Sábado, 21 Setembro 2019 | Login
NO MARACANÃ (NÃO MARACANAZO):  Brasil não precisa temer o Peru na final da Copa América

NO MARACANÃ (NÃO MARACANAZO): Brasil não precisa temer o Peru na final da Copa América Featured

Levando-se em conta o número de craques de cada seleção, o Brasil é o franco favorito diante do Peru. Não acredito em novo Maracanazo.

 

Opinião: Renato Ferreira

Neste domingo 07 de Julho, às 17h, o histórico e lendário Maracanã será sede de mais uma decisão da Seleção Brasileira de Futebol. Fosse em outros tempos de Pelé, Tostão, Garrincha, Pepe, Zico, Júnior, Ronaldinho Gaúcho, Romário, Bebeto e Ronaldo Fenômeno, quando a Seleção reunia verdadeira constelação de craques e gênios, com certeza, a torcida estaria mais esperançosa e até vibrando nas ruas, mesmo num domingo congelado como este.
Mas, mesmo assim, levando-se em conta o número de craques de cada seleção, não dá para acreditar em outro resultado, senão uma vitória convincente dos brasileiros e, consequentemente, mais um título da Copa América. Não acredito em outro Macanazo, quando em 1950, com o velho Maracanã superlotado, viu o Uruguai vencer o Brasil na final da Copa, calando o Estádio e fazendo milhões de brasileiros chorar de Norte a Sul, passando para a história o termo Macaranaço, ou Maracanazo em espanhol.
Sem Neymar é melhor
E há um fator que, em minha opinião, ajuda a aumentar a esperança de vitória neste domingo. Fato que pode provocar a discordância de alguns. É a ausência de Neymar. Mas, como assim, o Brasil ser mais favorito por jogar sem o seu melhor jogador na atualidade?
Sim. Realmente, ninguém pode negar o grande futebol do craque revelado pelo Santos e que brilha na Europa. Porém, ao contrário do que Pelé, Tostão, Zico e outros gênios faziam, quando usavam jogadas individuais só quando era necessário para o coletivo, Neymar faz, exatamente, o contrário.
Ele próprio se sente a "estrela" máxima da equipe de Tite e ainda se sente contrariado quando joga sem a faixa de capitão. Só que, apesar de todo esse nome, a "genialidade" de Neymar não se reflete dentro das quatro linhas, além da fama mundial de cai-cai. E pelas histórias que conhecemos de boleiros, quando a fama de craque não se reflete em campo e atrapalha o coletivo, acaba provocando bronca e até boicote dos demais atletas que jogam em função da equipe.
Assim, os resultados da Seleção nesta Copa América que, aos trancos e barrancos, chegou à decisão, deixam claro que o time de Tite não depende exclusivamente de Neymar. Alisson, Daniel Alves, Casemiro, Philippe Coutinho, Cebolinha, Firmino, Gabriel Jesus e cia. já mostraram que podem vencer até com tranquilidade a seleção peruana, onde brilha somente a estrela do craque Paolo Guerreiro ao lado de outros dez esforçados jogadores.
Histórico
Como já diziam os antigos boleiros "filósofos" que "futebol é uma caixinha de surpresa" e "cada jogo é um jogo e vice-versa", não podemos acreditar no título de hoje, apenas contando com a grande vantagem que o Brasil leva sobre o Peru ao longo da história. Mas, os cinco títulos mundiais do Brasil, contra nenhum do Peru, e o placar entre as duas seleções ao longo da histórias, só fazem aumentar o nosso favoritismo de daqui a pouco no Maracanã.
No último jogo da fase de classificação, dia 22/06, na Arena Corinthians, o Brasil goleou os peruanos por 5 a 0, numa partida, com certeza, mais convincente, até mesmo mais do que os 2 a 0 sobre a 'poderosa" Argentina, no Mineirão, pela semifinal, com Messi e tudo.
Mas, como "cada jogo é um jogo, e vice-versa", é melhor ficar na torcida pelo Brasil e só festejar a vitória depois dos 90 minutos, possível prorrogação ou mesmo decisão por pênaltis. Afinal, cautela e caldo de galinha não fazem mal a ninguém.
Mas, aqui no meu cantinho, acredito, sim, no título e não numa reedição do Maracanazo. Até para vingarmos 1978, quando os peruanos se venderam para a Argentina. Eles perderam por 8 a 0, em Buenos Aires, único resultado que classificaria os argentinos e tiraria o Brasil. A Argentina, claro, foi campeã. Com certeza, o Messi, que disse que esta Copa está armada para o Brasil ser campeão, não conhece esse lado obscuro dos seus companheiros de 1978. (Renato Ferreira)

000

About Author

Related items

  • MÚSICA DE LUTO: Cantor Roberto Leal morre aos 67 anos
    Brasil e Portugal perdem a alegria de Roberto Leal, que agora ficará só na saudade.
     
