Sábado, 15 Dezembro 2018 | Login
LIGA DAS NAÇÕES: Brasil perde da Alemanha por 3 a 1 na estreia

LIGA DAS NAÇÕES: Brasil perde da Alemanha por 3 a 1 na estreia Featured

As alemãs surpreenderam as meninas brasileiras e, de virada, venceram por 3 sets a 1 no primeiro jogo da Liga das Nações em Barueri. Nesta quarta, o Brasil enfrenta o Japão a partir das 15h no Poliesportivo José Corrêa
 
 
Desfalcado de algumas jogadoras consideradas titulares, a Seleção Brasileira de Vôlei Feminino perdeu nesta terça-feira, 15/05, da Alemanha por 3 sets 1 no primeiro jogo da Liga das Nações, que acontece na cidade de Barueri, região Oeste da Grande São Paulo. As parciais foram de 25/15, 22/25, 18/25 e 20/25. Após ganhar o primeiro set, as meninas do Brasil, sob o comando de José Roberto Guimarães, foram surpreendidas por uma Alemanha descontraida que não encontrou dificuldades para vencer os três sets seguintes. No segundo jogo, a Servia venceu o Japão por 3 sets a 0.
 
Liga das Nações Ginásio J. Corrêa
O grande número de torcedores compareceu ao belo Ginásio José Corrêa para torcer pela Seleção Brasileira
 
Nesta quinta-feira, 16, a partir das 15h, a Seleção Brasileira tentará a recuperação diante do Japão. Na outra partida, jogarão as duas equipes vencedores na estreia: Alemanha e Sérvia. Já na quinta-feira, 17, na última rodada da etapa brasileira da Liga das Nações, o Brasil jogará contra a Sérvia, enquanto a Alemanha pegará o Japão.
 
A surpresa pela derrota brasileira é maior ainda se levarmos em consideração os confrontos entre Brasil e Alemanha no Gran Prix, cujo torneio deu lugar à Liga das Nações em 2018. Como o maior ganhador do Gran Prix, com 12 títulos, as brasileiras nunca haviam perdido das alemãs na competição.
 
Liga das Nações Furlan na torcida
Nas arquibancadas, o Brasil contou com a torcida do prefeito de Barueri, Rubens Furlan, (à esquerda)
 
Mas, mesmo com esse histórico negativo, as alemãs não se intimidaram diante do grande número de torcedores que estiveram no Ginásio Poliesportivo José Corrêa empurrando as brasileiras. Jogando com eficiência no ataque, as visitantes se impuseram e venceram por 3 a 1.
Liga das Nações Brasil
O Brasil venceu bem o primeiro set, mas, foi supreendido pela Alemanha ao longo da partida
 
A Seleção Brasileira pode ter sentido a ausência de atletas importantes para o grupo, como Thaisa, Natália e Gabiru. Hoje, elas não entraram em quadra por problemas físicos. A ponteira Gabi, também se recuperando de contusão, jogou só no primeiro set por recomendação médica. Para o técnico José Roberto Guimarães, a Seleção visa o título da Liga das Nações, mas, segundo o treinador tricampeão olímpico, o mais importante é resguardar as atletas para que todas tenham condições plenas para disputar o Mundial da categoria. (Fotos: Sérgio Barzaghi / Gazeta Press)
000

About Author

Related items

  • CONTAGEM REGRESSIVA: Para refrescar a mente dos antis, derrotados e inconformados da fajuta esquerda brasileira

     

    Para aqueles que pensam que os eleitores de Bolsonaro estão preocupados com o relatório do COAF, onde aparecem também políticos do PT, PSOL, PSDB, MDB e outros, informamos que, após a diplomação do presidente eleito pela maioria dos brasileiros, vem aí a posse do novo Presidente do Brasil, JAIR BOLSONARO.

    Coloquem em suas agendas: 01 de janeiro de 2019, em Brasília.

