Segunda, 28 Maio 2018 | Login
As alemãs surpreenderam as meninas brasileiras e, de virada, venceram por 3 sets a 1 no primeiro jogo da Liga das Nações em Barueri. Nesta quarta, o Brasil enfrenta o Japão a partir das 15h no Poliesportivo José Corrêa
 
 
Desfalcado de algumas jogadoras consideradas titulares, a Seleção Brasileira de Vôlei Feminino perdeu nesta terça-feira, 15/05, da Alemanha por 3 sets 1 no primeiro jogo da Liga das Nações, que acontece na cidade de Barueri, região Oeste da Grande São Paulo. As parciais foram de 25/15, 22/25, 18/25 e 20/25. Após ganhar o primeiro set, as meninas do Brasil, sob o comando de José Roberto Guimarães, foram surpreendidas por uma Alemanha descontraida que não encontrou dificuldades para vencer os três sets seguintes. No segundo jogo, a Servia venceu o Japão por 3 sets a 0.
 
Liga das Nações Ginásio J. Corrêa
O grande número de torcedores compareceu ao belo Ginásio José Corrêa para torcer pela Seleção Brasileira
 
Nesta quinta-feira, 16, a partir das 15h, a Seleção Brasileira tentará a recuperação diante do Japão. Na outra partida, jogarão as duas equipes vencedores na estreia: Alemanha e Sérvia. Já na quinta-feira, 17, na última rodada da etapa brasileira da Liga das Nações, o Brasil jogará contra a Sérvia, enquanto a Alemanha pegará o Japão.
 
A surpresa pela derrota brasileira é maior ainda se levarmos em consideração os confrontos entre Brasil e Alemanha no Gran Prix, cujo torneio deu lugar à Liga das Nações em 2018. Como o maior ganhador do Gran Prix, com 12 títulos, as brasileiras nunca haviam perdido das alemãs na competição.
 
Liga das Nações Furlan na torcida
Nas arquibancadas, o Brasil contou com a torcida do prefeito de Barueri, Rubens Furlan, (à esquerda)
 
Mas, mesmo com esse histórico negativo, as alemãs não se intimidaram diante do grande número de torcedores que estiveram no Ginásio Poliesportivo José Corrêa empurrando as brasileiras. Jogando com eficiência no ataque, as visitantes se impuseram e venceram por 3 a 1.
Liga das Nações Brasil
O Brasil venceu bem o primeiro set, mas, foi supreendido pela Alemanha ao longo da partida
 
A Seleção Brasileira pode ter sentido a ausência de atletas importantes para o grupo, como Thaisa, Natália e Gabiru. Hoje, elas não entraram em quadra por problemas físicos. A ponteira Gabi, também se recuperando de contusão, jogou só no primeiro set por recomendação médica. Para o técnico José Roberto Guimarães, a Seleção visa o título da Liga das Nações, mas, segundo o treinador tricampeão olímpico, o mais importante é resguardar as atletas para que todas tenham condições plenas para disputar o Mundial da categoria. (Fotos: Sérgio Barzaghi / Gazeta Press)
Published in Esporte

 

Time de Uberlândia vence o segundo jogo da final  por 3 a 0; vence o Golden Set e quebra a hegemonia de cariocas e paulistas na competição

 

A cidade de Uberlândia, no Triângulo Mineiro está em festa e, com certeza, jamais vai esquecer a manhã deste domingo, 22/04. Com mais de 6 mil pessoas lotando o Ginásio do Sabiazinho, o Praia Clube, comandado pelo técnico Paulo Coco atropelou o Sesc/RJ do supercampeão Bernardinho, e conquistou pela primeira vez o título da Superliga Feminina. Como havia perdido o primeiro jogo da final por 3 sets a 1, no Rio de Janeiro, o Praia entrou focado e não deu chances ao adversário.

 

Praia Clube campeão 2

Fazendo um jogo emocionante, as mineiras venceram por 3 sets a 0, com parciais de 25/19, 25/23 e 25/17,  e levaram a decisão para o Golden Set, quando venceram também, faturando o título inédito  da Superliga Feminina. Neste ano, foi a primeira vez que que CBV fez a final da competição em dois jogos e o Golden Set, caso houvesse empate nos dois jogos. 


Praia Clube campeão 4

Além da conquista inédita do Praia Cluba, o jogo de hoje em Uberlândia marcou também a despedida da supercanpeã Fabi, líbero  do Sesc/RJ. A Fabizinha, como é conhecida, já havia deixado a Seleção Brasileira e, hoje, se aposentou das quadras. Aos 38 anos, sendo vinte deles dedicado ao vôlei, a bicampeã olímpica (Pequim 2008 e Londres 2012) deixa o esporte após 13 temporadas no time do Rio de Janeiro. Ao todo, ela disputou 14 finais de Superliga, faturando dez títulos. Emocianada, no final do jogo, Fabi reconheceu a superiodidade das mineiras, mas, agradeceu por ter se aposentar disputando mais uma decisão da Superliga.

