clima político desfavorável, principalmente, após as delações da Odebrech, fez o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) desistir de ir a Ouro Preto, Região Central de Minas Gerais, receber a medalha da Inconfidência, nestasexta-feira, dia 21 de abril. O petista seria o principal homenageado e orador oficial da cerimônia que ocorre todo ano no feriado de Tiradentes.

Segundo um aliado do governador Fernando PImentel (PT), a decisão de não trazer Lula a Minas foi um consenso. “O próprio Lula foi o primeiro a achar que não era o melhor momento para ninguém, que é hora de se preservar o máximo possível”, afirmou a fonte. 

O entendimento foi que não seria a melhor ocasião para antecipar o lançamento da pré-candidatura de Lula à Presidência em 2018. “Ficou confortável para o governador Pimentel”, reconheceu o aliado. 


Oficialmente, o Palácio Tiradentes não confirma nem desmente a desistência. Já o Instituto Lula informou que Lula já recebeu a medalha da Inconfidência em 2003 e por isso não foi desta vez. 

Apesar de Lula estar na lista dos delatados da Odebrecht e, na avaliação de alguns, ter se complicado depois da divulgação de vídeos dos ex-executivos da empreiteira, a fonte próxima a Pimentel garante que a desistência já tinha ocorrido antes da “Lista de Fachin”. 

Lula é um dos ex-presidentes que figuram entre os nomes sobre os quais o ministro do Supremo Tribunal Federal, Edson Fachin, pediu investigação. Como ele não tem mais foro privilegiado, o caso foi remetido ao juiz Sérgio Moro.

Desde que foi anunciadao da possibilidade da ida Lula a Minas, movimentos se manifestaram nas redes sociais contra a visita do petista.

 

Palocci e Léo Pinheiro

Na sexta-feira, 20, a situação de Lula piorou ainda mais perante a Justiça após os depoimentos do ex-ministro Antonio Palocci, homem forte dos governos petistas, e do empreiteiro Léo Pinheiro, da OAS. Palocci colocou-se à disposição da Justiça para dar informações que ajudarão as investigações da Lava Jato, enquanto o empreiteiro afirmou que o triplex do Guarujá era de Lula e que o ex-presidente pediu para ele destruir provas..

 

 Lula recebeu medalha de Aécio


O ex-presidente recebeu a medalha da Inconfidência em 2003, no primeiro ano do governo Aécio Neves (PSDB), hoje senador, e da gestão de Lula à frente do Palácio do Planalto. Na ocasião ele foi o orador da cerimônia. A medalha oferecida este ano é uma promoção ao grau máximo da comenda. 

O governador Fernando Pimentel tem usado a data para agraciar pessoas ligadas à esquerda, desde que assumiu o Palácio em 2015. Um dos primeiros homenageados foi o líder do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), João Pedro Stédile. Na ocasião, a homenagem causou revolta entre parlamentares da oposição e antigos agraciados. Alguns chegaram a devolver a comenda. No ano seguinte, o condecorado foi o ex-presidente do Uruguai, José Mujica, que também foi o orador. (Fonte: O Estado de Minas - Site UAI)

 

Com base nas delações da Odebrecht, o Ministério Público Estadual de São Paulo abriu dois inquéritos para investigar Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto (à esquerda). Ele é apontado como figura chave nas denúncias de desvio de dinheiro público no governo de José Serra (PSDB).

Uma das investigações está ligada à construção do Rodoanel Mário Covas, na região metropolitana de São Paulo. Benedicto Júnior, ex-diretor do Departamento de Infra-Estrutura da Odebrecht, disse que o contrato assinado em 2006 precisou ser renegociado.

Paulo Preto teria conduzido a negociação pelo lado do governo Serra. Na época ele era diretor da Dersa, a empresa encarregada de supervisionar e fiscalizar obras de transportes e logística no Estado de São Paulo. Segundo o delator da Odebrecht, só nesse negócio Paulo Preto recolheu R$ 2,2 milhões . Ele é citado ainda em outros casos.

O delator e ex-diretor da Odebrecht Carlos Armando Paschoal disse que, em 2008, ainda no governo Serra, ficou sabendo de um falso modelo de concorrência pública nas obras do sistema viário de São Paulo, organizado por Paulo Preto.