    Ah...e esse ato do mais alto comando da República contará com a presença de vários e importantes líderes mundiais, presidentes e primeiros-ministros de grandes, desenvolvidas e democráticas Nações que mantêm relações diplomáticas com o Brasil. Será mais um dia de festa da Democracia Brasileira.

    brasil verde e amarelo

    Avante, BRASIL VERDE E AMARELO!

  • SAÚDE: HMB passa a fornecer medicamentos de quimioterapia para pacientes da unidade
    Desde o começo de novembro deste ano, o Hospital Municipal de Barueri (HMB) passou a fornecer remédios quimioterápicos para os seus pacientes. Após elaboração e viabilização do projeto, a medida, tomada pela Prefeitura de Barueri por meio da Secretaria Municipal de Saúde, garante, além do espaço físico e da equipe médica do hospital, a aquisição dos remédios necessários para o tratamento de câncer.
    “Com essa mudança, o tratamento é oferecido totalmente pela Secretaria Municipal de Saúde e, assim, temos maior agilidade no fornecimento do tratamento e no aumento das opções terapêuticas em relação às medicações”, explica Ricardo da Fonseca, coordenador do setor de oncologia do HMB, que destaca três principais funções da quimioterapia: evitar que a doença retorne, diminuir o tamanho do tumor e acabar em definitivo com o tumor.
    Existem vários tipos de quimioterapia, que podem ser ministradas via oral, pela veia e pelo músculo, e a frequência do tratamento pode ser semanal, quinzenal ou mensal, de acordo com o tamanho do tumor e com o grau de extensão da doença. Além da quimioterapia, alguns pacientes precisam de hormonioterapia e cirurgia, procedimentos que também são oferecidos pela unidade.
    Na semana do Dia Nacional de Combate ao Câncer (27/11), o HMB comemorou a data com a satisfação dos seus pacientes sobre o setor de oncologia. “Agora está bem melhor. Eu faço o tratamento duas vezes por semana e, graças a Deus, até agora não faltou a minha medicação. Eu não tenho o que reclamar da equipe de oncologia. Todos são muito bons, legais e atenciosos”, comenta Maria Cristina Cardoso Dias, 48 anos, que faz tratamento de câncer no intestino grosso e nódulos no fígado.
    “Se toda saúde de São Paulo fosse igual aqui, eu creio que teríamos uma mudança bem grande na saúde pública. Eu sou muito bem tratado neste hospital. Depois desta mudança então, não faltou mais medicação. Para nós, que estamos como pacientes, o tratamento é uma das coisas mais importantes”, comenta Vivaldo Pereira dos Santos, 63 anos, que faz acompanhamento para câncer no estômago. Morador de Barueri há 25 anos, Vivaldo reconhece que o serviço da unidade é muito satisfatório e diz conhecer várias pessoas que optam por alugar suas casas em outras cidades para se mudar para Barueri e aproveitar os benefícios da saúde.
    De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), o câncer é o conjunto de mais de 100 doenças que têm crescimento desordenado de células que determinam a formação de tumores malignos e invadem tecidos e órgãos. O câncer pode aparecer em órgãos como mama, próstata, fígado, pulmão e até na pele, inclusive o tipo câncer de pele não-melanoma é o mais frequente no Brasil, correspondendo a 30% de todos os tumores malignos.
    Ainda com base nas informações do INCA, a quimioterapia, um dos tratamentos para combater o câncer, utiliza medicamentos que entram na corrente sanguínea para destruir as células doentes que formam o tumor e para impedir que se espalhem pelo corpo. (SECOM/PMB)
  • MAIS MÉDICOS: Bolsonaro impõe medidas justas e acaba com a 'escravidão' de médicos cubanos no Brasil
    Para retaliar o governo Bolsonaro, Cuba rompe com o Programa Mais Médicos e retira 8 mil profissionais que trabalhavam no Brasil. Há três anos, conversei com dois médicos cubanos na cidade de Osasco. Uma médica chegou a chorar de saudades dos filhos deixados em Cuba
     
     
     
