Sexta, 18 Janeiro 2019 | Login
DIÁRIO DA COPA: Messi perde pênalti e Argentina só empata com a Islândia

DIÁRIO DA COPA: Messi perde pênalti e Argentina só empata com a Islândia Featured

Outros três jogos foram realizados neste sábado: França 2 X 1 Austrália; Dinamarca 1 X 0 Peru; e Croácia 2 X 0 Nigéria
 
Milhares de argentinos invadiram a cidade de Moscou neste sábado, 16/06, para acompanhar a estreia de sua Seleção na Copa da Rússia pelo Grupo D. Só que a festa dos hermanos foi frustrada dentro de campo. Messi, que pode está participando de seu último Mundial, perdeu um pênalti, e a Argentina acabou em empatado com a surpreendente Islândia por 1 a 1.
Aos 19 minutos do primeiro tempo, os sul-americanos abriram o placar, com um gol de Sergio Aguero e parecia até que eles iriam vencer com tranquilidade. Mas, aos 23 minutos, os nórdicos, que são disciplinados e usam muito força física, empataram a partida com Alfred Finnbogasson. Foi o primeiro gol da Islândia numa Copa do Mundo.
Muito marcado pelos adversários, Messi teve a chance de desempatar a partida aos 18 minutos do segundo tempo, quando seu time sofreu um pênalti. Porém, o craque do Barcelona chutou e o goleiro da Islândia fez uma grande defesa para desespero de Messi e de seus companheiros.
Próximos jogos
Na próxima rodada, a Argentina vai enfrentar a Croácia em Nijni Novogorod. O jogo será na próxima quinta-feira, 21/06. Já a Islãndia faz sua segunda partida em Copas contra a Nigéria, em Volgogrado, na próxima sexta, 22.
 Outros jogos deste sábado
França vence a Austrália por 2 a 1
França e Austrália
A forte Seleção da França estreou com vitória na Copa do Mundo da Rússia. Jogando pelo Grupo C, os franceses venceram a Austrália por 2 a 1, na manhã deste sábado, 16/06. Nessa partida houve jogadas polêmicas e um pênalti foi marcado pelo árbitro de vídeo.
Aos 12 minutos do segundo tempo, após jogada entre Risdon e Griezmann, o juiz mandou seguir, porém, a tecnologia foi acionada e o árbitro marcou pênalti. Na cobrança, o próprio Griezmann marcou o primeiro gol francês. No entanto, dois minutos depois, os australianos empataram também de pênalti, convertido por Jedinak. Aos 36 minutos, Pogba marcou o segundo gol dos azuis.
Peru perde de 1 x 0 para a Dinamarca
Peru e Dinamarca
No terceiro jogo da Copa, neste sábado, Peru e Dinamarca fizeram uma partida bastante movimentada pelo Grupo C. E sem o centroavante Paolo Guerreiro, os peruanos acabaram perdendo por 1 a 0. Cueva, que joga no São Paulo, perdeu um pênalti, marcado também com uso do árbitro de vídeo. O gol dos dinamarqueses foi marcado no segundo tempo por Poulsen.
Croácia bate a Nigéria por 2 a 0
Croácia e Nigéria
Jogando com arbitragem do brasileiro Sandro Meira Ricci, Croácia e Nigéria fizeram o último jogo da rodada deste sábado, 16. E os africanos perderam por 2 a 0. O primeiro gol dos croatas foi marcado aos 31 minutos do primeiro tempo. Etebo marcou contra. O segundo gol foi marcado de pênalti por Modric aos 26 minutos do segundo tempo.

 

VEJA, AQUI, A CAMINHADA DO BRASIL:

No sorteio, o Brasil caiu no Grupo E e enfrentará as seleções da Suíça, Costa Rica e Sérvia na primeira fase:

17 de junho (domingo) - BRASIL x SUÍÇA - 15h
22 de junho (sexta-feira) - BRASIL x COSTA RICA - 9h
27 de junho (quarta-feira) - BRASIL x SÉRVIA - 15h

Se passar como 1º do Grupo E: 

2 de julho (segunda-feira) - OITAVAS DE FINAL - 11h
6 de julho (sexta-feira) - QUARTAS DE FINAL - 15h
10 de julho (terça-feira) - SEMIFINAL - 15h
15 de julho (domingo) - FINAL - 12h

Se passar como 2º do Grupo E: 

3 de julho (terça-feira) - OITAVAS DE FINAL - 11h
7 de julho (sábado) - QUARTAS DE FINAL - 11h
11 de julho (quarta-feira) - SEMIFINAL - 15h
15 de julho (domingo) - FINAL - 12h

Caso a Seleção Brasileira perca na semifinal, ela disputará o 3º lugar no dia 14 de julho, sábado, às 11h.