O delator Luiz Eduardo Soares, outro ex-executivo da construtora, contou que Paulo Preto teve que devolver R$ 4 milhões para a Odebrecht em 2010 -- ano de campanha eleitoral à presidência. Serra foi candidato e perdeu. O dinheiro foi depositado no exterior.

Nas redes sociais, Paulo Preto se apresenta como um apaixonado por corridas. Faz até uma brincadeira, como se fosse o Iron Man, o homem de ferro. Já ganhou até um prêmio de melhor engenheiro do ano, dado pela Assembléia Legislativa do estado. Mas nos últimos anos, passou a evitar os holofotes.
Durante dois dias, a reportagem do G1 esteve em alguns endereços que aparecem ligados ao nome dele, mas ele não foi encontrado.

A reportagem também foi ao que seria o endereço de trabalho de Paulo Preto. No primeiro dia, o porteiro negou que o escritório dele funcionasse no 9º andar do prédio. No dia seguinte, a reportagem surpreendeu Paulo Preto chegando ao mesmo prédio. Ele trazia duas sacolas. E não quis responder às perguntas. Ele cobriu o rosto e chegou a se irritar com a equipe.

O Ministério Público de São Paulo já havia denunciado criminalmente duas vezes o engenheiro Paulo Vieira de Souza por crimes contra a administração pública. Ele também é investigado por suposto enriquecimento ilicíto. As informações da Lava Jato serão anexadas a essas investigações.
Em 2010 , o engenheiro ficou dois dias preso em uma delegacia, acusado de receptação de uma joia roubada de um shopping center. O advogado dele alegou que não existiam indícios suficientes para continuar a investigação. E o Tribunal de Justiça de São Paulo arquivou o caso.

Serra nega

O senador José Serra disse que as contas de suas campanhas sempre foram aprovadas pela justiça eleitoral e que Paulo Vieira Sousa nunca foi arrecadador das campanhas dele. Serra esclareceu ainda que jamais recebeu qualquer tipo de vantagens indevidas da Odebrecht e que nunca tomou medidas para favorecer a construtora. O senador está confiante que a investigação será útil para comprovar a lisura de sua conduta. (Fonte: G1)

Ação vai complementar o cardápio oferecido nos equipamentos sociais, prioritariamente os que atendem população em situação de rua

 

Na última quinta-feira (20/04), a Prefeitura de São Paulo lançou o programa Alimento Solidário, uma parceria com a Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação (ABIA). O objetivo é complementar, com doações vindas das empresas representadas pela ABIA, o cardápio oferecido em equipamentos sociais do município, preferencialmente os que atendem pessoas em situação de rua, além de contribuir para o combate à fome, à desnutrição e ao desperdício de alimentos. A doação inicial será de cerca de 222 toneladas, que equivale a aproximadamente R$ 1,5 milhão.

“O foco é atender pessoas em situação de rua. Essa é a prioridade absoluta nesta etapa inicial do programa Alimento Solidário, que poderá ser expandido futuramente para outras áreas na educação e de atendimento social, mas nesta fase inicial ele é focado exclusivamente para as pessoas em situação de vulnerabilidade”, afirmou o prefeito João Doria, que durante o lançamento ressaltou a importância para a capital de parcerias com as empresas e se colocou à disposição de outros representantes da iniciativa privada que desejarem contribuir com a cidade.

Os produtos doados terão como destino prioritário equipamentos vinculados à Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social, como os 83 Centros de Acolhida, beneficiando cerca de 8 mil pessoas em situação de rua. “Essas doações serão como esse complemento nutricional, porque os convênios que a gente tem já garantem a alimentação dessas pessoas em situação de rua que estão na rede da Prefeitura”, destacou o secretário municipal de Assistência e Desenvolvimento Social, Filipe Sabará.

O programa vai destinar as doações das indústrias de alimentos para os equipamentos públicos por meio de dois parceiros: o Mesa Brasil SESC São Paulo e a ONG Banco de Alimentos. A ação social do SESC e a associação civil assumem a responsabilidade de coletar no prazo definido os produtos que serão doados, fazer a triagem dos alimentos e garantir a eficiência da distribuição, seguindo normas da Vigilância Sanitária.