    Renato Ferreira -
    Dos mais de 18 mil médicos que trabalham no Programa Mais Médico, cerca de 8 mil são cubanos, que, agora, terão que deixar o Brasil por imposição do governo de Cuba, que não concorda com as imposições prometidas pelo presidente eleito Jair Bolsonaro. Desde 2016, quando Michel Temer assumiu a Presidência e que eram cerca de 11.400 médicos da Ilha, que Cuba já vinha diminuindo a presença de seus profissionais no Brasil.
    Agora, com a eleição de Bolsonaro, o governo de Cuba, que sempre teve o apoio e apoiou o Partido dos Trabalhadores, resolveu radicalizar, talvez, pensando que com isso, possa prejudicar o próximo governo no Brasil, que derrotou o candidato petista, apoiado por Lula, Fernando Haddad. O anúncio do governo cubano foi feito nesta quarta-feira, 14/11, alegando que tomou a medida por não concordar com as medidas anunciadas por Jair Bolsonaro.
    Trabalho sem estrutura
    Como todos sabem, o Programa Mais Médicos foi criado pelo Ministério da Saúde, no Governo Dilma Roussef com objetivo de oferecer serviços médicos às mais distantes regiões do Brasil, onde, a Pasta tinha dificuldades para levar médicos brasileiros, que não aceitam trabalhar em cidades e lugarejos sem nenhuma estrutura. Com o Mais Médicos, o Ministério conseguiu atrair médicos de outros países para trabalhar em tais regiões, mesmo sem a infraestrutura exigida por seus colegas brasileiros.
    Desde o início, o Programa recebeu elogios e críticas, justamente, porque atendia a reivindicação da população carente, mas, também, por ser apenas mais uma paliativa, já que esses médicos não tinham condições plenas de dar um atendimento adequado, principalmente, para casos mais graves dos pacientes.
    E como já foi esclarecido também, o Programa não é composto apenas de médicos cubanos. Dele, fazem partes médicos de outros países da América do Sul e também da Europa, como da Espanha. Pelo Programa atual, os médicos de Cuba são também dispensados de passar por exame de revalidação no Brasil. Houve alguns registros de pacientes reclamando do atendimento de profissionais cubanos.
    Médicos sem liberdade
     Médica cubana
    Médica cubana trabalhando em condições precárias em regiões pobres do Brasil
     
    E o contrato com os médicos de Cuba é diferente em relação aos de outros países. Por ter um programa pelo qual envia médicos a regiões pobres e de conflitos, Cuba exige que seja um contrato coletivo. No caso do Brasil, o Ministério pagava um salário em torno de R$ 13 mil a cada profissional e mais um valor para pagamento de aluguel.. Só que desse valor, o médico ficava apenas com 30%. Os outros 70% eram enviados diretamente para o governo cubano.
    Outro detalhe. O governo de Cuba não permite também que o profissional - médico ou médica - traga os seus familiares. Enquanto o médico presta serviço aqui, sua esposa e filhos têm que permanecer em Cuba. Para muitos, isso é um novo tipo de trabalho escravo.
    Esse fato, inclusive, gera muitas deserções. Daqui mesmo do Brasil, muitos médicos fugiram para os Estados Unidos, onde pediam asilo para depois tentar levar seus familiares. E nem é necessário dizer que eles compravam uma briga com o regime cubano.
     
    Milhares de médicos cubanos trabalham no exterior sob contrato com as autoridades cubanas. Países como o Brasil pagam ao governo comunista da ilha milhões de dólares por mês para fornecer serviços médicos, o que efetivamente torna esses profissionais o mais valioso produto de exportação de Cuba.

