Sexta, 23 Agosto 2019 | Login
ITAPEVI: Prefeitura contrata 52 novos trabalhadores para o programa Novo Emprego

ITAPEVI: Prefeitura contrata 52 novos trabalhadores para o programa Novo Emprego Featured

Iniciativa visa auxiliar na recolocação de trabalhadores no mercado de trabalho
 
Nesta quinta-feira, 17/01, a Prefeitura de Itapevi contratou 52 novos trabalhadores para atuarem no governo municipal como parte da segunda fase das ações do Programa Municipal Emergencial de Auxílio-Desemprego, o Novo Emprego. A solenidade de assinatura do termo de adesão aconteceu na sede da administração municipal, na Vila Nova Itapevi.
“Damos uma oportunidade de recomeço. É uma fase de transição e aprendizado para que eles consigam futuramente um novo emprego”, disse Mauro Martins Jr., secretário de Desenvolvimento Econômico de Itapevi.
Itapevi prefeito 1
 
“Aqueles que mais se dedicarem poderão ser indicados para empresas terceirizadas que prestam serviço à Prefeitura e também para aquelas parceiras da administração municipal”, completou o prefeito Igor Soares.
Os contratados podem atuar em diversas atividades de zeladoria, ações esportivas e culturais e serviços administrativos. Eles estão sendo alocados para seus postos e devem começar a trabalhar ainda nesta quinta (17).
Desempregado há dois anos, o segurança Edson Batista da Silva, 48, vê a oportunidade como única. “Quem tem família e filhos para criar sabe das dificuldades do dia-a-dia. Recebi esta oportunidade com muita alegria e expectativa. É agarrar com unhas e dentes”, disse Silva, que é morador de Amador Bueno.
Em fevereiro, mais 30 itapevienses deverão ter acesso a uma nova oportunidade pelo programa. Em novembro do ano passado, quando criou o Novo Emprego, a Prefeitura de Itapevi já havia contratado 95 moradores de toda a cidade.
A cerimônia desta quinta (17) integra a série de 60 ações que serão realizadas em Itapevi até o final de março, como parte das comemorações do aniversário de 60 anos da cidade.
Sobre a iniciativa
O Novo Emprego tem por finalidade a assistência social e econômica, bem como a primeira inserção ou a recolocação do mercado de trabalho, por meio do exercício de atividades profissionais básicas dentro da administração pública.
A iniciativa tem ainda como objetivo proporcionar a qualificação profissional e de renda a até 430 trabalhadores integrantes da população desempregada residentes na cidade de Itapevi.
O participante do programa tem direito aos seguintes benefícios: 1) recebimento de bolsa auxílio-desemprego; 2) recebimento mensal de auxílio-transporte; 3) recebimento mensal de auxílio-alimentação; e 4) seguro de acidente pessoal e participação em palestras, cursos de qualificação profissional e/ou alfabetização definidos pela Prefeitura.
Com isso, a inscrição para o programa passou a ser realizada por processo seletivo, divulgado em Diário Oficial, e junto à Secretaria de Desenvolvimento Econômico (Avenida Presidente Vargas, 376 - Vila Nova Itapevi).
Jornada de Trabalho
A jornada diária de atividades será de oito horas, sempre com intervalo de 1h para descanso e refeição, cinco dias por semana, podendo ser realizada no período noturno.
O bolsista, ao longo da sua jornada de atividade, e conforme dias e horas pré-estabelecidos pela Prefeitura, deverá participar de cursos de qualificação profissional ou de alfabetização, ou ainda em palestras.
A participação do bolsista no Programa Novo Emprego terá prazo de duração de 12 meses, podendo ser renovado por igual período. (Departamento de Comunicação - Foto: Rogério Valente/PMI)
000