 

O jogo

Mesmo jogando fora de casa e enfrentando a empolgante torcida adversária, o Sesc/RJ iniciou melhor a partida, abrindo 5/2 logo no começo. Em devantagem,o técnico Paulo Coco parou a partida e orientou as jogadoras do Praia, que, em seguida, conseguiram a virada na parcial (6/5). O confronto, então, passou a ser disputado ponto a ponto, com vários bloqueios e Fê Garay fazendo a diferença para o time da casa. Fabi defendia bolas incríveis para o Rio, mas sua equipe estava com dificuldade de virar bolas, e com isso as mandantes abriram quatro pontos na reta final do set (21/17). O Praia fechou a parcial, após uma jogadora carioca invadir por cima da rede, em 25/19: 1 set a 0.

 

O segundo set começou com o Sesc/RJ tendo novamente dificuldades no ataque. Com a  levantadora Roberta não estando bem na partida, o time carioca não consequirar as viradas. enquanto Claudinha, do Praia, fazia, com certeza, a sua melhor partida na competica e distribuia as bolas com falicidade para as suas companheiras. E, novamente, o Praia, com Fernanda Garay, numa disputada na rede, fechou a parcial em 25/23: 2 sets a 0.

 

Com 2 a 0 no placar, o Praia começou ainda mais tranquilo e virando bolas no terceiro set. Contando cada vez mais com o apoio de sua torcida, o time de Uberlândia não tinha dificuldade para atacar, além de conquistar pontos também nos bloqueios. O Sesc tentava reagir na partida, mas, sem êxito. Administrando bem a vantagem, as mineiras venceram o set por 20 a 17, fazendo 3 a 0.

 

Golden Set

 

Com o empate na série, a decisão foi para o Golden Set. E o time da casa começou a parcial decisiva demonstrando a mesma confiança dos três sets vencidos. A cada ponto conquistado, o Sabiazinho explodia em vibração e gritos da torcida.. Porém, aos poucos, o time de Bernardinho, que fazia a sua 14ª decisão consecutiva, começou a reagir e chegou a fazer 13/11, o que fez Paulo Coco a pedir tempo técnico. E a estratégia funcionou.  O Praia Clube reagiu e fechou o Golden Set por 25/18, para vibração das companheiras, comissão técnica e da grande torcida no Sabiazinho. O último ponto foi da americna Fawcett.

 

Veja, aqui, os minutos finais do Golden Set, a vibração da torcida no Ginásio Sabiazinho e as palavras da emocionada Fabizinha:  https://www.facebook.com/orenatoferreira/posts/1695503283873238

Published in Esporte
Praia Clube e Sesc/RJ largam na frente em partidas duríssimas contra o Vôlei Nestlé e Minas, respectivamente.
 
A julgar pelos dois primeiros jogos das semifinais da Superliga Feminina de Vôlei, realizados nesta sexta-feira, 23/03, fica impossível indicar quem são os favoritos às finais da competição. Foram duas partidas vencidas somente no tie-break e com parciais apertadas. Os times voltam a se enfrentar na próxima segunda-feira, 26, com a inversão dos mandos de jogos. São mata-matas em melhor de cinco jogos e quem vencer três partidas avançará para a grande final da Superliga.
Praia 3 X 2 Vôlei Nestlé
Praia
 
Jogando em Uberlândia, neste sexta-feira, o Dentil/Praia Club largou na frente nos playoffs das semifinais da Superliga. Diante de 2.200 torcedores, que empurraram o time da casa durante os cinco sets, a equipe mineira venceu por 3 sets a 2 com parciais de 23/25, 25/19, 25/23, 25/27 e 15/13.
Todas as jogadoras do Praia jogaram muito bem e a ponteira Fernanda Garay foi o destaque da partida. Ela foi eleita a melhor da partida e ficou com o Troféu VivaVôlei Cimed. Garai marcou 19 pontos. A central Fabiana também se destacou nesse jogo com 21 acertos. E para se ter uma ideia de como foi a partida no Triângulo Mineiro, apesar da derrota, o Vôlei Nestlé teve a maior pontuadora do confronto, com 24 pontos, que foi a atacante Tandara.
Vôlei Osasco
 