As empresas envolvidas no programa doarão os alimentos de acordo com a disponibilidade em estoque. Em um primeiro momento, serão entregues arroz, produtos lácteos, biscoitos doces e salgados, bolo, sucos, néctares, café, água mineral, água de coco, achocolatado, leite em pó, cereais, entre outros. Participam da doação inicial 13 empresas: 3 Corações, Bimbo, Bonduelle, Brasil Kirin, Danone, Kellogg, Mars, Mondelez, Nestlé, Pepsico, Unilever, Vigor e Wow Nutrition.

“Esta solenidade é importantíssima do ponto de vista social. Nós juntos trabalharmos para o mesmo objetivo, que é oferecer aquilo que nós produzimos àqueles mais necessitados do primeiro time e vamos continuar nesses programas com os demais campos necessários, que precisem desta alimentação e deste esforço conjunto”, disse o presidente a ABIA, Edmundo Klotz.

Com os equipamentos da Prefeitura cadastrados no Mesa Brasil, eles receberão também, mensalmente, a doação de itens como frutas, verduras e legumes e produtos in natura, destinados a todas as instituições que já fazem parte da ação social do Mesa.

A DSM, fabricante de vitaminas, carotenoides e lipídios nutricionais, entre outros, também representada pela ABIA, é uma das parceiras do programa. Vai contribuir, em um primeiro momento, com consultoria de informações técnicas nutricionais. Poderá auxiliar na análise e indicação de alimentos fornecidos pelas iniciativas sociais para avaliar quais os micronutrientes são apropriados para cada um dos programas.


ABIA
Fundada em 1963, a Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação (ABIA) representa hoje mais de 70% do setor em valor de produção. Sua principal missão é atuar como interlocutora das empresas associadas com instituições públicas e privadas, governo e órgãos internacionais.

As atividades da associação estão voltadas a assegurar uma legislação adequada às constantes evoluções tecnológicas do alimento processado; incentivar o uso de melhores técnicas de produção; promover o fortalecimento econômico-financeiro do setor e estimular o desenvolvimento sustentável da indústria da alimentação no Brasil, com ações focadas e alinhadas às necessidades do consumidor.

A ABIA, a pedido do prefeito João Doria, promoveu encontros entre a Prefeitura e representantes da iniciativa privada interessados em contribuir com doações de alimentos para equipamentos sociais do governo municipal. Em 2016, as indústrias de alimentação doaram mais de 1.596 toneladas de alimentos para projetos sociais.


Mesa Brasil SESC São Paulo
Ação social e educativa criada em 1994 pelo SESC São Paulo, que atua na diminuição de desperdício de alimentos. Ela conta com 640 empresas doadoras, 860 instituições receptoras, média mensal de 400 toneladas de alimentos arrecadados e cerca de 158 mil pessoas assistidas em 50 municípios. Tem 38 veículos para coleta e distribuição.


ONG Banco de Alimentos
Associação civil fundada em 1998 pela economista Luciana Chinaglia Quintão que atua no combate à fome e ao desperdício de alimentos. A ONG conta com 46 empresas doadoras, 41 instituições sociais receptoras, média mensal de 40 toneladas de alimentos arrecadados e 22 mil pessoas assistidas na capital e Grande São Paulo.  (Informações da Secretaria de Comunicação da Prefeitura)

 

Nesta quinta-feira (20/04) uma liminar da Justiça de São Paulo cassou a decisão da Cetesb, que havia interditado o aterro sanitário de Ossasco na terça-feira, dia 18. Ao interditar o local, o secretário estadual de Meio Ambiente, Ricardo Salles, alegou que havia irregularidades e até a possibilidade de deslizamento de lixo. A coleta do lixo ficou prejudicada por um dia e, depois que tomou providências no sentido de restabelecer a coleta, a Prefeitura entrou com o pedido da liminar, aceita pelo juiz Olava Pereira da Silva. Em seu despacho, o juiz  destaca que “é necessário considerar que o local vem sendo utilizado durante todos esses anos sem ocorrência de acidentes”.

