Terça, 19 Fevereiro 2019 | Login
Servidores públicos de Cotia continuam em greve e ocupam a Prefeitura

Servidores públicos de Cotia continuam em greve e ocupam a Prefeitura Featured

Os funcionários resolveram parar em manifestação contra cortes de benefícios. Prefeito Rogério Franco diz que teve que tomar 'iniciativa impopular' para 'fazer o que precisa ser feito nos outros segmentos'
 
Há mais de uma semana os servidores públicos de Cotia, região Oeste da Grande São Paulo, estão em greve devido a cortes de benefícios e mudanças nos planos de carreira dos trabalhadores municipais. Na noite desta segunda-feira, 06/07, parte dos servidores ocupou e pernoitou na Prefeitura. Eles estão parados desde o dia 31 de julho, quando protestaram em frente ao prédio do Poder Executivo. As escolas municipais, o Serviço social e parte da Guarda Civil estão parados.
Cotia greve 2
 
Entre os cortes, alegados pelos servidores, está o fim da "sexta parte", uma bonificação para quem completava 20 anos de trabalho. As escolas municipais não voltaram a funcionar no dia 30 de julho. Para explicar o motiva da paralisação, os professores entregaram um aviso para os pais dos alunos.
Em entrevista ao G1, o prefeito Rogério Franco (PSD) disse que não retornará com os benefícios. “Eles tentam fazer uma pressão no sentido que eu volte atrás nas minhas decisões, eu não vou voltar atrás nas minhas decisões. A minha convicção é que estou fazendo o bem para 250 mil habitantes, para resolver os problemas da cidade. Infelizmente tivemos que tomar essa iniciativa impopular para que a gente fizesse realmente o que precisa ser feito nos outros segmentos da nossa cidade", alegou o prefeito
Novos protestos
 
Cotia greve 3
Nesta terça-feira, após pernoitarem na sede da Prefeitura, os servidores foram até a Câmara Municipal, onde foram recebidos pelos vereadores.
A Prefeitura entrou com pedido liminar para a desocupação do prédio. Mas, até o final da manhã de hoje, o pedido ainda não havia sido julgado pela Justiça. Durante todos esses dias, os servidores têm feito manifestações em frente à Prefeitura. Eles pedem uma reunião com o prefeito Rogério Franco para discutirem reajuste salarial e o plano de carreira.
No encontro com os vereadores, representantes de diversos setores da Prefeitura, como Guarda Municipal, Educação, Saúde e da Administrativo, além de representes do Sintrasp (Sindicato dos Servidores), apresentaram as reivindicações da categoria. Os vereadores prometeram levar a pauta para ao prefeito e também marcaram uma nova reunião para o próximo dia 14.
Em nota, a Prefeitura de Cotia fala sobre a greve:
"A Prefeitura de Cotia informa que a paralisação dos servidores afeta, especificamente, a área da Educação. Os demais serviços funcionam normalmente. O movimento começou no dia 31 de julho deste ano. Nesta terça-feira (7/08), a paralisação afeta 15 das 109 escolas municipais". (Fonte G1 e Portal Viva Cotia)
000

About Author

Related items

  • SAÚDE: Prefeito de Osasco desmente greve de médicos e anuncia troca de OS que administra o Hospital Municipal

    Rogério Lins disse que os boatos sobre greve dos médicos, que alarmaram a cidade, foram provocados por fake news.

     

    Nesta segunda-feira, 04/02, o prefeito de Osasco, Rogério Lins, convocou uma entrevista coletiva no Hospital Municipal Antônio Giglio, para desmentir os boatos sobre uma greve dos médicos da unidade, que começaria na manhã de hoje. Segundo o prefeito, os boatos publicados nas redes sociais desde sexta-feira, 1º, e que alarmaram a população, foram provocados por fake news, certamente por motivos políticos.

    Rogério Lins coletiva no hospital

    Durante a coletiva, Rogério Lins anunciou também a troca da OS (Organização Social), que administra o HMAG e as UPAs Centro, Vila Menk e Conceição. O contrato com o Instituto Instituto Social Saúde Resgate à Vida (ISSRV), terminará no dia 6 de março deste ano, mas, dentro de 120 dias, ele deixará a administração do Hospital Municpal, permanecendo apenas no comando das três UPAs citadas.

    Também nesta segunda-feira, o prefeito instalou o seu gabinete numa das salas do Hospital, onde ficará despachando por uma semana. Essa medida foi tomada para ele resolver problemas pontuais de administração da unidade, no início dessa transição para a abertura de licitação e contratação de novos administradores.Junto com o prefeito despacharão também no Hospital os secretários Sérgio Di Nizo (Governo), Pedro Sotero (Finanças) e João de Deus (Saúde).