    O cantor português Roberto Leal morreu na madrugada deste domingo, 15/09,, em São Paulo, aos 67 anos. A informação foi confirmada pelo Hospital Samaritano, onde o cantor luso/brasileiro estava internado.
    De acordo com a assessoria do cantor, Roberto Leal faleceu às 3h37 vítima de um melanoma maligno (câncer de pele) que evoluiu, atingindo o fígado, causando síndrome de insuficiência hepato-renal. Leal estava internado no hospital desde terça-feira (10).
    O velório será aberto ao público e acontecerá na segunda-feira, 16, na Casa Portugal, das 7h às 14h. O enterro será às 15h, no Cemitério de Congonhas, na Zona Sul da capital paulista, informou a assessoria do cantor.
    Biografia
    Roberto Leal nasceu em 1951 na aldeia de Vale da Porca, no norte de Portugal. Aos 11 anos veio para o Brasil acompanhado pelos nove irmãos e pelos pais. O cantor ficou famoso no Brasil pela música "Arrebita”, que estreou nos palcos em 1971, na Discoteca do Chacrinha, da TV Globo. Em sua carreira, vendeu mais de 25 milhões de discos.
    Sem dúvida, uma das marcas de Roberto Leal, era a sua alegria de estar no palco cantando e falando das coisas do Brasil e de Portugal e, claro, do seu amor pelos dois países. E essa alegria ficará marcada para sempre nos corações de todos que gostam e apreciam a boa música. (Renato Ferreira com informações da Agência Brasil).
  • INDEPENDÊNCIA OU MORTE! Neste sábado, o Brasil comemora 197 anos de sua Independência

     

    Neste sábado, 7 de Setembro, todos os brasileiros que amam a sua Pátria, estarão nas ruas do país comemorando mais um aniversário de sua Independência. De norte a sul do Brasil, em seus mais de 5.570 municípios milhares de estudantes, militares, representantes de todas as forças de segurança e dos mais diversos segmentos sociais, estarão participando do tradicional Desfile de 7 de Setembro.

    independencia do brasil

    30 mil em Osasco

    Na região Oeste da Grande São Paulo, todas as cidades farão seus desfiles na parte da manhã, para comemorar os 197 anos da Independência do Brasil. Em Osasco, segundo os organizadores, são esperados cerca de 30 mil pessoas no desfile que acontece na Avenida dos Autonomistas, entre as Ruas Antônio Agu e Primitiva Vianco.

    Desfile de 7 Setembro em Osasco 2018

    Desfile de 7 Setembro em Osasco, em 2018

    Mas, atenção! Desde às 6h, a Autonomista, como as Ruas Antonio Agu, Primitiva Vianco edemais vias do entono estarão com o trânsito impedido na parte da manhã.

    Neste ano, o Desfile de 7 de Setembro em Osasco, organizado pela Secretaria de Educação, abordará a história, costumes e tradição das 5 regiões brasileiras e sua integração cultural. Ou seja, será uma verdadeira aula de geografia, história e tradição do povo brasileiro na Avenida dos Autonomistas. Cerca de 15 mil alunos da rede municipal participarão do Desfile de 7 de Setembro em Osasco.

  • PAN HISTÓRICO: Brasil encerra Pan de Lima com melhor participação da história
     
    No geral, país terminou com 55 medalhas de ouro, 45 de prata e 71 de bronze, totalizando 171 medalhas.
     
     
    Neste domingo, 11/08, último dia de competição dos Jogos Pan-Americanos 2019, o Brasil encerrou a sua participação histórica, na Capital peruana. Depois de 46 anos, o país ficou na segunda colocação, atrás apenas dos Estados Unidos, com 55 ouros, 45 pratas e 71 bronzes, totalizando 171 medalhas. O Brasil fez a sua melhor participação na história dos Jogos Pan-Americanos. A última vez que o país conseguiu a segunda colocação foi em 1963, quando sediou o Pan em São Paulo.
    Até domingo, a classificação já registrava uma excelente campanha brasileira, que poderia ter sido ainda melhor. Isso porque, nas últimas provas dos Jogos, o Brasil ainda disputou três finais. No caratê, Hernani Veríssimo, pela categoria até 75kg, foi derrotado pelo norte-americano Thomas Scott e ficou apenas com a prata. Já pela categoria até 60kg, Douglas Brose, ouro em Toronto 2015, foi derrotado por Camilo Velozo, do Chile, e também ficou com o segundo lugar.
    Essa foi também a trajetória que viveu Marcus D'Almeida, no tiro com arco. O brasileiro chegou até a final, mas perdeu para o canadense Crispin Duenas e também ficou com a prata.
    Porém, mesmo com as derrotas nas provas finais, a campanha do Brasil foi histórica. Com os 55 ouros, os atletas brasileiros superaram a participação no Pan Rio 2007, no lugar mais alto do pódio. Além disso, a segunda colocação no quadro geral também é marcante. Desde 1963, no Pan de São Paulo, o Brasil não repetia tal feito.
    Segundo o Comitê Olímpico Brasileiro (COB), a entidade não fez projeção de medalhas para os Jogos Pan-Americanos de Lima, preferindo apostar nas vagas a conquistar para as Olimpíadas 2020, como aconteceu no handebol feminino, hipismo, tiro com arco, tênis e tênis de mesa, por exemplo.
    Estados Unidos na liderança
    Como a maior potência esportiva das Américas e uma das maiores do mundo, os Estados Unidos confirmaram o favoritismo e terminaram o Pan na primeira colocação, com 120 ouros, 88 pratas e 85 bronzes, totalizando 293 medalhas. Em terceiro lugar, o México conseguiu 37 ouros, 36 pratas e 63 bronzes, com 136 no total.
    Em quarto, o Canadá teve 35 ouros, 64 pratas e 53 bronzes, com 152 medalhas no total. E fehando o quadro entre os cinco melhores colocados do Pan de Lima, ficou Cuba com 33 ouros, 27 pratas e 38 bronzes, colecionando 98 medalhas.