Liminar aterro 

Liminar aterro 2

A partir dessa liminar, a Prefeitura informa que a coleta de lixo na cidade, que já havia sido regularizada, será destinada novamente ao aterro sanitário com o aval da Justiça.

 

Entenda o caso

A Cetesb interditou, na tarde de 18/4, o aterro sanitário de Osasco sob a alegação de descumprimento de um Termo de Ajuste de Conduta assinado na gestão anterior.

O TAC de fato não foi cumprido pela gestão anterior e, em 16/janeiro/17, ao assumir a prefeitura e tomar conhecimento dos fatos, o prefeito Rogério Lins se reuniu com a Secretaria Estadual de Meio Ambiente e com a Cetesb.

Na reunião, em que também estavam presentes dois representantes do Ministério Público Estadual, ficou acordado que a prefeitura apresentaria estudos técnicos que validavam o retaludamento do aterro e consequente expansão do prazo de utilização do local até que o novo aterro fosse aprovado, aprovação esta que já está em andamento e que depende da Cetesb, já que todas as exigências do processo foram cumpridas, até agora, por parte da municipalidade.

Sobre a lacração do aterro, a prefeitura reitera que na reunião de janeiro, os prazos para utilização foram repactuados e que, mesmo assim, foi “oficializada” por email na tarde do dia 12/4, portanto, dois dias úteis antes de o local ser interditado.

Em nota oficial, a Prefeirura de Osasco informou também que "vai propor  ação civil pública para responsabilizar e cobrar os responsáveis, seja a concessionária, seja a gestão anterior, pelo não cumprimento do Termo de Ajuste de Conduta, que deveria ter sido cumprido em 2016, para não ocasionar prejuízo ao município". (Renato Ferreira)

Ao juiz Sérgio Moro, o ex-ministro Antonio Palocci, homem forte dos governos petistas, colocou-se à disposição da Justiça para dar informações que ajudarão as investigações da Lava Jato. Já o empreiteiro Léo Pinheiro, da OAS, afirmou que o triplex do Guarujá era de Lula e que o ex-presidente pediu para ele destruir provas.

As investigações da operação Lava Jato, que apura o esquema bilionário de desvio de dinheiro da Petrobras, vão se afunilando e, ao mesmo tempo, complicando a vida de grandes lideranças políticas de todos os partidos. Nesta quinta-feira (20/04), por exemplo, dois depoimentos tomados pelo juiz Sérgio Moro, em Curitiba, complicaram de vez o Partido dos Trabalhadores (PT), e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O ex-ministro Antonio Palocci (Governos Lula e Dilma/Fazenda e Casa Civil) pediu a palavra durante seu interrogatório na Operação Lava Jato, para se colocar à disposição da Justiça e ajudar nas investigações. Ao fim do depoimento, o petista sugeriu entregar informações "que vão ser certamente do interesse da Lava Jato".

"Fico à sua disposição hoje e em outros momentos, porque todos os nomes e situações que eu optei por não falar aqui, por sensibilidade da informação, estão à sua disposição o dia que o sr. quiser. Se o sr. estiver com a agenda muito ocupada, a pessoa que o sr. determinar, eu imediatamente apresento todos esses fatos com nomes, endereços, operações realizadas e coisas que vão ser certamente do interesse da Lava Jato."

Palocci também não mediu palavras para elogiar maior operação contra a corrupção já realizada no país e que levou ele próprio para a cadeia e outros quadros expressivos do PT. O ex-ministro, preso desde setembro de 2016, disse que a Lava Jato "realiza uma investigação de importância". "Acredito que posso dar um caminho, que talvez vá lhe dar um ano de trabalho, mas é um trabalho que faz bem ao Brasil", disse Palocci.

O ex-ministro petista foi interrogado em ação penal sobre lavagem de dinheiro e corrupção ativa e passiva relacionados à obtenção, pela empreiteira Odebrecht, de contratos de afretamento de sondas com a Petrobras.

Conforme a denúncia, entre 2006 e 2015, Palocci estabeleceu com altos executivos da Odebrecht "um amplo e permanente esquema de corrupção" destinado a assegurar o atendimento aos interesses do grupo empresarial na alta cúpula do governo federal.