    Em 2017, algums médicos de Cuba abriram processo contra o Governo da Ilha para tentar reverter esse quadro. "Quando você sai de Cuba pela primeira vez, descobre muitas coisas que não sabia", disse Yaili Jiménez Gutierrez, uma das médicas que moveu a ação. "Chega uma hora em que você se cansa de ser escravo."... -

    Como jornalista da Prefeitura de Osasco, há três anos, cheguei a entrevistar dois médicos cubanos - um homem e uma mulher - que tinham acabado de chegar prestar seus serviços nesta cidade da região Oeste da Grande São Paulo. Muito atenciosos, eles falaram sobre o serviço no Brasil, mas, em off, reclamaram também das condições impostas pelo governo de Cuba, não somente em relação ao salário, mas, principalmente, sobre a proibição de não poder trazer os familiares.
    A médica chegou a chorar de saudade dos filhos, deixados há poucos dias na Ilha. Outra reclamação foi sobre o valor destinado ao aluguel de imóvel. "Com esse valor, está difícil para arrumar uma casa mais próximo à unidade onde trabalho", disse o médico.
    Propostas de Bolsonaro
    Bolsonaro
    Presidente eleito do Brasl, Jair Bolsonaro
     
    E quais são as medidas anunciadas por Jair Bolsonaro para continuar contratando médicos cubanos?
    O presidente eleito informou que não concordava com as condições de trabalho oferecidas aos profissionais de Cuba. Então, sugeriu que para continuar no Programa, que eles pudessem trazer seus familiares e também que o salário ficasse integramente com os médicos.
    Outra medida seria que todos eles tivessem seus diplomas revalidados pelo Ministério da Saúde do Brasil, conforme é exigido de outros e de brasileiros formados no Exterior. Nada mais justo, tanto para a segurança da população brasileira, como também para os médicos cubanos. Só que o governo de Cuba não concordou e rompeu com o Mais Médicos.
    Soluções
     Ministério da Saúde
     
    Para tranquilizar as cidades atendidas pelos médicos cubanos, o Ministério da Saúde informou que nesta semana mesmo que vai assinar um Edital para selecionar médicos brasileiros e de outros países que tenham interesse em ocupar as vagas deixadas pelos profissionais cubanos.
    “Diante do fato, o governo federal está adotando todas as medidas para garantir a assistência dos brasileiros atendidos pelas equipes da Saúde da Família que contam com profissionais de Cuba. A iniciativa imediata será a convocação nos próximos dias de um edital para médicos que queiram ocupar as vagas que serão deixadas pelos profissionais cubanos. Será respeitada a convocação prioritária dos candidatos brasileiros formados no Brasil seguida de brasileiros formados no exterior”, diz nota..
    O Ministério da Saúde informou também já vinha tomando medidas no sentido de levar médicos brasileiros para o Mais Médicos. Nesse sentido, explicou que outras medidas para ampliar a participação de brasileiros vinham sendo estudadas, como a negociação com os alunos formados através do FIES (Programa de Financiamento Estudantil). “Essas ações poderão ser adotadas, conforme necessidade e entendimentos com a equipe de transição do novo governo.”
    Asilo político
    Pelo Twitter, Jair Bolsonaro informou também nesta quarta-feira, que dará asilo aos médicos cubanos que desejarem permanecer no Brasil.
    Bolsonaro lembrou que o governo petista, para agradar Cuba, chegou a ameaçar de expulsão médicos cubanos que pedissem asilo político ao Brasil. "Não podemos concordar com isso. E vamos abrigar e dar asilo àqueles que não queiram retornar ao seu país de origem", disse o presidente eleito.
     
    Tito pela culatra
    Ou seja, se Cuba pensa que poderia desarticular o próximo governo do Brasil retirando seus médicos daqui, com a proposta de asilo político, Bolsonaro pode ter dado o troco com uma rasteira no governo cubano. Pelo Programa Mais Medicos, O Braasil gasta, por mês, R$ 95.984.640,00 com os cubanos. Só que desse montante todo, R$ 70.988.640,00 ficam para o governo cubano, hoje, comandado pelo presidente Miguel Díaz-Canel. São cerca de R$ 850 milhões por ano.
    Com a proposta de Bolsonaro, além de perdere essa montanha de dinheiro brasileiro, a Ilha dos irmãos Castro, ainda pode passar pelo vexame de ver muitos de seus médicos pedindo para ficar no Brasil. (Renato Ferreira com informações do Ministério da Saúde e Agências)

     

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.