Sexta, 14 Dezembro 2018 | Login
Borboletário de Osasco: Uma excelente opção de conhecimento e lazer

Borboletário de Osasco: Uma excelente opção de conhecimento e lazer Featured

Se você quer conhecer mais sobre um dos insetos mais incríveis e mais lindos do mundo, visite o Borboletário de Osasco

 

Por Olga Adélia - 

Localizado na zona Norte de Osasco, dentro do Parque Ecológico do Jardim Piratininga, o Borboletário Municipal, órgão vinculado à Secretaria de Meio Ambiente (SEMA), oferece à população a oportunidade de conhecer um pouco mais sobre os hábitos e ciclo de vida das borboletas.O espaço é aberto ao público em geral e funciona de terça a sábado, das 10h às 16h. Nos dias chuvosos e frios não há visitação.

Borboletário 1

No mês passado, dia 30/08, o Borboletário de Osasco foi notícia no portal São Paulo para Crianças, plataforma digital de conteúdo com mais de 1,2 milhão de views. A matéria pode ser conferida através do link:http://saopauloparacriancas.com.br/gratis-borboletario-osasco-passeio-divertido-diferente-garotada/

Mensalmente, o Borboletário recebe cerca de 800 pessoas e, por ano, já atingiu a marca de 8.500 visitantes. Segundo o Departamento Técnico de Educação Ambiental (DTEA), da Prefeitura de Osasco, o Borboletário incrementa as ações de educação ambiental da Secretaria de Meio Ambiente e recebe um público bem diversificado, entre escolas públicas e privadas, estudiosos, curiosos, instituições, igrejas, associações de crianças carentes, portadores de necessidades especiais, grupos de terceira idade, munícipes da cidade e região, entre outros.

 

No criadouro de borboletas, os visitantes têm contato com as várias espécies que vivem por lá, aprendem sobre o conjunto das transformações que ocorre durante o seu ciclo de vida, a importância delas para a biodiversidade e até mesmo sobre os alimentos que consomem. Os visitantes também visitam o laboratório onde as lagartas se desenvolvem antes de virarem borboletas.

 

Existem 12 espécies de borboletas no Borboletário de Osasco, destacando-se as mais populares: as Caligo illioneus (borboleta coruja) e a Danaus plexippus (borboleta-monarca). As demais são a Methona themisto (borboleta jurubeba), Hamadryas februa (borboleta estaladinha), Heliconius erato (borboleta castanha vermelha), Heraclides thoas brasiliensis (borboleta caixão-de-defunto), Dryas Julia (borboleta flambeau) e Ascia monuste (borboleta amarelinha), Siproeta stelenes (borboleta neotropical), Phoebis neocypris (enxofre de cauda) e Heraclides anchisiades (borboleta rosa-de-luto).

Borboletário 3

O passeio conta ainda com uma mini-aula de Educação Ambiental na “Varandinha”, espaço localizado ao lado da entrada principal do Borboletário, onde acontecem as palestras.

Como as borboletas e lagartas necessitam de ambiente silencioso e adequados à sua sobrevivência, as visitas são divididas em grupos pequenos e monitoradas pela equipe de biólogos do Borboletário e pela coordenadora do espaço, Paulina Arce.

 

Você sabia?

Borboletário 4

Que o corpo da borboleta é muito leve. Possui cabeça com um par de antenas longas, um par de olhos compostos, formado por várias lentes e a boca na forma de canudinho, usado para sugar o néctar das flores. Tem seis patas e, em geral, dois pares de asas. E abriga alguns órgãos, entre eles reprodutivos.

As borboletas podem voar até 20km/h e medir de 5mm a 30cm, vivendo entre 1 dia e 1 ano, dependendo da espécie. (Texto: Olga Liotta/SECOM - Fotos: arquivo SEMA)

 

Serviço

Borboletário de Osasco

Endereço: Rua David Silva, 111, Jd. Piratininga, zona Norte, dentro do Parque Ana Luiza

Moura Freitas

Visitação gratuita: terça a sábado, das 10h às 16h

000

About Author

Related items

  • CIÊNCIA E SAÚDE: Derretimento do gelo da Groenlândia é o maior dos últimos três séculos, diz relatório
    Estudo fornece novas evidências dos impactos das mudanças climáticas no derretimento do Ártico e na elevação global do nível do mar
     
