Sexta, 18 Janeiro 2019 | Login
BARUERI: Novo Centro Municipal de Equoterapia já atende cerca de 300 pessoas

BARUERI: Novo Centro Municipal de Equoterapia já atende cerca de 300 pessoas Featured

 
 
Na manhã desta terça-feira, 23/10, aconteceu uma emocionante cerimônia de inauguração do Centro Municipal de Equoterapia de Barueri. O novo equipamento da Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência (SDPD) está localizado no bairro de Alphaville e atende cerca de 300 pessoas.
O monitoramento é realizado por profissionais especializados como psicopedagogos, fisioterapeutas, psicólogos e terapeutas ocupacionais. O local já está atendendo com sessões que duram cerca de 30 minutos.
 Equoterapia em Barueri 2
 
O evento contou com números musicais dos alunos da SDPD que integram a banda Baquetabate, além de apresentações nos próprios cavalos, das alunas Bianca de Oliveira e Anitta Vitório.
Ao discursar, o prefeito Rubens Furlan confessou estar bastante emocionado. “Trata-se da realização de um sonho. Sei da importância do trabalho que vem sendo realizado para essas pessoas tão especiais. Só serei completamente feliz quando as pessoas a minha volta estiverem felizes”, disse.
O secretário da SDPD, Carlos Roberto da Silva, também estava entusiasmado com a inauguração do novo equipamento. “Já estamos atendendo cerca de 300 pessoas aqui. São 50 da Apae, 50 do setor de Saúde Mental e 200 da SDPD. Estaremos também abrindo este importante local para a Educação, que também poderá encaminhar alunos para serem atendidos aqui”, anunciou o Professor Carlinhos.
A equoterapia utiliza cavalos para estimular o desenvolvimento da mente e do corpo. Proporciona benefícios como melhora do equilíbrio e da postura, desenvolvimento da coordenação motora, estimulação da sensibilidade tátil, visual e auditiva, aumento da força muscular, facilitação da integração social e inúmeras outras vantagens na abordagem multidisciplinar e interdisciplinar nas áreas de saúde e educação. (Fonte: SECOM/PMB)
 
000

About Author

Related items

  • PREVENÇÃO: Barueri realiza mapeamento de áreas de riscos geológicos
    Medida visa prevenir a cidade contra incidentes provocados pelas chuvas como inundação e deslizamento de terra no município
     
     
    A ação conjunta entre Guarda Municipal, Defesa Civil e Demutran (órgãos da Secretaria de Segurança e Mobilidade Urbana – SSMU) trabalha no monitoramento de chuvas e tempestades em pontos de visibilidade nas regiões mapeadas com maior índice de alagamentos.
    A SSMU possui em sua equipe de profissionais um geocientista e analista ambiental que realiza durante o ano o mapeamento de riscos de deslizamento de terra e inundação que é desenvolvido pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) e pela Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais do Brasil (CPRM), nas 18 microbacias que se encontram em Barueri. Esse trabalho já produziu a listagem de ruas e suas extensões com possíveis riscos. Quando avaliado, o resultado é comunicado às Secretarias de Obras e de Serviços Municipais.
    “Para a consecução da setorização e mapeamento de ultradetalhe das áreas de riscos serão necessários trabalhos de campo e análises laboratoriais que deverão ser realizados ao longo de 2019”, conclui o geocientista da SSMU, Edson Oliveira da Silva. (SECOM/PMB)
  • DOIS ANOS DE GOVERNO: Rogério Lins prioriza Saúde, Educação e Segurança
    O prefeito Rogério Lins completou dois anos à frente da administração de Osasco, município que saltou para o 6º lugar no ranking das cidades com maior participação no PIB (Produto Interno Bruto) do país. O município também comemora a nota 6.1 no IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), a maior da história da cidade, e a colocação obtida no relatório da Transparência, cuja nota atingiu 8.4, a melhor pontuação do município.
     
    Osasco 2 anos 3
    Mas não é só isso. Lins encerrou o segundo ano de mandato cumprindo boa parte das promessas feitas ao longo da campanha: dobrou o efetivo da Guarda Civil Municipal, contratou mais viaturas e motocicletas para a GCM, implantou o COI (Centro de Operações Integradas), que entra em sua segunda etapa com o cercamento da cidade e integração do DETECTA, e ampliou o orçamento destinado à área de segurança. O orçamento, que era de R$ 48,37 milhões em 2015, saltará para R$ 77,57 milhões em 2019.
    Osasco 2 anos 2
     