 
Outros jogos da primeira rodada da Copa:
 
Rússia 5 X 0 Arábia Saudita
Uruguai 1 X 0 Egito
Irã 1 X 0 Marrocos
 
Tabela da Copa - Fase de classificação
 
Tabela e classificação:

GRUPO A

CLASSIFICAÇÃO

 

1

 

Rússia

0 
2 Uruguai 0 
3 Egito 0 
4 Arábia Saudita 0 
PJVEDGPGCSG% 

3

1 1 0 0 5 0 5 100.0  
3 1 1 0 0 1 0 1 100.0  
0 1 0 0 1 0 1 -1 0.0  
0 1 0 0 1 0 5 -5 0.0  

GRUPO B

CLASSIFICAÇÃO

 

1

 

Irã

0 
2 Espanha 0 
2 Portugal 0 
4 Marrocos 0 
PJVEDGPGCSG% 
3 1 1 0 0 1 0 1 100.0  
1 1 0 1 0 3 3 0 33.3  
1 1 0 1 0 3 3 0 33.3  
0 1 0 0 1 0 1 -1 0.0  

GRUPO C

CLASSIFICAÇÃO

 

1

 

França

0 
2 Dinamarca 0 
3 Peru 0 
4 Austrália 0 
PJVEDGPGCSG%ÚLT. JOGOS
3 1 1 0 0 2 1 +1 100.0  
3 1 1 0 0 1 0 +1 100.0  
0 1 0 0 1 0 1 -1 0.0  
0 1 0 0 1 1 2 -1 0.0  

GRUPO D

CLASSIFICAÇÃO

 

1

 

Croácia

0 
1 Argentina 0 
1 Islândia 0 
1 Nigéria 0 
PJVEDGPGCSG%ÚLT. JOGOS
3 1 1 0 0 2 0 +2 100.0  
1 1 0 1 0 1 1 0 33.3  
1 1 0 1 0 1 1 0 33.3  
0 1 0 0 1 0 2 -2 0.0  

GRUPO E

CLASSIFICAÇÃO

 

1

 

Brasil

0 
1 Costa Rica 0 
1 Sérvia 0 
1 Suíça 0 
PJVEDGPGCSG%ÚLT. JOGOS
0 0 0 0 0 0 0 0 0.0  
0 0 0 0 0 0 0 0 0.0  
0 0 0 0 0 0 0 0 0.0  
0 0 0 0 0 0 0 0 0.0  

GRUPO F

CLASSIFICAÇÃO

 

1

 

Alemanha

0 
1 Coreia do Sul 0 
1 México 0 
1 Suécia 0 
PJVEDGPGCSG%ÚLT. JOGOS
0 0 0 0 0 0 0 0 0.0  
0 0 0 0 0 0 0 0 0.0  
0 0 0 0 0 0 0 0 0.0  
0 0 0 0 0 0 0 0 0.0  

GRUPO G

CLASSIFICAÇÃO

 

1

 

Bélgica

0 
1 Inglaterra 0 
1 Panamá 0 
1 Tunísia 0 
PJVEDGPGCSG%ÚLT. JOGOS
0 0 0 0 0 0 0 0 0.0  
0 0 0 0 0 0 0 0 0.0  
0 0 0 0 0 0 0 0 0.0  
0 0 0 0 0 0 0 0 0.0  

GRUPO H

CLASSIFICAÇÃO

 

1

 

Colômbia

0 
1 Japão 0 
1 Polônia 0 
1 Senegal 0 
PJVEDGPGCSG%ÚLT. JOGOS
0 0 0 0 0 0 0 0 0.0  
0 0 0 0 0 0 0 0 0.0  
0 0 0 0 0 0 0 0 0.0  
0 0 0 0 0 0 0 0 0.0  
000

About Author

Related items

  • POLÍTICA: Bolsonaro recebe Macri no Planalto e discutem Mercosul e Venezuela
     
    Presidente argentino, Mauricio Macri, é o primeiro chefe de estado a visitar o Brasil, desde a posse de Bolsonaro. Os presidentes condenaram o governo de Nicolás Maduro
     