O Ministério Público Federal aponta que no exercício dos cargos de deputado federal, ministro da Casa Civil e membro do Conselho de Administração da Petrobras, Palocci interferiu para que o edital de licitação lançado pela estatal e destinado à contratação de 21 sondas fosse formulado e publicado de forma a garantir que a Odebrecht não obtivesse apenas os contratos, mas que também firmasse tais contratos com margem de lucro pretendida. Palocci afirmou também que sabia da existência de caixa dois para campanhas polítcias, mas, negou sua participação na arrecação de recursos para esse fim. "Eu seria hipócrita se afirmasse desconhecer esse esquema, mas, eu não era o tesoureiro das campanhas. "Evidentemente, eu pedia recursos das empresas acreditando que elas iriam tratar isso da melhor maneira possível", ressaltou". Ele negou também que tenha atuado para ajudar a empreiteira Odebrecht. Antonio Palocci está preso na carceragem da Polícia Federal em Curitiba desde setembro de 2016.

Lula orienta destruição de provas, diz empresário

 Leo Pinheiro

Outro depoimento, também nesta quinta-feira ao juiz Sérgio Moro, que caiu como bomba no meio petista, foi o do empreiteiro Léo Pinheiro, da OAS (foto). Primeiro, ele declarou que o triplex no Guarujá era do presidente Lula. “O apartamento era do presidente Lula. Desde o dia que me passaram para estudar os empreendimentos da Bancoop já foi me dito que era do presidente Lula e sua família e que eu não comercializasse e tratasse aquilo como propriedade do presidente”, afirmou o empreiteiro.

Segundo o Ministério Público Federal, Lula recebeu R$ 3,7 milhões em benefício próprio – de um valor de R$ 87 milhões de corrupção – da empreiteira OAS, entre 2006 e 2012. As acusações contra Lula são relativas ao recebimento de vantagens ilícitas da empreiteira por meio de um triplex no Guarujá, no litoral de São Paulo, e ao armazenamento de bens do acervo presidencial, mantido pela Granero de 2011 a 2016. Léo Pineiroa fez referência ao ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto.

“O João Vaccari conversou comigo, dizendo que esse apartamento, a família tinha a opção de um apartamento tipo, tinha comprado cotas e tal, mas que esse apartamento que eles tinham comprado estava liberado para eu comercializar. E foi comercializado e foi vendido. E que o triplex, eu não fizesse absolutamente nada”, disse.


O empreiteiro da OAS fez tmbém uma afirmação gravíssima contra Lula. Ele disse ter sido orientado pelo ex-presidente petista a destruir provas que pudessem incriminá-lo na Operação Lava-Jato. Segundo Pinheiro, em junho, os dois se encontraram e Lula perguntou se ele havia feito algum pagamento a João Vaccari no exterior. “Ele me perguntou: Você tem algum registro de algum encontro de contas feitas com João Vaccari com vocês? Se tiver, destrua'”, relatou. (Com informações de Época e do Estado de Minas)

 

Em nota oficial, a Prefeitura de Osasco informa nesta quinta-feira (20/04), que a coleta de lixo na cidade já foi totalmente regularizada, após o aterro sanitário do município ter sido interditado pela Cetesb, na terça-feira, dia 18. Assim, a coleta só ficou prejudicada por somente um dia em toda a cidade.

Veja a íntegra da nota: 

"A Prefeitura de Osasco informa que, por causa do fechamento do aterro sanitário determinado pela Cetesb, em 18/04, a coleta de lixo na cidade ficou suspensa naquele dia, sendo prontamente restabelecida no dia 19.

Os caminhões já circularam normalmente ontem, estão circulando hoje, e vão atender aos bairros nos dias previstos de coleta normal.

O lixo recolhido pelos caminhões está sendo levado, provisoriamente, para a estação privada de transbordo da empresa Essencis, em São Paulo, no bairro do Perus, local devidamente licenciado e que cujo trajeto desse tipo de veículo e carga é permitido.

