Sexta, 22 Fevereiro 2019 | Login
TRAGÉDIA ANUNCIADA: Prédio desaba durante incêndio no centro de São Paulo

TRAGÉDIA ANUNCIADA: Prédio desaba durante incêndio no centro de São Paulo Featured

Segundo o Corpo de Bombeiros, o prédio já havia passado por vistoria, quando eles relataram as péssimas condições do imóvel e o perigo de desabamento
 
 
Neste 1º de Maio de 2018 - Dia do Trabalho - quando deveria ser um dia apenas de festa no Brasil, apesar do alto de desemprego, na cidade de São Paulo, a data ficará marcada por mais uma tragédia. E, sem dúvida, uma tragédia anunciada. Na madrugada de hoja, um prédio de 26 andares desabou durante um incêndio de grandes proporções no Largo do Paissandu, no centro da cidade. Um edifício vizinho também pegou fogo, mas, segundo informações, não corre risco de cair. Um templo centenário, de uma Igreja Evangélica, teve também grande parte destruída. Mais de 100 homens de várias unidades do Corpo de Bombeiros foram para o local, onde continuam no trabalho de busca do de vítimas nos escombros do prédio.
 
Trata-se de um edifício do governo Federal, onde funcionava até 2010 a sede da Polícia Federal em São Paulo, que foi para a nova sede no Bairro da Lapa, na zona Oeste da Capital. Depois da saída da PF, o imóvel foi praticamente abandonado e passou a ser ocupado por movimentos populares, como os Sem Teto. As informações ainda são desencontradas, mas, segundo consta, no mínimo, 50 famílias residiam no local. Outras pessoas informam que já eram mais de 100 famílias ocupando o prédio. Não há ainda informações sobre vítimas - feridos ou mortes.
prédio desaba em são paulo
 
Conforme o Corpo de Bombeiros informou, o incêndio teria começado por volta de 1h30. O desabamento ocorreu em torno das 3h, em consequência das chamas. As causas do incêndio ainda são desconhecidas, mas as informações iniciais são de que o fogo começou no 5º andar do prédio. Havia muito material de fácil combustão no local, como papelão e madeira. Alguns edifícios próximos foram evacuados e toda área está isolada. As informações da Defesa Civil são de que o prédio que desabou era ocupado por dezenas famílias de pessoas em situação de rua, porém, sem números exatos.
Segundo comerciantes do da região, antes de a construção ruir, algumas pessoas pediam socorro no último andar. Um vídio mostra, quando os Bombeiros tentavam resgatar com cordas um homem nos dos últimos andares. As chamas começaram no quinto andar e foram se alastrando rapidamente para os níveis superiores. Ao todo, 160 militares atuam no combate ao incêndio e no resgate das vítimas.
Alerta
 
De acordo com o Corpo de Bombeiros, o prédio já havia passado por vistoria, na qual foram relatadas as péssimas condições do local às autoridades do município. De acordo com a corporação,os compartimentos entre os andares eram divididos por madeira, o que ajudou a propagar as chamas.
Representantes da Prefeitura e da Defesa Civil Estadual estão no local e realizam cadastramento de todas as famílias que poderiam estar no prédio no momento do incêndio. Um edifício vizinho também foi atingido e as chamas se espalharam por dois andares. Ele foi esvaziado e interditado. (Fonte: Veja)
 
Temer xingado
 
Diversas autoridades já estiveram no local para demonstrar solidariedade. O primeiro foi o Presidente Michel Temer, que acabou sendo xingado e hostilizado por populares. O prefeito Bruno Covas deu entrevista e disse que a Prefeitura ja vinha fazendo um trabalho de regularização das famílias para que as mesmas pudessem ser transferidas desse e de outros imóveis ocupados de forma irregular na Capital paulista. O governador de São Paulo, Márcio França, também passou pelo local e prometeu apoio do governo no atendimento aos desabrigados e regularização das ocupações irregulares.
 