    As preocupações e investimentos da administração também estão voltados para as áreas de Saúde, Educação e Habitação. Nos próximos meses, Lins entregará as primeiras unidades do Conjunto Habitacional Miguel Costa, construído em parceria com o governo federal, através do PAC 2 (Plano de Aceleração do Crescimento). São 48 prédios que beneficiarão 960 famílias que viviam em situação de vulnerabilidade social no Jardim Rochdale, Jardim Santa Rita e na área, em Quitaúna, onde foram erguidas as unidades habitacionais. O conjunto ganhou também toda a infraestrutura com quadras, áreas de lazer e jardinagem.
    Ainda na área de Habitação, Osasco constrói o Conjunto Habitacional Vila Alemanha com 300 unidades na Avenida Sarah Veloso, no Jardim Veloso, e promove a regularização fundiária de inúmeras áreas como Santa Maria e Rochdale.
    Na Educação, nos próximos meses, Osasco entregará as obras das oito creches que abrirão mais de duas mil vagas em creches, quando somadas às duas já entregues no Jardim São Pedro e Jardim Novo Osasco. As creches em construção ficam nos bairros 1º de Maio, Jardim Roberto I, Jardim Roberto II, Jardim Conceição, Jardim Veloso, Vila Menk, Santa Maria e Vila Militar.
    Ainda na área da Educação, 2018 foi o primeiro ano em que os 68 mil alunos matriculados na rede municipal receberam kit de material escolar e uniformes – camisetas, agasalhos, meias e tênis -, inclusive os matriculados nas creches. Os uniformes entregues ganharam as cores da bandeira da cidade: verde e branco.
    Na área da Saúde, o prefeito Rogério Lins implantou Pediatria 24 Horas em vários bairros; promoveu a reforma e revitalização de Unidades Básicas de Saúde e Prontos-Socorros; ampliou o número de leitos na Maternidade Municipal Amador Aguiar e no Hospital Municipal Antônio Giglio; na maternidade, além de leitos conjuntos para mães e bebês, também criou 20 novos leitos de Unidade de Terapia Intensiva; implantou ambulatório pediátrico e o Centro de Fisioterapia. Um dos principais destaques foi a contratação de mais médicos, que possibilitou ampliar o número de 15 mil para 25 mil atendimentos.
    A administração Rogério Lins também tem investido em infraestrutura com o programa Asfalto Novo, substituição das lâmpadas de vapor de sódio por lâmpadas de LED e desenvolvimento do programa “Seu Bairro no Coração da Gente”, que reúne ações de zeladoria, limpeza e revitalização, a fim de organizar bairro a bairro e resgatar o orgulho e amor que o cidadão sente pela cidade.
    Os investimentos da administração pública também se ampliam nas demais áreas com a oferta de empregos, através da reabertura dos Portais do Trabalhador; implantação do Mãos do Futuro, espaço que qualifica e forma a mão de obra para o concorrido mercado; dos CIDs (Centro Itinerante Digital), que oferecem cursos de informática gratuitos. Essas ações são complementadas pelo empenho na atração de novas empresas, que geram emprego e renda à população.
    Para garantir mais obras e infraestrutura, Rogério Lins tem recorrido aos governos federal e estadual. Há dois meses conseguiu a liberação de R$ 15 milhões para a área de Saúde, que virão por meio de emendas parlamentares; parceria com o governo do Estado para trazer um AME (Ambulatório Médico de Especialidades) a cidade, o que já foi ratificado pelo edital publicado no Diário Oficial do Estado no dia 13/12; construção do novo acesso a Osasco a partir da Rodovia Castello Branco; e vem muito mais por aí. (SECOM)
  • CIÊNCIA E SAÚDE: Derretimento do gelo da Groenlândia é o maior dos últimos três séculos, diz relatório
    Estudo fornece novas evidências dos impactos das mudanças climáticas no derretimento do Ártico e na elevação global do nível do mar
     