A preocupação inicial da prefeitura foi restabelecer a coleta, com o mínimo de prejuízo possível para a população, então priorizou a questão do escoamento desse material. Não temos o custo apurado desse serviço, já que a medida foi tomada em caráter emergencial, mas de acordo com o preço praticado no mercado e a quantidade de lixo que Osasco produz, estima-se que esse valor gire em torno de R$ 4 milhões / mês, cobrados proporcionalmente aos dias utilizados da estação de transbordo.

No momento, estão sendo estudadas mais duas opções para solucionar o problema: levar o lixo para a cidade de Santana de Parnaíba ou para a cidade de Itapevi. Todas as soluções são provisórias, até que se restabeleça a utilização do aterro de Osasco. Não há aterro público na região que possa receber esse lixo e mesmo nos particulares, dependemos, em alguns casos, de licença ambiental para o transporte do material. Ressaltamos, mais um vez, que para a estação que o lixo está sendo levado no momento, essa licença especial não é necessária.

Paralelamente às iniciativas tomadas para restabelecer a coleta do lixo na cidade, a Secretaria de Assuntos Jurídicos está tomando outras providências. Uma delas foi protocolar na Vara da Fazendo Pública de Osasco ação anulatória de ato administrativo com pedido de tutela de urgência, com vistas a suspender os efeitos dirigidos à interdição do aterro, uma vez que o ato praticado pela Cetesb é carente de fundamentação.

Vai, ainda, propor  ação civil pública para responsabilizar e cobrar os responsáveis, seja a concessionária, seja a gestão anterior, pelo não cumprimento do Termo de Ajuste de Conduta, que deveria ter sido cumprido em 2016, para não ocasionar prejuízo ao município".

Entenda o caso

A Cetesb interditou, na tarde de 18/4, o aterro sanitário de Osasco sob a alegação de descumprimento de um Termo de Ajuste de Conduta assinado na gestão anterior.

O TAC de fato não foi cumprido pela gestão anterior e, em 16/janeiro/17, ao assumir a prefeitura e tomar conhecimento dos fatos, o prefeito Rogério Lins se reuniu com a Secretaria Estadual de Meio Ambiente e com a Cetesb.

Na reunião, em que também estavam presentes dois representantes do Ministério Público Estadual, ficou acordado que a prefeitura apresentaria estudos técnicos que validavam o retaludamento do aterro e consequente expansão do prazo de utilização do local até que o novo aterro fosse aprovado, aprovação esta que já está em andamento e que depende da Cetesb, já que todas as exigências do processo foram cumpridas, até agora, por parte da municipalidade.

Sobre a lacração do aterro, a prefeitura reitera que na reunião de janeiro, os prazos para utilização foram repactuados e que, mesmo assim, foi “oficializada” por email na tarde da última quarta-feira, 12/4, portanto, dois dias úteis antes de o local ser interditado.

A Prefeitura de Osasco, ressalta ainda que: "desde a reunião ocorrida em janeiro até agora, todas as exigências da Cetesb foram cumpridas e sendo assim, causa estranheza que a empresa tenha tomado essa atitude sem aviso prévio e sem nova negociação de prazo. Vale lembrar que o prazo aqui foi descumprido pela Cetesb, e que a prefeitura vem trabalhando de acordo com os termos que foram estabelecidos na citada reunião, inclusive no que se refere à remoção das famílias que moram na região do aterro. Quanto a esse ponto, esclarecemos que a Secretaria de Habitação de Osasco já cadastrou as 140 famílias, já começou a remoção dessas pessoas, que foram incluídas nos programas habitacionais da prefeitura e que, no momento, as já removidas estão no programa Bolsa Aluguel. A remoção das famílias é gradual, e também está dentro do prazo fixado na reunião do início do ano". (Com informações da SECOM/PMO)

 

“Os conselheiros tutelares são verdadeiros anjos da guarda de nossas crianças e adolescentes”, diz Rogério Lins

 Conselho Tutelar ZN placa

Na manhã desta quarta-feira 19/4, o prefeito de Osasco, Rogério Lins, inaugurou a nova sede do Conselho Tutelar Zona Norte, localizado na Rua Catarina Fazio Antoniazzi, 248, no bairro Helena Maria. Trata-se da realização de um antigo sonho dos conselheiros que, agora, terão um amplo espaço equipado com toda a infraestratrura necessária para um atendimento digno às crianças e adolescentes de Osasco.