    Na coletiva, Rogério Lins esteve acompanhado dos diretores do ISSRV, Ricardo Emiliano Rodrigues Sanches (presidente) e dos consultores médicos Evandro Ruck e Rubens Pereira dos Santos. Eles também confirmaram que o funcionamento do Hospital não sofreu nenhuma paralisação. Ao abordar as notícias falsas sobre atraso nos pagamentos dos médicos, conforme foi noticiado pelo Sindicato dos profissionais, Rogério Lins disse que isso pode ser constatado no Portal da Transparência da Prefeitura.

    "Os salários foram pagos na sexta-feira, dia 1º, o sindicato esteve reunido com a OS, inclusive, descartando qualquer tipo de grefe. Caso haja dúvidas, podem acessar o Portal da Transparência e constatar que fizemos os repasses dos valores. Em relação aos celetistas, eles serão pagos adiantados nesta terça-feira, 05/002", afirmou Lins.

    Participaram também da coletiva, os vereadores Ribamar Silva, Presidente da Câmara Municipal; Alex Sá, Vice-Presidente, e Daniel Matias, primeiro Secretário.

     
  • EXCLUSIVO! Clima de guerra em votação do SampaPrev na Câmara de São Paulo

    Professores protestam contra projeto da Previdência. Suplicy abraça-se a uma mulher que estava sendo retirada por Guardas Municipais

     

    Além do calor insuportável desta sexta-feira, 21/12, em São Paulo, o clima está também elevadíssimo no Plenário e nas galerias da Câmara Municipal da Capital. Os vereadores estão votando o SampaPrev, projeto enviado pelo prefeito Bruno Covas (PSDB), que trata de mudança na Previdência dos servidores municipais.

    Há poucos minutos, professores revoltados com a proposta do Executivo tentaram falar, mas, como houve um grande tumulto, eles foram impedidos pela direção da Casa. O Projeto provoca também discussões entres situação e oposição.

    Como o clima esquentou de vez, os guardas municipais foram chamados para retirar os mais exaltados do Plenário, como mostramos neste vídeo em primeira mão.

    Em determinado momento, o vereador Eduardo Suplicy (PT) abraçou uma mulher e a retirou das mãos dos policiais. A suspensão da sessão chegou, inclusive, a ser proposta, mas, prosseguiu após os ânimos ficarem mais calmos.

    Hoje, os vereadores paulistanos estão tentando aprovar o SampaPrev em primeira votação, para posteriormente, fazer a segunda e também aprovar o Orçamento de 2019, provavelmente no dia 26.

    Entenda o SampaPrev

    Alegando que há um rombo no orçamento de São Paulo, principalmente, para garantir as futuras aposentadorias, o então prefeito João Doria (PSDB), elaborou o Projeto SampaPrev para garantir recursos para a aposentadoria.

    Assim, o Executivo paulistano propõem que todos os servidores passem a contribuir com no mínimo 14%, sendo que atualmente a alíquota é de 11%. Essa é a principal mudança no sistema de aposentaria e também que vem causando os protestos dos servidores municipais de São Paulo. Hoje a prefeitura tem a obrigação de contribuir com 22%, o dobro da contribuição dos servidores. (Renato Ferreira)

  • Funcionários dos Correios entram em greve por tempo indeterminado
    Nesta segunda-feira, 12/03, os funcionários dos Correios entraram em greve em todo o Brasil por tempo indeterminado. Segundo os grevistas, o principal motivo da paralisação é evitar mudanças no plano de saúde dos funcionários, que envolvem a cobrança de mensalidades do titular e de dependentes. Funcionários que trabalham de madrugada paralisaram as atividades às 22 horas do domingo, 11.
    Eles cruzam os braços no mesmo dia em que o Tribunal Superior do Trabalho (TST) inicia o julgamento referente ao plano de saúde, depois de trabalhadores e empresa terem tentado,sem sucesso, chegar a um acordo sobre o assunto.
    Em nota, os Correios disseram que a empresa "aguarda uma decisão conclusiva por parte do tribunal para tomar as medidas necessárias, mas ressalta que já não consegue sustentar as condições do plano, concedidas no auge do monopólio, quando os Correios tinham capacidade financeira para arcar com esses custos".
     
    Conforme informou a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect), a direção da empresa quer que os funcionários arquem com mensalidades do plano, assim como a retirada de dependentes. Além disso, afirma, o benefício poderá ser reajustado conforme a idade, chegando a mensalidades acima de R$ 900,00.
    A greve dos funcionários dos Correios servirá também para protestar contra as alterações no Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS), a terceirização na área de tratamento, a privatização da empresa, suspensão das férias dos trabalhadores, extinção do diferencial de mercado e a redução do salário da área administrativa. A categoria defende ainda a contratação de novos funcionários via concurso público e o fim dos planos de demissão. (Conteúdo do Jornal O Estado de Minas)

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.