    Medalhas brasileiras na história dos Jogos Pan-Americanos (Wikipédia)

    (Números compilados até o final da edição de 2019)

    Jogos Ouro Prata Bronze Total Posição
    1951 Buenos Aires 5 15 12 32
    1955 Cidade do México 2 3 13 18
    1959 Chicago 8 8 6 22
    1963 São Paulo 14 20 18 52
    1967 Winnipeg 11 10 5 26
    1971 Cáli 9 7 14 30
    1975 Cidade do México 8 13 23 44
    1979 San Juan 9 13 17 39
    1983 Caracas 14 20 23 57
    1987 Indianápolis 14 14 33 61
    1991 Havana 21 21 37 79
    1995 Mar del Plata 18 27 37 82
    1999 Winnipeg 25 32 44 101
    2003 Santo Domingo 29 40 54 123
    2007 Rio de Janeiro 52 40 65 157
    2011 Guadalajara 48 35 58 141
    2015 Toronto 42 39 60 141
    2019 Lima 55 45 71 171
    Total3844025901376

    Quadro de medalhas do Pan de Lima

    • POS
       
                    PAÍS
                                                                               OURO
                        PRATA
                    BRONZE
                     TOTAL
    • 1
      Estados Unidos
      120
      88
      85
      293
    • 2
      Brasil
      55
      45
      71
      171
    • 3
      México
      37
      36
      63
      136
    • 4
      Canadá
      35
      64
      53
      152
    • 5
      Cuba
      33
      27
      38
      98
    • 6
      Argentina
      32
      35
      34
      101
    • 7
      Colômbia
      28
      23
      33
      84
    • 8
      Chile
      13
      19
      18
      50
    • 9
      Peru
      11
      7
      21
      39
    • 10
      Rep. Dominicana
      10
      13
      17
      40
    • 11
      Equador
      10
      7
      14
      31
    • 12
      Venezuela
      9
      15
      19
      43
    • 13
      Jamaica
      6
      6
      7
      19
    • 14
      Porto Rico
      5
      5
      14
      24
    • 15
      El Salvador
      3
      0
      1
      4
    • 16
      Guatemala
      2
      9
      8
      19
    • 17
      Trinidad e Tobago
      2
      8
      3
      13
    • 18
      Uruguai
      1
      4
      4
      9
    • 19
      Paraguai
      1
      3
      1
      5
    • 20
      Bolívia
      1
      2
      2
      5
    • 21
      Granada
      1
      1
      0
      2
    • 22
      Costa Rica
      1
      0
      4
      5
    • 23
      Santa Lúcia
      1
      0
      1
      2
    • 24
      Barbados
      1
      0
      0
      1
    • 25
      Ilhas Virgens Britânicas
      1
      0
      0
      1
    • 26
      Antígua e Barbuda
      0
      1
      2
      3
    • 27
      Honduras
      0
      1
      1
      2
    • 28
      Panamá
      0
      0
      4
      4
    • 29
      Nicarágua
      0
      0
      3
      3
    • 30
      Aruba
      0
      0
      1
      1
    • 31
      Bahamas
      0
      0
      1
      1
    • -
      Belize
      0
      0
      0
      0
    • -
      Bermudas
      0
      0
      0
      0
    • -
      Dominica
      0
      0
      0
      0
    • -
      Guiana
      0
      0
      0
      0
    • -
      Haiti
      0
      0
      0
      0
    • -
      Ilhas Cayman
      0
      0
      0
      0
    • -
      Ilhas Virgens Americanas
      0
      0
      0
      0
    • -
      São Cristóvão e Névis
      0
      0
      0
      0
    • -
      São Vicente e Granadinas
      0
      0
      0
      0
    • -
      Suriname
      0
      0
      0
      0

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.