     
    Por G1
    O derretimento da superfície da camada de gelo da Groelândia começou a aumentar em meados do século XIX e depois aumentou drasticamente durante o século XX e início do século XXI, não mostrando sinais de diminuir, de acordo com uma nova pesquisa publicada nesta quarta-feira, 5 de dezembro de 2018, na revista "Nature". O estudo fornece novas evidências dos impactos das mudanças climáticas no derretimento do Ártico e na elevação global do nível do mar.
    "O derretimento da camada de gelo da Groelândia entrou em colapso. Como resultado, o derretimento está aumentando o nível do mar mais do que durante os últimos três séculos e meio", disse Luke Trusel, um glaciologista da Escola de Terra e Meio Ambiente da Universidade de Rowan. "E o aumento do derretimento começou na mesma época em que começamos a alterar a atmosfera em meados do século XIX", disse.
    "A partir de uma perspectiva histórica, as taxas de derretimento de hoje estão fora das tabelas, e este estudo fornece as evidências para provar isso", disse Sarah Das, glaciologista do Instituto Oceanográfico Woods Hole (WHOI) e co-autora do estudo. "Encontramos um aumento de 50% no total do escoamento de água de gelo em comparação com o início da era industrial e um aumento de 30% desde o século XX."
    Aumento do nível do mar
    A perda de gelo da Groelândia é um dos principais impulsionadores da elevação global do nível do mar. Os icebergs que chegam ao oceano a partir da borda das geleiras representam um componente da água que retorna ao oceano e eleva o nível do mar.
    Mais da metade da água da folha de gelo que entra no oceano vem do escoamento da neve derretida e do gelo glacial no topo da camada de gelo. O estudo sugere que, se o derretimento da camada de gelo da Groelândia continuar em "taxas sem precedentes" - que os pesquisadores atribuem aos verões mais quentes - pode acelerar o ritmo já rápido da subida do nível do mar.
    "Ao invés de aumentar constantemente conforme o clima se aquece, a Groelândia vai derreter cada vez mais para cada grau de aquecimento. A elevação do nível do mar e do derretimento que já observamos será diminuída pelo que pode ser esperado no futuro, enquanto o clima continua aquecido", disse Trusel.
    O estudo
    Para determinar com que intensidade o gelo da Groelândia derreteu nos séculos passados, a equipe de pesquisa usou uma broca do tamanho de um poste de luz para extrair amostras de gelo da camada de gelo e de uma camada de gelo costeira adjacente, em locais a mais de 2.000 metros acima do nível do mar.
    Os cientistas perfuraram essas elevações para garantir que os núcleos contivessem registros da intensidade do degelo passado, permitindo-lhes estender seus registros de volta ao século XVII. Durante os dias quentes de verão na Groelândia, o derretimento ocorre em grande parte da superfície da camada de gelo. Em altitudes mais baixas, onde o derretimento é o mais intenso, a água derretida escorre da camada de gelo e contribui para a elevação do nível do mar, mas nenhum registro do degelo permanece.
    Em altitudes mais elevadas, no entanto, a água de degelo do verão recua rapidamente do contato com a camada de neve abaixo do ponto de congelamento, que fica embaixo. Isso impede que ele escape da camada de gelo na forma de escoamento. Em vez disso, forma faixas geladas distintas que se acumulam em camadas de gelo denso ao longo do tempo.
    As amostras do núcleo foram levadas aos laboratórios de gelo da Fundação Nacional de Ciência dos EUA em Denver, Colorado, e no Instituto de Pesquisa do Deserto em Reno, Nevada, onde os cientistas mediram as propriedades físicas e químicas ao longo dos núcleos para determinar a espessura e a idade das camadas fundidas. Faixas escuras correndo horizontalmente através dos núcleos, como os carrapatos em uma régua, permitiram que os cientistas registrassem visualmente a força do derretimento na superfície de ano para ano. As camadas mais grossas do derretimento representaram anos de maior fusão, enquanto as seções mais finas indicaram anos com menos derretimento.
    Combinando resultados de múltiplos núcleos de gelo com observações de fusão de satélites e modelos climáticos sofisticados, os cientistas foram capazes de mostrar que a espessura das camadas de derretimento anuais que eles observaram claramente rastreou não apenas quanto derretimento estava ocorrendo nos locais de perfuração, mas também muito mais amplamente em toda a Groelândia. Essa inovação permitiu que a equipe reconstruísse o escoamento de água de degelo nas bordas de elevação mais baixa da camada de gelo - as áreas que contribuem para o aumento do nível do mar.
    "Nós sentimos que houve um grande derretimento nas últimas décadas, mas antes não tínhamos base para comparação com as taxas de derretimento mais antigas", disse Matt Osman, que participou do estudo. "Através da amostragem de gelo, fomos capazes de estender os dados de satélite por um fator de 10 e obter uma imagem mais clara de quão extremamente incomum tem sido o derretimento nas últimas décadas em comparação com o passado".
    Trusel disse que a nova pesquisa fornece evidências de que o rápido derretimento observado nas últimas décadas é altamente incomum quando colocado em um contexto histórico.
    "Para poder responder o que pode acontecer com a Groelândia, precisamos entender como a Groelândia já respondeu à mudança climática", disse ele. "O que nossos núcleos de gelo mostram é que a Groelândia está agora em um estado onde é muito mais sensível a novos aumentos de temperatura do que há 50 anos atrás".
    Um aspecto notável das descobertas, disse Das, foi o pouco aquecimento adicional que agora leva para causar grandes picos de gelo no derretimento das placas de gelo.
    "Mesmo uma pequena mudança na temperatura causou um aumento exponencial no derretimento nos últimos anos", disse ela. "Portanto, a resposta da camada de gelo ao aquecimento causado pelo homem não foi linear" - Sarah Das, glaciologista do Instituto Oceanográfico Woods Hole (WHOI) e co-autora do estudo.
    Trusel concluiu: "O aquecimento significa mais hoje do que no passado". (G1) Foto (Grandes rios se formam na superfície da Groenlândia a cada verão, movendo rapidamente a água derretida da camada de gelo para o oceano. — Foto: Sarah Das, Woods Hole Oceanographic Institution)
     