Irresponsabilidade
 
Depois da tragédia anunciada, com certeza, todas as autoridades que deveriam tomar providências antes que elas acontecessem, vão dizer que tomaram providências e vão tentar jogar a responsabilidade para outros órgãos.
 
Mas, a realidade é que existem responsáveis e culpados por mais essa tragédia em São Paulo. Ou será que estaria certo o governo Federal em abandonar um prédio público da União? E a Prefeitura de São Paulo, na pessoa do prefeito de plantão, não seria responsável para evitar as ocupações irregulares. O Corpo de Bombeiros já avisou que alerto e apresentou relatórios sobre as condicões caóticas do prédio. O governo do Estado também tem a sua responsabilidade.
 
E quem ocupa também deveria saber do risco que as famílias de pessoas correm em tais ocupações. E a culpa menor é dessas pessoas simples, que acabam sendo usadas como massa de manobra de seus líderes, como os comandantes do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Terra), que tem no comando Guilherme Boulos, pré-candidato à Presidência da República pelo PSOL. Se eles têm capacidade de reunir essas famílias pobres para ocupar de forma irregular esses prédios, no mímino, eles deveriam se preocupar com as condições da habitação delas, cobrando das autoridades ou eles mesmo mesmo oferecendo as condições minimas de sobrevivência para essas pessoas. (Renato Ferreira)
 
Atualizado às 19h de hoje
 
Prédio não era ocupado pelo MTST
 
Conforme publicamos erroneamente com base nas primeiras informações, a ocupação ilegal do prédio não era organizada pelo MTST e, sim, pelo Movimento de Luta Social por Moradia (MLSM). De Curitiba, onde está desde a parte da manhã para participar das comemorações do Dia do Trabalho e da lula pela liberdade de Lula, Guilherme Boulos, líder do MTST, disse que mesmo não sendo a ocupação organizada pelo MSTS, o MLSM tem a sua solidariedade. "Ninguém invade uma propriedade porque quer e, sim, por necessidade. De toda forma, o MSLM tem a nossa completa solidariedade em um momento tão grave como esse. Nós exigimos celeridade nas buscas e também respostas de alternativa habitacional para os desabrigados", disse Boulos.
000

About Author

Related items

  • JUSTIÇA: Ministro Fachin nega outro pedido de liberdade para Lula

     

    Nesta quarta-feira, 20/02, o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Luiz Edson Fachin, negou outro pedido de liberdade apresentado pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

    Lula foi preso em abril de 2018 e desde aquela época, o Supremo já negou uma série de pedidos de liberdade apresentados pela defesa do ex-presidente petista. Outros pedidos foram negados também em outras instâncias da Justiça, como o TRF4 e pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça).

    Neste caso específico, a defesa de Lula alegava nulidades no processo. O argumento dos advogados era que o relator da Lava Jato no STJ (Superior Tribunal de Justiça), ministro Felix Fischer, não poderia ter negado o pedido em decisão monocrática. O recurso do ex-presidente era para tentar reverter a condenação do caso triplex do Guarujá (SP). De acordo com a defesa de Lula, o recurso deveria ter sido julgado pelo colegiado do STJ.

    Ao justificar o arquivamento do pedido, Fachin alega que não houve ilegalidade na decisão de Fischer. De acordo com o ministro do Supremo, é “sempre desejável, recomendável ou mesmo necessário” que os ministros não decidam sozinhos sobre esse tipo de recurso, mas que “o proceder está regimentalmente autorizado”.

    O ex-presidente petista está preso desde o dia 7 de abril de 2018 na Superintendência da PF (Polícia Federal) em Curitiba. No caso do tríplex, Lulai condenado a 12 anos e 1 mês de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

    Sítio de Atibaia
    No dia 6 de fevereiro deste ano, Lula foi condenado também no caso do sítio de Atibaia. A juíza Gabriela Hardt, substituta do ministro da Justiça Sérgio Moro em processos da Operação Lava Jato, condenou o ex-presidente petista a 12 anos e 11 meses também pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. (Fonte: Portal Poder 360).