About Author

Related items

  • LOUSA DIGITAL: Inovação e tecnologia chegam às escolas de Osasco
     
    A Prefeitura de Osasco, sob o comando do Prefeito Rogério Lins (PODE), dá mais um grande passo na área da Educação. As escolas de ensino fundamental do Município agora contam com lousas digitais. A iniciativa demonstra que a Prefeitura de Osasco, por meio da Secretaria de Educação, tem investindo em tecnologia e inovação.
    Com o novo equipamento, os professores fazem apresentações de suas aulas utilizando-se de programas como PowerPoint ou links de sites, já que poderão navegar na internet durante a apresentação do tema proposto aos alunos. Os professores também poderão consultar conteúdos e reproduzir vídeos ligados ao tema da aula.
    Como o secretário de Educação, José Toste Borges, explicou, a lousa interativa é uma ferramenta que potencializa o uso da tecnologia em sala de aula. “O prefeito Rogério Lins tem investido em tecnologia e inovação na educação municipal. Também tem possibilitado que os nossos professores utilizem nas salas de aulas conteúdos digitais, que proporcionam uma nova realidade no processo de ensino e aprendizagem, através da interatividade com conteúdo digital”, conclui.
    Aulas dinâmicas
    Osasco Lousa digital Lins
    Nesta sexta-feira, 16, o Prefeito Rogégio Lins acompanhou uma aula com a lousa digital. "Com esse equipamento inovador, os professores têm aulas mais dinâmicas e interativas trazendo inclusive ao dia-a-dia do aluno conteúdos da Internet e até reproduzir vídeos, fazendo com que essa geração que está cada vez mais conectada, fique cada vez mais interessada pelos novos aprendizados. Eu assisti uma aula com as nossas crianças e estou encantado com o projeto. As crianças interagiram muito e, agora, aprender ficou ainda mais divertido", disse Lins.
    Osasco Lousa digital
    O sistema de lousa retrátil possui superfície de escrita diagramada branca, além do módulo interativo, uma vez que a lousa digital é como uma tela de computador, só que maior. Deste modo, o sistema alia a escrita tradicional, com a utilização tecnológica.
    Durante o semestre, os professores receberam orientação sobre como tirar o melhor proveito do equipamento interativo. A docente Josiane de Araújo explicou que as crianças e adolescentes estão em constante contato com computadores, tablets e celulares. Se a escola não acompanha a tecnologia, acaba tornando-se pouco interessante para essa nova geração. (Informações - Secom)
  • SONHO REALIZADO: Conjunto Miguel Costa recebe as primeiras famílias neste final de semana
    Neste sábado, 10/08, o sonho da casa própria começou a se tornar realidade para mais de 900 famílias em Osasco. A Prefeitura, por meio da Secretaria de Habitação e Desenvolvimento Urbano (Sehdu), iniciou a mudança das primeiras famílias para o Conjunto Residencial Miguel Costa, em Quitaúna, zona Sul da cidade. Os serviços contaram com apoio das secretarias de Segurança e Controle Urbano (Secontru) e de Transportes e da Mobilidade Urbana (Setran).
    No acordo entre Prefeitura, Exército e CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) ficou acertado o acesso de 19 caminhões de mudança por hora. A operação continua no domingo, 11/8, das 7h às 18h, e nos demais finais de semana até que sejam concluídas as mudanças das 960 famílias do Miguel Costa.
    Ação Judicial
    A ocupação do Conjunto Residencial Miguel Costa é resultado de uma ação judicial conjunta entre a Prefeitura de Osasco, Ministério Público e Defensoria Pública da União em abril desse ano junto à Justiça Federal. A decisão judicial autorizou o acesso dos moradores ao residencial, mas antes foi necessário a assinatura dos contratos com a CEF (Caixa Econômica Federal) e a criação de um bolsão de estacionamento próximo a estação de trem de Quitaúna para atender aos moradores.
    Acesso liberado
    O acesso ao Conjunto Habitacional Miguel Costa, entrave que impediu a ocupação do empreendimento desde que foi concluído em novembro do ano passado, se dará pelo acesso de nível, passando sobre a linha da CPTM e em frente ao Quartel do Exército, em Quitaúna.
    Os moradores também terão duas passarelas: uma na estação de trem de Quitaúna e outra no Km 21. Até que a prefeitura construa um viaduto sobre a linha férrea e que desemboque na Avenida dos Autonomistas, os moradores do Conjunto Miguel Costa terão bolsões de estacionamento e serviço de traslado 24 horas das estações de trem até o conjunto residencial. (Informações da Secom)
  • CAPITAL PAULISTA: Justiça libera obra da Prefeitura de SP no Vale do Anhangabaú
    Para presidente do TJ-SP, paralisação representa um risco à economia pública. Decisão de 1ª Instância havia suspendido serviço, após reivindicação de associação que alertava sobre riscos e perda de patrimônio histórico.
    Nesta sexta-feira, 09/08, a Justiça liberou a retomada da obra da Prefeitura de São Paulo no Vale do Anhangabaú, no Centro da capital. Para o presidente do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP), a paralisação representa um risco à economia pública.
    Há uma semana, a Justiça atendeu ao pedido da Associação Preserva SP para embargar a obra de qualificação do espaço devido à falta de discussões com a sociedade sobre a intervenção em um local de importância histórica para o município, e também devido à falta de um estudo de viabilidade ambiental e arqueológico. Paralelamente, o Ministério Público abriu um inquérito para investigar os gastos com as obras.
    Obra no Vale Anhagabaú
    Segundo o projeto da mega-obra, o Vale do Anhangabaú ficará assim
    A prefeitura recorreu da decisão e respondeu aos questionamentos, afirmando que o projeto foi orçado em R$ 3,8 milhões e houve aprovação junto a todos os órgãos responsáveis pela preservação do patrimônio histórico do município, além de discussão com os conselhos públicos.
    Nesta sexta-feira, o desembargador Manoel de Queiroz Pereira Calças autorizou a retomada das obras, destacando o prejuízo financeiro que a paralisação causa a toda a sociedade. “Cada dia de paralisação da obra representa prejuízo estimado ao município de São Paulo de R$ 42.744,66, isso levando em conta apenas os custos contratuais referentes à remuneração de 108 funcionários e 38 equipamentos mobilizados”, disse.
    Na decisão, o juiz incluiu ainda a manifestação favorável ao projeto por parte do Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade (Conpresp) e do Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado (Condephaat), e acrescentou que o foi debatido com a sociedade civil, como, por exemplo, em apresentação pública ocorrida em 2015.
    “Não se trata de intervenção feita “de imediato” e à sorrelfa, o que ganha relevância especialmente ante a ausência de oposição administrativa ou judicial anterior, em momento em que o prejuízo à Municipalidade teria sido muito menor (ao contrário do que se dá agora, quando a obra já está iniciada e o local foi transformado em um imenso canteiro de obras)”, escreveu em sua decisão. (G1)

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.