A alegria por mais esse avanço na área social da cidade pode ser resumida nas falas das conselheiras Zina Mateus de Araújo Silva e Tania Regina Alcântara Coelho, que agradeceram ao prefeito Rogério e a todos os secretários que trabalharam pela concretização da nova sede. “Foi uma luta muito grande, mas, hoje a nossa alegria é maior por essa conquista”, disse Zina. “Desde 2009 vínhamos lutando por isso, pois, os atendimentos eram feitos sempre em locais improvisados e inadequados. Deus está no comando desta Administração. Agradecemos a Deus, ao prefeiro Rogério Lins e a todos os gestores de Osasco que não mediram esforços visando a realização desse sonho. A partir de agora temos uma sede própria, um local digno para o atendimento às nossas crianças e adolescentes”, afirmou Tania.

Ao falar sobre a importância do evento, a chefe de Gabinete do Prefeito, Elsa Oliveira, que coordenou os trabalhos das obras da nova sede, parabenizou os conselheiros pelo brilhante papel que eles desempenham na sociedade. “O Conselho Tutelar não atende apenas crianças que sofrem violência física, mas, também aquelas que são vítimas de abandono intelectual, faz acolhimento institucional e promove palestras para as famílias que precisam de socorro. A inauguração desta sede própria mostra o cuidado e a prioridade do nosso governo com o atendimento às nossas crianças”, enfatizou.

Conselho Tutelar ZN Elsa falando

Em sua fala, Rogério Lins agracedeu o apoio de todos os secretários, dos vereadores de Osasco e destacou o trabalho social dos conselheiros tutelares “Os conselheiros são verdadeiros anjos da guarda de nossa cidade. São eleitos para essa nobre função e desenvolvem um papel primordial em defesa das crianças e adolescentes de Osasco. Nosso município tem apenas 55 anos e vamos trabalhar os 365 dias do ano, durante todo o mandato para que Osasco continue sendo destaque positivo no cenário nacional”, afirmou.

Infraestrutura

Conselho Tutelar ZN

A nova sede do Conselho Tutelar Zona Norte, em prédio próprio, conta com cinco salas de atendimento individual, 2 salas de administração, duas salas de apoio, uma sala de reunião, brinquedoteca, recepção, cozinha e banheiros (adaptados  e com chuveiros).

O Conselho Tutelar da zona Norte, região que tem 67.500 crianças e adolescentes, registrou 2.386 casos em 2016.

Participaram também da inauguração a vice-prefeita, Ana Maria Rossi, os vereadores Ricardo Silva e Pelé da Cândida, os secretários Valdeci Magdanello (Secontru), José Carlos Vido (Saúde), Dulce Helena Cazzuni (SDTI), Élio Salvini (Meio Ambiente), Emília Cordeiro (Comunicação), José Carlos Pedroso (Presidente da Fito), Jair Anastácio (Presidente da CMTO), Paulo Siniauskas (Presidente do Conseg Zona Norte), o pastor Alves de Mesquita (Presidente do Conselho de Pastores) e o pastor Pedro Paulo, da Igreja Apostólica Novo Templo, que fez uma oração no final do evento. (SECOM - Fotos: Ítalo Cardoso e Ivan Cruz)

Quarta, 19 Abril 2017 02:33

Alexandre Bussab deixa a Sica de Osasco

Por Renato Ferreira - 

 

Na tarde desta terça-feira (18/04), o dr. Alexandre Bussab anunciou sua saída da Secretaria da Indústria, Comércio e Abastecimento (SICA) de Osasco. O anúncio foi feito durante um café da tarde que ele promoveu para comunicar o fato aos amigos e funcionários da Pasta.

A este jornalista, o dr. Bussab disse que deixa o cargo de secretário devido aos seus afazeres como empresário. "Nesses quatro meses de governo, desenvolvemos diversas ações e agradeço muito a confiança do prefeito Rogério Lins e o apoio de todos os servidores da SICA. Mas, em função da ampliação da rede de minhas clínicas não daria mais pra conciliar minhas atividades particulares com o meu trabalho à frente da Secretaria".