     
    O presidente Jair Bolsonaro recebeu nesta quarta-feira, 16/01, no Palácio do Planalto o presidente da Argentina, Mauricio Macri. Os dois discutiram sobre a situação do Mercosul e condenaram o governo de Nicolás Maduro, na Venezuela.
    Antes de Mauricio Macri entrar em cena, os ministros já estavam cumprindo agenda. Os da Fazenda e da Produção e Trabalho se reuniram com a equipe econômica. Os da Justiça e da Segurança Pública estiveram com Sérgio Moro e o ministro Augusto Heleno, do Gabinete de Segurança Institucional (GSI). Trataram de ações conjuntas no combate ao crime organizado, narcotráfico, corrupção e a segurança de fronteira.
    Pouco depois, o presidente argentino subiu a rampa do Planalto, onde Bolsonaro o aguardava. Macri é o primeiro chefe de estado a visitar o Brasil desde a posse de Bolsonaro. Ele foi uma das ausências no dia 1º de janeiro.
    Às voltas com uma crise econômica, inflação que beira 48% ao ano e interessado em se reeleger, Macri busca intensificar acordos de cooperação, deixando claro que precisa do Brasil, seu principal parceiro econômico. Assim como nós precisamos deles, que são o segundo destino dos produtos industriais brasileiros.
    Depois do encontro, os dois presidentes deram uma declaração conjunta. Brasil e Argentina assinaram um novo acordo de extradição, que prevê uma simplificação no processo. O ministro da Justiça, numa entrevista gravada num celular, deu um exemplo:
    “É que às vezes tem uma situação urgente: ‘Precisa prender o cara’. Então, às vezes você seguir o canal diplomático acontece que nem o Battisti”, disse Moro.
    Tanto Macri quanto Bolsonaro estão fechados no não reconhecimento do mandato de Nicolás Maduro, que tomou posse pela segunda vez na Venezuela, semana passada. Brasil e Argentina consideram que a legitimidade está no presidente da Assembleia Nacional, Juan Guaidó.
    “Estamos comprovando nas reuniões de hoje nossa convergência de posições e nossa identidade de valores. Essa identidade: que atuemos conjuntamente na defesa da liberdade e da democracia na nossa região. Nossa cooperação na questão da Venezuela é um exemplo mais claro no momento”, disse Bolsonaro.
    Macri disse que Nicolás Maduro é o ditador que procura se perpetuar no poder com eleições fictícias, detendo opositores e levando os venezuelanos a uma situação desesperadora e agonizante.
    Outra convergência é o Mercosul, hoje presidido por Macri. Os dois presidentes defenderam acelerar as negociações promissoras. A principal é com a União Europeia, citada apenas por Macri.
    Macri e Bolsonaro também conversaram sobre flexibilização de regras do Mercosul. Hoje, não é permitido acordo de livre comércio em separado com outros países - os acordos bilaterais, defendidos por Bolsonaro.
    “Precisa valorizar sua tradição original: abertura comercial, redução de barreiras, eliminação de burocracias. O propósito é construir um Mercosul enxuto que continue a fazer sentido e ter relevância”, afirmou Bolsonaro.
    O almoço oferecido a Macri no Itamaraty foi reservado, sem convidados da imprensa. Os dois presidentes fizeram um brinde ao novo tempo nas relações entre os dois países. (G1)
  • MUNDO: Peru acusa governo de Maduro de 'ilegítimo e ditatorial"
    O presidente do Peru (à direita), Martín Vizcarra, afirmou que o início do segundo mandato presidencial de Nicolás Maduro na Venezuela, nesta quinta-feira, corresponde à instauração de um “regime ilegítimo e ditatorial”. A mensagem é acompanhada por medidas diplomáticas e econômicas contra o governo venezuelano
     
    “Um regime ilegítimo e ditatorial acaba de se instalar hoje (10 de janeiro) na Venezuela. Levantamos nossa voz de protesto para para defender a democracia na América Latina”, afirmou Vizcarra em uma mensagem no Twitter.
    Na quinta-feira, o governo peruano chamou para consulta a sua encarregada de negócios em Caracas, Rosa Álvarez, a última diplomata peruana de alto nível na Venezuela. Lima começou a reduzir a presença diplomática no país petroleiro em 2017.
    Em um comunicado, o Ministério das Relações Exteriores do Peru também informou que ordenou a proibição do ingresso no país de Maduro e de cem membros de seu governo, como parte de um acordo assinado pelos países do Grupo Lima na semana passada.
    "Reduzimos nossa representação desde que retiramos o nosso embaixador, há dois anos. Agora, a encarregada de negócios foi chamada para uma consulta para avaliar passos adicionais a tomar com relação ao regime ilegítimo de Maduro", disse o chanceler peruano Nestor Popolizio à emissora local Canal N.
    A Chancelaria peruana afirmou que prepara medidas econômicas contra Caracas em coordenação com o Ministério da Economia, e confirmou que credores peruanos não mantêm relações bancárias com instituições financeiras venezuelanas.
    Popolizio disse que o Peru deve "dar apoio ao povo venezuelano e a oposição venezuelana deve ter a solidariedade e o apoio da comunidade internacional necessários para fazer tudo o que precisa internamente para recuperar a democracia".
    Mais de cem imigrantes venezuelanos, carregando cartazes e bandeiras, protestaram contra o novo mandato de Maduro em frente à embaixada de Caracas em Lima, cuja frente foi ocupada por dezenas de policiais.
    Em Caracas, o chanceler venezuelano, Jorge Arreaza, denunciou no Twitter que "um grupo de bandidos" invadiu a embaixada venezuelana em Lima. “Responsabilizamos o governo do Peru por quaisquer consequências contra nossa equipe diplomática e a embaixada em Lima, que hoje tem sido alvo de vários ataques", disse Arreaza.
    Alguns manifestantes disseram à televisão local que um "grupo" de pessoas derrubou uma grade de metal da frente da embaixada e entrou no prédio, mas que foi rapidamente repelido por agentes de segurança e policiais locais, que usaram bombas de gás lacrimogêneo para espantar os manifestantes, de acordo com imagens transmitidas em redes sociais.
    O Ministério das Relações Exteriores peruano afirmou mais tarde no Twitter que o encarregado de negócios da Venezuela, Reinaldo Segovia, conversou com o vice-chanceler peruano, Hugo de Zela, que afirmou que coordenou a segurança da embaixada com autoridades locais e que proteção policial adicional foi enviada imediatamente para a missão.
    Grupo de Lima
    Na última semana passada, o Grupo de Lima, formado por 14 países das Américas, concordou, com exceção do México, que não reconhecerá o novo mandato de Maduro, por considerarem-no resultado de eleições legítimas.
    Desde que Pedro Pablo Kuczynski tomou posse, o Peru se opõe ativamente ao governo da Venezuela, posição mantida e aprofundada por Vizcarra, que assumiu em março de 2017, após a renúncia de seu predecessor. (Globo)
  • LÁ COMO CÁ! Justiça da Argentina pede prisão preventiva de Cristina Kirchner por 'cadernos das propinas'
    Amiga dos ex-presidentes petistas Dilma e Lula, Cristina Kirchner só não foi presa ainda porque tem foro privilegiado como Senadora. Ela é acusada de comandar uma rede de subornos
     