  • CORRUPÇÃO TUCANA: Lava Jato prende Paulo Preto e Aloysio Nunes deixa o Governo de São Paulo
    Sob acusação grave de corrupção, tucanos seguem o mesmo caminho dos petistas: a cadeia.
     
    Nesta terça-feira, 19/02, na 60ª fase da Operação Lava Jato, a Polícia Federal de Curitiba, prendeu Paulo Vieira de Souza, também conhecido como Paulo Preto, apontado como operador de esquemas de corrupção envolvendo o PSDB em São Paulo. A operação recebeu o nome de Ad Infinitum.
    Segundo o Ministério Público Federal do Paraná, 12 mandados de busca foram expedidos, entres eles, em endereços de Paulo Preto e do ex-senador e ex-chanceler Aloysio Nunes Ferreira Filho.
    O esquema
    A operação investiga um complexo esquema de lavagem de dinheiro de corrupção praticado pela Odebrecht e por Paulo Preto e outros três operadores, que atuaram entre 2007 e 2017. Segundo o MPF, as transações investigadas superam R$ 130 milhões, que correspondiam ao saldo de contas controladas por Paulo Preto na Suíça no início de 2017.
    Após a prisão, Paulo passou por uma audiência de custódia na sede da Polícia Federal de São Paulo. Até sexta-feira, 22, ele deverá ser levado para Curitiba.
    Operador tucano
    As investigações da força-tarefa da Lava Jato no Paraná revelaram a atuação de Paulo Preto como operador financeiro com importante papel num complexo conjunto de operações de lavagem de dinheiro em favor da empreiteira Odebrecht.
    Paulo Preto teria disponibilizado, no segundo semestre de 2010, R$ 100 milhões em espécie para um operador no Brasil, que teria entregue os valores ao Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht, aos cuidados de um doleiro. Esse doleiro pagava propinas, a mando da empresa, a vários agentes públicos e políticos, inclusive da Petrobras. Segundo o MPF, propinas foram pagas pela empreiteira, em espécie, para seis diretores e gerentes da Petrobras.
    Em contraprestação à entrega de valores em espécie por Paulo Preto ao Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht no Brasil, esse setor transferiu milhões de dólares para as contas de um doleiro no exterior. Este último operador, depois de descontar sua comissão, devida pela lavagem do dinheiro, ficava incumbido de fazer chegar às contas de Paulo Preto os recursos a ele devidos.
    A investigação apontou que houve também outras operações ilícitas entre os investigados. No dia 26 de novembro de 2007, por intermédio da offshore Klienfeld Services Ltd, a Odebrecht transferiu 275.776,04 de euros para a conta controlada por Paulo Preto, em nome da offshore Grupo Nantes, na Suíça. No mês seguinte, foi solicitada emissão de cartão de crédito, vinculado à sua conta, em nome de Aloysio Nunes Ferreira Filho. Além disso, foram identificados depósitos, no ano de 2008, por contas controladas pela Andrade Gutierrez e Camargo Correa, em favor da mesma conta controlada por Paulo Preto na Suíça, no valor global aproximado de US$ 1 milhão.
    Documentos apreendidos em fases anteriores da Lava Jato, fornecidas pela Odebrecht, depoimentos de colaboradores, troca de mensagens, relatórios de informação e extratos embasam a investigação. “Nesse contexto, foi fundamental a obtenção de evidências mediante a cooperação internacional entre o Brasil e quatro países: Suíça; Espanha, Bahamas e Singapura”, diz o MPF.
    “Parte das peças desse grande quebra-cabeça foi obtida pelo MPF a partir de acordos de leniência e de colaboração premiada, cooperações internacionais com quatro países, análise e relacionamento de provas obtidas em buscas e apreensões de fases anteriores da Lava Jato e afastamentos de sigilos fiscal e bancário. Os mandados de busca e apreensão que estão sendo cumpridos hoje visam a obter outras peças dessa gigantesca figura criminosa”, disse o procurador da República Roberson Pozzobon.
    Outro lado
    Paulo Preto já é investigado pela Lava Jato em São Paulo. Ele é réu em duas ações penais envolvendo obras de construção do Rodoanel Sul e do Sistema Viário de São Paulo. Em uma delas ele é acusado de peculato (desvio de dinheiro público), processo que se encontrava na fase de alegações finais, mas que foi anulado em liminar de habeas corpus pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes. A segunda ação é a de crime de cartel, que se encontra na fase de depoimentos das testemunhas de defesa.
    Procurada pela Agência Brasil, a defesa de Paulo Preto informou que não vai comentar a operação e a prisão de seu cliente. “Não tivemos acesso a qualquer documentação ainda”, informou a defesa.
    Aloysio sai
     Aloysio Nunes Foto George Gianni PSDB 3
    Acusado de participar do esquema de corrupção, o tucano Aloysio Nunes Ferreira deixa o Governo de João Doria
     