     
    Por G1
    O derretimento da superfície da camada de gelo da Groelândia começou a aumentar em meados do século XIX e depois aumentou drasticamente durante o século XX e início do século XXI, não mostrando sinais de diminuir, de acordo com uma nova pesquisa publicada nesta quarta-feira, 5 de dezembro de 2018, na revista "Nature". O estudo fornece novas evidências dos impactos das mudanças climáticas no derretimento do Ártico e na elevação global do nível do mar.
    "O derretimento da camada de gelo da Groelândia entrou em colapso. Como resultado, o derretimento está aumentando o nível do mar mais do que durante os últimos três séculos e meio", disse Luke Trusel, um glaciologista da Escola de Terra e Meio Ambiente da Universidade de Rowan. "E o aumento do derretimento começou na mesma época em que começamos a alterar a atmosfera em meados do século XIX", disse.
    "A partir de uma perspectiva histórica, as taxas de derretimento de hoje estão fora das tabelas, e este estudo fornece as evidências para provar isso", disse Sarah Das, glaciologista do Instituto Oceanográfico Woods Hole (WHOI) e co-autora do estudo. "Encontramos um aumento de 50% no total do escoamento de água de gelo em comparação com o início da era industrial e um aumento de 30% desde o século XX."
    Aumento do nível do mar
    A perda de gelo da Groelândia é um dos principais impulsionadores da elevação global do nível do mar. Os icebergs que chegam ao oceano a partir da borda das geleiras representam um componente da água que retorna ao oceano e eleva o nível do mar.
    Mais da metade da água da folha de gelo que entra no oceano vem do escoamento da neve derretida e do gelo glacial no topo da camada de gelo. O estudo sugere que, se o derretimento da camada de gelo da Groelândia continuar em "taxas sem precedentes" - que os pesquisadores atribuem aos verões mais quentes - pode acelerar o ritmo já rápido da subida do nível do mar.
    "Ao invés de aumentar constantemente conforme o clima se aquece, a Groelândia vai derreter cada vez mais para cada grau de aquecimento. A elevação do nível do mar e do derretimento que já observamos será diminuída pelo que pode ser esperado no futuro, enquanto o clima continua aquecido", disse Trusel.
    O estudo
    Para determinar com que intensidade o gelo da Groelândia derreteu nos séculos passados, a equipe de pesquisa usou uma broca do tamanho de um poste de luz para extrair amostras de gelo da camada de gelo e de uma camada de gelo costeira adjacente, em locais a mais de 2.000 metros acima do nível do mar.
    Os cientistas perfuraram essas elevações para garantir que os núcleos contivessem registros da intensidade do degelo passado, permitindo-lhes estender seus registros de volta ao século XVII. Durante os dias quentes de verão na Groelândia, o derretimento ocorre em grande parte da superfície da camada de gelo. Em altitudes mais baixas, onde o derretimento é o mais intenso, a água derretida escorre da camada de gelo e contribui para a elevação do nível do mar, mas nenhum registro do degelo permanece.
    Em altitudes mais elevadas, no entanto, a água de degelo do verão recua rapidamente do contato com a camada de neve abaixo do ponto de congelamento, que fica embaixo. Isso impede que ele escape da camada de gelo na forma de escoamento. Em vez disso, forma faixas geladas distintas que se acumulam em camadas de gelo denso ao longo do tempo.
    As amostras do núcleo foram levadas aos laboratórios de gelo da Fundação Nacional de Ciência dos EUA em Denver, Colorado, e no Instituto de Pesquisa do Deserto em Reno, Nevada, onde os cientistas mediram as propriedades físicas e químicas ao longo dos núcleos para determinar a espessura e a idade das camadas fundidas. Faixas escuras correndo horizontalmente através dos núcleos, como os carrapatos em uma régua, permitiram que os cientistas registrassem visualmente a força do derretimento na superfície de ano para ano. As camadas mais grossas do derretimento representaram anos de maior fusão, enquanto as seções mais finas indicaram anos com menos derretimento.
    Combinando resultados de múltiplos núcleos de gelo com observações de fusão de satélites e modelos climáticos sofisticados, os cientistas foram capazes de mostrar que a espessura das camadas de derretimento anuais que eles observaram claramente rastreou não apenas quanto derretimento estava ocorrendo nos locais de perfuração, mas também muito mais amplamente em toda a Groelândia. Essa inovação permitiu que a equipe reconstruísse o escoamento de água de degelo nas bordas de elevação mais baixa da camada de gelo - as áreas que contribuem para o aumento do nível do mar.
    "Nós sentimos que houve um grande derretimento nas últimas décadas, mas antes não tínhamos base para comparação com as taxas de derretimento mais antigas", disse Matt Osman, que participou do estudo. "Através da amostragem de gelo, fomos capazes de estender os dados de satélite por um fator de 10 e obter uma imagem mais clara de quão extremamente incomum tem sido o derretimento nas últimas décadas em comparação com o passado".
    Trusel disse que a nova pesquisa fornece evidências de que o rápido derretimento observado nas últimas décadas é altamente incomum quando colocado em um contexto histórico.
    "Para poder responder o que pode acontecer com a Groelândia, precisamos entender como a Groelândia já respondeu à mudança climática", disse ele. "O que nossos núcleos de gelo mostram é que a Groelândia está agora em um estado onde é muito mais sensível a novos aumentos de temperatura do que há 50 anos atrás".
    Um aspecto notável das descobertas, disse Das, foi o pouco aquecimento adicional que agora leva para causar grandes picos de gelo no derretimento das placas de gelo.
    "Mesmo uma pequena mudança na temperatura causou um aumento exponencial no derretimento nos últimos anos", disse ela. "Portanto, a resposta da camada de gelo ao aquecimento causado pelo homem não foi linear" - Sarah Das, glaciologista do Instituto Oceanográfico Woods Hole (WHOI) e co-autora do estudo.
    Trusel concluiu: "O aquecimento significa mais hoje do que no passado". (G1) Foto (Grandes rios se formam na superfície da Groenlândia a cada verão, movendo rapidamente a água derretida da camada de gelo para o oceano. — Foto: Sarah Das, Woods Hole Oceanographic Institution)
     
    Qual a sua opinião sobre o aquecimento global, o derretimento da geleiras, a consequência disso para a humanidade e todos seres vivos na Terra? E, sobretudo, sobre o papel do homem nesse processo?

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.