    Qual a sua opinião sobre o aquecimento global, o derretimento da geleiras, a consequência disso para a humanidade e todos seres vivos na Terra? E, sobretudo, sobre o papel do homem nesse processo?
  • IMPASSE: Exército impede acesso de equipes da prefeitura de Osasco a conjunto habitacional
     
    Nessa terça-feira, às 9 horas, a Prefeitura de Osasco enviará, novamente, suas equipes para realizar as obras de recapeamento na via de acesso ao Conjunto Habitacional Miguel Costa, construído em área anexa ao Exército, no bairro de Quitaúna, zona Sul da cidade.
    Na semana anterior, homens do Exército impediram o acesso dos caminhões, alegando que a via, ao lado do quartel, é para uso exclusivo das unidades militares.
    Entenda o caso
    .O Conjunto Miguel Costa é um projeto do governo federal em parceria com a Prefeitura e teve início em 2016. Na área onde os prédios foram construídos, havia uma comunidade carente, vivendo em moradias muito precárias.
    Essas famílias chegavam ao terreno pelo acesso de nível da estação de trem – onde há uma cancela – que dá acesso a uma via pública (entre o Quartel do Exército e a linha férrea)
    . O Conjunto Habitacional, construído para atender a demanda habitacional, abrigará a população que já morava na área, além de moradores do Rochdale e do Jardim Santa Rita.
    .Foram realizadas inúmeras reuniões entre Prefeitura e integrantes do Exército. A última reunião entre as partes ocorreu em outubro, onde foram apresentados os estudos da Prefeitura para acesso dos futuros moradores ao Conjunto Habitacional Miguel Costa:
    1 – construção de um túnel,
    2 – viaduto transpondo a Avenida dos Autonomistas e passando sobre a linha férrea, e
    3 – nova saída pela extensão da avenida Marginal (Avenida das Nações Unidas)
    A extensão da avenida mostrou-se como a alternativa técnica e financeiramente mais viável e rápida. Para a extensão dessa via seria necessário a seção de área da União/Exército de aproximadamente 340 metros de comprimento e 15 metros de largura.
    Prefeitura e Exército ainda não entraram em acordo, pois o Exército está relutante, alegando que ocupar o Conjunto Habitacional comprometeria a segurança da unidade militar.
    Para a execução da obra, o projeto foi aprovado em todas as instâncias competentes.
    Serviço:
    Recapeamento de via de acesso ao Conjunto Miguel Costa
    Dia: 4/12
    Local: Avenida dos Autonomistas, em frente ao quartel do Exército, em Quitaúna, em Osasco.
    Contato: Simone Trino (99952-0517) ou Olga Liota (98839-6164).
  • OSASCO: Exposição celebra os 50 anos da Escola de Artes César Antônio Salvi
     
     
    A Escola de Artes César Antônio Salvi está comemorando 50 anos de fundação. Para celebrar a data, a Prefeitura de Osasco, por meio da Secretaria da Cultura, preparou uma exposição especial que ficará em cartaz no hall do Teatro Municipal Glória Giglio. A abertura acontece neste sábado, 01/12, às 18 horas, e segue até 08/12, com entrada gratuita.
     
    O visitante da exposição terá a oportunidade de revisitar os principais momentos da Escola de Artes desde a sua fundação. A escola mantém cursos gratuitos de: Teatro adulto e infantil - Dança do Ventre - Dança Livre – Jazz – Ballet - Músicas Atuais - Artes Plásticas, Desenho (iniciação, intermediário e avançado para criança, adolescente e adulto) - Pintura em tela - Introdução à Pintura - Aquarela - Desenho da Figura Humana - Processos Criativos na Arte Contemporânea – Caricatura – Modelagem – Escultura – Abstracionismo - História da Arte - Arte para Educadores - Ateliê Avançado.
    Além dos espaços destinados às aulas, dispõe ainda de um hall para exposições e eventos, e o Teatro Nivaldo Santana que abriga as apresentações de seus alunos e docentes, bem como atividades da comunidade artística local.
    A Escola de Artes César Antonio Salvi é uma instituição pública mantida pela Prefeitura de Osasco, através da Secretaria da Cultura (SC) e está situada na Rua Tenente Avelar Pires de Azevedo nº 360, no Centro. (Texto: Samuel Sanches - Foto: Ismael Francisco)

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.