentel (PT)
     
    Nesta segunda-feira, 23/07, servidores públicos de Minas Gerais, de diversas cidades e representando várias categorias, organizaram um protesto na região central de Belo Horizonte contra o governo do Estado que vem atrassando e parcelando o pagamento deles. Eles criticam o governador Fernando Pimentel, do PT, e pedem o fim do parcelamento dos salários, implantado pela administração estadual. O grupo fechou completamente o trânsito na Praça 7, no Centro da capital mineira.
     Protestos de servidores em MG 3
    Segundo o governo de Minas, o parcelamento de salário vai até o fim do governo Pimentel e os atrasos devem continuar.
     
    Durante o protesto, colocaram fogo em um caixão, simbolizando o governador Fernando Pimentel e gritam palavras de ordem contra a administração petista. além de pedir sua saída. O protesto é unificado e conta com funcionários civis e militares e, segundo os organizadores, reuniu cerca de 600 pessoas.
     Protestos de servidores em MG 2
    "Podemos chamar uma greve geral do Estado, caso a situação não se regularize. Estamos recebendo parcelado há três anos. Vários servidores estão com o nome negativado", afirma Marcelo Armstrong, delegado de polícia e diretor regional do Sindipol-MG.
    Além de outras palavras de ordem, os servidores gritam "Pimentel, ladrão" e pedem a saída do governador. O protesto que começou no Ipsemg, interditou o cruzamento mais famoso da cidade, com avenidas Afonso Pena e Amazonas. O Sind-UTE não participa do ato.
    Segundo os manifestantes mineiros, os descontos relativos à previdência pelo Ipsemg e o IPSM e saúde não estão sendo repassados pelo estado. "Estamos ficando sem atendimento médico e odontológico", afirma a servidora Antonieta de Cássia Faria, de 60 anos, 40 deles no Ipsemg.
    Ela reforça que o movimento não tem qualquer conotação política. Isso porque parlamentares da oposição ocuparam o microfone. O deputado estadual Sargento Rodrigues e o deputado federal subtenente Gonzaga discursaram no carro de som.
    Ainda segundo os manifestantes, houve a tentativa de boicotar o movimento, com a retenção do carro de som, que chegou na Praça mais de uma hora depois do início do movimento, por volta das 14h30.
    O parcelamento dos salários dos servidores de Minas começou em fevereiro de 2016. O governo do Estado alegou queda na arrecadação e dificuldades em caixa para justificar a medida, feita após a decretação de calamidade financeira.
    O fechamento do trânsito no cruzamento das Avenidas Amazonas e Afonso Pena, causou reflexo em toda a área central. De acordo com a BHTrans, o trânsito foi fechado por volta de 14h45, quando os manifestantes tomaram os dois sentidos.
    O trânsito na Avenida Afonso Pena ficou interditado em todas as pistas nos dois sentidos. A Avenida Amazonas estava liberada somente no sentido Praça da Estação - Praça Raul Soares. O fluxo ficou totalmente livre no cruzamento por volta das 16h30, segundo informou a BHTrans. (Matéria extraída do site UAI - Estado de Minas)
     
    Opinião - Renato Ferreira
     
    Em 2014, os mineiros elegeram pela primeira um governador do Partido dos Trabalhadores. Estavam cansados dos tucanos. Mas, parece que a situação piorou em Minas, principalmente, para os servidores públicos.
     
    Agora, em 2018, teremos novamente eleições gerais e até a Dilma Rousseff (PT), resolveu voltar a cenário político depois do impeachment, candidatando-se ao Senado por Minas Gerais. Mas, será que com tanta insastivação, os mineiros vão reeleger Fernando Pimentel e eleger Dilma Senadora do Estado?
     
    Vamos esperar a campanha ser oficializada e o resultado das urnas em outubro para ver se os mineiros vão aprovar a primeira administração petista no Estado.
     
  • CAOS NO PAÍS Hoje, o Brasil paga o alto preço da corrupção de seus governos e dos rombos na Petrobras

     

    Caminhoneiro fala direto da BR 116, em Itatim, na Bahia: "Tudo parado. Só é permitido passar carro de passeio, ambulância e carga viva"

     

    Por Renato Ferreira - 

    Durante as últimas décadas, os governos brasileiros viraram as costas para a sociedade. Acabaram com o transporte ferroviário e optaram pelo rodoviário, só que, de forma irresponsável, não investiram em infra-estrutura para o setor. E além da falta de investimentos em estradas, permitiram também sucessíveis aumentos nos combustíveis.

    Hoje, depois de quatro dias de paralisação dos caminhoneiros, os brasileiros pagam o preço não somente pelos desgovernos, mas, também pela corrupção que tomou conta dos órgãos públicos, do governo Federal, passando pelos governo Estaduais e Municipais.

    E nada mais real que o slogan dos caminhoneiros: "Sem caminhão, o Brasil para". E parou totalmente. Também, não dá mesmo para os mais de três milhões de motoristas continuarem transportado as riquezas do país, com estradas em péssimo estado, pedágio caro e combustível com preço nas nuvens.

    Pra quem aposta no caos e no quanto pior, melhor, essa situação é um prato cheio.

     

    Petrolão

    E como a Operação Lava Jato mostrou, o esquema de corrupção na Petrobras é o maior escândalo político do mundo. Bilhões de Reais foram retirados da empresa estatal num conluio entre os políticos e empresários corruptos.

    As investigações já levaram para a prisão empresários, ex-diretores da estatal e políticos, como ex-presidente Lula, e seus ex-ministros como José Dirceu e Antonio Palocci, todos do PT. Outros, como o tucano Aécio Neves já se tornou réu no Supremo Tribunal Federal e só não foi preso ainda porque se beneficia do famigerado foro privilegiado.

    Nesta quinta-feira, 24/05, completa-se quatro dias da paralisação dos caminhoneiros. Os postos já estão ficando sem combustível. E, como, praticamente, todas as mercadorias são transportadas por rodovias, os supermercados também sem abastecimento, como também as farmácias e hospitais.

     

    Tudo parado

    O nosso primo, José Renato Emílio, que é caminhoneiro, está parado desde segunda-feira no estado da Bahia. Ele carregou uma carga frigorífica em Visconde do Rio Branco, na zona da Mata de Minas, com direção ao Recife, mas, já está há quatro dias parado em Itatim, na região de Feira de Santana.

    Segundo ele, a greve tem adesão da maioria absoluta da categoria, sobretudo, porque o Governo Federal não atende às reivindicações das empresas de transporte e dos motoristas autônomos. Eles reivindicam a redução imediata dos preços dos combustíveis, principalmente, do diesel.

    E, segundo informações, há solicitação para que os motoristas coloquem a seguinte faixa no pára-brisa: "Intervenção Militar já!"

    No início da tarde de hoje, ele gravou este vídeo no Posto Reforço, na Rodovia BR 116, em Itatim (BA).(Renato Ferreira)

    Veja o vídeo aqui: https://www.facebook.com/orenatoferreira/posts/1727856027304630

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.