No final do jogo, o técnico do Praia deu a sua opinião sobre a partida. “Foi um jogo disputado, difícil e o time acreditou até o final. Tivemos a chance de fechar no quarto set e faltou um pouco de lucidez naquele momento. No entanto, o importante foi termos conseguido reverter o placar no tie-break mesmo não começando bem a parcial", disse Paulo Coco.
As duas equipes voltarão se enfrentar na segunda partida da série na próxima segunda-feira (26.03), às 21h30, no Ginário José Liberatti, em Osasco.
O jogo
O Vôlei Nestlé começou melhor, principalmente, no saque e fez 7/3. Jogando também melhor nos contra-ataques, as osasquenses mantiveram a vantagem no placar e venceram o primeiro set por 25/23.
Na segunda parcial, o Praia Clube melhorou abrindo 4 a 0 e, jogando com velocidade, chegaram a fazer 10 a 4. O técnico de Osasco promoveu algumas mudanças e chegou e a encostar no placar de 21 a 18, mas, não conseguiu evitar a derrota por 25/19.
Com a partida empatada, o terceiro set começou equilibrado e mais uma vez com a Fernanda Garay virando todas as bolas. A parcial foi equilibrada até o final com o time da casa vencendo por 25/23.
No quarto set, o Praia comandou o placar apertado até 15 a 14. Daí para frente, as visitantes reagiram e empataram por 19 a 19. Disputado ponto a ponto, o set foi vencido pelo Vôlei Nestlé por 27/25.
No quinto e decisivo set, o Vôlei Nestlé chegou a fazer 3 a 0 pressionando o time da casa. Porém, numa reação incrível e mostrando também muito equilíbrio, as mineiras acabaram fazendo 15 a 13, vencendo o a primeira partida dos playoffs por 3 sets a 2.
Minas 2 X 3 Sesc/RJ
Sesc rio
 
Em jogo fantástico também nesta sexta-feira, o Sesc-RJ bateu o Minas no tie-break e também saiu na frente por uma vaga na final da Superliga
Jogando diante de sua vibrante torcida na Arena JK, o Camponesa/ Minas, do técnico italiano Stefhani Lavorine, começou arrasador fazendo 2 a 0 no placar. Porém, o time carioca, sob o comando de Bernardinho, reagiu e venceu de forma emocionante o primeiro jogo dos playoffs por 3 sets a 2, com parciais de 26/24, 25/23, 21/25, 25/27 e 15/7. O destaque do confronto em Belo Horizonte foi a ponteira Monique Pavão, do Sesc. Ela recebeu o Troféu VivaVôlei de melhor em quadra.
 Minas Tênis
Mais de 3.500 torcedores lotaram a Arena JK para empurrar o time da casa. Na entrada das jogadoras em quadra, parecia final de campeonato, pela recepção calorosa dos torcedores mineiros. Antes da partida, a levantadora Karine foi homenageada com flores e um discurso que a emocionou. Grávida de sete meses aos 39 anos, ela não entrará em quadra mais. No entanto, Karine está ficando no banco de reservas apenas para incentivar as companheiras. A jogadora completou 20anos de carreira e defendeu a equipe minas-tenista em três temporadas fazendo 150 partidas com a camisa minas-tenista.
Os dois próximos jogos da série serão disputados no Rio de Janeiro, nos dias 26, às 21h30, e 31 de março, às 15h (o Minas disponibilizou ingressos e transporte para este último duelo). Se necessário for, o quarto jogo volta para Belo Horizonte, previsto para o dia 3 de abril. A equipe carioca decide o quinto confronto, se necessário, na Arena da Barra, no dia 6 de abril.
O jogo
O Sesc-RJ mostrou superioridade no inicio do jogo, aproveitando de erros na recepção do Minas, e chegou a abrir 7 a 3 no placar. Mas, daí para frente, as mineiras reagiram e conseguiram empatar fazendo 14 a 14., No final, o Minas virou com 24 a 23 e fecharam o set por 26/24.
No segundo set, o Minas começou embalado pela vitória na primeira parcial. e abriram 6 a 2 no placar. Apesar da reação das cariocas, as mineiras se distanciaram fazendo um placar de 21 a 15. No final, o Minas venceu também o segundo set por 25/23, fazendo 2 a 0.
No terceiro set, a história do jogo começou a mudar. A parcial começou equilibrada e foi assim até os últimos. Na reta final, o time do Rio se distanciou e fechou a parcial por 25/21.
Com 2 a 1 no jogo para o time da casa, o quarto set começou com o Sesc-RJ ainda motivado pela vitória anterior. Mas, logo o Minas se impôs e abriu 6/3 no placar. A vantagem minas-tenista aumentou, mas, logo o time de Bernadinho reagiu empatou em 19 a 19. Mostrando nervosismo, as mandantes até chegaram ao match point (24/20), mas o Sesc chegou ao empate e conseguiu a virada por 27/25, empatando a partida em 2 sets a 2.
No quinto set, o Minas começou desestabilizado emocionalmente e errando vários ataques. Tanto que o Sesc-RJ chegou a abrir 5/1, placar pouco comum entre duas equipes do gabarito de Sesc e Mina. O time da casa conseguiu ainda diminuir a desvantagem, mas, não o suficiente para evitar a derrota por 157 e a partida por 3 sets a 2.
Desafio eletrônico
Nesta fase de semifinal da Superliga Feminina a novidade é desafiou eletrônico. Superliga foi o desafio. Cada técnico tem o direito de solicitar até dois desafios por set. A arbitragem consulta o vídeo para tomar a decisão. Se a reivindicação estiver correta, o árbitro revisará a marcação e o desafio não será computado. Se o pedido for malsucedido, o técnico solicitante terá um pedido a menos no set.
Nas duas partidas desta sexta-feira, tanto em Uberlândia como em Belo Horizonte, as equipes fizeram uso do desafio e muitos pontos duvidosos foram modificados com a presença do computador.

Published in Esporte

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.