    Ontem também, após reunião com o governador João Doria (PSDB), Alysio Nunes Ferreira pediu demissão e deixou o Governo de São Paulo. Aloysio Nunes estava à frente da Investe SP.
    Por sua vez, o PSDB informou que “não é parte no processo em questão e não mantém qualquer tipo de vínculo com o sr. Paulo Vieira, jamais recebeu qualquer contrapartida de empresas nem autorizou terceiros a fazê-lo em seu nome. Os recursos recebidos pelo partido, em período eleitoral ou não, foram doados de maneira absolutamente legal e declarados à Justiça Eleitoral, respeitando a legislação vigente”.
    Também procurada pela reportagem, a Odebrecht informou que "tem colaborado de forma eficaz com as autoridades em busca do pleno esclarecimento dos fatos narrados pela empresa e seus ex-executivos. A Odebrecht já usa as mais recomendadas normas de conformidade em seus processos internos e segue comprometida com uma atuação ética, íntegra e transparente". (Agência Brasil)
  • POLÍTICA: Bolsonaro recebe alta e deixa hospital em São Paulo
     
    Nesta quarta-feira, 13/02, o presidente Jair Bolsonaro recebeu alta médica e deixou o Hospital Albert Einstein, na capital paulista, às 12h20. Cerca de dez carros, acompanhados de batedores da Polícia do Exército e carros da Rota fizeram a segurança do presidente. Um helicóptero da Polícia Militar também auxiliou na segurança. O presidente foi para o Aeroporto de Congonhas de onde seguiu para Brasília, na companhia da primeira-dama, Michele Bolsonaro.
    De acordo com o porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros, na Capital Federal o presidente deve ir direto para o Palácio da Alvorada e não há previsão de compromissos hoje à tarde.
    Estável
    Segundo o último boletim médico, de hoje (13), "ele recebeu alta com o quadro pulmonar normalizado, sem dor, afebril, com função intestinal restabelecida e dieta leve por via oral."
    Ele segue uma dieta leve e com suplemento nutricional. Bolsonaro estava internado desde o dia 27 de janeiro, para a retirada da bolsa de colostomia e a reconstrução do trânsito intestinal.
    Após os 17 dias de internação, o presidente passará por um período de descanso e, lentamente, vai retomar os compromissos, de acordo com a autoavaliação de seu bem-estar, informou o porta-voz. Bolsonaro será acompanhado pela equipe médica da Presidência, com enfermeiros e fisioterapeutas.
    O porta-voz Rêgo Barros ainda desmentiu boatos postados nas redes sociais sobre a incidência de câncer, infecção hospitalar e outras complicações que não sejam normais no tipo de cirurgia a que Bolsonaro foi submetido. (Com Agência Brasil)

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.