    O ano de 2018 ficará marcado na história política de vários países sul-americanos pelas condenações e prisões de diversos líderes políticos por corrupção, como Brasil, Perú, Equador e Argentina.
     
    Na quinta-feira, 20/12, a Justiça da Argentina confirmou o processo com prisão preventiva à ex-presidente e atual senadora Cristina Kirchner pelo caso conhecido como "os cadernos das propinas" – uma rede de supostos subornos que envolve dezenas de empresários e ex-funcionários do governo.
     
    Cristina Kirchner 1
    A senadora Cristina Kirchner discursa durante sessão do Senado na qual foi autorizada a revista de suas residências, na quarta-feira (22) — Foto: Luciano Ingaramo/Prensa Senado/AFP A senadora
    Kirchner, no entanto, não foi presa porque tem foro parlamentar como senadora. Até agora, o Senado não discutiu o pedido do juiz Claudio Bonadio para retirar a imunidade da ex-presidente.
    A Câmara Federal considerou Kirchner chefe de uma organização criminosa e confirmou o processo, que se dará em julgamento oral. O processo inclui o pedido de prisão preventiva que já foi feita pelo juiz Claudio Bonadio – cuja casa foi alvo de atentado a bomba em novembro.
     
     Cristina cadernos corrupcao
    Foto de março de 2018 fornecida pelo jornal 'La Nación' mostra um dos cadernos de Oscar Centeno, ex-motorista ligado aos governos dos Kirchners na Argentina — Foto: La Nacion via AP
    O caso se baseia em uma série de cadernos de anotações feitas por anos por um motorista do ministério de Planejamento. Nas páginas, ele anotava nomes de funcionários e de empresarios e quantias de dinheiro.
    Entenda o escândalo dos 'cadernos das propinas'
    À medida que o caso avançou, vários acusados se declararam arrependidos e começaram a colaborar com a justiça em troca de liberdade.
    Cristina Kirchner, da centro-esquerda do peronismo e que governou a Argentina entre 2007 e 2015, é acusada de ter liderado uma rede de corrupção com a qual recebia pagamentos em dólares por parte de empresários que desejavam obter licitações de construção de obra pública.
    A acusação estimou em pelo menos 160 milhões de dólares o montante dos subornos que também teriam sido pagos entre 2003 e 2007, durante o governo de seu marido, o já falecido Néstor Kirchner.
    O caso, iniciado em meados do ano, atingiu praticamente a todo o setor da construção na Argentina e atingiu a família do atual presidente, Maurício Macri.
    Franco e Gianfranco Macri, pai e irmão do presidente, foram citados a declarar na semana passada diante o juiz Bonadio para que respondam a denúncias que envolvam a companhia Autopistas del Sol, parte do conglomerado Socma (Sociedade Macri).
    O empresário Angelo Calcaterra, primo do presidente, também está envolvido neste processo.
    O presidente Macri, que teve cargos de responsabilidade na empresa familiar antes de atuar como dirigente no futebol e depois na política, não comentou o caso. Os atuais ministros apenas declararam que o governo "respeita a independência da justiça". (Fonte: G1)

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.