Segundo o próprio secretário, hoje ainda ele iria se reunir com o prefeito Rogério Lins para entregar a carta com o pedido de exoneração do cargo. (Renato Ferreira)

Por Renato Ferreira -

Itamar Franco deixou um bom exemplo.

O que esperar de um país onde quase todos os seus ex-presidentes da República, dos últimos 30 anos, são acusados de falsidade ideológica, lavagem de dinheiro e corrupção?

Se esses péssimos exemplos vêm dos chefes máximos da Nação, o que esperar do Congresso Nacional, de Governadores, de Prefeituras e Câmaras Municipais? Só mesmo esse mar de lama envolvendo a maioria dos políticos e governantes brasileiros.

E, além de FHC, Sarney, Lula, Collor e Dilma, o atual Presidente, Temer também aparece na lista das delações da Odebrecht.

E o pior: enquanto os empreiteiros - o outro lada corrupção - contam detalhadamente como funciona o esquema de desvio de dinheiro público, devolvendo ou pagando multas bilionárias na tentativa de diminuir suas penas, os políticos envolvidos continuam negando os crimes.

Por isso, a enganação e as mentiras que estamos assistindo há tantos com as esmolas governamentais para o povão pobre e miserável deste país maravilhoso. Até porque, se o brasileiro fosse, no geral, um povo mais desenvolvido e que não fosse levado como boiada pelos corruptos, com certeza, a corrupção não teria chegado a esse ponto estarrecedor que estamos vendo hoje com a operação Lava Jato.

Pobre Brasil!

Exemplo de Itamar Franco

Itamar Franco

Mas, é necessário dizer que, nesse período de presidentes civis, teve um diferenciado e que não está nessa lista de ex-presidentes acusados de corrupção. É o saudoso Itamar Franco.

Mesmo tendo exercido os mais diversos cargos públicos, como prefeito de Juiz de Fora (MG), Senador, Governador e Presidente da República, o nome de Itamar Franco nunca apareceu na imprensa como homem público enrolado com processos na Justiça por causa de improbidade administrativa e muito menos por corrupção. Itamar assumiu o cargo em 1992 em substituição a Fernando Collor, que sofreu impeachment.

E um dos maiores exemplos de governante comprometido com a verdade, Itamar Franco mostrou quando o seu amigo e ministro da Casa Civil, Henrique Hargreaves, foi acusado sem fundamento de algo quando ele era funcionário do Senado. Ao contrário de todos os demais presidentes, que sempre passaram a mão sobre a cabeça de seus ministros acusados de crimes graves, Itamar determinou que Hargreaves se afastasse do Governo para responder pelas acusações. Pouco mais de três meses depois, como nada foi encontrado contra o ministro, Henrique Hargreaves voltou ao cargo onde ficou até o final do mandato de Itamar Franco. (Renato Ferreira)

Nesta segunda-feira (17/04), o prefeito de Osasco, Rogério Lins, participou da abertura da Campanha de Vacinação Contra o Vírus Influenza no município, que ocorreu na UBS Jardim D´Abril, zona Sul. A meta do Ministério da Saúde para este ano é vacinar 90% de cada um dos grupos prioritários. A vacina protege contra os três subtipos do vírus da gripe: A/H1N1; A/H3N2 e influenza B.

A campanha prossegue até o dia 26 de maio e é destinada aos grupos prioritários tais como: crianças de 6 meses a menores de 5 anos, gestantes, idosos, pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais, trabalhadores de saúde dos serviços públicos, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade, sob medidas socioeducativas  e professores das escolas públicas e privadas. (Texto: Ivany Soares - Foto: Ismael Francisco - SECOM)


Osasco terá um calendário especifico para a vacinação: 

17/04 a 20/04 - direcionado para trabalhadores da saúde
24/04 a 28/05 - direcionado para gestantes, idosos e crianças
02/05 a 05/05 - portadores de doenças crônicas
08/05 a 12/05 - professores da rede pública e privada
Dia "D" - 13/05 - TODOS OS GRUPOS PRIORITÁRIOS
15/05  a 26/05 - Remanescente dos grupos prioritários

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.